Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quarta, 27 de Outubro de 2021 - 17:20

Unidade da Universidade de Oxford deve ser instalada no Brasil até 2022, diz Queiroga

por Raquel Lopes | Folhapress

Unidade da Universidade de Oxford deve ser instalada no Brasil até 2022, diz Queiroga
Fonte: IRR/Fiocruz Minas

O Brasil deve ter uma unidade da Universidade de Oxford até o próximo ano. A intenção é promover a formação de novos pesquisadores e o desenvolvimento de vacinas e medicamentos.
 

O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na Universidade de Oxford, no Reino Unido, nesta quarta-feira (27). A medida foi celebrada com a assinatura de um termo de compromisso entre o ministro e a instituição inglesa.
 

A previsão é que a unidade brasileira tenha cursos de mestrado, PHD e atualização para profissionais. A intenção é priorizar a pesquisa em saúde global, além da formação de novos profissionais na área de doenças infecciosas, pesquisas clínicas e desenvolvimento de imunizantes.
 

A Universidade de Oxford é responsável pelo desenvolvimento e estudos clínicos da vacina AstraZeneca, produzida no Brasil pela Fiocruz. Foram mais de 113 milhões de doses da vacina distribuídas para todo país.
 

"A pandemia nos ensinou muito, mas, sobretudo, nos ensinou que é através da ciência de qualidade que vamos caminhar para ajudar a população a sair de uma situação como essa", disse Queiroga ao assinar a carta de intenções.
 

A iniciativa tem o apoio do Governo Britânico e o suporte acadêmico e científico da Universidade de Siena, na Itália, do Institute for Global Health, do Internacional Vaccines Institute e de outras entidades pelo mundo.
 

O INC (Instituto Nacional de Cardiologia), no Rio de Janeiro, é um potencial candidato para sediar as atividades de pesquisa no Brasil.
 

"Queria agradecer a oportunidade de assinar esse termo de compromisso renascendo para o futuro e para a formação de pesquisadores que aqui escolhidos poderão construir um sistema de saúde mais eficiente, mais sólido e com capacidade de atender ao Brasil. Vamos fazer esse futuro já no presente aqui, hoje, na Universidade de Oxford", finalizou Queiroga.

Na Câmara e Assembleias, projetos contra passaporte da vacina usam informações falsas
Foto: Myke Sena / MS

A exigência de comprovação de vacinação contra a Covid-19, conhecida como “passaporte da vacina” e já adotada em municípios por todo o país, vem sendo alvo de contestação em três projetos de lei em tramitação na Câmara dos Deputados e em pelo menos 20 iniciativas em Assembleias Legislativas de 13 estados. O dado consta em um levantamento feito pela Agência Lupa.

 

Os dados mostram que 11 dessas propostas usam informações falsas nas suas justificativas, na tentativa de evitar que pessoas não imunizadas contra a Covid-19 sejam impedidas de acessar locais públicos ou privados.

 

Reportagem publicada pela Folha de S. Paulo destaca que parlamentares cometeram erros ao colocar em dúvida a eficácia das vacinas contra o novo coronavírus, a segurança dos imunizantes e a proteção coletiva gerada pela aplicação em massa dessa proteção. Também fizeram alegações sem o devido contexto, distorcendo, por exemplo, o posicionamento da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre o tema e a forma como se deu a aprovação das vacinas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

 

O levantamento mostra que dos 23 projetos, 21 foram apresentados nos últimos dois meses. Um deles, de autoria do deputado estadual Capitão Contar (PSL), no Mato Grosso do Sul, já foi arquivado.

 

Na Bahia, a deputada estadual Talita Oliveira (PSL) apresentou projeto na Assembleia Legislativa (AL-BA) que “garante os direitos constitucionais de liberdade àqueles que não queiram participar das campanhas de vacinação contra a covid-19 ou qualquer de suas variantes”.

Quarta, 27 de Outubro de 2021 - 14:00

Número de internados com Covid-19 na Bahia cai 87% em relação ao pico da pandemia

por Jade Coelho

Número de internados com Covid-19 na Bahia cai 87% em relação ao pico da pandemia
Foto: Paula Fróes / GOVBA

O número de pessoas hospitalizadas por Covid-19 na Bahia, em leitos clínicos e de UTI, nesta terça-feira (26), é 87% menor do que recorde de internados registrado no estado durante o momento mais grave da pandemia.

 

O boletim mais recente da Secretaria da Saúde (Sesab) mostra que o estado tinha, ontem, 357 pessoas sob cuidados médicos hospitalares em leitos Covid-19, enquanto o número mais alto de internados pela infecção foi de 2.758 pacientes, em 3 de junho deste ano.

 

Em relação ao Tratamento Intensivo (UTI), a que os pacientes mais graves são submetidos, a redução em comparação com o pico é de 84%. O recorde de internados neste tipo de leito também foi em 3 de junho, com 1.394 pacientes. Atualmente a Bahia tem 216 pessoas em UTI Covid. 

Anvisa nega ter recebido pedido para testes clínicos de vacina em spray para Covid-19
Foto: Divulgação

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) negou que tenha recebido do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da USP o protocolo com os primeiros dados e documentos sobre a vacina contra Covid-19 em formato de spray.

 

Na semana passada a entidade ligada à Universidade de São Paulo (USP) anunciou que enviou à agência, na quinta-feira (21), o pedido de autorização para os testes clínicos da vacina em spray. Na ocasião, o Incor informou que a ideia é iniciar as fases 1 e 2 do estudo em 2022. O documento detalhava aspectos técnicos e metodológicos do imunizante em avaliação (leia mais aqui).

 

Na nota divulgada pela Anvisa nesta terça-feira (26), o órgão sanitário destaca que o produto está em fase de desenvolvimento e foi apresentado apenas em uma reunião com a Agência, realizada no último dia 19 de outubro (lembre aqui).

 

De acordo com a apresentação técnica feita pelos pesquisadores, o projeto está em fase pré-clínica e ainda não cumpriu com as etapas de pesquisa necessárias para o teste em pessoas, destacou a Anvisa.

 

A agência também informou que a orientação dfeita para os desenvolvedores da vacina em spray foi que os dados sejam apresentados em submissão contínua para pesquisa clínica. Isso significa que os desenvolvedores podem ir apresentando as informações na medida em que elas estão sendo produzidas. O objetivo é que a Agência possa avaliar as vacinas com mais agilidade no momento em que elas estiverem prontas para que sejam iniciados os testes em humanos.

Salvador e Unicef firmam parceria para qualificar atendimento à primeira infância
Foto: Mateus Pereira/GOVBA

Salvador firmou parceria com o Fundo Internacional das Nações Unidas para a Infância (Unicef), para qualificar o atendimento à primeira infância nas áreas da saúde e educação do município.  A iniciativa denominada “Unidade Amiga da Primeira Infância – UAPI, é uma estratégia de assistência técnica, capacitação, monitoramento, acompanhamento e certificação da melhoria da oferta de serviços.

 

Outro objetivo é ampliar o diálogo entre profissionais e famílias para melhor comunicação sobre o desenvolvimento das crianças de até seis anos de idade, atendidas em Unidades de Atenção Primária à Saúde (UAPS) e Unidades de Educação Infantil. Para cada um dos âmbitos da Iniciativa UAPI (saúde e educação infantil) dez diretrizes deverão ser cumpridas para que as unidades sejam contempladas com o recebimento da certificação UAPI.

 

Dentre estas: fortalecer as competências individuais em saúde e desenvolvimento infantil entre gestantes e suas famílias acompanhadas pela UAPS-SUS, com prioridade para adolescentes; monitorar a realização dos testes de triagem neonatal entre todos os recém-nascidos acompanhados pela UAPS; realizar pelo menos nove consultas de puericultura nos dois primeiros anos de vida, por pediatra e/ou equipe da Estratégia Saúde da Família, segundo calendário preconizado pelo Ministério da Saúde; Acompanhar o crescimento infantil em todas as consultas das crianças a partir do preenchimento das curvas de crescimento constantes na Caderneta da Criança.

 

Dezenove unidades de saúde inscritas na iniciativa UAPI, abrangendo os 12 distritos sanitários do município, sendo estas: USF Fazenda Coutos 2; UBS Prof. José Mariane; USF Canabrava; USF Da Federação; UBS Eunisio Coelho Teixeira;  USF Alto Do Cruzeiro; USF Jardim Campo Verde; USF Pericles Esteves Cardoso-Barbalho; USF Imbuí; USF Iapi; UBS Nelson Piauhy Dourado; USF Parque São Cristóvão; USF Do Boa Vista Do Lobato; USF Aristides Pereira Maltez; USF/Capelinha; USF Terreiro De Jesus; USF Joanes Centro Oeste; USF Do Candeal Pequeno; USF KM17.

 

A parceria ainda vai estimular o protagonismo das famílias na vigilância do desenvolvimento infantil em todas as consultas da criança e da mãe, verificando e anotando os marcos do desenvolvimento infantil na Caderneta da Criança, bem como promover o acolhimento, pré-diagnóstico e encaminhamento de casos suspeitos de deficiência, atraso no desenvolvimento e doenças raras para atenção especializada e multidisciplinar; Estimular o aleitamento materno exclusivo até 6 meses de idade da criança e mantido até os dois anos de vida ou mais, além de orientar a introdução da alimentação complementar saudável a partir dos seis meses de vida; Realizar a prevenção de deficiência de micronutrientes a partir da orientação das famílias quanto à necessidade e fontes de suplementação de ferro e vitamina A, de acordo com recomendações do Ministério da Saúde; Acompanhar em todas as consultas das mães e crianças a manutenção do calendário vacinal, promovendo a busca ativa de não vacinados.

Maioria da população brasileira, negros receberam 23% das vacinas contra Covid-19
Foto: Rodrigo Nunes/MS

Apesar de reunir a maior parcela da população brasileira, os pretos e os pardos receberam somente 23% das doses da vacina contra a Covid-19. Foram, ao todo, 63,8 milhões aplicadas, do universo de 270 milhões de unidades já administradas. Os dados foram expostos em reportagem do portal Metrópoles, parceiro do Bahia Notícias.

 

Os pretos receberam 11,4 milhões de doses, o que representa 4,3% do total da campanha. Outras 52,4 milhões foram aplicadas em pardos — 19,9% do total. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), juntas essas raças representam 54% da população nacional.

 

O ranking é composto, ainda, pela vacinação da população branca, que recebeu 95 milhões de doses (36%); amarela, com 37,1 milhões de doses aplicadas (14%); e indígena, que recebeu 671 mil doses (0,3%). A matéria ressalta a incongruência no volume destinado a quem se autodeclara como amarelo, muito superior ao percentual da população brasileira assim classificada no IBGE – 1,1% do total.

 

A desigualdade na aplicação das vacinas anti-Covid pode, no entanto, ser diferente – até maior. O problema é que, na prática, o governo federal não conhece a realidade das aplicações por raça/cor. O Ministério da Saúde não tem registro de raça sobre 25,6% das doses aplicadas – em problema que ocorre porque as unidades federativas falham ao alimentar o banco de dados nacional. Esse universo engloba 67,5 milhões de unidades da vacina.

 

Essa lacuna de informações compromete o monitoramento da campanha e dificulta eventuais ajustes para equilibrar a aplicação.

 

Os dados foram analisados pelo Metrópoles, com base em material publicado pelo LocalizaSUS, plataforma de registro de informações do Ministério da Saúde referente à pandemia, e consideram lançamentos disponibilizados até segunda-feira (25/10).

 

Os dados da plataforma são inseridos pelos municípios. Em seguida, são compilados por cada Unidade da Federação e registrados na Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS), plataforma nacional que centraliza informações do Sistema Único de Saúde (SUS).

Sala Rosa para atendimento de mulheres é instalada em Salvador
Fotos: Jefferson Peixoto/Secom

Como parte da programação do Outubro Rosa, a prefeitura, através da Secretaria de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ), inaugurou, nesta terça-feira (26), a Sala Rosa do Shopping Center Lapa. Até sexta-feira (29), o público feminino pode utilizar o espaço para receber vacina contra gripe, realizar marcação de exames, como preventivos e mamografia, além de participar de palestras, relatos e oficinas. A inauguração do serviço contou com a presença do prefeito Bruno Reis, da primeira-dama e madrinha do evento, Rebeca Cardoso, e da titular da SPMJ, Fernanda Lordelo, dentre outras autoridades.

 

A Casa Rosa é realizada em parceria com o Shopping Center Lapa, Secretaria Municipal de Saúde (SMS),  Labchecap, Instituto Patrícia Lordelo (IPL), Centro Universitário de Salvador (Uniceusa), Universidade Salvador (Unifacs) e Guarda Municipal (GCM). A implantação faz parte do conjunto de ações desenvolvidas pelo Programa Alerta Salvador que, no mês de outubro, contribuiu com a ampliação das informações para o rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de mama.

 

“Nesse espaço é oportunizado o diálogo, marcação de exames e a conscientização sobre a importância de realizar o rastreamento. Sabemos que a medicina preventiva ajuda a salvar vidas. Infelizmente, a incidência do câncer está cada vez maior, então o poder público precisa ter uma preocupação, atenção e dedicação ainda mais intensa, e é o que estamos fazendo para evitar mortes. Em parceria com a SPMJ, temos a missão de desenvolver políticas para mulheres, e dentre as ações desenvolvidas, existe a preocupação com a saúde, no combate ao câncer de mama e colo do útero”, declarou o prefeito Bruno Reis.

 

Cuidado integral– Para falar dos cuidados com a saúde, a primeira-dama, que é enfermeira e estudante de Medicina, ministrou uma roda de conversa sobre a importância da prevenção no combate ao câncer de mama. “O câncer de mama e colo de útero é um problema mundial que acomete muitas mulheres, muitas vezes por falta de entendimento sobre o problema. Então, a promoção de eventos como esse dá a oportunidade de trabalhar no corpo a corpo, levando a informação da maneira mais simples. Como profissional da área de saúde, sei que ouvir relatos, conversar, oferecer acesso, mostrar soluções, com certeza, é a forma mais eficaz de promover saúde”, afirmou Rebeca.

 

Os Centros de Referência de Atenção à Mulher também participam da ação, realizando escuta ativa, acolhendo e oferecendo informações a qualquer mulher que demonstre interesse sobre o ciclo de violência. A titular da SMPJ, Fernanda Lordêlo, ressaltou a atuação contínua da pasta na promoção do cuidado com a mulher soteropolitana.

 

“Nós temos o foco para ações direcionadas ao autocuidado. Estamos no mês de prevenção ao câncer de mama e colo de útero, e por sermos uma secretaria que trabalha com violência contra mulher, pensamos na proteção desse público de forma integral. Entendemos que a saúde física e mental é essencial para que a gente consiga ter mulheres com autoestima, inseridas no mercado de trabalho, de maneira saudável”, disse.

 

Ao realizar a marcação da mamografia, a dona de casa Jussara Santos, de 60 anos, falou sobre a necessidade de ações que facilitem o acesso à saúde. “ Aqui temos a oportunidade de fazer agendamentos de exames que, muitas vezes, não são tão acessíveis à população. É um local com organização, segurança e atendimento de qualidade. Estou achando ótimo”, opinou.

Senadores votam pela aprovação de relatório final da CPI da Covid-19; placar foi 7 a 4
Foto: Pedro França/Agência Senado

O relatório final da CPI da Covid-19 foi aprovado nesta terça-feira (26), por 7 a 4. Após 6 meses, a CPI se reuniu pela última vez para votar o relatório final de Renan Calheiros. O relator pediu o indiciamento de 79 pessoas e 2 empresas por crimes relacionados à pandemia, no documento que tem 1.180 páginas.

 

Votaram a favor: Eduardo Braga (MDB), Renan Calheiros (MDB), Otto Alencar (PSD), Tasso Jereissati (PSDB), Humberto Costa (PT), e Randolfe Rodrigues (Rede) e Omar Azziz (PSD). De forma contrária votaram os senadores Marcos Rogério (DEM), Luis Carlos Heinze (PP), Eduardo Girão (Podemos), Jorginho Mello (PL).

 

Antes da votação na CPI da Covid, o nome do senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) foi retirado da lista de pedidos de indiciamento do relatório final da Comissão. A comissão fez pedido de indiciamento do senador Luis Carlos Heinze (PP), membro da comissão, após o parlamentar realizar leitura do voto em separado (reveja aqui).

 

Entre os nomes estão o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), os filhos Carlos (Republicanos-RJ), Flávio (Patriota-RJ) e Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), além dos ministros Wagner Rosário (Controladoria Geral da União), Walter Braga Neto (Defesa) e Onyx Lorenzoni (Trabalho e Previdência) (reveja aqui). 

Casos ativos da Covid-19 voltam a cair após 4 dias na Bahia; estado registra 9 óbitos em 24h
Foto: Reprodução / Sesab

Os casos ativos da Covid-19 na Bahia voltaram a cair após 4 dias. Nesta terça-feira (26), ainda estão infectados com o novo coronavírus 2.455 pessoas, menor número desde a última quinta-feira (21), de acordo com o boletim epidemiológico da secretaria de saúde do estado. 

 

Além disso, 9 mortes em decorrência da doença foram registradas nas últimas 24h, totalizando 27.042 óbitos no estado, desde o início da pandemia. A Bahia também registrou 448 novos casos da doença nas últimas 24h. 


 

Salvador realiza mutirão da 3ª dose contra Covid-19 nesta quarta
Foto: Divulgação/PMS

A prefeitura promove, nesta quarta-feira (27), um mutirão para aplicação da 3ª dose da vacina contra Covid-19 em Salvador. Os pontos fixos e drives espalhados pela cidade atenderão os idosos acima de 60 anos, trabalhadores da saúde e pacientes imunossuprimidos. 

 

Todos devem estar habilitados com a data para recebimento da dose de reforço dentro do aprazamento estabelecido pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS). É necessário também ter o nome na lista disponível no site da SMS, no endereço www. saude. salvador. ba. gov. br .

 

Para as pessoas que tomaram a 1ª dose em outros municípios, o acesso à 2ª dose acontece por meio de agendamento prévio no site vacinahoramarcada. saude. salvador. ba. gov. br. Após o agendamento, o usuário deverá levar no dia e horário marcados, obrigatoriamente, original e cópia do Cartão SUS, comprovante de residência (local onde reside), cartão de vacina e documento de identificação com foto.

 

A primeira dose também será aplicada nos adolescentes das escolas públicas da capital baiana. O serviço itinerante de imunização por meio do ônibus da Vacinação em Movimento também seguirá nesta quarta-feira (27), no final de linha do Uruguai, das 8h às 16h, com a oferta da aplicação da 2ª dose da Pfizer e a 3ª dose para os idosos com 60 anos ou mais, trabalhadores da saúde, bem como pacientes em hemodiálise.

 

3ª DOSE: PESSOAS COM 60 ANOS OU MAIS – 8h às 16h

A aplicação da terceira dose será administrada em idosos com 60 anos ou mais que tomaram a segunda dose até o dia 1º de junho de 2021. Para este público também está disponível o serviço Vacina Express, assim como para os indivíduos acamados ou com dificuldade de locomoção. 

 

Não é necessário realizar um novo cadastro no sistema quem já teve acesso ao serviço, pois a equipe retornará automaticamente. O site é o http:// vacinaexpress. saude. salvador. ba. gov. br .

 

3ª DOSE: PACIENTES IMUNOSSUPRIMIDOS – 8h às 16h 

Podem se dirigir aos postos aqueles que receberam a 2ª dose até o dia 29 de setembro de 2021. 

 

3ª DOSE: TRABALHADORES DA SAÚDE – 8h às 16h 

Podem se dirigir aos postos aqueles que receberam a 2ª dose até o dia 1º de junho de 2021. 

Postos de atendimento dos três públicos nesta quarta-feira (27):

 

Drive-thrus: 5º Centro de Saúde (Barris), Atakadão Atakarejo (Fazenda Coutos), FBDC Cabula, Faculdade Universo (Avenida ACM), Vila Militar (Dendezeiros), Shopping Bela Vista, Unijorge (Paralela), Faculdade Uninassau (Avenida Magalhães Neto), FBDC Brotas, Parque de Exposições (Paralela) e Universidade Católica do Salvador – Campus Pituaçu.

 

Pontos fixos: USF Mata Escura, USF Imbuí, UBS Eduardo Mamede (Mussurunga), USF Yolanda Pires (Fazenda Grande I), 5º Centro de Saúde (Barris), USF Vila Matos (Rio Vermelho), Shopping da Bahia (a partir das 9h), USF Beira Mangue, USF São Cristóvão, Clube dos Oficiais da Polícia Militar (Dendezeiros), USF Cajazeiras V, USF Sergio Arouca (Paripe), USF Tubarão, USF Cajazeiras X, USF Colinas de Periperi, USF Plataforma, UBS Ramiro de Azevedo (Campo da Pólvora), USF Pirajá, USF San Martim III, USF Curralinho, UBS Nelson Piauhy Dourado (Águas Claras), USF Jardim das Margaridas, Universidade Católica do Salvador – Campus Pituaçu, USF Vista Alegre, CSU Pernambués e FBDC Brotas.

Reforma do Martagão Gesteira é concluída e entregue nesta terça
Foto: Mateus Pereira/ GOVBA

A terceira e última etapa das obras de ampliação e requalificação do Hospital Martagão Gesteira, em Salvador, foi inaugurada nesta terça-feira (26). As melhorias, que incluíram intervenções na fachada e em medidas de prevenção e combate a incêndio, representam um investimento de R$ 1,3 milhão. No total, cerca de R$ 5 milhões foram investidos nas três etapas, com recursos arrecadados pelas Voluntárias Sociais da Bahia (VSBA) e o Governo do Estado, em parceria com Ivete Sangalo, em dois grandes eventos com a cantora, um na Arena Fonte Nova e outro no Teatro Castro Alves (TCA).

 

As intervenções incluíram o aprimoramento das medidas de prevenção e combate a incêndio e controle de pânico, com o reforço do sistema de proteção com extintores de incêndio, hidrantes, iluminação de emergência, alarme de incêndios, detectores automáticos de fumaça e calor, escada de segurança e sinalização de emergência.

 

Na primeira etapa das obras no Martagão Gesteira foi construída uma nova UTI pediátrica com 10 leitos, responsável por ampliar em 40% a oferta de cirurgias cardíacas, neurológicas e oncológicas do hospital. A obra beneficiou cerca de 40 crianças por mês.

 

A segunda etapa garantiu a implantação de 44 novos leitos na enfermaria oncológica, referência na Bahia para o tratamento do câncer infantil, assegurando um aumento de mais de 100% na capacidade de atendimento. Dois deles são utilizados para o transplante de medula óssea, que antes não era realizado na faixa etária pediátrica na Bahia.

Terça, 26 de Outubro de 2021 - 15:00

Sem vacinas e com volta às aulas, cresce risco de Covid em crianças e adolescentes

por Ana Bottallo | Folhapress

Sem vacinas e com volta às aulas, cresce risco de Covid em crianças e adolescentes
Imagem ilustrativa | Foto: Jefferson Peixoto / Secom PMS

Com o avanço da vacinação contra Covid na população adulta brasileira, o grupo dos mais vulneráveis a contrair a doença passa a ser justamente a faixa etária mais jovem do país, a das crianças de zero a 11 anos.
 

Até o momento, a vacina da Pfizer contra Covid-19 é a única que pode ser usada no país para os de menor idade. Ela está aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para adolescentes de 12 a 17 anos. As demais opções de imunizantes são para a população acima de 18.
 

Para as crianças com 11 anos ou menos, não há ainda uma previsão de quando uma vacina será autorizada e pode estar disponível. Isso, aliado a um retorno às aulas presenciais em diversos estados brasileiros, pode colocar essa população em maior risco para a doença.
 

Paralelamente, estratégias amplas de testagem em ambientes escolares não foram implementadas no país desde o início da pandemia.
 

Essas são conclusões de um estudo feito pela Rede de Pesquisa Solidária, que reúne várias instituições públicas e privadas. A observação vem acompanhada de um alerta: hoje, no estado de São Paulo, cerca de 1 em cada 5 testes RT-PCR feitos na rede pública em crianças e adolescentes de até 17 anos é positivo para o Sars-CoV-2.
 

No público mais jovem elegível para vacinação, cerca de 70% dos adolescentes receberam até o dia 21 de outubro pelo menos uma dose da vacina, e 8% já completaram o esquema vacinal -adolescentes com comorbidades foram os primeiros desse grupo a serem imunizados.
 

Na última quarta (20), o Brasil ultrapassou a marca de 50% da população vacinada com duas doses, número que salta para 68,51% quando considerada apenas a população com mais de 18 anos, segundo dados atualizados até a última segunda (25).
 

Por outro lado, usando uma estimativa do IBGE, há cerca de 35 milhões de crianças no Brasil com idade de zero a 11 anos que ainda não contam com imunizante contra Covid.
 

Os dados do levantamento são do Open DataSus, do Ministério da Saúde, e analisados pelo Laboratório de Estatística e Ciência de Dados da Ufal (Universidade Federal de Alagoas) e pelo projeto ModCovid19.
 

Para Lorena Barberia, pesquisadora do departamento de ciência política da USP e coordenadora da nota, o país não vai conseguir atingir 80% da população vacinada sem incluir as crianças na campanha de vacinação. E, até lá, a reabertura das escolas com 100% de presença obrigatória e o afrouxamento de algumas medidas de proteção contra o coronavírus podem implicar em um aumento da incidência justamente nessa faixa etária.
 

Apesar disso, os esforços para o aumento da testagem nesse grupo não foram significativos para o planejamento do retorno às aulas presenciais, diz Barberia. Na semana que antecedeu o retorno às classes com capacidade de 35%, em abril, a porcentagem de testes realizados nas crianças não aumentou em comparação com 2020, mostra o estudo.
 

"Ampliar a testagem nas crianças agora seria fundamental porque não há, no curto prazo, uma expectativa de vaciná-las. E ao cruzar o retorno dessas crianças mais vulneráveis às escolas sem testagem, sem vacinas e com precariedade de protocolos, não vamos conseguir ter dados com uma rapidez suficiente para entender o que está acontecendo nesse grupo", afirma.
 

De janeiro a dezembro de 2020, 3,6% dos testes de RT-PCR na rede pública em São Paulo foram realizados em crianças de zero a 11 anos, parcela que representa 15,7% da população. Já as crianças de 12 a 17 anos representam cerca de 8% da população do estado e apenas 3,1% do total de testes para detecção do coronavírus no mesmo período.
 

Em 2021, esse número cresceu pouco em todo o estado, passando para 4,6%, no caso das crianças de até 12 anos, e de 4,7% para os adolescentes de 12 a 17 anos. No mesmo período, 90,03% do total de testes realizados para Covid eram em pessoas com mais de 18 anos.
 

De maneira semelhante, os novos casos de internação e óbitos por Srag (Síndrome Respiratória Aguda Grave), incluindo Covid, cresceram neste grupo em 2021, segundo plataforma SP Covid-19 InfoTracker. A taxa de letalidade hospitalar está em 5,8%, para crianças de zero a 9 anos, e de 7,4%, nos adolescentes de 10 a 19 anos.
 

Frente ao medo de infecção dos filhos, alguns pais recorrem à testagem privada. Por conta disso, laboratórios particulares viram um aumento tanto do número absoluto de testes em crianças e adolescentes quanto na positividade -apesar de, em comparação com o total de testes, ainda serem os que menos testam.
 

Dados do Grupo Pardini, rede de laboratórios presente em mais de 5 mil cidades no país e atuante, principalmente, nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Goiás, encontraram uma maior positividade dos testes em adolescentes de 14 a 17 anos nas três últimas semanas epidemiológicas (que vão de 3 a 23 de outubro) em comparação com os adultos.
 

"Esse aumento, embora seja relativo porque não é a faixa etária que mais testa em número absoluto, é representativo porque é a população que voltou às escolas, que está circulando mais, [os adolescentes] não vão aderir tanto assim às medidas de proteção e ainda estão no processo de imunização", explica Melissa Valentini, infectologista do Grupo Pardini e também da rede SUS de Belo Horizonte.
 

Tanto para Valentini quanto para Barberia, isso pode representar um perigo adicional também para a população com mais de 60 anos que já está apta para a dose de reforço das vacinas, mas ainda não a recebeu em grande quantidade.
 

"A positividade nos maiores de 60 anos também aumentou, principalmente se considerarmos aqueles que estão há mais de seis meses da segunda dose", afirma Valentini.
 

Barberia preocupa-se ainda com os perigos de quadros de Covid longa nesse grupo.
 

"Fico chocada ao pensar que há um risco enorme das crianças serem expostas e não há estratégias para monitorar os casos, porque não há testagem. Não há nenhuma nota técnica específica nem do Ministério da Saúde nem da secretaria estadual tratando de crianças com 11 anos ou menos, que ainda não foram vacinadas, e elas não estão protegidas", diz.

Camaçari: Prefeitura vai demitir quem se recusar à vacina contra Covid sem justificativa
Foto: Divulgação / Prefeitura de Camaçari

Funcionários comissionados da prefeitura de Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), podem ser exonerados caso não comprovem por que ainda não foram vacinados contra a Covid-19. A pessoa terá dez dias para apresentar o motivo através de parecer médico.

 

Segundo a prefeitura, a recusa em se vacinar, sem justa causa, vai acarretar falta disciplinar para os funcionários efetivos, com abertura de processo administrativo. A depender do caso, o funcionário também poderá ser demitido. A gestão declarou também que as secretarias do município serão notificadas para o cumprimento da medida por parte dos funcionários.

 

Ainda segundo a prefeitura, as determinações serão acompanhadas pela Secretaria da Administração (Secad). A cobrança da imunização contra a Covid na prefeitura de Camaçari segue o Decreto nº 7599/2021 de 21 de agosto, que torna obrigatória a vacinação.

 

Até esta segunda-feira (25), Camaçari acumulava 635 óbitos devido ao novo coronavírus. 

Terça, 26 de Outubro de 2021 - 13:40

Cúpula da CPI da Covid pretende entregar relatório em mãos a Aras e Lira

por Camila Mattoso | Folhapress

Cúpula da CPI da Covid pretende entregar relatório em mãos a Aras e Lira
Foto: Agência Senado

A cúpula da CPI da Covid pretende entregar pessoalmente o relatório da comissão ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e ao procurador-geral da República, Augusto Aras. O parecer do senador Renan Calheiros (MDB-AL) será votado nesta terça-feira (26). A ideia é, no dia seguinte, Calheiros, o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), e o vice-presidente, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), entregarem o documento em mãos a Aras. Cabe à PGR analisar e propor denúncias de pedidos de indiciamento que sejam feitos no relatório.
 

Já na próxima semana, a expectativa é que o trio entregue o texto a Lira. Mas antes, querem garantir que seja protocolado um novo pedido de impeachment de Jair Bolsonaro baseado no documento da CPI.
 

O relatório propõe alterar a forma como quem ocupar o cargo de presidente da Câmara pode deliberar pedidos de impeachment de presidentes da República para que as solicitações sejam analisadas em até 60 dias. Lira tem uma série de pedidos contra Bolsonaro na gaveta.
 

O trio também pretende ir a São Paulo entregar o relatório ao Ministério Público paulista.

Terça, 26 de Outubro de 2021 - 13:00

Associar vacina com Aids 'dificulta vida dos prefeitos', diz Bruno sobre Bolsonaro

por Anderson Ramos / Jade Coelho

Associar vacina com Aids 'dificulta vida dos prefeitos', diz Bruno sobre Bolsonaro
Foto: Anderson Ramos / Bahia Notícias

O prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), classificou como “desastrosa” a associação entre a vacina contra a Covid-19 e a Aids feita pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, na última quinta-feira (21) (lembre aqui). A fala descolada da realidade gerou revolta nas comunidades médicas e científicas nos últimos dias e, para Bruno, a declaração além de não contribuir, “só faz dificultar a vida dos prefeitos”.

 

“Estamos aqui na ponta com a missão de vacinar”, destacou o democrata. “Os prefeitos têm as maiores responsabilidades e atribuições e menos recursos para enfrentar a pandemia”, acrescentou Bruno Reis.

 

A leitura do gestor soteropolitano é de que falas como as do presidente Jair Bolsonaro afastam as pessoas dos postos de imunização e atrapalham o avanço da vacinação, que é o que vai permitir o fim da pandemia e retorno à normalidade.

 

Salvador tem atualmente mais de 190 mil pessoas que precisam tomar a segunda e completar a imunização contra a doença pandêmica. Nesta terça-feira (26), a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) promove o segundo dia do “Arrastão da 2ª dose” e, de acordo com o prefeito, poderia “chegar a noite com toda a população adulta de Salvador, acima de 18 anos, vacinada com a segunda dose”.

Feira: Acordo trabalhista beneficiará Hospital Clériston Andrade com R$ 7,6 milhões
Foto: Divulgação

Um acordo judicial firmado beneficiará o Hospital Geral Clériston Andrade, em Feira de Santana, com um investimento de R$7,6 milhões. O recurso será investido no setor de nutrição e dieta do hospital.

 

A verba será paga pelo Governo do Estado em cumprimento a acordo judicial firmado com o Ministério Público do Trabalho na Bahia (MPT-BA) na Bahia,  Ministério Público (MP-BA) e o Ministério Público Federal (MPF). O acordo também prevê a correção de falhas na garantia de ambiente seguro para as pessoas que trabalham na unidade de saúde do estado.

 

O acordo garantiu a substituição da obrigação do Estado da Bahia de pagar indenização pelo dano moral coletivo, previsto inicialmente na ação contra o Hospital Geral Clériston Andrade, pela obrigação de construir um prédio anexo ao hospital para funcionamento do setor de nutrição e dieta do hospital. A finalização da obra tem prazo de 20 meses. A Justiça do Trabalho já fez a homologação do acordo.

 

Em caso de descumprimento desse prazo, o Estado da Bahia deve apresentar provas que autorizem a ampliação do prazo inicialmente previsto. O descumprimento injustificado da obrigação poderá acarretar multa de 20% sobre o valor estabelecido. Além disso, o governo da Bahia permanece obrigado a cumprir as obrigações estabelecidas na decisão judicial, que se referem à manutenção do ambiente de trabalho seguro e sadio aos trabalhadores da unidade de saúde.

A procuradora do MPT Annelise Leal Pereira ressalta que “o acordo constitui uma importante medida de reversão dos bens jurídicos lesados, pois proporcionará aos trabalhadores melhores condições de conforto e higiene para realização de suas refeições, além de propiciar instalações físicas adequadas para o funcionamento do serviço de nutrição e dieta do HGCA, beneficiando, assim, toda a população atendida na referida unidade de saúde”.

 

Cabe aos MPs acompanhar a reversão dos valores e a realização da obra. Tanto o cumprimento das obrigações de garantir ambiente seguro quanto às informações sobre o andamento da obra serão informados aos três órgãos ministeriais pelo governo da Bahia.

Calheiros inclui senador Heinze na lista de indiciados da CPI por disseminar 'fake news'
Senador Heinze | Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

O relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, senador Renan Calheiros (MDB-AL), anunciou o pedido de indiciamento do senador Luis Carlos Heinze (PP), membro da comissão, após o parlamentar realizar leitura do voto em separado. A CPI vota nesta terça (26) o relatório final após seis meses de atividades (leia mais aqui).

 

A inclusão atende pedido do senador Alessandro Vieria (Cidadania-SE). Senadores governistas contestaram a decisão de Calheiros. Eduardo Girão e Marcos Rogério saíram em defesa do senador Heinze.

 

Segundo Vieira, devem ser imputados ao senador os mesmos tipos penais atribuídos a outros parlamentares, que "da mesma forma, reiteradamente, dissemina notícias falsas que impactam na vida".

 

"O que o senador Heinze fala repercute na vida das pessoas. Todos já apresentaram volume imenso de informação que esses dados trazidos por ele são falsos. Essa CPI teve a coragem de pedir o indiciamento do presidente da República, do líder do governo, então, não pode fechar os olhos para um colega", disse o senador.

 

Calheiros acatou o pedido de Vieira, ao dizer que daria um "presente" a Heinze. “Vossa excelência acaba de se tornar o 81º indiciado”, afirmou.

 

Senadores votam relatório de Renan Calheiros na CPI da Covid nesta terça
Foto: Agência Senado

Após seis meses de atividades, a CPI da Covid-19 chega ao fim nesta terça-feira (26) com a votação do relatório final apresentado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL). A votação foi iniciada por volta das 10h30, de forma nominal.

 

Na semana passada, o relatório lido por Calheiros na Comissão apresentava o indiciamento de 66 pessoas - entre elas, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) - e duas empresas. Às vésperas da votação, o documento incluiu mais 10 nomes e passou a ter 78 indiciados.

 

Segundo o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), os nomes incluídos no relatório são: Heitor Freire de Abreu, ex-coordenador do Centro de Coordenação de Operações do Ministério da Saúde; Marcelo Bento Pires, assessor do Ministério da Saúde; Alex Lial Marinho, ex-coordenador de Logística do Ministério da Saúde; Thiago Fernandes da Costa, assessor técnico do Ministério da Saúde; Hélcio Bruno de Almeida, presidente do Instituto Força Brasil; Regina Célia Oliveira, fiscal de contratos da Saúde; Amilton Gomes de Paula, reverendo presidente da Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários (Senah); José Alves Filho, sócio da Vitamedic Indústria Farmacêutica Ltda.; Hélio Angotti Netto, secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, do Ministério da Saúde e Antônio Jordão, presidente da Associação Médicos pela Vida.

 

A sessão começou com a leitura dos votos em separado dos senadores governistas Marcos Rogério (DEM-RO), Eduardo Girão (Podemos-CE) e Luis Carlos Heinze (PP-RS).

 

Segundo Girão, a CPI não cumpriu seu papel e agiu com "covardia". Na avaliação do senador, houve um engavetamento de requerimentos na condução da Comissão ao citar que apresentou mais de 100 documentos. O presidente, Omar Aziz, rebateu: "Senador Girão, já fui paciente todos esses seis meses e não é hoje que o senhor não vai ter direito de se expressar aqui".

 

A cúpula da CPI deve entregar, nesta quarta-feira (27), o documento à Procuradoria-Geral da República (PGR) e também ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para análise de eventuais crimes de responsabilidade que tenham sido cometidos por Bolsonaro.

Terça, 26 de Outubro de 2021 - 11:10

Hospital Roberto Santos registra queda de 70% das cirurgias durante pandemia

por Jade Coelho

Hospital Roberto Santos registra queda de 70% das cirurgias durante pandemia
André Estrela é diretor médico do HGRS | Foto: Arquivo pessoal

Apesar de não ter sido convertido em uma unidade exclusiva de Covid-19, o Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), em Salvador, sentiu os impactos da crise sanitária em outros aspectos. Em relação à realização de cirurgias, a unidade registrou redução de 70% até o mês passado, quando a retomada dos procedimentos cirúrgicos eletivos foram autorizadas pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab).  O HGRS é o maior hospital público do estado da Bahia, com 640 leitos. Se trata de uma unidade de grande porte, de alta complexidade, terciário e de caráter assistencial. 

 

De acordo com o diretor médico do HGRS, André Estrela, a redução se deu porque apenas os procedimentos oncológicos foram mantidos durante o período em que o decreto da Sesab suspendeu as cirurgias eletivas. Os procedimentos cirúrgicos da oncologia represem cerca de 30% de todos os realizados no Roberto Santos, sinalizou o gestor.

 

O período de suspensão de cirurgias resultou em uma alta demanda reprimida. André Estrela, aponta que a especialidade mais afetada foi a urologia. Diante disso, o Hospital Geral Roberto Santos planeja fazer um mutirão no próximo mês, aproveitando a campanha "Novembro Azul", que chama atenção para conscientização a respeito da prevenção e diagnóstico precoce do câncer de próstata.

 

“Devem incluir essa quantidade de pacientes que ficaram reprimidos também durante a pandemia, e a ideia é agora com esse mutirão a gente poder abraçar esses pacientes para fazer cirurgias”, disse o diretor médico.

Durante a entrevista, o diretor médico do HGRS deu mais detalhes sobre a retomada das cirurgias. Leia a conversa completa na coluna Saúde. 

Em último dia, CPI da Pandemia aprova pedido de banimento de Bolsonaro das redes sociais
Foto: Carolina Antunes/PR

Os senadores da CPI da Covid-19 aprovaram, nesta terça-feira (26), extrapauta, dois requerimentos referentes às declarações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) associando a vacina contra a Covid-19 à Síndrome da Imunodeficiência Humana (Aids). Apenas o senador governista Jorginho Mello (PL-SC) votou contra os requerimentos.

 

Um dos documentos prevê envio de medida cautelar ao Supremo Tribunal Federal (STF) em que pede o banimento do presidente das redes sociais. O pedido será encaminhado ao ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito das fake news.

 

O outro documento prevê solicitação ao STF que exija retratação de Bolsonaro sob pena de multa de R$ 50 mil por dia em caso de descumprimento.

 

"Eu acho que o Congresso deveria se posicionar quanto a isso. É muito grave. A Presidência é uma instituição, não é um cargo de boteco que você fala o que quer como se tivesse tomando cerveja e comendo churrasquinho", disse o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM). "Os fatos são maiores do que qualquer argumento que possa se escrever", acrescentou.

 

Nesta terça-feira (26), a CPI vota o relatório final do senador Renan Calheiros (MDB-AL) de forma nominal.

Feira: Familiares de grávida que morreu após parto acusam Hospital da Mulher
Foto: Paulo José / Acorda Cidade

Familiares de Ana Célia de Jesus Santana, de 44 anos, que veio a óbito no Hospital da Mulher em Feira de Santana protestaram nesta segunda-feira (25). O grupo acusa a unidade de saúde por negligência. Ana Célia estava grávida, teve o bebê por parto cesariano, mas não resistiu às complicações da cirurgia. O fato ocorreu no final da manhã desta segunda.

 

Ao Acorda Cidade, Cristiane de Jesus Santana, irmã de Ana Célia, disse que a vítima tinha ido para a unidade de saúde na última sexta-feira (22) já sentindo muitas dores. Cristiane declarou que a irmã não teve a assistência adequada.

 

Em nota, a secretaria municipal de saúde lamentou o ocorrido e disse que toda a equipe médica foi acionada para prestar o atendimento.

 

Conforme a diretora médica do hospital, Andreia Alencar, a paciente tinha histórico de comorbidade [doença crônica] “e estava de alta hospitalar há oito dias e acompanhava o recém-nascido internado no Hospital da Mulher para tratamento clínico, quando inesperadamente apresentou um quadro de sangramento agudo e intenso”, diz trecho da nota, e que depois teria ocasionado o óbito.

STF envia notícia-crime à PGR sobre live em que Bolsonaro associa vacina a Aids
Foto: Marcos Corrêa / PR

Uma notícia-crime apresentada por parlamentares do PSOL e do PDT após a live em que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) associou a vacina contra a Covid-19 à Aids foi encaminhada para a Procuradoria-Geral da República (PGR, neste segunda-feira (25) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso. As informações são da Folha de S. Paulo.

 

Segundo o STF, Barroso seguiu o regimento e, como de praxe, enviou a notícia-crime para a PGR, que vai analisar se o presidente deve responder por crimes supostamente praticados durante a live.

 

Bolsonaro faz lives semanais todas às quintas-feiras. Em um momento da última, ele afirmou que comentaria notícias. “Mas não é apenas notícias de jornal, nós checamos a veracidade aqui”, afirmou em um momento. Na sequência, o presidente leu um texto que sugeria a relação entre a vacina contra Covid-19 e o desenvolvimento da Aids. O vídeo em que o presidente do Brasil faz associações descoladas da realidade foram removidos pelo Facebook e o Instagram no domingo (24). Na noite desta segunda-feira (25), o YouTube também tirou do ar a live e suspendeu por uma semana o canal de Bolsonaro.

 

A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) divulgou uma nota onde desmente a fala do presidente. “Não se conhece nenhuma relação entre qualquer vacina contra a Covid-19 e o desenvolvimento de Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (HIV/Aids)”, afirma a entidade (leia mais aqui).

 

A relação estabelecida por Bolsonaro gerou revolta nas comunidades médicas e científicas nos últimos dias. Em entrevista ao Folha, Carlos Lula, presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), classificou a live como absurda, trágica, falsa, mentirosa e grotesca.

 

Como resposta, Bolsonaro distorceu uma reportagem da revista Exame e culpou a imprensa pela divulgação da fake news.

 

Em entrevista a uma rádio de Mato Grosso do Sul, ele argumentou que teria retirado a informação da revista Exame. No entanto, não citou o nome da publicação durante a live de quinta (21).

Terça, 26 de Outubro de 2021 - 09:45

Monte Santo: Tradicional romaria retorna em meio à baixa taxa de vacinados

por Francis Juliano

Monte Santo: Tradicional romaria retorna em meio à baixa taxa de vacinados
Foto: Reprodução / Brasilturis Jornal

A prefeitura de Monte Santo, na região sisaleira, anunciou a volta da tradicional romaria. Em nota nas redes sociais, a prefeitura informou que a subida ao Santuário da Santa Cruz ocorre entre o próximo domingo (31) e a segunda-feira (1°). No ano passado, a romaria foi suspensa devido à pandemia da Covid-19.  

 

4ª PIOR

O evento religioso ocorre em um momento de vacinação baixa no município. Segundo dados da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), até esta segunda-feira (25), Monte Santo tinha apenas 22,21% da população vacinável [acima de 12 anos] com as duas doses ou dose única, e 26,42% de população adulta [a partir de 18 anos] também vacinada.

 

Nesses dois quesitos, o município é o quarto pior em porcentagem de imunizados. Em relação à primeira dose, 49,77% da população acima de 12 anos já tomaram algum imunizante, e 59,20% da faixa adulta dos moradores também já passaram pela primeira aplicação contra a Covid-19.

 

Até o domingo (24), Monte Santo acumulava 1.906 casos confirmados de novo coronavírus ao longo da pandemia, com 49 mortes provocadas. A romaria de Monte Santo foi realizada pela primeira vez em 1.775.

 

OUTRO LADO

Após a divulgação da matéria, a prefeitura de Monte Santo informou "a alimentação do site oficial do Estado é realizada de forma gradativa, no momento não condiz com a realidade local, pois, atualizamos os dados quando estão todos consolidados e estamos priorizando o avanço da vacinação". Segundo a gestão municipal, 36 mil pessoas já receberam a primeira dose ou dose única, o que equivale a 84,5% da população acima de 12 anos e outras 26.811 já são consideradas com o esquema vacinal completo, totalizando 74,5% da população.

 

"Neste momento da campanha, o Município avança com a vacinação de adolescentes de 13 anos ou mais com a 1° dose, idosos à partir de 70 anos com a dose reforço, bem como trabalhadores da saúde", informou a administração monte-santense. (Atualizado às 15h03)

Brumado: Câmara recua e não vota proposta para volta das máscaras de proteção
Foto: Lay Amorim / Achei Sudoeste

A Câmara de Vereadores de Brumado, no Sertão Produtivo, Sudoeste baiano, recuou em votar o projeto que pretendia derrubar o decreto que liberou o uso de máscaras de proteção à Covid-19 na cidade (clique aqui). Segundo o Achei Sudoeste, a proposta de veto à medida foi apresentada nesta segunda-feira (25) pelo vereador Amarildo Bonfim Oliveira (PSB).

 

Após discussão entre vereadores da situação e da oposição, a presidente da Casa, Verimar Meira (PT), decidiu enviar o projeto de Oliveira à Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. Ao ver o recuo da votação, Amarildo Bonfim Oliveira criticou a posição dos colegas.

 

O edil considera que o uso de máscaras de proteção é fundamental como medida de prevenção ao novo coronavírus. Ainda não há uma data prevista para votar o projeto que pede a derrubada do decreto do prefeito Eduardo Vasconcelos (sem partido).

 

A liberação do uso de máscaras foi criticada por autoridades ouvidas pelo Bahia Notícias. Segundo os entrevistados, a dispensa das máscaras neste momento é precipitada (ver mais aqui).

Terça, 26 de Outubro de 2021 - 00:00

Metropolitano: Gestão está sendo planejada, mas novo edital PPP não tem prazo definido

por Mari Leal / Jade Coelho

Metropolitano: Gestão está sendo planejada, mas novo edital PPP não tem prazo definido
Foto: Manu Dias/GOVBA

Não há ainda previsão de lançamento de um novo edital com o objetivo de viabilizar uma organização social para gerir o Hospital Metropolitano, localizado em Lauro de Freitas. De acordo com a secretária interina da Saúde estadual, Tereza Paim, apesar de o modelo de gestão Parceria Público-Privada (PPP) permanecer no radar do governo, por enquanto, a unidade hospitalar “está no planejamento Covid-19” e só após a desmobilização a “virada de chave” no que tange à gestão será discutida. 

 

Em abril deste ano, a tentativa do governo da Bahia de definir uma organização social para gerir a unidade (reveja) teve resultado “deserto”, quando nenhuma empresa apresenta interesse no serviço (reveja). 

 

Atualmente, com a pandemia dando sinais de arrefecimento, leitos exclusivos Covid-19 estão sendo desmobilizados ou retornando às especialidades originais por todo o estado. Neste contexto, a Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab) decidiu pelo estabelecimento do Hospital Metropolitano como um dos centros de referência no atendimento à doença pandêmica. O equipamento vai receber pacientes transferidos de todas as localidades do estado. A manutenção da unidade como exclusiva para Covid-19 não tem prazo para terminar (reveja). 

 

“O hospital está vocacionado para a atendimento ao Covid-19. A gente precisa e vai manter hospitais referenciados, não só regional, mas de todas as macrorregiões. O Hospital Espanhol e o Metropolitano são grandes hospitais que a gente deve ainda manter por um tempo. Mas, paralelo a isso, a gestão dele, sim, está sendo formada para ser virada a chave no momento que for necessário. Tudo isso está sendo planejado para que seja pensando a desmobilização dele”, explica Tereza Paim.  

 

HOSPITAL DO SERVIDOR 

Também segue em “stand by”’ na Sesab o projeto de transformar o Hospital Espanhol, exclusivo atualmente para o atendimento aos pacientes com Covid-19, em uma unidade exclusiva de acolhimento em saúde do servidor estadual por meio do Planserv. Em outubro de 2020, a iniciativa foi citada pelo governador Rui Costa (PT) (reveja). 

 

Segundo Tereza Paim, as discussões também serão retomadas após findar os atendimentos à Covid-19 naquela unidade. O Hospital Espanhol também integra a estratégia estadual de estabelecer centros de referência de atendimento à Covid-19, assim como o Hospital Metropolitano. 

 

A proposta inicial apresentada por Rui previa para o Espanhol uma abrangência para toda a região metropolitana de Salvador (RMS), não restringindo o acesso apenas aos beneficiários dessas localidades, mas a todos aqueles que necessitem dessa prestação de serviço hospitalar, no limite de sua capacidade operacional, em todo o estado, desde que qualificados como beneficiários do Planserv.

Terça, 26 de Outubro de 2021 - 00:00

CEO do Mater Dei confirma expectativa de que Bahia se torne hub da rede de hospitais

por Jade Coelho

CEO do Mater Dei confirma expectativa de que Bahia se torne hub da rede de hospitais
Foto: Jade Coelho/Bahia Notícias

Os planos de expansão da rede Mater Dei não param na saída de Minas Gerais para a aquisição de um hospital em Belém, e na construção de uma unidade em Salvador. A Bahia será, no futuro, um hub com alguns hospitais próximos, antecipou ao Bahia Notícias o CEO da rede, Henrique Salvador. 

 

“Nossa ideia é, tendo um hospital em Belém e outro em Salvador, ir aproximando as regiões. Faz todo sentido a gente ter dois polos. A nossa ideia é de fazer hubs. Por exemplo um hub na Bahia com alguns hospitais próximos”, disse Henrique nesta sexta-feira (22). 

 

A leitura do grupo é de centralizar vários sistemas visando o crescimento. “Qual que é a vantagem disso? Você faz quase que plataformas uniformes de gestão. Você tem uma gestão centralizada, uma relação com médicos centralizada, relação com paciente, relação de marca centralizada. E aí você começa a fazer esses hubs de crescimento”, descreveu. 

 

Ele ainda classifica a capital baiana como uma das cinco principais cidades do Brasil e destaca o fato de estar “estrategicamente posicionada”. “Está colocada na entrada na região Nordeste do Brasil, região que eu acredito que vá crescer muito nos próximos anos, inclusive quando a economia melhorar, e a gente entende que vai haver uma melhoria da economia. Faz todo sentido Salvador crescer e participar”, argumentou.

Cerca de 88% dos imunizados no Brasil querem tomar 3ª dose contra Covid
Foto: Erasmo Salomão/MS

O índice de brasileiros que já tomaram uma ou duas doses da vacina contra a Covid-19 e que pretendem tomar uma terceira dose é de 88%. Os dados são da pesquisa Saúde Brasil, realizada entre 29 de setembro e 8 de outubro com 1.006 pessoas, pelo Centro de Pesquisa em Comunicação Política e Saúde Pública da Universidade de Brasília (CPS-UnB) e pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IBPAD).

 

O estudo também mostrou que, entre aqueles que pretendem tomar a terceira dose, a maioria (36%) respondeu que tomaria qualquer uma das vacinas. As informações foram publicadas em reportagem do portal Metrópoles, parceiro do Bahia Notícias.

 

“Os resultados mostram que, apesar da demora do país em iniciar a vacinação e dos erros na comunicação do governo federal, a sociedade brasileira aderiu majoritariamente à imunização contra a Covid-19. Isso é fruto, em boa medida, do histórico de vacinação dos brasileiros e das brasileiras contra diversas doenças e da confiança numa solução sanitária que tem sólida base científica há décadas”, diz Wladimir Gramacho, coordenador da pesquisa.

 

O estudo também aponta que as principais razões dos brasileiros para se imunizares são confiança na segurança e na eficácia da vacina (79%) e “para poder viajar e sair com segurança” (57%). Já entre aquele que não se vacinaram, os motivos predominantes são a crença de que o imunizante é ineficaz (28%) e de que terão reações (20%).

Segunda, 25 de Outubro de 2021 - 17:00

China vacinará crianças de 3 a 11 anos, em meio a novos casos de Covid-19

por Folhapress

China vacinará crianças de 3 a 11 anos, em meio a novos casos de Covid-19
Foto: Reprodução / Instituto Butantan

A China vai começar a vacinar contra a covid-19 crianças a partir dos 3 anos. Os governos locais de nível municipal e provincial emitiram nos últimos dias, em pelo menos cinco províncias, avisos anunciando que as crianças de 3 a 11 anos serão obrigadas a ser vacinadas.
 

De acordo com a Associated Press, a estratégia faz parte de um esforço do governo para evitar novos surtos da doença no país, que já tem 76% da população totalmente vacinada.
 

Partes da China têm adotado novas medidas de restrição à disseminação do coronavírus para impedir pequenos surtos. Gansu, província do noroeste fortemente dependente do turismo, fechou todos os locais turísticos após encontrar novos casos de covid-19. Residentes em partes da Mongólia Interior foram obrigados a ficar em casa por causa de um surto.
 

A Comissão Nacional de Saúde relatou que 35 novos casos de transmissão local foram detectados nas últimas 24 horas, quatro deles em Gansu. Outros 19 casos foram encontrados na região da Mongólia Interior, com outros espalhados pelo país.
 

Ainda segunda a Associated Press, nos bastidores, o governo chinês demonstra preocupação com a disseminação da variante delta, que é mais contagiosa, pelos viajantes e com o grande público vacinado antes das Olimpíadas de Pequim, em fevereiro. Os espectadores estrangeiros já foram banidos dos Jogos e os participantes terão que ficar em uma bolha que os separa das pessoas de fora.

Benefícios da jabuticaba vão de regulação do peso e pressão a prevenção da anemia
Foto: Reprodução/Pixabay

Muito além do gostinho de infância, a jabuticaba ainda tem uma lista de benefícios à saúde. O fruto da jabuticabeira, árvore originária do Brasil é pequena, de casca roxa e polpa branca, e contém ferro, vitaminas C, B, B2, B3 e carboidratos. Mas não para por aí.

 

FUNCIONAMENTO DO INTESTINO

Rica em fibras, a jabuticaba ajuda na regulação do intestino. De acordo com o portal Viva Bem, do Uol, a cada 100 gramas (o que corresponde e aproximadamente 20 unidades), a fruta tem cerca 2,3 gramas em fibras. A recomendação diária desse nutriente é entre 25 e 30 gramas. As fibras estão principalmente na casca. Mas vale lembrar que a ingestão de fibras deve ser aliada da ingestão de água, ou pode levar ao efeito contrário, provocando inchaço, gases e constipação. Com esse nutriente, mas sem água, o bolo fecal fica mais volumoso, mas muito ressecado, e tem dificuldade para sair do corpo.

 

COLESTEROL "RUIM"

A fruta também reduz a absorção desse tipo de gordura pelo organismo e facilitam a sua eliminação. Além disso, a jabuticaba conta com compostos fenólicos, como a antocianina, a quercetina, o ácido elágico e o ácido gálico, substâncias que já demonstraram ter a capacidade de combater o acúmulo do LDL, o colesterol "ruim".

 

REGULAÇÃO DO PESO

Outro benefício da fruta está nas poucas calorias (58 em 100 gramas) e muitas fibras, isso faz com que ela promova saciedade. O Viva Bem ainda destaca que a antocianina presente no alimento é capaz de influenciar no processo de formação de gordura e na modulação de hormônios e enzimas que ajudam a pessoa a se sentir satisfeita por mais tempo.

 

ENVELHECIMENTO

Graças à presença dos compostos fenólicos, a jabuticaba tem uma forte ação antioxidante, o que combate a ação dos radicais livres que prejudicam a pele e levam à flacidez e as rugas.

 

RISCO DE CÂNCER

Outro ponto positivo é ainda em relação a ação antioxidante dos compostos fenólicos. O uol aponta que o fato também ajuda a proteger o organismo do desenvolvimento de tumores, já que os radicais livres que eles combatem podem danificar o DNA celular, levando ao surgimento da doença.

 

AFASTA O ALZHEIMER

Mais um ponto para os antioxidantes, que têm a capacidade de prevenir o surgimento de doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer.

 

REGULA A PRESSÃO

Rica em potássio, que relaxa as paredes dos vasos sanguíneos, a jabuticaba também melhora a circulação. Evidências científicas já mostraram que ingerir fontes desse mineral é tão importante quanto maneirar no sal, quando se trata da prevenção da hipertensão.

 

PROTEGE O CORAÇÃO

Além de combater a hipertensão, a ingestão da jabuticaba evita problemas no próprio coração, por causa da sua ação antioxidante.

 

DEFESAS DO CORPO

A jabuticaba tem grande quantidade de vitamina C. Isso, além de aumentar a eficiência do sistema imunológico, também tem ação antioxidante, contribui para deixar os vasos sanguíneos saudáveis, reduz a fadiga e é fundamental para a produção de colágeno, importante para a formação da pele, ossos e cartilagens, traz o Viva Bem.

 

EVITA O ACÚMULO DE GORDURA NO FÍGADO

Conforme a reportagem, a casca da fruta é capaz de combater a esteatose hepática e afastar o risco de diabetes. Mas quem já é diabético deve conversar com o médico antes de ingeri-la, pois, como toda fruta, ela tem um tipo de açúcar chamado frutose.

 

PREVINE A ANEMIA

Esse benefício acontece porque ela tem uma boa dose de ferro, mineral que é essencial para o transporte do oxigênio dentro do corpo.

Sociedade Brasileira de Infectologia desmente relação entre vacina e HIV feita por Bolsonaro
Foto: Marcos Corrêa / PR

A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) divulgou uma nota onde desmente a fala do presidente Jair Bolsonaro durante live na quinta-feira (21), em que o mandatário relacionou a vacina contra a Covid-19 com a Aids. “Não se conhece nenhuma relação entre qualquer vacina contra a Covid-19 e o desenvolvimento de Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (HIV/Aids)”, afirma a entidade.

 

Bolsonaro faz lives semanais todas às quintas-feiras. Em um momento da última, ele afirmou que comentaria notícias. “Mas não é apenas notícias de jornal, nós checamos a veracidade aqui”, afirmou em um momento. Na sequência, o presidente leu um texto que sugeria a relação entre a vacina contra Covid-19 e o desenvolvimento da Aids.

 

“Relatórios oficiais do governo do Reino Unido sugerem que os totalmente vacinados, (ou seja,) aqueles com 15 dias após a segunda dose, estão desenvolvendo a Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (Aids) muito mais rápido que o previsto”, leu. Em seguida, ele recomendou a leitura da matéria e disse que não o faria porque poderia ter problemas.

 

Após repercussão da live, o governo britânico e especialistas desmentiram o caso. Assim como fez oficialmente a SBI neste domingo. “Repudiamos toda e qualquer notícia falsa que circule e faça menção a esta associação inexistente”, afirmaram.

 

A SBI afirma na nota que as pessoas que vivem com HIV/Aids devem tomar as duas doses da vacina. Além disso, destacam que quem pertence a esse grupo também precisa tomar a dose de reforço (terceira dose) após 28 dias da segunda.

Histórico de Conteúdo