Ministério da Saúde prepara rede para casos do novo coronavírus
Foto: Luís Oliveira/MS

Diante dos casos de doença respiratória na China causada pelo novo Coronavírus, o Ministério da Saúde instalou o Centro de Operações de Emergência (COE) - Coronavírus. A pasta informou que o comitê vai preparar a rede pública de saúde para o atendimento de possíveis casos no Brasil.

 

O Ministério assegura que até o momento não há detecção de nenhum caso suspeito no país. A pasta tem realizado monitoramento diário da situação junto à Organização Mundial da Saúde (OMS), que acompanha o assunto desde as primeiras notificações de casos em Wuhan, na China, no dia 31 de dezembro de 2019.

 

O Ministério da Saúde realizou, nesta quinta-feira (23), em Brasília, coletiva técnica de imprensa para esclarecer dúvidas sobre o vírus e informar as ações que a pasta tem tomado, junto à secretarias estaduais e municipais de saúde, além de outros órgãos, para um possível atendimento de caso suspeito no país. Durante a coletiva, o ministro substituto da Saúde, João Gabbardo, destacou que a pasta vai continuar informando a sociedade brasileira conforme atualização da situação pela OMS.

 

“O Ministério da Saúde tem obrigação de esclarecer e não gerar pânico desnecessário na população e estamos trabalhando junto com as secretarias estaduais com essa finalidade. A nossa rede laboratorial está preparada para realizar os testes e fazer os diagnósticos", destacou Gabbardo.

 

O COE é composto por técnicos especializados em resposta às emergências de saúde pública. Além do Ministério da Saúde, compõe o grupo a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Instituto Evandro Chagas (IEC), além de outros órgãos. Desta forma, o país poderá responder de forma unificada e imediata à entrada do vírus em território brasileiro.

Quinta, 23 de Janeiro de 2020 - 15:20

Cuidar da saúde íntima no verão vai muito além de evitar o biquíni molhado

por Ana Cristina Batalha

Cuidar da saúde íntima no verão vai muito além de evitar o biquíni molhado
Foto: Divulgação

Os descuidos com a saúde íntima são muito mais comuns no verão. Não à toa, esse é o período em que aumentam as queixas ginecológicas. Passar o dia com o biquíni molhado, por exemplo, intensificam o surgimento de infecções. Os fungos e bactérias encontram no calor e na umidade o ambiente perfeito para sua proliferação. No consultório, as queixas mais comuns que recebo são coceira e corrimento vaginal, que podem ser sinais de candidíase, infecção causada por fungos, e vulvite, que é dermatite de contato ou alérgica na vulva, a parte externa da vagina. O problema é que, na presença de corrimento vaginal, muitas mulheres aumentam a quantidade de banhos diários e exageram no sabonete, o que acaba contribuindo para a retirada da proteção natural, mantendo o ambiente vaginal desfavorável e agravando o quadro.

 

Costumo dizer que, para evitar problemas, não basta apenas evitar o biquíni molhado. O corpo humano funciona de maneira integrada e demanda cuidados combinados que incluem desde a alimentação até a forma que você realiza a higiene íntima. A dica mais importante que toda mulher deve levar para a vida é: mantenha a região íntima arejada. Prefira roupas leves, tecidos de algodão e fuja dos sintéticos. Lave as peças com sabão neutro e coloque para secar em lugares ventilados, nunca em ambientes úmidos como banheiros.

 

O excesso de banho também não é saudável para a vagina. As duchas vaginais são contraindicadas, inclusive após a relação sexual, pois alteram o PH e desequilibram a flora íntima. Para fazer a higiene íntima, use somente água corrente e sabonetes neutros ou específicos para a região, sem perfume, já que trazem na composição o pH igual ao da vagina. Também é importante que esses produtos apresentem nos rótulos um selo que indica aprovação por ginecologistas e dermatologistas.

 

Para passar longe da candidíase, a principal queixa da estação mais quente do ano, também vale cuidar da alimentação. Uma dieta desequilibrada, rica em carboidratos e bebidas alcoólicas, o que é bem mais comum nessa época, é um fator de risco para o aparecimento e manutenção da doença. Além disso, é fundamental evitar roupas apertadas e sempre usar camisinha durante as relações sexuais. 

 

Os principais agentes etiológicos das infecções são as bactérias da própria vagina, as bactérias intestinais e os fungos. Mas, para cada agente, um tratamento diferente será recomendado, assim como os sinais e sintomas que também irão variar. Por isso, qualquer alteração deve ser avaliada pelo médico, nunca se automedique.O exame físico é fundamental para o tratamento adequado da doença, evitando a piora do quadro, a resistência medicamentosa, os vários tratamentos e as infecções de repetição. Além disso, o tratamento incorreto pode mascarar doenças graves que, se forem tratadas adequadamente, podem ser curadas.

 

Já quando o assunto é depilação, muito mais frequente no verão, em geral, não existem contraindicações. Algumas mulheres podem apresentar sintomas como ardência e coceira excessivas após o procedimento. Isso pode acontecer quando a paciente tem alergia à algum produto utilizado. Se a depilação é feita fora de casa, é importante prestar atenção na higiene do local. A higiene íntima está relacionada à limpeza da região, e não à presença de pelos.

 

Se estiver menstruada, o principal cuidado está em trocar o absorvente com mais frequência, independentemente do tipo. Absorventes internos podem ser utilizados nos banhos de mar ou piscina, mas não devem substituir os comuns no dia a dia. Os protetores diários também devem ser evitados, pois impedem a transpiração e deixam a vagina abafada. É importante lembrar que a secreção vaginal só passa a ser motivo de preocupação quando apresenta mau cheiro, coceira ou alteração na cor e na quantidade. Nesses casos, a mulher deve procurar um ginecologista o mais breve possível. 

 

*Ana Cristina Batalha é ginecologista, pós-graduada em Patologia do trato Genital Inferior e Colposcopia, em Medicina Estética, sócia da Clínica EMEG e vice-presidente da Associação Brasileira de Cosmetoginecologia (ABCGIN)

 

*Os artigos reproduzidos neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do Bahia Notícias

Setor de neurocirurgia do Hospital Geral de Conquista comemora número de procedimentos
Foto: Leonardo Rattes / Ascom Sesab

No Hospital Geral de Vitória da Conquista (HGVC), que atende a Macrorregião Sudoeste da Bahia, entre os recentes avanços de saúde da unidade, chama atenção a mudança no serviço de Neurocirurgia. Em 2019, ano em que a nova equipe assumiu o serviço, foram realizados procedimentos inéditos, seja para unidade, para o interior do Estado ou até mesmo em nível da Região no Nordeste.

 

O Hospital Geral de Vitória da Conquista (HGVC) comemora a realização de 541 neurocirurgias e com a marca se consolida como uma referência em alta complexidade.

 

A unidade de saúde destaca o aumento no número total de procedimentos e atribui o fato a implementação de novas técnicas e equipamentos, além do aprimoramento da complexidade e qualidade no atendimento. Como exemplo, a realização com sucesso do primeiro Bypass cerebral de alto fluxo no interior do estado, ou a remoção endoscópica de um tumor de tronco cerebral.

 

O neurocirurgião Juliano Baptista, coordenador do grupo, comenta que “as modificações são feitas gradativamente e em 2020 também será iniciado no serviço o tratamento cirúrgico de escoliose”.

 

Atualmente o Hospital Geral de Vitória da Conquista é referência em neurocirurgia para uma população estimada de 3 milhões de habitantes.

Quinta, 23 de Janeiro de 2020 - 12:20

Aumento no número de mortos por coronavírus na China cresce junto com temor

por Folhapress

Aumento no número de mortos por coronavírus na China cresce junto com temor
Foto: Darley Shen

O número de mortos na China pelo coronavírus subiu de 9 para 17, anunciaram nesta quarta-feira (22) as autoridades chinesas. Ao todo, são 444 casos confirmados de pessoas infectadas.

Autoridades da China e de outros países intensificaram os esforços para controlar um surto. A China desestimulou reuniões públicas na província de Hubei, onde o vírus surgiu no mês passado, e intensificou medidas de contenção em hospitais.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) tem uma reunião de emergência agendada para determinar se o surto constitui uma emergência de saúde global.

O vírus se espalhou da cidade chinesa de Wuhan, em Hubei, para Pequim, Xangai, Macau, Hong Kong e também chegou a Estados Unidos, Tailândia, Coreia do Sul, Japão e Taiwan.

O governo chinês atualizou o número de casos em uma tentativa de conter o pânico, num momento em que centenas de milhões de pessoas se preparam para viajar pelo país e ao exterior para as celebrações do Ano-Novo Lunar a partir desta semana.

"O aumento da mobilidade do público aumentou objetivamente o risco de propagação da epidemia e a dificuldade de prevenção e controle", disse o vice-ministro da Comissão Nacional de Saúde, Li Bin, a repórteres.

Há evidências de que o vírus estava sendo espalhado através da "transmissão respiratória", disse Li. E o diretor-geral do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China, Gao Fu, declarou que o vírus está se adaptando e se modificando, ressaltando os desafios para as autoridades de saúde.

Cerca de 2.200 pessoas que entraram em contato com pessoas infectadas são mantidas isoladas, enquanto 765 foram liberadas da observação.

"Houve uma grande mudança no número de casos, o que está relacionado ao nosso maior entendimento da doença, melhorando os métodos de diagnóstico e otimizando a distribuição de kits de diagnóstico", disse Li.

Os sintomas do vírus, que pode causar pneumonia, incluem febre, tosse e dificuldade em respirar.

Não existe vacina para o vírus, que pode ser transmitido de pessoa para pessoa. Quinze profissionais médicos estão entre os infectados na China.

Temores de uma pandemia semelhante ao surto da Sars (síndrome respiratória aguda grave), que começou na China e matou quase 800 pessoas em 2002-2003, agitaram os mercados globais, com as ações de empresas de aviação e artigos de luxo particularmente atingidas, e o iuan sofreu queda.

Quinta, 23 de Janeiro de 2020 - 09:00

Anvisa convoca recall de medicamento para úlcera por suspeita cancerígena

por Jade Coelho

Anvisa convoca recall de medicamento para úlcera por suspeita cancerígena
Foto: Divulgação

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou nesta quarta-feira (22), através de publicação no Diário Oficial da União,  o recolhimento de lotes do medicamento cloridrato de ranitidina, usado no tratamento da úlcera.

 

Na publicação o Ministério da Saúde informa que a medida é preventiva justificada pela presença da impureza nitrosamina, um composto químico cancerígeno.

 

Nesta semana algumas empresas farmacêuticas já haviam iniciado o recolhimento de alguns lotes de medicamentos usados no tratamento de úlcera gástrica por conta de uma possível contaminação com substância de potencial cancerígeno.

 

A NDMA é uma molécula do grupo das nitrosaminas. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), elas são impurezas que, a longo prazo, podem aumentar o risco de câncer. A agência alertou em um comunicado que esta impureza pode ser formada em laboratório durante a sintetização de alguns produtos a base de nitritos.

Quinta, 23 de Janeiro de 2020 - 00:00

ANS sabia desde 2017 de sucateamento da Unimed na Bahia, denuncia AHSEB

por Jade Coelho

ANS sabia desde 2017 de sucateamento da Unimed na Bahia, denuncia AHSEB
Foto: Priscila Melo / Bahia Notícias

A Agência Nacional de Saúde (ANS) sabia desde 2017 que a Unimed Norte Nordeste estava sucateada, inadimplente e com atendimentos prejudicados. A denúncia foi feita pelo presidente da Associação de Hospitais e Serviços de Saúde do Estado da Bahia (AHSEB), Mauro Duran Adan, ao Bahia Notícias. A entidade acusa a Agência de não tomar atitudes na medida e no tempo certo no caso para minimizar ou resolver as irregularidades da operadora, que segundo a AHSEB levaram à suspensão de atendimento dos usuários por falta de pagamento aos hospitais, clínicas e laboratórios. 

 

“Sabemos que hoje são perto de 12 mil usuários na Bahia. Que estão completamente desassistidos por uma única razão: a Unimed Norte Nordeste não paga a rede, não está pagando ninguém. E essa crise já se estende por quase três anos”, acusou Mauro Duran Adan. 

 

A Unimed Norte Nordeste está com atendimentos suspensos na modalidade urgência e emergência nos principais hospitais credenciados em Salvador. Mesmo as unidades de saúde que aparecem na lista da rede credenciada, disponível aos usuários do plano, não estão fazendo os atendimentos. Na semana passada o Bahia Notícias entrou em contato com o Hospital São Rafael, Hospital Evangélico da Bahia, Hospital da Bahia e o Hospital da Cidade e confirmou a informação de que o atendimento para o plano estava suspenso (leia mais aqui).

 

A AHSEB informou que quando começaram os problemas de inadimplência, em 2017, se reuniu com a direção da Unimed Norte Nordeste. Em 2018 também houve encontros para tentar chegar a uma resolução para o problema. No entanto, em 2019 não aconteceram encontros. Apesar dos esforços da Associação de Hospitais, a diretoria da operadora de saúde “ficou ausente e se esquivou” de receber a entidade.

 

Na visão do presidente da associação, uma medida eficiente que poderia ter sido adotada pela ANS é a utilização da reserva técnica que a Unimed tem junto à Agência. Mauro Duran explica que cada uma das operadoras de saúde possui esse recurso aplicado junto a ANS a fim de garantir a operação.  “Se isso tivesse sido feito, parte desse recurso tivesse sido destinado a pagar os prestadores de serviço, os hospitais, clínicas, laboratórios e médicos, provavelmente hoje nós não estaríamos sem atendimento”, analisou Mauro ao frisar que as primeiras notificações à Agência Nacional de Saúde foram feitas há três anos.

 

O presidente da AHSEB também criticou os retornos da ANS às solicitações feitas pela associação ao classificar os servidores como “muito vagos, muito protocolares”. “Diziam que estavam apurando, que iriam apurar. Mas as coisas muito lentas para acontecer. Ele retornaram a correspondência seis meses depois que a gente enviou. Mas respondiam com respostas que não diziam nada”, reclamou o administrador. 

 

ÓRGÃO REBATE

Contatada pelo Bahia Notícias, a ANS informou que implementou medidas no âmbito das ações de monitoramento e fiscalização no intuito de que a operadora se regularize.

 

Segundo a Agência, a Unimed Norte Nordeste está sob os regimes de Direção Técnica desde 12 de abril de 2019, e Direção Fiscal, instaurada em 14 de agosto de 2019. Através dessas medidas, a ANS monitora, in loco, a situação econômico-financeira, administrativa e assistencial da operadora. “Ambos os regimes são instaurados quando a ANS constata graves anormalidades administrativas e econômico-financeiras que coloquem em risco a continuidade ou a qualidade do atendimento à saúde dos beneficiários”, explicou o órgão.

 

No mais recente ciclo do Monitoramento da Garantia de Atendimento da ANS, a Unimed Norte Nordeste teve 12 planos com a comercialização suspensa. Com isso eles não podem receber novos usuários para não comprometer a assistência prestada. Em ciclos anteriores, a operadora também teve planos suspensos em razão de reclamações relacionadas a questões assistenciais: foram 15 suspensões em 2017; 17 em 2018; e 20 suspensões no total em 2019. O Monitoramento da Garantia de Atendimento avalia as operadoras a partir das denúncias sobre descumprimento dos prazos máximos para realização de consultas, exames e cirurgias ou sobre negativa de cobertura assistencial encaminhadas para a fiscalização da ANS.

 

Em relação aos ativos garantidores questionados pela AHSEB, a explicação da ANS foi de que se tratam de recursos financeiros e imóveis que não foram criados para dar quitação direta a débitos assistenciais. O uso desse recurso depende da manifestação da Procuradoria Federal junto à ANS, nos casos em que há previsão legal, para que se crie patrimônio de afetação destinado ao pagamento de dívidas assistenciais.

 

Procurada para responder sobre a suspensão dos atendimentos, a Unimed Brasil afirmou através de assessoria que por ora não tem um posicionamento e que o caso está sendo apurado internamente.

Coronavírus: Bahia aumenta alerta das equipes de vigilância epidemiológica e sanitária
Foto: Reprodução/Google Maps

Em meio mais de 400 casos de coronavírus registrados no mundo e um caso descartado em Minas Gerais (leia aqui e aqui), a Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) aumentou o nível de alerta das equipes de vigilância epidemiológica e sanitária. A medida segue uma orientação do Ministério da Saúde e inclui a revisão dos fluxos de investigação de casos suspeitos, e estabelecimento de um hospital de referência para encaminhamento e investigação de contatos com outras pessoas. Não há até o momento nenhum caso suspeito na Bahia.

 

Em nota ao Bahia Notícias a Sesab informou que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Ministério da Saúde estão trabalhando em conjunto com as Secretarias Estaduais de Saúde. As entidades estão revisando a capacidade instalada de testes diagnósticos para investigação e descarte de agentes etiológicos respiratórios conhecidos.

 

A secretaria ainda recomendou cautela para evitar medidas restritivas e desproporcionais em relação aos riscos para a saúde e trânsito de pessoas, bens e mercadorias.

 

Por fim a pasta informou que segue aguardando novas orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

Ministério da Saúde afasta suspeita de caso de coronavírus em Minas Gerais
Foto: Divulgação

O Ministério da Saúde afastou a suspeita de um caso de coronavírus no estado de Minas Gerais. A Secretaria de Saúde do estado (SES-MG) estava investigando um caso suspeito da doença. As informações preliminares indicavam que se tratava da infecção de uma mulher, brasileira, de 35 anos, que veio de Xangai, na China (leia aqui).

 

Segundo a pasta, até a tarde desta quarta-feira (22) não há detecção de nenhum caso suspeito no Brasil de "Pneumonia Indeterminada" relacionado ao evento na China.

 

"O caso noticiado pela SES-MG não se enquadra na definição de caso suspeito da Organização Mundial da Saúde (OMS), tendo em vista que o paciente esteve em Xangai, onde não há, até o momento, transmissão ativa do vírus. De acordo com a definição atual da OMS, só há transmissão ativa do vírus na província de Whuan", informou o governo federal.

Governo de Minas investiga caso suspeito de coronavírus em Belo Horizonte
Foto: Divulgação

Está sob investigação da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) um caso suspeito de coronavírus em Belo Horizonte. Conforme apurado pelo G1, a suspeita de infecção é de uma mulher, brasileira, de 35 anos, que veio de Xangai, na China.

 

O estado já realizou exames capazes de confirmar ou descartar a hipótese. O processo está em andamento em laboratórios de referência.

 

O caso suspeito foi identificado na terça-feira (21) em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) na capital mineira. De acordo com reportagem do G1, a paciente desembarcou em Belo Horizonte no dia 18 de janeiro. Entre os sintomas apresentados pela mulher estão problemas respiratórios, compatíveis com a doença respiratória viral aguda.

 

Mais de 400 casos da doença já foram registrados no mundo, a maioria foi na China. Houve registros também em Macau, na costa sul chinesa, e em países como Estados Unidos, Japão, Tailândia, Taiwan e Coreia do Sul. Há casos suspeitos no México, em Hong Kong, nas Filipinas e na Austrália.

Anvisa aprova proposta que simplifica importação de produtos à base de canabidiol
Foto: Kimzy Nanney/Unsplash

Uma proposta que simplifica o procedimento para importação de produto à base de canabidiol para uso pessoal foi aprovada pela diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta quarta-feira (22).

 

O órgão liberou em dezembro de 2019 a venda em farmácias de produtos à base de cannabis para uso medicinal no Brasil (lembre aqui). No entanto, ainda no ano passado a Anvisa rejeitou a proposta que previa o cultivo de maconha para fins medicinais no Brasil. A partir dessa decisão, os fabricantes que desejarem entrar no mercado precisarão importar o extrato da planta.

 

O foco da decisão desta quarta-feira é nos pacientes que importam os medicamentos já disponíveis no mercado internacional. De acordo com reportagem do G1 com base em dados fornecidos pela Anvisa, até o terceiro trimestre de 2019, foram 6.267 solicitações de importação, contra 3.613 em 2018.

 

A nova resolução vai começar a valer a partir da publicação no Diário Oficial da União (DOU), o que ainda não tem data prevista para ocorrer. Uma minuta da nova resolução foi divulgada na reunião da Diretoria Colegiada da Anvisa.

 

Com as mudanças, a agência passará a exigir apenas a prescrição médica para análise de cada pedido, o qual deve ser feito por meio do Portal de Serviços do governo federal. Entre os documentos que deixam de ser exigidos, está a apresentação de laudo médico com a descrição da doença e termo de consentimento, que passará a ser gerado de forma automática. Segundo a agência, a dispensa de laudo médico ocorre devido à responsabilidade do médico na prescrição de tratamentos.

Detentos fogem do Hospital de Custódia e Tratamento em Salvador
Foto: Reprodução / A Tarde

Dois presos conseguiram fugir na madrugada desta segunda-feira (20), em Salvador. Eles estavam custodiados no Hospital de Custódia e Tratamento (HCT), localizado na Baixa do Fiscal, destinado ao cumprimento de medidas de segurança de internação. 

 

O Sindicato dos Servidores Penitenciários (Sinspeb) informou que cinco detentos tentaram fugir da instituição, mas três custodiados foram capturados em tempo hábil. O presidente do sindicato, Reivon Pimentel, afirma que a unidade de tratamento é antiga, com estrutura obsoleta e possui o número de policiais penais plantonistas reduzido. 

 

O sindicalista salientou que outro agravante pode facilitar as fugas: o abandono das guaritas pelos policiais militares, que argumentam falta de segurança no local. "As guaritas estão desguarnecidas e a responsabilidade da vigilância perimetral cabe a Polícia Militar e não aos policiais penais. Além disso, a falta de monitoramento por câmeras e os muros extremamente baixos são mais fatores que facilitam as recorrentes fugas no HCT", denunciou o presidente do Sinspeb, Reivon Pimentel.

 


Homens utilizaram corda improvisada para fugir | Foto: Divulgação

Hemoba terá posto de coleta para cadastro de medula em shoppings de Salvador
Foto: Reprodução / G1

A Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia (Hemoba) disponibilizou a partir desta terça-feira (21) dois postos temporários para cadastro de doadores de medula óssea na capital baiana. A unidades ficam no Salvador Norte Shopping, até o dia 15 de fevereiro e, no Salvador Shopping, até 29 de fevereiro. Os postos funcionarão de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h, e aos sábados, das 9h às 13h.

 

Para ser doador de medula é necessário apenas 5 ml de sangue. O cadastro é feito em um banco internacional de doadores de medula óssea.

 

Apesar de o cadastro ser um procedimento simples e extremamente importante para viabilizar o tratamento de diversas doenças, a coleta da medula para transplante só é realizada caso seja confirmada a compatibilidade. Atualmente, a chance de um indivíduo encontrar um doador compatível entre irmãos, de mesmo pai e mãe, é de 25%. Para 75% dos pacientes, é necessário identificar um doador alternativo a partir do cadastro de doadores voluntários.

 

Em 2019, a Hemoba registrou mais de 20 mil novos cadastros voluntários de doadores de medula. Ao todo, a Bahia possui cerca de 184 mil pessoas cadastradas no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome).

 

Para ser um doador de medula óssea é preciso ter entre 18 e 55 anos incompletos e não possuir doenças infecciosas, câncer ou deficiências no sistema imunológico, preencher um formulário com dados pessoais e realizar a coleta de uma amostra de sangue com 5 ml para testes de compatibilidade. Os dados pessoais e os resultados dos testes armazenados no sistema são cruzados com os dados dos pacientes que estão necessitando de um transplante. Em caso de compatibilidade com um paciente, o doador é então chamado para exames complementares e para efetivar a doação.

Quarta, 22 de Janeiro de 2020 - 09:00

Febre hemorrágica pode apresentar extrema gravidade e alta letalidade

por Folhapress

Febre hemorrágica pode apresentar extrema gravidade e alta letalidade
Foto: Reprodução/Pixabay

As febres hemorrágicas provocadas por vírus são um grupo de doenças de origem animal, caracterizadas por febre e manifestações hemorrágicas que podem apresentar extrema gravidade e alta letalidade.

Há registros na literatura científica de quatro casos da doença chamada febre hemorrágica brasileira, causada por um arenavírus da espécie Sabiá. O Ministério da Saúde informou na segunda-feira (20) o registro de um caso confirmado da febre hemorrágica brasileira, causada por um novo vírus 90% similar a esse arenavírus Sabiá. 

O caso é de um homem adulto, morador de Sorocaba (SP), e que morreu no dia 11 de janeiro. Seu histórico de viagem inclui Itapeva (SP) e Itaporanga (SP), que são os locais prováveis de infecção, além de Eldorado (SP) e Pariquera-Açu (SP), na região do Vale do Ribeira. Ele não tinha histórico de viagem internacional.

A doença não era registrada no país há mais de 20 anos. 

Segundo boletim do Ministério da Saúde, roedores silvestres são o reservatório do arenavírus e, se estiverem cronicamente infectados, podem eliminar o vírus por toda a vida.

A transmissão se dá principalmente por meio da inalação de aerossóis, formados a partir da urina, fezes e saliva de roedores infectados. Também pode ocorrer por meio de mordidas dos bichos.

A transmissão dos arenavírus de pessoa a pessoa pode ocorrer quando há contato muito próximo e prolongado ou em ambientes hospitalares por meio de contato com sangue, urina, fezes, saliva, vômito, sêmen e outras secreções.

O período de incubação, ou seja, entre a exposição do vírus até o início dos sintomas, geralmente é de 6 a 14 dias.

A dengue também pode causar febre hemorrágica, mas o vírus pertence a outra família, dos flavivírus. Os sintomas iniciais da dengue hemorrágica são semelhantes aos da dengue clássica, mas evoluem rapidamente para manifestações hemorrágicas. Os casos típicos são caracterizados por febre alta, fenômenos hemorrágicos, aumento do fígado e insuficiência circulatória.

HISTÓRICO NO BRASIL
Na literatura científica, há descrição de apenas quatro casos humanos de febre hemorrágica brasileira provocados pelo gênero Mammarenavirus.

O primeiro caso ocorreu por infecção natural, ou seja, a partir de um animal, na década de 1990 no estado de São Paulo. Era uma mulher de 25 anos que tinha viajado para Cotia (SP) dez dias antes dos sintomas. 

Depois de sua morte, testes imunológicos e virológicos apontaram que se tratava de um novo vírus, da família Arenaviridae, denominado de vírus Sabiá -era o nome do bairro onde a paciente provavelmente se infectou.

Essa primeira infecção deu origem ao segundo caso. Um técnico de laboratório de 39 anos foi infectado acidentalmente, durante o processamento da amostra clínica do primeiro caso. Ele sobreviveu.

Há um terceiro relato de caso de vírus Sabiá ocorrido em ambiente laboratorial dos Estados Unidos, em um virologista que provavelmente se infectou durante análise de amostras.

O quarto caso de vírus Sabiá descrito na literatura ocorreu em 1999 por infecção natural. Trata-se de um paciente de 32 anos que era operador de máquina de grãos de café e morava na área rural do Espírito Santo do Pinhal (SP). Após sete dias de hospitalização, o paciente morreu.

As febres hemorrágicas são doenças que apresentam uma distribuição mundial, de seis famílias:

Arenavírus (febres hemorrágicas dos vírus Junin, Machupo, Guanarito e Sabiá no Brasil e do vírus Lassa na África);

Flavivírus (febre hemorrágica de Omsk, febre da floresta de Kyasanur, dengue hemorrágica/ síndrome de choque do dengue e febre amarela);

Nairovírus (febre hemorrágica do Congo e da Crimeia);

Phenuivírus (febre do Vale Rift);

Hantavírus (febre hemorrágica com síndrome renal por hantavírus e síndrome pulmonar e cardiovascular por hantavírus);

Filovírus (febres hemorrágicas dos vírus Marburg e Ebola).

Estados Unidos confirmam caso de coronavírus; no mundo 6 pessoas já morreram
Foto: Divulgação/ Center for Desease Control and Prevention

A primeira infecção por coronavírus nos Estados Unidos foi confirmada pelo país. A informação foi divulgada pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, sigla em inglês), que acompanham o surto no país e no exterior. O coronavírus causa um tipo de pneumonia que é transmitida de pessoa para pessoa.

 

Na China, o vírus infectou quase 300 pessoas, e já ocasionou seis mortes devido à doença. Foram registrados casos também no Japão, Tailândia, Taiwan e Coreia do Sul.

 

Reportagens de veículos americanos divulgaram informações de que um turista chinês foi diagnostiado em Seattle, no estado de Washington. A identidade está sendo preservada pelas autoridades de saúde do país.

 

A origem do vírus ainda não foi identificada, conforme destaca matéria do G1. Mas a fonte primária é provavelmente um animal, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). As autoridades chinesas vincularam o surto a um mercado de frutos do mar na cidade chinesa de Wuhan, onde os primeiros casos foram registrados.

Salvador terá 20 novos postos de saúde e mais médicos residentes em 2020  
Foto: Max Haack/Secom

Até o final de 2020 serão inauguradas em Salvador 20 unidades de saúde. A informação foi anunciada pelo prefeito ACM Neto (DEM) nesta terça-feira (21) na ocasião em que assinou a ordem de serviço para a construção da Unidade de Saúde da Família (USF) Nova Sussuarana I, na Rua Santíssima Trindade. O democrata também assinou o convênio com a Fundação Estatal Saúde da Família (Fesf/SUS), que possibilitará a inclusão de mais 24 residentes que atuarão nos postos de saúde municipais.

 

“São investimentos muito importantes. No ano passado, a atenção básica só atingia 13% da população nesta região e estamos caminhando para, no fim de 2020, chegar a mais de 54% de cobertura de saúde, saindo de nove para 53 equipes de saúde da família. Sussuarana mesmo tinha uma carência muito grande na área de saúde e a Prefeitura, entendendo isso, não só construiu um posto que funciona hoje (USF Raimundo Agripino, entregue em 2014) como vamos construir mais dois apenas aqui no bairro”, discursou ACM Neto.

 

De acordo com informações da prefeitura de Salvador, a USF Nova Sussuarana I contará com investimento de R$1,4 milhão. A área construída será em torno de 600 m². A previsão da gestão municipal é de que a unidade seja entregue no primeiro semestre de 2021, com capacidade para atender a 16 mil pessoas residentes na região. O posto terá quatro equipes de saúde da família e outras quatro de saúde bucal.

 

A estrutura terá dois pavimentos e englobará 12 consultórios, dentre outros ambientes. Serão realizados serviços de acolhimento, atendimento médico, enfermagem, odontológico, além de atividades dos programas prioritários como hipertensão arterial, diabetes, tuberculose e hanseníase. O novo posto também ofertará procedimentos de promoção e proteção à saúde como vacinas, coleta de material para exames laboratoriais, marcação de consultas, de exames e dispensação de medicamentos.

 

Quanto a assinatura do convênio entre a prefeitura e a Fesp possibilitará que os 24 residentes, que serão 12 médicos e 12 odontólogos, reforcem o quadro de profissionais de saúde para atender à população.

Bahia Notícias envia notícias e boletins também pelo WhatsApp

Já pensou usar o WhatsApp para ficar por dentro das principais notícias do dia? Para auxiliar os leitores a se manterem bem informados sobre os assuntos do momento, o Bahia Notícias possui um serviço que utiliza o aplicativo para enviar as notícias mais importantes de Salvador, da Bahia e do Brasil e ainda um resumo diário com os principais assuntos debatidos na imprensa. Para ter acesso aos boletins, o leitor precisa apenas salvar o número do nosso WhatsApp (71 99676-0059) na agenda de contatos e enviar o nome completo, e-mail e cidade. Diariamente a equipe do Bahia Notícias vai encaminhar as notícias mais importantes pelo aplicativo e o leitor vai se manter ainda mais atualizado sobre o que acontece no mundo!

Governo confirma primeira morte por febre hemorrágica no país após 20 anos
Foto: Divulgação

O Ministério da Saúde confirmou, nesta segunda-feira (20), a primeira morte por febre hemorrágica no país após 20 anos

Um morador de Sorocaba, no interior de São Paulo, morreu em decorrência de complicações causadas pela febre hemorrágica. A vítima é um homem de 52 anos, morador da Vila Carvalho, segundo o G1. De acordo com o ministério, o morador viajou para as cidades de Itapeva (SP) e Itaporanga (SP), locais prováveis de infecção.

Segundo a Secretaria de Saúde de Itapeva, ele esteve na cidade por dois dias no mês de dezembro visitando os filhos e não apresentou nenhum sintoma da doença. O paciente não tinha histórico de viagens internacionais. O ministério está considerando o caso como um evento de saúde pública grave por conta da raridade e da letalidade da doença.

Homem é internado no México após ereção de três dias por uso de estimulante para touros
Foto: Ilustrativa/Pixabay

Um homem foi hospitalizado em uma unidade de saúde de Reynosa, no México, depois de tomar um estimulante para touros e ficar três dias com o pênis ereto.

 

A medicação utilizada pelo homem, de acordo com reportagem do site Extra, se tratava de um estimulante usado nos touros para prepará-los para o sexo.

 

"Ele tomou um estimulante sexual que tinha comprado em Veracruz e usado por fazendeiros para deixar os touros com mais vigor para a reprodução", explicou o médico responsável pelo caso do mexicano.

 

De acordo com a reportagem o paciente teve que ser operado e não teve a identidade revelada.

 

O quadro clínico do homem é conhecido como priapismo. Se trata de uma ereção peniana dolorosa, independente de desejo sexual, durante um período superior a duas horas, sem levar à ejaculação, causada por insuficiência de drenagem do sangue que enche os corpos cavernosos.

Terça, 21 de Janeiro de 2020 - 09:20

Consumo de alimento vencido pode causar intoxicação séria

por Tayguara Ribeiro | Folhapress

Consumo de alimento vencido pode causar intoxicação séria
Foto: Reprodução/R7

Alimentos que estão com a data de validade vencida não devem ser consumidos, mesmo que apresentem um bom aspecto visual. Além de estarem mais propensos à ação de fungos e bactérias, substâncias dos próprios alimentos começam a se modificar, depois deste período, podendo causar intoxicações.

"Algumas propriedades do alimento, depois do prazo de vencimento, já não agem da mesma forma. É o bom-senso também. Isso não começa já no primeiro dia pós-vencido, mas é melhor evitar", explica Thiago Gara, gastroenterologista do hospital São Luiz.

O médico explica que a data de vencimento só deve ser levada em consideração enquanto o alimento ainda está fechado. "Quando aberto, o que vale é o aspecto do alimento. Cor e cheiro, principalmente. Se estiverem diferentes do que normalmente aquele tipo de alimento deveria apresentar, não devem ser consumidos", explica.

Ana Cristina de Castro Amaral, doutora em Medicina e médica assistente da disciplina de Gastroenterologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), concorda. "A margem de segurança provavelmente existe, mas a gente não pode ter garantia nenhuma."

Ela explica que existem tempos diferentes para alimentos diferentes. "Depois de aberto ele vai se deteriorar mais rápido, existe o próprio contato com o ar."

Sobre alimentos preparados, como arroz, feijão e carnes, Thiago Gara explica que não tem problema guardá-los na geladeira para consumo posterior. No entanto, ele alerta de que é importante sempre colocá-los em recipientes que possam ser tampados. "Quando você cobre, mesmo estando na geladeira, você aumenta a durabilidade do alimento.

Segundo Ana Cristina de Castro, médica da Unifesp, podem ser conservados na geladeira por até dois dias, normalmente, alimentos como carne moída, peru, carne cozida, peixe, marisco. Até quatro dias, molhos e sopas. Alimentos defumados como bacon podem esperar até sete dias.

"A grande maioria das pessoas não se atenta a isso, mas existe uma orientação de como guardar alimentos em geladeira. Inclusive, recomendações de quais prateleiras cada classe de alimento deve ficar", afirma.

Os alimentos in natura, como carne fresca, podem ser congelados para consumir depois e devem ser descongelados na geladeira.
 

INFECÇÃO ALIMENTAR
A infecção alimentar é um termo genérico para qualquer infecção adquirida por meio da ingestão de água ou alimento contaminado. Ela pode ser provocada por bactéria, vírus ou parasita. 

Entre os principais sintomas estão diarreia, vômito, e nos casos mais graves, dor abdominal, febre, dor no corpo e desidratação. A doença é mais problemática para crianças, idosos e pessoas com doenças graves.

Na maioria das vezes, o corpo de um adulto consegue resolver este tipo de problema em até 48 horas. A indicação é tomar muito líquido e procurar tratamento médico se tiver mais que três evacuações por dia, diarreia com sangue, dor abdominal intensa, febre, calafrio e taquicardia. 

Suco de fruta natural, chá, água de coco e isotônico são as melhores formas de se hidratar. Quem está em crise deve seguir uma dieta leve, sem alimentos gordurosos ou muito temperados. 

Entre as dicas para prevenir estão analisar a higiene dos locais quando precisar se alimentar fora de casa e evitar comer alimentos crus em locais em que não se conhece o preparo. 



CUIDADOS
Não consuma alimentos vencidos

Observar o aspecto dos alimentos (cor e cheiro) mesmo daqueles que estão dentro da validade

Analisar a higiene dos locais quando precisar se alimentar fora de casa

Evitar comer alimentos crus em locais em que não se conhece a forma de preparo

Após aberto, a validade dos alimentos não conta mais. Deve-se ficar atento a forma de acondicionamento e aos aspectos como cor e cheiro

Alimentos in natura podem ser congelados, sem problema, mas deve-se evitar congelar novamente

Terça, 21 de Janeiro de 2020 - 00:00

HGE: 54% dos atendimentos são pouco complexos e poderiam ser feitos em UPAs

por Ailma Teixeira / Jade Coelho

HGE: 54% dos atendimentos são pouco complexos e poderiam ser feitos em UPAs
Foto: Reprodução/Google Maps

O desconhecimento da população faz com que o Hospital Geral do Estado (HGE), referência em trauma no Norte e Nordeste do país, acabe empregando recursos em atendimento menos complexos do que está habilitado a fazer. A unidade é especializada no atendimento de pacientes poli traumatizados e múltiplas vítimas, mas dos 65.384 atendidos de 2019, mais da metade (54,45%) foi em busca de clínica médica.

 

O complexo Hospital Geral do Estado 1 e 2 é referência para os atendimentos de média e alta complexidade. É o maior hospital especializado em trauma do Estado da Bahia, possuindo porta aberta para atendimentos de urgências e emergências. A unidade atende as especialidades médicas de cirurgia de coluna, geral, neurocirurgia, oftalmológica, pediatria, queimados, cirurgia reparadora, transplante e Terapia Intensiva (UTI).

 

Diretor da unidade há 18 anos, André Luciano Andrade ressaltou a média de 5.449 atendimentos por mês do HGE, mas lamentou a alta procura de atendimento para casos de clínica médica. “É um hospital de altíssima complexidade, e a população ainda vem aqui, por exemplo, medir a hipertensão, com dor de barriga, vem aqui para ver a cólica. Mas não é a missão do hospital, a missão do Hospital Geral do Estado é realmente atender trauma”, reforçou André.

 

O médico atribui o problema a uma questão cultural da população, que costuma buscar o HGE para situações que poderiam ser resolvidas em Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) ou outros hospitais. Na visão de André Luciano, as pessoas ainda têm a mentalidade do antigo hospital Getúlio Vargas, “que atendia tudo”.

 

O gestor do HGE destaca que a unidade não deixa de atender ninguém, mesmo que fora da especialidade. Mas considera a demanda de pacientes que não são de trauma um gasto de recursos e energia da unidade, que poderiam ser centrados para o paciente poli traumatizado.

 

“Por exemplo, coluna, nós somos a referência, mas eu não opero hérnia de disco, eu opero a coluna fraturada. Oftalmologia, eu não passo óculos, eu arranco olho, faço enucleação, evisceração. Atendemos muitos pacientes que poderiam ser atendidos em uma UPA, outros hospitais”, apontou André Luciano Andrade.


O problema, na visão do diretor do HGE, se resolveria com uma melhor comunicação para direcionar os pacientes para outras unidades do estado.

Venenos de vespa e escorpião podem auxiliar tratamento de tuberculose
Foto: Reprodução/EBC

Um grupo de pesquisadores do Instituto de Patologia e Medicina Tropical da Universidade Federal de Goiás (UFG) está trabalhando para criar alternativas de tratamento da tuberculose, a partir dos venenos do escorpião e das vespas. O veneno desses insetos contém pedados de proteína, chamados de peptídeos, que têm ação antimicrobiana, conforme destacado por reportagem da Agência Brasil.

 

Esses peptídeos protegem vespas e escorpiões de contágios, porque se fixam na parede das bactérias e não permitem que haja troca de nutrientes com o meio externo e, assim, provocam a morte das bactérias.

 

Os cientistas da UFG conseguiram modificar a proteína, aplicar em testes com camundongos para verificar o efeito sobre diversas doenças. Eles colheram bons resultados contra a tuberculose, conforme publicação da Agência Brasil.

 

“Não tem como a bactéria montar um mecanismo de resistência”, disse a coordenadora do projeto e professora do Instituto de Patologia e Medicina Tropical Ana Paula Junqueira Kipnis.

 

A pesquisadora ainda fez uma comparação com outros antibióticos que “têm que entrar na bactéria, interferir com enzimas no metabolismo para conseguir matá-la. A bactéria, no entanto, cria mecanismos para impedir a ação desses fármacos, jogando a droga para fora ou produzindo enzimas que quebram o remédio”.

Santa Casa inaugura Faculdade com cursos de gestão hospitalar e cuidados paliativos
Foto: Divulgação

A Santa Casa da Bahia é inaugurou a primeira unidade particular de ensino da Bahia vinculada a um hospital próprio. A Faculdade Santa Casa, vinculada ao hospital Santa Izabel, vai ofertar cursos de pós-graduação com estrutura diferenciada na Pupileira, na Avenida Joana Angélica, Nazaré. Os cursos de graduação começarão a partir do segundo semestre.

 

Além da articulação entre ensino e prática em Saúde, a nova instituição possibilitará a realização de estágio supervisionado e contará com um corpo docente formado por especialistas, mestres e doutores com reconhecida experiência profissional na assistência e cuidado em contextos de alta complexidade.

 

A princípio, serão ofertados os cursos de Aperfeiçoamento em Cuidados Paliativos, conveniado com o Hospital Sírio Libanês de São Paulo, e em gestão para profissionais de saúde, além de especializações em Enfermagem em Terapia Intensiva, Enfermagem em Urgência e Emergência, Nutrição Clínica, Terapia Nutricional, Fisioterapia Oncológica, Fisioterapia Hospitalar com ênfase em unidade de alta complexidade adulto e fisioterapia em Postura e Dor.

 

A criação da nova faculdade chega em um momento singular na trajetória da Santa Casa da Bahia - instituição com 470 anos. "Com esta iniciativa, vamos contribuir com o aprimoramento de profissionais e gestores de saúde e manteremos viva a tradição de nossa instituição formar conceituados profissionais para a prática de uma assistência à saúde humanizada e de excelência, com o olhar sempre voltado à tecnologia e à inovação", afirmou Jose Antônio Alves, provedor da Santa Casa.

 

O diretor-geral da Faculdade da Santa Casa, Caio Andrade, reforça ainda que a decisão de estimular a aprendizagem e criar cursos estratégicos de formação superior em áreas de saúde, surgiu da realização de pesquisas e pela necessidade de capacitação observada no mercado. "Nossa caminhada nasce com a chancela de uma instituição secular e moderna aliada a uma academia robusta e uma estrutura propícia à integração entre assistência, clínica, ensino e pesquisa. "Nossa principal missão é gerar conhecimento, desenvolver profissionais de excelência e transformar o mercado baiano de educação na área de saúde", afirmou Caio Andrade.

Governo informa que número de lotes de cervejas da Backer contaminados chegou a 32
Foto: Uarlen Valério / O Tempo

O número de lotes de cervejas da Backer contaminados com a substância tóxica dietilenoglicol subiu para 32, conforme divulgado pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) neste sábado (18).

 

Dos 32 lotes, 23 são da cerveja Belorizontina, e os outros nove, das bebibas Backer D2, Backer Pilsen, Backer Trigo, Brown, Capitão Senra, Capixaba, Corleone, Fargo 46 e Pele Vermelha.

 

Segundo reportagem do G1, duas novas marcas que foram identificadas contaminações são a Corleone e a Backer Trigo. As análises são realizadas pelos Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária.

 

A empresa Backer informou que já está fazendo o recall determinado pelas autoridades.

Cientistas criam tecnologia que identifica infecção urinária com uso de smartphone
Foto: Reprodução/Fierce Electronics

Semelhante a um teste de gravidez e com duração de 25 minutos, um novo diagnóstico de bactérias causadoras da infecção urinária está sendo desenvolvida por cientistas da Universidade de Bath, na Inglaterra. Para identificação da patologia, o infectado usará a câmera de um smartphone. 

 

De acordo com o portal Techtudo, a nova tecnologia traz redução de custos para o médico e rapidez no diagnóstico para o paciente. Atualmente, os exames de detecção de infecções no trato urinário demoram dias para se chegar em um resultado. Com isso, é esperado que países subdesenvolvidos e áreas de difícil acesso sejam beneficiados com a novidade. 

 

Para realização do teste, além do uso do smartphone, são utilizados uma tira plástica contendo anticorpos - local onde vai ser aplicada a amostra de urina - e uma enzima, que será aplicada na tira. É com o uso conjunto do material plástico e da substância que muda as bactérias de cor, que a câmera do celular consegue detectar a presença destes micro-organismos.

 

Com sua eficácia comprovada, no entanto, o novo método de diagnóstico deve ser validado por órgãos competentes. O grande entrave entre os cientistas, nesse sentido, será o de convencer esses órgãos sobre o método, já que tais grupos validadores defendem os potencial dos laboratórios e resistem em aceitar diagnósticos com smartphones. 

Verão é a estação com maior número de casos de lesão na medula
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Mergulhar em locais de qualquer profundidade pode, em algumas ocasiões, trazer consequências graves e definitivas. De acordo com a Sociedade Brasileira de Coluna (SBC) a atitude, que cresce com a chegada no verão, é a segunda maior causa de lesões na medula. 

 

Segundo informações da Agência Brasil, no outono, inverno e primavera, as lesões que afetam a medula por acidentes em mergulho caem para a quarta posição. No verão, no entanto, além do aumento, 90% das vítimas são jovens, principalmente os que possuem entre 10 e 25 anos. 

 

Para o especialista em fisiatria, André Sugawara, os resultados mais frequentes são de tetraplegia, quando a vítima perde os movimentos de qualquer parte do corpo abaixo do pescoço. Somado a isso, pessoas sem conhecimento da profundidade do local podem, ainda, sofrer traumatismo craniano. 

 

Sugawara também aconselha que de forma preventiva, os banhistas evitem associar mergulhos com bebidas alcoólicas e não realizem saltos de cabeça. “Não existe profundidade segura. Qualquer mergulho é passível de resultar em um traumatismo na coluna. Entre andando na água e saia andando”, recomenda o médico. 

Domingo, 19 de Janeiro de 2020 - 11:20

João Carlos Martins volta ao piano após um ano graças a luva biônica

por Ricardo Kotscho | Folhapress

João Carlos Martins volta ao piano após um ano graças a luva biônica
Foto: Reprodução/Instagram

Os vizinhos do Edifício Caraguatatuba, nos Jardins, onde ele mora há mais de 40 anos, voltaram a ouvir o som do piano no apartamento do último andar.

Foi pouco antes do Natal. João Carlos Martins, 79, voltou a tocar de uma hora para outra graças a uma luva adaptadora que lhe devolveu os movimentos dos dedos (menos o médio da mão direita).

Em janeiro do ano passado, tocando apenas com os polegares, o pianista que virou maestro tinha se despedido do piano, mais uma vez, em grande estilo, em uma apresentação no programa de TV "Fantástico" e havia dito que, dessa vez, seria para sempre.

O que aconteceu nesse meio tempo? Pouco antes do Natal, ao final de um concerto em Sumaré, no interior de São Paulo, depois de muito esperar na calçada, um desconhecido conseguiu entrar no camarim para lhe entregar um estranho par de luvas pretas.

"Ele deve ter pensado que eu era maluco", lembra o designer industrial Ubiratã Bizarro Costa, 55. Foi exatamente o que Martins pensou, já acostumado com as figuras que lhe aparecem nos camarins prometendo curas milagrosas.

Duas semanas depois de testar as luvas biônicas, que quebraram de tanto ele tocar com força, convidou Bira para ir a seu apartamento. O artesão anônimo tinha feito o primeiro protótipo baseado apenas em fotos e vídeos das mãos do pianista projetadas em 3D. Na semana passada, Martins foi à casa de Bira para experimentar e ajustar um novo protótipo.

Com hastes de aço sobre os dedos, que funcionam como molas, presas a uma placa de fibra de carbono, as luvas mecânicas cobertas com neoprene custaram a Bira R$ 500 com a compra de material.

"Eu não sei te explicar, mas essa engrenagem fez com que, ao dedilhar o piano, meus dedos fossem e voltassem à posição normal. Antes, minhas mãos ficavam sempre fechadas", diz o pianista.

De lá para cá, cinco protótipos depois, ele não tira mais as luvas nem para dormir. É para se acostumar a ficar com as mãos novamente abertas. "As luvas vão amoldar as mãos ao cérebro com o tempo. Em breve, vou tocar de novo o concerto de Bach em ré menor", anima-se o velho novo pianista.

Bira se especializou em design para produtos automotivos, mas nos últimos quatro anos começou a fazer protótipos de adaptadores para pessoas com deficiência. Ao ver Martins no "Fantástico", ele começou a pensar numa solução para o maestro.

Em 2018, na última das 24 cirurgias que já enfrentou, o médico Rames Mattar eliminou as dores que Martins sentia desde que caiu sobre uma pedra, jogando bola no Central Park, em Nova York, em 1965, o primeiro de uma série de acidentes em sua vida.

Sem dores, mas também sem ter mais movimentos dos dedos, João Carlos Martins, ícone da música clássica mundial, já parecia conformado quando apareceu o artesão Bira. "É um recomeço. Na primeira vez em que consegui tocar com todas as teclas, fiquei com lágrimas nos olhos. Há 21 anos, eu não tocava com a mão direita. Sentir de novo todo o teclado do piano, ouvir o som..."

Bach, Mozart, Liszt, todos vão ressurgindo na ampla sala-estúdio durante a gravação feita para a TV Folha. "Um, dois, três, quatro, vamos de novo", repete várias vezes. Perfeccionista e teimoso, com uma paciência infinita, ele toca até não errar nenhuma nota, um erro que só ele percebe.

Bira ainda não o ouviu tocar, mas estará como convidado especial na plateia dos três concertos marcados para o dia 25, aniversário de São Paulo, quando vai estrear as luvas.

A maratona começa às 10h no Theatro Municipal, com a Orquestra Bachiana Filarmônica Sesi-SP. Depois, vai para a av. Paulista, em frente à Fiesp, às 14h. E termina às 16h, nas escadarias do teatro, com a Orquestra Sinfônica Municipal, que só apresentará obras de Villa-Lobos, na abertura das comemorações da Semana de Arte Moderna de 1922.

"O que são 80 anos na vida de uma pessoa?", ri, quando lhe pergunto como consegue manter o pique depois de ter se apresentado em mais de 6.000 concertos como pianista ou maestro mundo afora.

"Desde que eu fui diagnosticado com distonia cerebral, em 1958, passei a dormir pelo menos 15 minutos antes de cada espetáculo. Acordo como se estivesse começando o dia e entro com tudo no palco."

Enquanto escrevo essa reportagem, Martins me liga entusiasmado para contar que está tocando muito melhor do que no dia da gravação de mais de quatro horas de entrevista. "Pena que vocês não estão mais aqui..."

Tudo o que fala, faz questão de provar. Pede a toda hora ao seu assistente Rivélcio Araújo da Silva, 36, o Geo, para buscar álbuns com fotos, recortes de jornal, críticas da imprensa internacional. Mostra vídeos e fotos no tablet e no Instagram, e chama a mulher, Carmen, sua maior fã, para testemunhar o que está contando.

O que o deixa mais feliz é mostrar as plateias que lotam as apresentações da Orquestra Bachiana Filarmônica, por ele criada em 2003, quando virou maestro, para poder continuar sua carreira de músico.

Começou com 18 músicos, que reuniu no seu apartamento, "aí onde você está sentado agora". Hoje, são 65, 30 deles formados por ele mesmo na Orquestra Bachiana Jovem, que juntos já se apresentaram para 16 milhões de pessoas ao vivo, em 1.500 concertos. Agora a orquestra é uma só.

Em grandes metrópoles ou pequenas cidades, a orquestra toca em tudo quanto é lugar: teatros, ginásios esportivos, shoppings, igrejas, escolas, praças, onde der para colocar cadeiras e juntar gente.

Com o apoio da Fundação Banco do Brasil e do Sesi-SP, a OBF tem 518 orquestras parceiras espalhadas pelo país. Toda segunda-feira, ele reserva algumas horas para analisar os vídeos que lhe mandam. "Esse é o meu legado." Vai longe o tempo em que ele mesmo saía em carro de som para convidar moradores das cidadezinhas, que não tinham o hábito de ouvir música clássica.

Ele gosta de repetir uma frase que ouviu de seu pai, José da Silva Martins, que era representante comercial: "O impossível só existe no dicionário dos tolos".

São quase 17h, e ele descobre que ainda não almoçou.

 

Alerta da OMS chama atenção para diminuição de investimentos no combate a superbactérias
Foto: Gerd Altmann / Pixabay

Diminuição de investimentos privados, além da queda no interesse por inovações no processo produtivo de medicamentos estão entre os principais fatores no mais recente alerta no combate a superbactérias.

 

De acordo com uma recente nota divulgada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), através da ONU News, diante da situação, os trabalhos para frear a contaminação por estes seres vivos está em estágio de ameaça, visto que as superbactérias estão cada vez mais resistentes aos medicamentos. 

 

Segundo informações do UOL, em dois relatórios divulgados na última sexta-feira (17) pela agência, o mundo está entrando em uma escassez de antibióticos eficazes. Organismos considerados como bactérias resistentes, como a Klebsiella pneumoniae, a Escherichia coli, entre outros, têm causado a morte, por ano, de dezenas de milhares de pessoas. 

 

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, chama a atenção que "nunca antes houve ameaças de resistência antimicrobiana imediata ou necessidade de soluções mais urgentes". Ao todo, atualmente, estão sendo desenvolvidos no mundo todo 60 produtos, que em fase de testes ainda irão demorar muitos anos até atenderem o público alvo. 

 

Pessoas que passam por tratamento contra o câncer, pessoas com sistemas imunológicos comprometidos, além de recém-nascidos, idosos e pacientes que foram submetidos a cirurgias são os principais alvos destes seres vivos microscópicos e até mortais. 

Sábado, 18 de Janeiro de 2020 - 12:20

Doença respiratória misteriosa mata dois na China e gera alerta nos EUA

por Folhapress

Doença respiratória misteriosa mata dois na China e gera alerta nos EUA
Foto: Reprodução / ARIRANG NEWS

Uma doença respiratória misteriosa que apareceu na China está gerando preocupação dentro e fora do país: uma segunda pessoa morreu, dezenas de pacientes continuam infectados e a Tailândia acaba de anunciar um segundo caso nesta sexta-feira (17).

Um chinês de 69 anos morreu na quarta-feira em Wuhan (centro do país), uma cidade de 11 milhões de pessoas, onde todos os casos chineses foram identificados desde o mês passado, informou a Comissão Municipal de Higiene e Saúde. Um chinês de 61 anos já havia morrido na semana passada.

A cepa é um novo tipo de coronavírus, família com um grande número de vírus. Eles podem causar doenças leves nos seres humanos, como um resfriado, mas também outras mais graves, como a SARS  (Síndrome Respiratória Aguda Grave), que matou cerca de 650 pessoas na China continental e em Hong Kong em 2002 e 2003. As autoridades chinesas descartaram, no entanto, o ressurgimento deste último vírus.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse na quinta-feira que "ainda há muito a descobrir sobre o novo coronavírus". "Não sabemos o suficiente para tirar conclusões definitivas sobre seu modo de transmissão", declarou.

O órgão criou nesta semana diretrizes para hospitais ao redor do mundo sobre prevenção e controle no caso de que o novo vírus se espalhe. Não há tratamento específico, mas antivirais estão sendo considerados. Em Wuhan, as autoridades de saúde locais tentaram tranquilizar a opinião pública nesta semana: segundo elas, "o risco de transmissão do vírus entre humanos, se não foi excluído, é considerado baixo". De acordo com o último balanço, pelo menos 41 pacientes foram identificados em Wuhan. Destes, 12 já receberam alta, e cinco ainda estão em estado grave.

A investigação das autoridades chinesas constatou que vários pacientes trabalhavam em um mercado da cidade especializado no atacado de frutos do mar e peixes. O município ordenou o fechamento desse mercado, onde foram realizadas operações de desinfecção e análises.

Segundo a Comissão de Saúde de Wuhan, a maioria dos pacientes é do sexo masculino e com idade mais avançada. A segunda pessoa morta adoeceu em 31 de dezembro, e sua saúde piorou cinco dias depois.

Outros casos foram detectados no exterior: dois na Tailândia e um no Japão. As autoridades desses dois países alegam que os pacientes foram a Wuhan antes de sua hospitalização. O ministério da Saúde da Tailândia informou o segundo caso nesta sexta-feira: uma viajante chinesa de 74 anos hospitalizada após chegar em 13 de janeiro no aeroporto de Bangcoc. "As pessoas não devem entrar em pânico, pois não há disseminação da doença na Tailândia", disseram as autoridades sanitárias do país. Outra paciente chinesa, cuja febre suspeita foi detectada em 8 de janeiro quando chegou a Bangcoc, está se recuperando em um hospital da cidade.

A Tailândia intensificou os controles em seus aeroportos, em um momento em que as festividades do Ano Novo Lunar (25 de janeiro) se aproximam --quando centenas de milhões de chineses tomam ônibus, trens e aviões para passar o feriado com a família. Muitos também saem de férias no Sudeste Asiático.

A China não anunciou restrições de viagem no país. Já as autoridades de Hong Kong reforçaram suas medidas de detecção nas fronteiras do território autônomo, usando detectores de temperatura corporal.

EUA farão checagem em aeroportos Também nesta sexta (17), os Estados Unidos anunciaram que vão aumentar o controle em três aeroportos do país para detectar passageiros vindos de Wuhan que possam ter sintomas do vírus respiratório.  

O Centro de Controle de Doenças (CDC) do país disse que a detecção será feita nos aeroportos de São Francisco, Nova York e Los Angeles e que espera-se que sejam registrados mais casos fora do território chinês. O risco para os americanos é considerado baixo no momento, afirma o órgão. 

Os passageiros vindos de Wuhan serão levados para uma área separada do aeroporto, onde completarão um questionário e serão examinados para ver se têm febre. Aqueles com sintomas terão que responder a mais perguntas e, quando necessários, serão encaminhados para uma unidade de saúde para mais testes..

Ministério da Saúde aponta que Salvador tem queda em número de casos de hanseníase
Foto: Divulgação

Dados do Ministério da Saúde apontam que Salvador teve uma queda de 16% no número de casos de hanseníase nos últimos três anos. A realidade da capital baiana contrasta com o panorama nacional houve um aumento de 14% nas ocorrências no país, no mesmo período, já após 10 anos de queda.


“O decréscimo no número de casos novos diagnosticados não necessariamente significa redução da carga de morbidade e de magnitude da doença, no entanto, a dinâmica de intensificação da busca ativa que envolve palestras educativas, atividades de conscientização junto à população, oferta e divulgação do exame nas unidades de saúde, faz com que haja mais atenção sobre o exame de pele, única forma de identificar a doença de forma precoce”, explicou Lilia Improta, técnica do Campo Temático de Hanseníase.


Com o objetivo de ampliar o debate e estimular a consciência sobre a doença, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) promove, na próxima segunda-feira (20), a partir das 8h30, uma mesa redonda com o tema “Avanços, Desafios e Perspectivas no Controle da Hanseníase”. A atividade, que acontece no Complexo Municipal de Vigilância à Saúde, na Vasco da Gama, celebra o Dia Mundial de Luta Contra a Hanseníase e o dia Nacional de Combate e Prevenção da Hanseníase (26 de janeiro) e integra o “Janeiro Roxo”, campanha que promove visibilidade e controle da doença.

Sábado, 18 de Janeiro de 2020 - 07:00

Anvisa proíbe venda de produtos da Backer com validade a partir de agosto de 2020

por Natália Cancian | Folhapress

Anvisa proíbe venda de produtos da Backer com validade a partir de agosto de 2020
Foto: Gustavo Andrade / Divulgação

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) proibiu nesta sexta-feira (17) a venda de cervejas de todas as marcas da empresa mineira Backer com data de validade igual ou posterior a agosto de 2020.

 

Com a medida, comerciantes que ainda tiverem os produtos à venda devem retirá-los das prateleiras imediatamente. A determinação, que vale para todo o país, foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União.

 

A decisão ocorre após o Ministério da Agricultura apontar a presença das substâncias dietilenoglicol e monoetilenoglicol, proibidas em alimentos, em oito marcas da empresa, e não apenas na Belorizontina.

 

Desde dezembro, autoridades de saúde investigam a ocorrência de casos de pacientes que apresentaram sintomas de uma síndrome nefroneural dias após consumirem a cerveja Belorizontina.

 

Até agora, quatro pessoas morreram, mas o número pode subir. 

 

Segundo a Anvisa, os produtos da Backer com validade igual ou após agosto de 2020 foram fabricados no período investigado de contaminação, daí a opção pela interdição preventiva. Produtos com validade anterior a esse prazo ainda estão liberados. 

 

Veja o que se sabe até agora sobre a contaminação da cervejaria Backer:

Na segunda-feira (13), o Ministério da Agricultura já havia determinado à Backer o recolhimento de todos produtos no mercado. A medida, porém, não valia para o comércio -- ação que cabe à Anvisa.

 

De acordo com a Anvisa, a interdição deverá ser mantida por 90 dias ou até que a empresa comprove que os produtos não têm a presença de dietilenoglicol e monoetilenoglicol. O objetivo é interromper o risco aos consumidores.

 

Em geral, o dietilenoglicol é usado na indústria como anticongelante e para evitar que os líquidos evaporem. O produto, porém, é tóxico e não deveria ter contato com a bebida, passando por cano isolado dos tanques. 

 

O mesmo vale para o monoetilenoglicol, substância usada durante o processo de resfriamento e que, embora menos tóxica que o dietilenoglicol, também é vetada na composição dos produtos. 

 

Além da interdição das cervejas da Backer, três lotes específicos da cerveja Belorizontina e um da cerveja Capixaba estão proibidos e devem ser recolhidos pela empresa por já terem tido a contaminação comprovada. A medida vale para os lotes L1 1348, L2 1348 e L2 1354 da Belorizontina e lote L1 1348 da Capixaba.

 

A Backer ainda não se pronunciou sobre a determinação da Anvisa. Em nota divulgada na quinta-feira, a empresa diz que "nunca comprou e nem utilizou o dietilenoglicol em seus processos de fabricação", mas diz usar o monoetilenoglicol em processo de resfriamento dos produtos.

 

Diz ainda que "aguarda os resultados das apurações e continua à disposição das autoridades".

Histórico de Conteúdo