Grávidas ficam mais sensíveis a ameaças que se aproximam da barriga no fim da gestação
Foto: Reprodução/FreePik

Grávidas nos três últimos meses da gestação ficam mais protetoras com tudo que se aproxima da barriga. A constatação foi feita a partir de um o estudo publicado em uma revista especializada na semana passada. Segundo a pesquisa, o cérebro se adapta às modificações do corpo e aumenta a percepção de espaço e de sons. Dessa forma, a mulher passa a ter uma reação mais rápida a elementos potencialmente perigosos que se aproximem da barriga dela.

 

A ciência pra revelou que todas as pessoas possuem o chamado "espaço peripessoal", que se trata da zona ao redor do corpo e que a aproximação de qualquer objeto desperta respostas de defesa no organismo.

 

O estudo aponta que no caso das grávidas há um aumento do "espaço peripessoal", provavelmente proteger o feto. O cérebro percebe então que o corpo adquiriu rapidamente outra forma, com o crescimento da barriga, e amplia a bolha de proteção.

 

Para chegarem a essa conclusão, foram feitos testes de reação a estímulos táteis e auditivos, a diferentes distâncias das mulheres. Segundo o G1, elas foram divididas em três grupos: grávidas no segundo trimestre da gestação, no terceiro e nos primeiros meses do pós-parto. Os resultados foram comparados a não-gestantes. Apenas as que estavam no terceiro trimestre demonstraram alteração nas percepções sensoriais.

Histórico de Conteúdo