'Baby boom': Indonésia estima 500 mil nascimentos acima da média após quarentena
Foto: Reprodução/Pixabay

Com as recomendações para que as pessoas fiquem em casa por causa da pandemia do coronavírus, a Indonésia passou a se preocupar com um dos efeitos disso: o crescimento no número de bebês nos próximos nove meses. O país é o quarto mais populoso do mundo, e o setor d eplanejamento familiar do governo tem se preocupado com o "baby boom". 

 

Em uma localidade do país, nas Ilhas Bangka Belitung, um carro de som passa pela ruas com o recado: "Senhoras, não engravidem", "senhores, esperem". As informações são de reportagem da agência RFI publicada pelo G1.

 

O governo da Indonésia espera entre 370.000 e 500.000 nascimentos acima da média anual de 4,8 milhões de bebês até o final de 2020. 

 

De acordo com a reportagem, apesar das causas do baby boom serem fáceis de adivinhar, há uma dificuldade de combatê-la. O fato foi destacado pelo diretor de controle de natalidade da Planned Parenthood, Dwi Listyawardani.

 

"O governo pediu às pessoas que ficassem em casa, que trabalhassem em casa, se pudessem, o que aumentou muito a interação entre maridos e esposas e pode levar à gravidez. Além disso, a equipe do hospital teve que priorizar pacientes com coronavírus e as pessoas foram instruídas a não ir ao hospital sem uma emergência", explica ele.

 

Em março e abril, por exemplo, o setor de planejamento familiar registrou 10% menos demanda por anticoncepcionais, o que representa de 2 a 3 milhões de pessoas.

Histórico de Conteúdo