Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quinta, 02 de Dezembro de 2021 - 15:20

Depois de mudanças no texto-base, senadores baianos votam a favor da PEC dos Precatórios

por Felipe Dourado, de Brasília

Depois de mudanças no texto-base, senadores baianos votam a favor da PEC dos Precatórios
Foto: Divulgação/ Senado

Aprovada em segundo turno no plenário do Senado (lembre aqui), a PEC dos Precatórios contou com votos favoráveis dos três representantes da Bahia na Casa Legislativa. Otto Alencar e Ângelo Coronel, do PSD, e Jaques Wagner, do PT, registraram apoio à emenda após mudanças no texto-base durante a votação no Plenário desta quinta-feira (2).

 

Há cerca de quatro semanas, quando o texto ainda era apreciado no primeiro turno da Câmara dos Deputados, o governador do Estado, Rui Costa (PT), chamou os deputados que votaram a favor da PEC de "traíras", gerando um clima tenso na ocasião (lembre aqui). Após a votação em segundo turno na Casa, e a consequente tramitação ao Senado, o governador mudou o tom e disse não haver ressentimento pela decisão contrária por parte dos legisladores federais (veja aqui).

 

Os votos vieram, principalmente, após mudanças sugeridas por lideranças da oposição, em trazer maior clareza à distribuição dos cerca de R$ 90 bilhões que serão liberados no orçamento da União com a aprovação da emenda. "Em primeiro lugar, era dispensável, mas vou elogiar o trabalho de todos aqui na busca de minimizar os danos dessa PEC", disse Wagner, que é líder da oposição na Casa, ao abrir sua fala. Apesar disso, manteve o discurso de que a emenda pode trazer riscos a investimentos ocasionados por sua promulgação. "Vários investidores me disseram: 'senador, não convencerei meus investidores a colocar dinheiro num país que muda sua Lei Maior para não pagar obrigações'.  Mas vamos criar uma bola de neve cujo tamanho não sabemos ainda", concluiu.

 

A proposta voltará à Câmara dos Deputados e a intenção do governo é de imprimir esforço máximo para que a matéria seja apreciada até semana que vem pela Casa.

Histórico de Conteúdo