Juiz autoriza julgamento de mais de 400 processos contra Monsanto por casos de câncer
Foto: Agência Brasil

Um juiz dos Estados Unidos autorizou que centenas de processos contra a Monsanto sejam julgados, após um homem com câncer terminal chegar aos tribunais alegando que a doença foi causada por um produto da empresa. Para o magistrado Vince Chhabria, da cidade de São Francisco, é necessário que as queixas sejam avaliadas por um júri, devido à gravidade da acusação.

 

Mais de 400 pessoas culpam o glifosato, substância contida no pesticida Roundup, pela incidência do câncer. O primeiro caso avaliado em uma corte, segundo o jornal O Globo, foi de Dewaune Johnson, um norte-americano de 46 anos. Ele afirma que o uso do pesticida por mais de dois anos foi a causa do desenvolvimento de um Linfoma não-Hodkin.

 

Atualmente, o Roundup é um dos pesticidas mais usados no mundo. Com o julgamento dos processos, a Monsanto poderá ser obrigada a pagar milhões de dólares em reparação de danos. A empresa sempre negou qualquer ligação entre o glifosato e o desenvolvimento de câncer. No entanto, em 2015, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a substância como "provavelmente carcinogênico para humanos".

Histórico de Conteúdo