Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Clubes avançam na proposta de criar uma liga e assinam termo com empresa
Foto: Lucas Figueiredo / CBF

Os clubes do Brasil voltaram a avançar no processo de criação de uma liga. Nesta sexta-feira (12), dirigentes de 18 agremiações do futebol nacional assinaram um termo com a empresa Codajas Sports Kapital, interessada em assumir a futura competição, caso ela saia do papel. 

 

De acordo com informações do site ge.globo, apenas cinco equipes da Série A não assinaram o termo: Athletico-PR, América-MG, Fluminense, Juventude e Sport. O Bahia e os outros 14 clubes da Primeira Divisão aceitaram o acordo. 

 

Dirigida pelo advogado Flavio Zveiter, a Codajas Sports Kapital demonstrou interesse no projeto desde junho, quando os cartolas anunciaram a ideia. 

 

O termo é um documento "não vinculante", que não gera nenhuma obrigação para os envolvidos, possibilitando o recuo na criação da liga, por exemplo. 

 

De qualquer forma, também no acordo, as equipes se comprometeram a não vender direitos de transmissão ou comercial do Brasileirão para dpeois de 2024 durante os próximos dois meses. 

 

Além disso, eles cederão informações para realizar uma valoração da liga, ação conhecida como "valuation". Por fim, a Codajas terá direito de cobrir propostas financeiras por pelo menos um ano, caso outros concorrentes apareçam.

 

A Codajas tem um acordo com a Advent International, que investe em "private equity". Isso significa comprar participações em empresas consolidadas. A Advent fez algo parecido na liga italiana. 

 

A avaliação da equipe de Zveiter para a liga brasileira é de US$ 4 bilhões. A venda de 25% do projeto para a Advent, por exemplo, geraria US$ 1 bilhão, dinheiro que seria repassado aos clubes para que eles possam pagar suas dívidas e se reestruturarem. 

 

Nos bastidores, o presidente do Athletico-PR, Mario Celso Petraglia, teme que esse acordo impeça negociações com empresas interessadas na liga, ainda segundo o ge.globo. Por isso, o cartola deve comandar um grupo de oposição, e busca equipes da Série B para isso. 

Histórico de Conteúdo