Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 15 de Junho de 2021 - 10:00

Carreiras UniFTC: Empreendedorismo e Negócios Disruptivos

por Jerisnaldo Matos Lopes

Carreiras UniFTC: Empreendedorismo e Negócios Disruptivos
Foto: Divulgação

Em nosso diálogo desta semana trataremos de forma objetiva sobre Empreendedorismo e Negócios Disruptivos.  E um dos principais teóricos a fazer essa discussão foi Joseph Alois Schumpeter,  na primeira metade do século XX. Economista e cientista político austríaco, Schumpeter foi um dos primeiros a considerar as inovações tecnológicas como motor do desenvolvimento. 


Empreender é inovar a ponto de criar condições para uma radical transformação de um determinado setor, ramo de atividade, território, onde o empreendedor atua. Um novo ciclo de crescimento é gerado, capaz de promover uma ruptura no fluxo econômico contínuo, tal como descrito pela teoria econômica neoclássica. A inovação não pode ocorrer sem provocar mudanças nos canais de rotina econômica. O empreendedor é aquele que realiza novas combinações dos meios produtivos, capazes de propiciar desenvolvimento econômico, quais sejam: introdução de um novo bem; introdução de um novo método de produção; abertura de um novo mercado; conquista de uma nova fonte de oferta de matérias primas ou bens semimanufaturados [...] (Schumpeter, 1985, p. 49).


 
Fonte: Inovvaservice

 

Segundo Schumpeter, as ondas de inovação vêm como destruição criativa (“Negócios Disruptivos”) - acontecem quando novas tecnologias aparecem de forma aleatória, acompanhadas do aumento da produtividade do investimento e do trabalho. Isso porque esses empresários inovadores, “empreendedores”, são capazes de criar produtos com vantagens competitivas em relação aos seus concorrentes tecnologicamente desatualizados.


Hoje, seguindo as ondas de inovação, se tratamos sobre a modelagem disruptiva para negócios, o empreendedor certamente usará técnicas e ferramentas da administração estratégica. O Business Process Management – BPM (Gerenciamento de processos de negócio) é um conceito que une gestão de negócios e tecnologia da informação com foco na otimização dos resultados das organizações por meio da melhoria dos processos. Já Business Process Model and Notation – BPMN (Modelo de Processo de Negócios e Notação) é uma notação da metodologia de gerenciamento de processos de negócio que trata de uma série de ícones padrões para o desenho de processos, buscando facilitar o entendimento do usuário. 


Explanando ainda sobre Empreendedorismo e Negócios Disruptivos, não poderíamos deixar de citar o Sistema de Gestão da Qualidade – SGQ, que é um conjunto de elementos interligados de processos de negócios focados em atender consistentemente aos requisitos do cliente e aumentar sua satisfação, estando ajustado ao objetivo e à direção estratégica do negócio. E para que tudo esteja bem alinhado, o empreendedor inovador aplica e controla todas as suas decisões baseado em Key Performance Indicator - KPI`s (Gestão de Indicadores), que são indicadores-chave de desempenho, como ferramentas de gestão para a medição do nível de desempenho e sucesso de um Negócio, focando no “como” e indicando quão bem os processos dessa empresa estão permitindo que seus objetivos sejam alcançados. 

 

Referências e Leituras recomendadas:
SCHUMPETER, Joseph. "O Fenômeno Fundamental do Desenvolvimento Econômico". In A Teoria do Desenvolvimento Econômico Rio de Janeiro: Nova Cultural, 1985

 

*Jerisnaldo Matos Lopes é Pós-Doutor em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação - PROFNIT, Doutor em Desenvolvimento Regional e Urbano, Mestre com Linha de Pesquisa em Ética e Gestão, Administrador e professor da Rede UniFTC

 

*Os artigos reproduzidos neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do Bahia Notícias

Histórico de Conteúdo