Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 03 de Agosto de 2021 - 10:42

Espanha derrota o Japão na prorrogação e encara o Brasil na final do futebol

por Leandro Aragão

Espanha derrota o Japão na prorrogação e encara o Brasil na final do futebol
Foto: Divulgação / Seleção Espanhola

A Espanha bateu o Japão por 1 a 0, na manhã desta terça-feira (3), em Saitama, pela semifinal do torneio masculino de futebol dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Asensio marcou o único gol da partida aos nove minutos do segundo tempo da prorrogação. Os espanhóis vão enfrentar o Brasil na disputa pela medalha de ouro.

 

Brasil e Espanha farão a final do torneio no próximo sábado (7), às 8h30 no horário de Brasília, em Yokohama. Na véspera, às 8h, Japão e México disputam o bronze, também em Saitama.

Terça, 03 de Agosto de 2021 - 10:15

Goleiro Santos é exaltado na classificação do Brasil à final do futebol masculino

por Leandro Aragão

Goleiro Santos é exaltado na classificação do Brasil à final do futebol masculino
Foto: Divulgação / Tokyo 2020

Com uma atuação de destaque, o goleiro Santos foi um dos principais responsáveis por colocar a seleção brasileira na final do futebol masculino dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Nesta terça-feira (3), o arqueiro fez duas defesas importantes e ainda pegou um pênalti na vitória do Brasil sobre o México nas penalidades por 4 a 1, após o empate sem gols na prorrogação. O camisa 1 foi elogiado após a vitória do time Canarinho.

 

"O Santos nos salvou durante o jogo e durante os pênaltis também. Hoje foi o dia dele. Parabenizá-lo pela excelente partida que ele fez", afirmou Richarlison em entrevista ao SporTV.

 

Santos foi convocado pelo técnico André Jardine para ser um dos três jogadores acima dos 24 anos na seleção. Para o treinador, o goleiro está no nível de Alisson, Ederson e Weverton, que marcam presença constante na lista de Tite no selecionado principal.

 

"É goleiro de seleção principal. Hoje a seleção principal está muito bem servida nessa posição, os três que lá estão são do mais alto nível e, para mim, o Santos vem junto buscando seu espaço também. Essa oportunidade que teve aqui é para mostrar que ele tem nível para estar lá também, tem nível para estar aqui. É o melhor goleiro tinha à disposição e vai fazer a diferença para a gente", disse o comandante. 

 

Bruno Guimarães foi outro que exaltou o goleiro. Os dois atuaram juntos no Athletico-PR antes do meia ser contratado pelo Lyon, da França. No Furacão, eles foram campeões da Copa do Brasil e Sul-Americana.

 

"Santos é um fenômeno. É uma pessoa ímpar, um ser humano sensacional, pessoa da melhor qualidade. É um goleiro extremamente frio, dificilmente faz defesa difícil, porque está sempre bem posicionado. Pra mim, é um craque da posição. Estou muito feliz por ele, é um irmão para mim. Conseguimos conquistar diversos títulos no Athletico-PR juntos. Conheço toda a caminhada dele. Um cara que trabalhou muito e merece tudo isso", elogiou.

 

O adversário do Brasil na final será o vencedor do confronto entre Japão e Espanha, que se enfrentam desde às 8h desta terça. Neste momento, o jogo está empatado em 0 a 0 na prorrogação. A decisão do ouro acontece no sábado (7), às 8h30 no horário de Brasília, no estádio Yokohama.

Terça, 03 de Agosto de 2021 - 09:45

No salto com vara, Thiago Braz conquista a medalha de bronze para o Brasil em Tóquio

por Leandro Aragão

No salto com vara, Thiago Braz conquista a medalha de bronze para o Brasil em Tóquio
Foto: Gaspar Nóbrega / COB

Thiago Braz garantiu mais uma medalha para o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. O paulista ficou com o bronze na disputa do salto com vara no atletismo na manhã desta terça-feira (3). Ele superou a marca dos 5,87m, mas errou as três tentativas dos 5,93m.

 

Esta foi a segunda conquista de Thiago Braz em Jogos Olímpicos. Em 2016, no Rio de Janeiro, ele foi ouro na prova ao bater o recorde olímpico saltando 6,03m. Em Tóquio, ele defendia o título.

 

A medalha de Thiago Braz é a quarta do Brasil no dia. Antes dele, Martine Grael e Kahena Kunze conquistaram o ouro na vela. Alison dos Santos, nos 400m com barreiras, e Abner Teixeira, no boxe, ficaram o bronze. Além disso, o país também garantiu lugares no pódio com a baiana Beatriz Ferreira no boxe, e vaga na final do futebol masculino.

Isaquias chora após ficar em quarto na canoagem velocidade: 'Sofremos muito'
Foto: Breno Barros / rededoesporte.gov.br

O baiano Isaquias Queiroz não segurou o choro após terminar a prova do C2 1000 metros da canoagem velocidade, ao lado de Jacky Goodman, na quarta colocação. O atleta não conseguiu garantir a primeira medalha que esperava nos Jogos Olímpicos de Tóquio, na madrugada desta terça-feira (3) (lembre aqui).

 

Em meio ao choro, ele declarou: "Pode parecer um discurso repetido de nós atletas, mas a gente sabe o quanto a gente treina. Treinamos muito, cara, sofremos muito. Não adianta quem está em casa falar que foi porque o Jesus (Morlán, técnico espanhol falecido em 2018) não estava, porque o Lauro (de Souza, atual treinador) se matou de trabalhar. Treinamos todo dia, sofremos, foi duro. Queríamos medalha. Ninguém ia vir para cá, viajar não sei quantas horas de voo, com um sol quente desses para querer ficar em quarto. Enfrentar a quarentena toda e ficar no quarto. Queria a medalha porque foi um trabalho doído, sofrido, com dedicação máxima que a gente teve e o apoio dos nossos familiares, e sem dúvidas do Comitê Olímpico".

 

O tempo da dupla brasileira, apesar de ser excelente (3min27s603), não foi o suficiente para superar os adversários de Cuba, China e Alemanha. Isaquias chegou a vomitar durante a preparação para a Olimpíada, como afirmou em entrevista ao SporTV, após a prova.

 

"Não estou dando desculpa nenhuma, mas, como o Lauro falou, a gente treinou, e se alguém vai ganhar da gente é porque treinou mais, mas a gente fez tudo certinho como tinha que fazer. Lógico, às vezes perdemos algum treinamento ou outro, mas fizemos o que o treinador pedia, e eu até chegava vomitando em alguns treinamentos, mas a gente fazia o treinamento bem completo", lamentou.

 

Jacky Goodman, estreante em Olimpíadas, afirmou que, apesar de tudo está feliz pelo resultado. Ele foi convocado após Erlon de Souza, parceiro de Isaquias há anos, sofrer uma lesão no quadril.

 

"Estou muito feliz mesmo. Infelizmente, não veio a medalha que a gente queria (...) A gente estava bem, um pouco sem visão dos adversários, que estavam mais para o lado. Nós viemos bem, mas no finalzinho não conseguimos nos impor como queríamos. Infelizmente, não conseguimos. Fizemos o que o treinador mandou, demos nosso máximo. Mas, infelizmente, não deu", destacou o canoísta de apenas 22 anos.

 

Isaquias voltará a competir em outra prova nesta edição dos Jogos Olímpicos. Na próxima quinta-feira (5), às 21h52 (de Brasília), o baiano disputa a prova do C1 1000 metros, na qual é campeão mundial e conquistou a prata na Rio-2016.

 

"Agora é começar a rodar a chave que daqui a dois dias tem outra prova que a gente vai ter que trabalhar melhor para poder buscar um ouro. Não quero sair daqui sem meu ouro, sem o ouro do Lauro, que trabalhou muito para isso, e sem o ouro que o Jesus sonhava", prometeu.

Terça, 03 de Agosto de 2021 - 08:38

Daniel Alves elogia seleção após vitória nos pênaltis: 'O destino queria assim'

por Leandro Aragão

Daniel Alves elogia seleção após vitória nos pênaltis: 'O destino queria assim'
Foto: Lucas Figueiredo / CBF

O Brasil vai brigar pelo bicampeonato olímpico do futebol masculino nos Jogos de Tóquio 2020. Na manhã desta terça-feira (3), a seleção brasileira eliminou o México nos pênaltis por 4 a 1, após empatar em 0 a 0 na prorrogação. O lateral-direito e capitão Daniel Alves elogiou a atuação da equipe. O baiano abriu a sequência brasileira convertendo a penalidade.

 

"Sobretudo quando você tem um adversário que a gente respeita muito, pela escola. Já sofremos bastante com esse adversário. Mas isso é o futebol. Acredito que tivemos uma atuação muito boa, sofremos quando tivemos que sofrer, mas acredito que merecidamente estamos na final", disse em entrevista ao SporTV. "O gramado estava um pouco irregular, mas nada serve de desculpa. Para uma equipe que propõe o jogo, quando o campo está irregular assim, tem sempre que dar um toque a mais. As conduções são complicadas, mas acho que não teve nenhum problema não, porque colocamos as ocasiões, tivemos chances de ganhar o jogo, mas não foi possível. Acho que o destino queria que fosse desse jeito, assim foi. Volto a insistir, muito respeito ao México, uma escola que gosto muito. Mas é aquilo, só pode passar um e felizmente foi a gente", completou.

 

Aos 38 anos, Daniel Alves vai disputar mais um final em busca do seu 43º título na carreira, recordista absoluto de conquistas na história do futebol. A final do torneio olímpico será no próximo sábado (7), às 8h30 no horário de Brasília, no estádio de Yokohama. O adversário será o vencedor do confronto entre Japão e Espanha.

 

"Falta um. Temos que manter o foco, a concentração. É muito difícil ganhar jogos, é muito difícil enfrentar adversários, porque eles são diferentes. Tem que ter uma adaptabilidade muito grande, porque cada um joga de uma maneira e você tem que se reinventar dentro do jogo e da competição. Mas apesar da idade da rapaziada, tem um estafe que controla muito bem isso, passa as informações muito bem, a gente assimila, coloca em prática e tem dado resultado. Agora só falta um passo e vamos tentar dar esse passo firme", finalizou.

 

Campeão olímpico nos Jogos Rio-2016, o Brasil acumula duas pratas em 1988 e 2012 e dois bronzes em 1996 e 2008.

Terça, 03 de Agosto de 2021 - 07:41

Nos pênaltis, Brasil vence o México e vai disputar o ouro no futebol masculino

por Leandro Aragão

Nos pênaltis, Brasil vence o México e vai disputar o ouro no futebol masculino
Foto: Lucas Figueiredo / CBF

Após o empate sem gols na prorrogação, o Brasil venceu o México nos pênaltis por 4 a 1, na manhã desta terça-feira (3), no estádio Ibaraki Kashima, pela semifinal do futebol masculino dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Atual campeão olímpico, o time Canarinho vai disputar a medalha de ouro.

 

Na disputa das penalidades, a seleção brasileira converteu suas cobranças com Daniel Alves, que abriu a sequência, Gabriel Martinelli, Bruno Guimarães e Renier. Os mexicanos perderam a primeira batida com Eduardo Aguirre que parou em Santos, Vásquez ficou na trave. Rodríguez descontou para o selecionado da América do Norte.

 

O técnico André Jardine colocou em campo: Santos; Daniel Alves, Nino, Diego Carlos e Guilherme Arana; Douglas Luiz (Matheus Henrique), Bruno Guimarães e Claudinho (Renier); Antony (Malcom), Richarlison e Paulinho (Gabriel Martinelli).

 

O adversário do Brasil na final será o vencedor do confronto entre Japão e Espanha, que se enfrentam nesta terça logo mais às 8h no horário de Brasília. A decisão do ouro acontece no sábado (7), às 8h30, no estádio Yokohama.

Terça, 03 de Agosto de 2021 - 07:17

Abner Teixeira perde para cubano e é medalha de bronze no boxe

por Leandro Aragão

Abner Teixeira perde para cubano e é medalha de bronze no boxe
Foto: Gaspar Nóbrega / COB

Abner Teixeira foi derrotado pelo cubano Julio La Cruz na semifinal do boxe na categoria pesado (81 - 91kg), na manhã desta terça-feira (3). Com isso, ele ficou com a medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, já que não há disputa pelo terceiro lugar na modalidade.

 

Adversário de Abner Teixeira, Julio La Cruz é o atual campeão olímpico e tetracampeão mundial amador.

 

Em Tóquio, o boxe do Brasil igualou o melhor desempenho numa Olimpíada com três medalhas garantidas. Além do bronze de Abner, os baianos Hebert Conceição e Beatriz Ferreira vão disputar a semifinal das suas categorias. Nos Jogos de Londres-2012, a baiana Adriana Araújo, Esquiva Falcão e Yamaguchi subiram no pódio.

Terça, 03 de Agosto de 2021 - 07:06

Wanderson Oliveira perde para cubano nas quartas de final do boxe e fica sem medalha

por Leandro Aragão

Wanderson Oliveira perde para cubano nas quartas de final do boxe e fica sem medalha
Foto: Jonne Roriz / COB

O brasileiro Wanderson Oliveira foi derrotado pelo cubano Andy Cruz, atual bicampeão mundial e pan-americano, na manhã desta terça-feira (3), pela semifinal do boxe nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. O duelo valia vaga na semifinal da categoria peso-leve (até 63kg) e uma medalha, já que não tem disputa pelo terceiro lugar na modalidade. O carioca perdeu na decisão dos juízes por 4-1.

 

"Foi uma luta de bastante experiência, tive que fazer o jogo reverso, que não é muito meu jogo. Ele é bem ágil, o Andy é bom. Gostei bastante do combate, bastante acirrado, e vou me preparar melhor para no próximo campeonato bater de frente com ele. É uma emoção enorme, é muito difícil alguém como eu da comunidade chegar nos Jogos Olímpicos, e eu consegui chegar e estou representando o Brasil todo", disse Wanderson em entrevista ao canal SporTV.

 

O boxe do Brasil já garantiu medalhas com os baianos Hebert Conceição e Beatriz Ferreira. Além deles, Abner Teixeira sobe no ringue nesta terça para disputar a semifinal. A campanha iguala o melhor desempenho do país na modalidade que foi nos Jogos de Londres-2012.

Terça, 03 de Agosto de 2021 - 05:16

Bia Ferreira vence uzbeque e garante mais uma medalha para o boxe do Brasil

por Ulisses Gama

Bia Ferreira vence uzbeque e garante mais uma medalha para o boxe do Brasil
Foto: Gaspar Nóbrega/COB

O Brasil tem mais uma medalha no boxe, dessa vez com Bia Ferreira. Na manhã desta terça-feira (3), a baiana foi para cima da uzbeque Raykhona Kodirova e venceu por decisão unânime dos juízes nas quartas de final da categoria feminina peso-leve (até 60kg) nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Na semifinal, a adversária será a finlandesa Mira Potkonen.

 

No primeiro round, Bia tomou a iniciativa e buscou os golpes, mas a adversária não deixou barato e também tentou atacar. Na segunda parte, a tônica foi similar, com a baiana sendo mais precisa - e mais forte - nos golpes. Por fim, o último round foi marcado por um amplo domínio de Bia, que não poupou força para atingir Kodirova. 

 

Após a luta, a atleta destacou o trabalho que vem sendo realizado e apontou a missão de conquistar o primeiro lugar.

 

"Foi do jeito que eu esperava, já tinha planejado o jogo e deu certo. Foi uma luta que eu precisava me impor mais, por ser uma adversária que não desiste. A gente vem treinando há cinco anos para isso aqui, então estamos que ter todos os jogos", disse.

 

"Já temos três medalhas e a gente está treinado para o ouro. Ninguém pode se contentar só com o bronze, a gente quer mais, mas já estamos felizes de estar no pódio", completou.
 

 

Essa é a terceira medalha que o boxe consegue nessa edição dos Jogos. Além de Bia, o baiano Hebert Conceição e Abner Teixeira já haviam garantido um lugar no pódio.

 

Até o momento, o Time Brasil tem 12 medalhas. São três ouros, três pratas e seis bronzes. Nessa madrugada, o verde e amarelo ganhou destaque com o ouro de Martine Grael e Kahena Kunze na vela (confira aqui), e o bronze com Alison dos Santos nos 400 metros com barreira (veja).

Terça, 03 de Agosto de 2021 - 00:57

É ouro! Martine e Kahena são bicampeãs olímpicas na classe 49er FX da vela

por Nuno Krause

É ouro! Martine e Kahena são bicampeãs olímpicas na classe 49er FX da vela
Foto: Divulgação / World Sailing

Após uma corrida impecável, Martine Grael e Kahena Kunze são medalha de ouro na classe 49er FX da vela nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Campeãs na Rio-2016, as brasileiras repetiram o feito nesta terça-feira (3), nas águas de Hiroshima.

 

Elas ficaram com a terceira colocação da "medal race" (corrida da medalha), mas, por resultados acumulados anteriormente, garantiram o lugar mais alto do pódio, com 76 pontos perdidos (na vela, o país que perde menos pontos vence). 

 

A prata ficou com a Alemanha, que perdeu 81 pontos, e o bronze com a Holanda, que perdeu 86. 

 

A vela se mantém como um dos esportes que mais traz medalhas ao Brasil. Agora, são 19, no total, sendo a terceira modalidade no ranking, atrás do judô (24) e do vôlei (23).

 

Nos Jogos Olímpicos de Tóquio, o Brasil chega a 12 medalhas. São 3 de ouro, 3 de prata e 6 de bronze. 

Histórico de Conteúdo