Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 20 de Julho de 2021 - 17:00

Com a chegada do inverno, aumentam os casos de bronquiolite em crianças pequenas

por Juliana Cabral de Oliveira

Com a chegada do inverno, aumentam os casos de bronquiolite em crianças pequenas
Foto: Divulgação

Com a chegada do inverno e suas temperaturas mais amenas, é comum que a gente busque ficar em lugares mais fechados e sem ventilação, ambientes ideais para a proliferação dos vírus transmissores de doenças respiratórias. E a bronquiolite, infecção contagiosa geralmente causada pelo vírus sincicial respiratório (VSR), é uma delas. Recentemente, o filho caçula do ator Malvino Salvador e da pentacampeã mundial de Jiu Jitsu Kyra Gracie precisou ser internado em um CTI (Centro de Terapia Intensiva) por conta da doença. A bronquiolite é uma das maiores causas de internação infantil durante o inverno. É uma infecção viral que acomete as vias aéreas inferiores e começa com um resfriado comum, mas evolui para tosse, cansaço e desconforto respiratório. É muito importante que os pais tenham atenção pois os sintomas podem piorar rapidamente, principalmente em bebês menores de três meses ou com alguma comorbidade, como prematuridade, doença do refluxo gastroesofágico, cardiopatia ou alguma outra doença de base.

 

Estima-se que até os três anos de idade, cerca de 90% das crianças terão contato com o vírus. A transmissão ocorre pelo ar ou por contato, através das mãos ou objetos contaminados por secreção que contenha o vírus. Os sintomas iniciais são bem parecidos com os do resfriado: tosse, obstrução nasal, coriza e chiado no peito. Os sinais se assemelham a uma crise de asma e duram aproximadamente de 3 a 15 dias. É uma doença que produz muita secreção nos bronquíolos, região que leva ar para os pulmões, gerando uma obstrução parcial e impedindo a saída adequada do ar dos pulmões comprometendo a respiração, o que agrava o caso.  


 
Não existe vacina contra o vírus sincicial respiratório (VSR). Como se espalha pelo ar com facilidade, o ideal é evitar situações que expõem o bebê a grandes aglomerações. Para prevenir a bronquiolite, é importante adotar alguns cuidados essenciais como lavar as mãos sempre antes de tocar no bebê, evitar o contato com pessoas resfriadas ou gripadas e evitar locais aglomerados. A amamentação previne a infecção pelo vírus, fortalece o sistema imunológico da criança e diminui em um terço o risco de hospitalização por infecção do trato respiratório inferior, como a pneumonia. Além disso, evitar o contato com fumantes é um importante fator protetor.

 

*Juliana Cabral de Oliveira é pediatra, pós-graduada em Nutrição Pediátrica pela Boston University (EUA), Mestre em Biotecnologia em Saúde e Medicina Investigativa pela Fiocruz Bahia, professora de pediatria da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública e preceptora do curso de medicina da UNIFACS. Realiza atendimento domiciliar e em consultório (Clínica Crescer e Clínica Antônio Carlos Vieira Lopes)

 

*Os artigos reproduzidos neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do Bahia Notícias

Histórico de Conteúdo