Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

CPI: Com pedido de indiciamento de Bolsonaro e crise no G7, relatório será lido nesta quarta
Foto: Pedro França/Agência Senado

Em meio ao clima de "racha" no chamado G7, grupo de senadores que são maioria no colegiado e conduzem os trabalhos desde o início, após o vazamento do relatório final, a CPI da Covid-19 se reúne nesta quarta-feira (20) para a apresentação oficial do texto e leitura. A votação ocorrerá na próxima terça-feira (26).

 

Presidente da comissão, o senador Omar Aziz (PSD-AM), foi um dos que demonstrou publicamente sua irritação e cobrou que o relator, Renan Calheiros (MDB-AL), mantivesse no parecer tudo que havia vazado.

 

Após o desgaste, Calheiros enviou o documento de 1.178 páginas aos colegas senadores. No documento, há pedidos de indiciamento de 70 pessoas e duas empresas. Entre os nomes, estão o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e três de seus filhos – o vereador pelo Rio de Janeiro Carlos (Republicanos-RJ), o senador Flavio (Patriota-RJ) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) –, além dos ministros Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União), Walter Braga Neto (Defesa) e Onyx Lorenzoni (Trabalho e Previdência).

 

No parecer, constam ainda os pedidos de indiciamento dos ex-ministros Eduardo Pazuello (Saúde) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores). Há também outros parlamentares, empresários, lobistas, médicos, pesquisadores e influenciadores bolsonaristas.

 

Dois pontos de divergências entre os senadores foram resolvidos na noite desta terça-feira (19): o indiciamento por genocídio de indígenas atribuído a Bolsonaro e o pedido de indiciamento dos filhos do presidente da República, sobretudo do senador Flávio Bolsonaro. Segundo Aziz, os itens foram retirados da versão final.

Histórico de Conteúdo