Viver Bem: Cardápio para a semana santa e a saúde nutricional - evitar excessos é prioridade

Fé e gastronomia de mãos dadas. A Semana Santa é marcada por símbolos da fé cristã que revive, neste período do ano, todo sofrimento de Cristo durante o calvário e sua morte. Em respeito a estes dias, muitas pessoas evitam o consumo de carne, e os frutos do mar tomam conta dos pratos, ficando até com valores mais altos. Mas, além deles, os chocolates são mais que esperados para a ceia do domingo de Páscoa.

 

Toda esta “fartura” alimentar traz consigo alguns riscos. O excesso pode acontecer e a culpa no pós-feriado também. No caso do chocolate, por exemplo, o censo comum atribui a ele o surgimento de acnes e outras questões relacionadas à saúde da derme, mas o grande vilão é o açúcar. E, para as crianças, público majoritário do alimento, os problemas podem ser variados. “A recomendação diária da Sociedade Brasileira de Pediatria é de no máximo seis colheres de sopa de açúcar por dia e esse valor costuma ser ultrapassado com a ingestão dos chocolates. O consumo do produto deve ser moderado devido aos riscos de cáries, diarréias ou infecções gastrointestinais”, pontua a nutricionista do Hapvida Saúde, Cíntia Menezes.

 

No caso das pessoas diabéticas, a especialista explica que a melhor opção deve ser pelos chocolates amargos ou com alto teor de cacau, em porções pequenas, e, caso a glicemia esteja alta, é melhor evitar o consumo.

 

Mancha de dendê não sai

Parafraseando Moraes Moreira na música “mancha de dendê não sai”, nos pratos, ele dá um gosto inconfundível e fica marcado na mente. A típica comida baiana, como é chamada, não existe sem este ingrediente que, quando consumido cru, é excelente para a saúde e beneficia várias funções do corpo. Mas, quando cozido, ele se torna gordura saturada. A dica é que o produto seja colocado na comida após o seu cozimento, para que as propriedades originais dele não sejam perdidas.

 

Prato ideal

Entre os alimentos previstos para esta época, o peixe é, sem sombra de dúvidas, o mais nutritivo. De acordo com Cíntia, incluí-los regularmente na dieta traz benefícios como melhora da memória e concentração, além da prevenção de doenças cardiovasculares e redução da inflamação. E, para quem está precisando reduzir medidas, a nutricionista destaca outro benefício, “consumir peixes ajuda na perda de peso, pois eles normalmente são fontes de proteínas com menos calorias do que as carnes vermelhas e o frango, favorecendo dietas de emagrecimento”, explica.

 

Para a ceia da Páscoa, a sugestão da nutricionista é o bacalhau dissalgado. Rico nas vitaminas B1 e D, sódio, magnésio, proteínas e ácido graxo ômega-3 e ômega-6, tais substâncias auxiliam na prevenção de doenças cardiovasculares. Para acompanhá-lo, basta equilibrar a quantidade de carboidratos das refeições, como arroz e batatas e salada verde.

Leia mais

Sinta-se leve: Aproxime-se da natureza e valorize o processo de produção dos alimentos

Nada como viver o que pregamos, concordam? A onda sustentável que tomou conta do planeta muitas vezes fica apenas no campo virtual ou verbal. Já pensou que bom seria se todos que gritam aos quatro cantos "preserve a natureza" tivessem atitudes simples como: carregarem compras de supermercado em sacolas ecológicas, consumirem alimentos orgânicos ou não admitirem desperdícios?


Aprendemos desde cedo na escola que os recursos naturais são finitos e que estamos fazendo mau uso deles. Mas o que fazemos com essa informação? Muitos de nós vivemos longe da tão falada natureza. Ignoramos seus ciclos e funcionamento. Quando estamos próximos a natureza, compreendemos, por exemplo, que ervas daninhas e pragas não existem. O que existem são sistemas desequilibrados.


Vivemos numa época em que todos buscam o alimento mais barato possível, mesmo que esteja repleto de agrotóxicos, tenha causado uma devastação ambiental e contaminado o agricultor. Ignoramos que aquele capital foi economizado na base da exploração do outro e da natureza. E quem paga a conta? Nós mesmos, haja vista que o desmatamento provoca mudanças climáticas. E quando ingerimos alimentos ultraprocessados e industrializados, a nossa saúde é atingida. O dinheiro que você economiza ao não comprar um alimento orgânico será gasto em remédios.


As pessoas que residem em grandes cidades, na maioria das vezes, não conseguem enxergar a natureza. Daí vem o acúmulo de tensões e ansiedades. E um belo dia resolvem que para encontrar a natureza, precisam ir para o interior ou para a praia (já viram essa cena?).


Vamos trazer o verde mais pra perto de nós? Consuma orgânicos, plante árvores, transforme o jardim de casa em uma pequena floresta urbana em vez de ter um jardim artificial que não recebe a visita de abelhas ou passarinhos. Viva a natureza além do discurso, sua saúde agradece.

Leia mais

Viver Bem: Psicóloga destaca as vivências e historicidades que um beijo comporta
Pode ser entre amigos, namorados ou familiares. Ele talvez seja um rápido selinho ou bem duradouro. A certeza é que, como dizem Sandy & Júnior, “um beijo é muito bom, mais que mil é mais que bom”. Celebrado no próximo dia 13, o dia do beijo remonta sensações, emoções e reações entre os indivíduos envolvidos.

Leia mais

Quinta, 04 de Abril de 2019 - 14:30

Viver Bem: Os resfriados do outono

Viver Bem: Os resfriados do outono
O outono traz consigo um período difícil para quem sofre com problemas alérgicos. A temperatura mais amena nesta época do ano tende a propiciar o surgimento de doenças relacionadas ao sistema respiratório. Independente da idade, gripes e resfriados são palavras certas de escutarmos neste período do ano por quem não esteja muito bem. A explicação, de acordo com o alergologista do Hapvida Saúde, Vitório Marchesini, é muito simples: a densidade do ar cai e gera uma maior proliferação de vírus, ácaros e bactérias. Neste cenário, um dos maiores vilões são os lugares fechados e as aglomerações. “Os vírus são transmitidos pelo contato direto ou indireto. Às vezes no cumprimento, por exemplo, a transmissão pode acontecer”, explica o especialista.

Leia mais

Quarta, 03 de Abril de 2019 - 16:30

Sinta-se leve: A tecnologia a seu favor

por Lidiane Angelim

Sinta-se leve: A tecnologia a seu favor
Vocês já se pegaram pensando no quanto deixamos de reparar o que acontece ao nosso redor? No geral, as pessoas se habituaram a olhar para baixo, mais precisamente para um aparelho que está em suas mãos. Seja no caminho para o trabalho ou até mesmo no shopping, observo cada vez mais pessoas ignorando tudo aquilo que está a sua volta.

Leia mais

Viver Bem: Mês de março reforça os cuidados com mulheres vítimas de violência
Quase que diariamente os jornais relatam casos de feminicídio. Na Bahia, mais de 32 mil registros de violência doméstica estão tramitando no Tribunal de Justiça do estado. Esse número ratifica a necessidade do cuidado psicológico com as mulheres que saem traumatizadas dessas experiências.

Leia mais

Viver Bem: Psicóloga alerta pais sobre casos de violência e abusos nas escolas
O ambiente escolar é tido por muitas famílias brasileiras como um segundo lar para crianças e adolescentes. Porém, em João Pessoa (PB) e em Suzano (SP) essa percepção foi transformada durante esta semana. A mudança de pensamento se deu após apreensão de quatro adolescentes – entre 14 e 17 anos – acusados de abusar sexualmente de uma criança de oito anos no banheiro de uma escola tradicional da rede privada. Já em Suzano, o fato ocorreu quando um adolescente de 17 anos e um jovem de 25 invadiram as dependências de uma escola da rede pública e dispararam vários tiros contra profissionais e estudantes da instituição, deixando um total de 10 mortes. Mas o que leva um jovem a cometer tais crimes?

Leia mais

Quarta, 20 de Março de 2019 - 15:10

Sinta-se leve: Você está preparada para pular a fogueira?

por Lidiane Angelim

Sinta-se leve: Você está preparada para pular a fogueira?

Terminada a folia momesca me deparo no consultório com dois tipos de pacientes: aquele que parou sua vida em função do Carnaval e aquele que integrou a folia a sua rotina de forma que a música que tocasse não influenciasse no seu ritmo. E você? Se identifica com qual dos dois? A péssima notícia é que quem deixou de se cuidar para pular atrás do trio sem o devido cuidado à rotina alimentar terá que correr um pouco mais atrás do trio da realidade. A boa é que estamos aqui já a postos auxiliando nessa nova maratona.

 

Mas Lidiane, tenho que viver me privando dos bons momentos da vida? Da fartura das festas comemorativas? Não é pedir demais não? Eu e todos os profissionais ligados à área de saúde e qualidade de vida não pedimos nada. Orientamos. A decisão de “em qual bloco sair” cabe somente ao paciente. Nosso papel? Facilitar e ensinar. Facilitar por meio de técnicas e tratamentos. Ensinar como deve ser sua forma de encarar a alimentação e os bons hábitos em prol do seu maior bem: você. As festas sempre irão existir, os excessos também precisam de controle pra manter o seu trio em perfeito funcionamento.

 

Nessa lista de bons hábitos, vale refletir acerca das trocas, do que consumir nos buffets de all inclusive, da moderação na hora de ingerir bebida alcóolica e por aí vai. O prazer deve (e está, acredite) muito além da comida. Compreensível faltar a academia ou dispensar a caminhada depois de perder uma noite de sono, o segredo está no equilíbrio, nas compensações.

 

Quem já voltou a rotina, parabéns! Quem ainda não, sugiro acelerar o processo, pois o tempo – como já cantado por aí – voa e já, já você pode pensar “já esperei até agora, vou deixar pra depois do São João”. Nada disso. Recomece, reavalie, corra atrás. Em junho vai ter amendoim, vai ter bolo, vai ter canjica, mas vai ter ainda mais disposição para pular a fogueira daquilo que atrapalha a conquista dos seus objetivos. Conte conosco!

Leia mais

Viver Bem: Cresce número de brasileiros que recorrem ao 'Dr. Google' e médico faz alerta

Ele não é clínico geral, sequer é formado em Medicina, mas vem ganhando a preferência da população brasileira quando o assunto é consulta sobre saúde. O “Dr. Google” é o primeiro a ser procurado por 26% dos brasileiros quando se deparam com algum problema na área. O levantamento foi realizado pelo próprio Google e aponta que o Brasil é o País em que as buscas referentes ao tema, mais cresceram no mundo no último ano. Porém, o médico do Sistema de Saúde Hapvida, João Rodolfo Cavalcanti Andrade de Araújo, faz um alerta sobre essa prática: com a mesma rapidez com que o “Doutor Google” responde às dúvidas, pode colocar a saúde das pessoas e de seus familiares em risco.

 

“É muito comum os médicos prescreverem medicamentos, por exemplo, para pacientes com diabetes. Prescrevem a medicação, discute a questão da alimentação, atividade física e faz todo o acompanhamento cuidadoso com base na vida daquele paciente. Aí vem uma vizinha e diz que tomou um determinado medicamento que viu na internet e ficou curada da diabetes, influenciando aquele que estava sendo acompanhado. Isso é grave, pois pode agilizar ainda mais o processo de avanço da doença, além de poder gerar um processo alérgico, por exemplo, levando-o à morte”, alerta o médico.

 

Para João Rodolfo, a internet é como uma ferramenta valiosa, desde que seja utilizada com critério. De acordo com ele, a falta de experiência das pessoas com temas relacionados à saúde pode levá-la a achar que tem uma doença grave, quando o problema não passa de uma virose. Ou também pode acontecer o contrário. “A pessoa pesquisa os sintomas e conclui que não é nada sério, que um chá resolve, ignorando algo que pode ser mais sério do que realmente parece”, completa.

 

AUTOMEDICAÇÃO

Ele lembra ainda que a automedicação é um dos maiores perigos para quem recorre ao “Dr. Google” quando está doente. “Muitas pessoas se deixam levar pelas soluções divulgadas na internet para economizar ou porque acham o procedimento fácil. Mas não sabem tratar as complicações. Por isso, mais uma vez eu alerto para que procurem um profissional médico e evite a automedicação que pode levar a morte”, destacou.

 

O médico ressalta ainda que muitas pessoas não têm capacidade para interpretar as informações que estão na internet, por isso, o especialista aconselha a procurar sempre ajuda profissional. “Percebemos muitos pacientes chegando com uma carga de informações que não tinham antes. O médico é o profissional habilitado que sabe filtrar, através do estudo, livros, artigos científicos e por isso detém o saber sobre os melhores caminhos a seguir no diagnóstico e tratamento das doenças para cada paciente. É muito arriscado fazer as interpretações e tomar conclusões leigas”, afirmou.

 

PESQUISA

O levantamento feito pelo Google foi realizado com o objetivo de saber como os brasileiros pesquisam e consomem conteúdo de saúde na plataforma de busca e no YouTube, site pertencente ao mesmo grupo. O estudo mostrou que o índice de brasileiros que buscam o Google como primeira fonte de informação em casos de problemas de saúde já chega a 26%, próximo aos que buscam imediatamente um médico, com 35%.

 

A pesquisa revelou ainda que o Brasil é o País em que as buscas referentes à saúde mais cresceram no mundo no último ano. A alta também foi maior do que a média de buscas em outras categorias dentro do Brasil. Enquanto as pesquisas de saúde cresceram 17,3%, às de cuidados com cabelos aumentaram apenas 3%. As de maquiagem caíram 4%.

Leia mais

Viver Bem: Carnaval e bebês - com cuidado, todo mundo cai na folia

De uma ponta a outra, o Brasil já respira Carnaval. A abertura oficial da festa ainda não aconteceu, mas todo mundo já está no clima da folia. Entretanto, para quem tem bebês em casa, a curtição precisa ser com uma atenção redobrada.

 

Levar ou não os bebês para o Carnaval pode vir a ser um dilema para os pais, mas, de acordo com a pediatra do Hapvida, Ana Larissa Melo, a partir dos seis meses de vida a diversão dos pequenos já pode acontecer, só que com algumas precauções. “A preferência deve ser por blocos infantis ou com perfil familiar, que aconteçam durante o dia e em locais abertos, arborizados ou com sombra”. No caso de mulheres lactantes, Ana explica que elas não devem permanecer por muito tempo na folia pelo risco de desidratação.

 

CUIDADOS
Os hábitos alimentares já utilizados pelas crianças devem ser mantidos. Frutas bem lavadas, sanduíches feitos em casa, sucos e água são boas opções. “Evite comidas de rua, pois não se sabe como esses alimentos foram manipulados”, destaca a especialista. 


Já a hidratação deve ser feita durante todo o percurso. Água, sucos de frutas e água de coco também são boas opções. E nada de pensar que pode passar o dia todo pulando na companhia dos pequenos. A pediatra explica que a exposição às altas temperaturas pode ser prejudicial para as crianças. Até dois anos de idade, não se deve permanecer por mais de duas horas nesses ambientes. Crianças com mais de três anos já podem permanecer até quatro horas, mas lembre-se do alerta: não esqueça de respeitar os limites da criança e evitar exageros.

 

ZUM ZUM ZUM

Os ouvidos são algumas das áreas mais afetadas durante os dias de folia e a comprovação disso se dá pelo som dos trios elétricos, que costuma bater o volume de 110 decibéis. Apesar da alta exposição, Ana destaca que, em geral, não são necessários protetores de ouvido. “Caso a criança sinta-se incomodada é sempre bom ter disponível protetor auricular adequado para idade.A atenção redobrada vai para crianças menores de um ano, que devem evitar ficar muito próximo às caixas de som”, pondera.

Leia mais

Histórico de Conteúdo