Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Chuvas na Bahia causam problemas para clubes durante preparação para o Baianão 2022
Conquista foi o que mais sofreu com a chuva | Foto: Reprodução / Instagram

As chuvas que atingem a Bahia estão afetando também os clubes de futebol. Durante a preparação para o Campeonato Baiano de 2022, três dos oito clubes do interior do estado que estão na Série A da competição relataram, ao Bahia Notícias, problemas com reapresentação de jogadores e calendário de treinos após o natal. 

 

O Vitória da Conquista, que tem sua sede entre os 100 municípios que decretaram situação de emergência, foi o principal prejudicado. Alguns atletas tiveram dificuldades para chegar à cidade e se reapresentar. O atacante João Neto, inclusive, não tinha comparecido aos treinamentos até esta quarta-feira (29), porque não teve condições de sair de sua cidade, Itabuna. Lá, os ônibus não estavam circulando. A empresa responsável pelo trajeto transferiu a passagem para quarta. 

 

O Bode está com dificuldades também para realizar os treinamentos. O C.T. e o estádio Lomanto Júnior, onde o clube manda seus jogos, possuem grama natural. Segundo nota enviada pelo Conquista ao BN, "devido ao volume da água, é praticamente impossível treinar". 

 

A solução está sendo treinar no Estádio Edvaldo Flores, propriedade da prefeitura de Vitória da Conquista, que possui grama sintética. Porém, "apesar de ter um bom escoamento, a grama fica muito pesada por causa dos farelos de borracha que jogam no gramado". Dessa forma, as atividades não são feitas da forma padrão para atletas de alto rendimento, por causa do receio de lesões. 

 

O Vitória da Conquista estreia no Campeonato Baiano no dia 15 de janeiro, contra o Atlético de Alagoinhas, no estádio Antônio Carneiro, em Alagoinhas. 

 

Outro clube que teve problemas em decorrência da chuva foi o Barcelona de Ilhéus. Após o feriado de natal, o elenco não se reapresentou por completo (saiba mais aqui). A parte dos atletas que conseguiu chegar à cidade, mais uma em estado de emergência, realizou apenas um treino na academia e, pela tarde, no campo sob o comando do treinador Paulo Salles, no estádio Mário Pessoa.

 

A equipe estava sem um local para treinar, por causa das condições do gramado. O Departamento de Logística conseguiu a liberação do local depois de uma negociação com a prefeitura. 

 

Foto: Divulgação / Barcelona de Ilhéus

 

Além dos jogadores que não conseguiram chegar a tempo, também o auxiliar Jhonn Suque não se apresentou, por causa de problemas em sua residência na cidade de Itabuna. A estreia do Onça Pintada será no dia 16 de janeiro, contra o UNIRB, também no Antônio Carneiro. 

 

Um caso menos grave foi o do Atlético de Alagoinhas. O atual campeão baiano, que iniciou sua pré-temporada na cidade de Cipó, região norte da Bahia, voltou para sua cidade e deixou de cumprir um dia de treinamento. Mas segundo o presidente Albino Leite, "tudo já voltou aos conformes". 

 

O Carcará vem passando por dificuldades financeiras, mas espera fechar o elenco da temporada 2022 até o dia 6 de janeiro. Além do Baianão, o clube disputará a Copa do Nordeste, a Copa do Brasil e a Série D do Brasileirão. 

 

SEM PROBLEMAS ATÉ AGORA 

Os outros cinco clubes do interior não tiveram problemas ocasionados pelas chuvas até o momento. O Jacuipense está se preparando no Fazendão, antigo CT do Bahia, em Salvador. O UNIRB se divide entre a capital baiana - treina no Barradão, a partir de uma parceria com o Vitória - e Mata de São João, regiões que não foram tão afetadas pelos temporais. O Doce Mel, por sua vez, que tinha sua sede em Ipiaú, mudou-se para Cruz das Almas e segue o planejamento normal. 

 

O Bahia de Feira, por fim, tem toda sua estrutura montada na Arena Cajueiro, estádio construído com o dinheiro do clube. Nesta segunda-feira (27), a cidade de Feira de Santana passou por um apagão originado por um raio que caiu um equipamento da rede elétrica da região (confira aqui). Porém as atividades do Tremendão não foram afetadas, porque a Arena possui gerador de energia. 

Histórico de Conteúdo