Após 50 anos do 1º transplante no Brasil, Bahia investe em ampliação de centros de saúde
Foto: Divulgação/GOVBA

Após mais de 50 anos do primeiro transplante cardíaco realizado no Brasil, em dezembro de 1967, o governo da Bahia tem investido para ampliar os centros de cardiologia e cirurgia cardíaca em todo estado, pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Para este fim, equipamentos modernos foram instalados e equipes especializadas foram ampliadas nos hospitais Ana Nery e Roberto Santos, os dois centros de referência de Salvador. Em dezembro de 2017, também foi inaugurado o primeiro centro de cardiologia e cirurgia cardíaca em um hospital público no interior do estado, no Hospital Costa do Cacau, em Ilhéus, onde já estão sendo implantados marcapassos, realizadas angioplastias coronárias com stents e cirurgias de ponte de safena. Foram autorizadas ainda as obras no Hospital do Oeste, em Barreiras, e no Hospital de Irecê, para implantar serviços de cardiologia e cirurgia cardíaca, com conclusão prevista para nove meses. Unidades de Atendimento ao Infarto do Miocárdio também estão sendo implantadas em 52 localidades em todo o estado, para permitir a orientação e acompanhamento remoto da condução dos casos, via telemedicina. Outro investimento do governo é o centro de Referencia Estadual para Hipertensão e Aterosclerose Sistêmica, que será o maior do país, e coordenará unidades nas 18 policlínicas regionais de saúde, que estão sendo implantadas em todo o estado. Estas unidades de saúde, inclusive estão estruturadas com cardiologistas e todos os equipamentos para diagnóstico cardiológico, incluindo teste de esforço, ecocardiograma, doppler, MAPA e Holter. Apesar do investimento, ainda há dificuldades para a evolução do transplante cardíaco, assim como de outros órgãos. Isto porque ainda hoje, cerca de 60% dos rins e 30% dos fígados captados na Bahia são disponibilizados para outros estados. De acordo com o governo, este baixo índice onera o estado, que anualmente gasta R$ 10 milhões em custos com Transferência para Fora do Domicílio - TFD (pacientes e acompanhantes que vão para outros estados) e R$ 26,4 milhões em custos com Hemodiálise (R$2.148,00/pct/mês = R$25.776,00). Para melhorar estes números, a Secretaria Estadual da Saúde (SESAB) lançou, em 2016, uma política de incentivos ao transplante, com o objetivo de garantir sustentabilidade econômica às equipes e hospitais, com base em metas e resultados, além de facilitar o acesso à realização dos exames necessários para o pré e pós-transplante e reduzir o tempo de espera com aumento da doação, captação e transplante. Com esta política houve aumento do número de centros transplantadores e do número de órgãos transplantados, mas ainda existe uma barreira, a grande recusa para a autorização de doação de órgãos pelas famílias, que atinge mais de 70% dos potenciais doadores.

Médicos da rede municipal se reúnem para discutir ‘ameaça’ à progressão de carreira
Assembleia será na sede do Sindimed | Foto: Divulgação

Os médicos da rede municipal de Salvador farão uma assembleia na próxima segunda-feira (28), na sede do Sindicato dos Médicos da Bahia (Sindimed), para discutir o que consideram “ameaça da Prefeitura de Salvador de mudar a lei que garante a progressão automática”.  Em nota oficial, os médicos da Secretaria Municipal de Saúde afirmam que “foram surpreendidos, no último dia 23, com a Mensagem Nº 06/18, enviada pelo prefeito ACM Neto à Câmara Municipal. O documento pretende revogar o artigo 37 da lei 7867, de 13 de julho de 2010, que instituiu o Plano de Cargos Carreiras e Vencimentos (PCCV) dos servidores da Saúde”. O artigo em questão garante que caso a administração pública não faça a avaliação de desempenho, todos os servidores que tenham cumprido as condições estabelecidas em Lei terão a progressão automática de nível na tabela de vencimentos. “Caso o artigo 37 seja suprimido, os médicos ficarão à mercê da inércia da Prefeitura, que até hoje não instituiu a regulamentação da avaliação de desempenho para a progressão. Como não há nada na lei que a obrigue a fazer essa avaliação, na prática, não haverá mais progressão”, defende a classe, que diz entender a necessidade da avaliação de desempenho, mas que dizem não poder seguir passivos diante da perda de “direitos legítimos”.

Combate ao Glaucoma: Oftalmologista alerta para risco do uso de colírio sem prescrição
Foto: Agência Fapesp

Dados da Sociedade Brasileira de Glaucoma (SBG) apontam que cerca de 3% da população brasileira com idade acima de 40 anos tenha a doença, que é silenciosa e assintomática. Devido a essas características, estima-se que 50% dos pacientes não são diagnosticados. De acordo com a oftalmologista Claudia Galvão, membro da SBG, o glaucoma é uma enfermidade extremamente complexa, devido a controvérsias com relação ao diagnóstico. "As pessoas não têm sintomas, então o paciente simplesmente não sabe. O glaucoma não leva o paciente ao médico, o que leva é enxergar mal, olho coçando, diabetes, questões comuns", afirmou. A doença é considerada a principal causa de cegueira irreversível no mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), são registrados 2,4 milhões de novos casos anualmente. Para alertar sobre a necessidade de diagnóstico precoce, é celebrado neste sábado (26) o Dia Nacional de Combate ao Glaucoma. O diagnóstico da doença é feito durante consulta oftalmológica e, se realizado precocemente, pode evitar a perda da visão. Claudia Galvão explicou que há fatores de risco importantes que alertam o paciente sobre a necessidade de consulta. Entre eles estão: pressão intraocular elevada, idade acima dos 40 anos, histórico familiar de glaucoma, diabetes e doenças nos olhos. Apesar da ausência de pesquisas com dados específicos sobre a Bahia, a oftalmologista explicou que se estima um número de casos maior no estado, em comparação ao Brasil, devido à prevalência de afrodescendentes. "Algumas raças têm prevalência maior, como a raça negra. Na verdade, tanto a prevalência é maior quanto a evolução para uma forma bem grave", acrescentou. A médica fez ainda um alerta para os riscos da automedicação. "Há muitos casos de pacientes que usam colírio sem orientação médica. Agora, por exemplo, que tivemos um surto de conjuntivite, eu recebi paciente que teve conjuntivite e pegou o colírio do primo pra usar". Colírios que contêm corticoide têm boa resposta no tratamento de alergias, por exemplo, mas não devem ser usados sem acompanhamento médico, já que um de seus efeitos colaterais é o aumento da pressão intraocular. Apesar de tentativas da SBG para tornar obrigatória a retenção de receita médica para colírios com corticoide, as solicitações não foram atendidas. 

Atendimento hospitalar começa a ser afetado pela greve dos caminhoneiros
Foto: Reprodução / Sindsaúde

A Confederação Nacional de Saúde (CNS) informou que a paralisação dos caminhoneiros em todo o país começa a afetar os atendimentos hospitalares. Segundo a CNS, em alguns estabelecimentos estão faltando produtos como gás medicinal, material anestésico, medicamentos e insumos para tratamento de água. De acordo com o presidente da Federação Brasileira de Hospitais, Luiz Aramicy, a situação já é crítica em Curitiba, Fortaleza, João Pessoa, Recife e Rio de Janeiro. "Os hospitais de várias capitais estão no limite dos estoques de oxigênio. Acho que se não tivermos uma solução até o fim do dia, enfrentaremos uma situação crítica", relatou. A federação já sugeriu aos diretores de hospitais que, caso o abastecimento não se normalize nas próximas horas, haverá internação apenas para os pacientes mais graves. De acordo com a Agência Brasil, a entidade pede que os manifestantes permitam a passagem dos veículos que transportam materiais médicos prioritários.

Sexta, 25 de Maio de 2018 - 15:44

Reserva de combustível acaba e coloca em risco serviços de emergência

por Bruno Luiz

Reserva de combustível acaba e coloca em risco serviços de emergência
Abastecimento de ambulâncias pode ser afetado | Foto: Agência Brasil

O presidente do Sindicombustiveis Bahia, Walter Tannus, afirmou nesta sexta-feira (25) que a reserva de combustíveis nos postos do estado acabou. Com isso, serviços essenciais, como o abastecimento de ambulâncias, viaturas da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros e geradores para funcionamento de hospitais, fica prejudicado em toda Bahia. Segundo Tannus, o sindicato até orientou os postos a manterem uma quantidade mínima em estoque, justamente para não afetar esses serviços, mas, por conta da demanda da população por combustível, isso não foi possível. “A reserva existe em pequena quantidade no diesel, mas na gasolina e no etanol não existe. Infelizmente, a sociedade fica desprotegida. Temos uma preocupação muito grande com os hospitais, que precisam de geradores. Não só com os hospitais, mas toda área de saúde. Mas, infelizmente, o caos acabou tomando conta”, lamentou o dirigente sindical, em entrevista ao Bahia Notícias. O presidente da entidade disse também que está monitorando como ficará o comportamento das bases de onde saem os caminhões-tanque com combustível, após o anúncio feito pelo presidente Michel Temer de que acionará as Forças Armadas para conter os protestos dos caminhoneiros nas estradas. “A expectativa é de que, com isso, o caminhão-tanque vai conseguir entrar e sair trazendo o produto sair das bases, o que vai ajudar a minimizar o problema”, afirmou. Ainda segundo Tannus, o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), entrou em contato com ele externando preocupação com o desabastecimento na cidade. Ao democrata, o presidente do Sindicombustiveis informou que, caso a greve seja encerrada, a situação só deve ser normalizada na capital em 72 horas. 

Sexta, 25 de Maio de 2018 - 15:10

Pessoas com deficiência enfrentam isolamento e negligência em instituições, aponta relatório

por Roberta Jansen | Estadão Conteúdo

Pessoas com deficiência enfrentam isolamento e negligência em instituições, aponta relatório
Foto: Agência Brasil

Crianças e adultos com deficiência que vivem em instituições de acolhimento por longos períodos enfrentam um cotidiano de isolamento, negligência, restrições físicas, terapias médicas não consentidas, tratamento desumano e educação inadequada. A denúncia está no novo relatório da Human Rights Watch, "Eles ficam até morrer", lançado na quarta-feira (23), no Rio de Janeiro. O relatório é baseado em visitas a 19 instituições em Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Distrito Federal e em mais de 170 entrevistas com pessoas com deficiência, seus familiares, gestores de abrigos e de outras instituições, além de autoridades governamentais. Atualmente, cerca de dez mil pessoas, entre adultos e crianças, vivem nessas instituições no País. "Muitas pessoas com deficiência no Brasil estão presas em instituições em condições deploráveis, sem controle sobre suas próprias vidas", afirma Carlos Rios-Espinosa, pesquisador da divisão de direitos das pessoas com deficiência da Human Rights Watch e autor do relatório. "O governo brasileiro deveria garantir que pessoas com deficiência tenham o apoio que precisam para viver em sociedade, assim como todas as outras pessoas." Segundo o relatório, de 86 páginas, o Brasil tem uma legislação avançada sobre o tema, mas precisa fazer ainda muito para implementá-la integralmente. A Human Rights recomenda que o governo inicie um programa para tirar as pessoas das instituições, com o objetivo de dar um fim à segregação. "O governo precisa garantir que as pessoas com deficiência desfrutem de direitos em igualdade de condições com as demais pessoas, inclusive escolhendo, quando adultas, onde e com quem morar", diz o texto. O relatório revela que muitas pessoas com deficiência no país são internadas quando ainda são crianças e lá permanecem por toda a vida. A maioria das instituições visitadas não provia mais do que as necessidades básicas de seus residentes, como alimentação e higiene, com poucas oportunidades de contato relevante com a comunidade ou desenvolvimento pessoal. "Não constatamos nenhum dolo por parte dos funcionários, não se trata disso", esclareceu o pesquisador. "Mas sim de falta de estrutura mesmo." O relatório revela que muitas instituições têm ambientes que lembram centros de detenção, inclusive com grades nas portas e janelas. As condições em que as pessoas vivem são, muitas vezes, desumanas. A maioria tinha poucos itens pessoais e, em muitos casos, compartilhavam roupas e até escovas de dente. Alguns residentes são amarrados às camas e recebem sedativos para controle de comportamento. "Institucionalizar pessoas com deficiência é desumanizante", disse Carlos Ríos-Espinosa. "Existe uma crença enraizada de que pelo menos algumas pessoas com deficiência precisam viver em instituições, mas isso simplesmente não é verdade. Trancar as pessoas com deficiência em instituições é uma das piores formas de exclusão e discriminação."

Sexta, 25 de Maio de 2018 - 14:15

Greve afeta distribuição de medicamentos em todo o país, diz Sindusfarma

por Lígia Formenti | Estadão Conteúdo

Greve afeta distribuição de medicamentos em todo o país, diz Sindusfarma
Foto: Reprodução / Gramado News

A greve de caminhoneiros está afetando a distribuição de medicamentos para distribuidoras, farmácias e hospitais em todo país, de acordo com a indústria. Em nota divulgada nesta sexta-feira (25), o Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos de São Paulo (Sindusfarma) afirmou ter recebido uma série de mensagens de empresas associadas relatando problemas de envio de produtos para seus clientes. Um dos laboratórios, de acordo com o comunicado, teria informado estar com 60% da carga programada para distribuição nesta semana retida nos armazéns da empresa. As falhas na distribuição, alerta o Sindusfarma, pode trazer consequências graves para pacientes.

Prefeitura realiza Dia D contra gripe neste sábado; apenas 64% foram vacinados
Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil

A prefeitura de Salvador realiza neste sábado (26) mais um Dia D de vacinação contra gripe. Serão disponibilizados mais de 100 pontos de imunização, das 8h às 17h, em escolas, creches, igrejas, estações de transbordo, supermercados e shoppings centers, além das unidades de saúde tradicionais. Durante a mobilização, as Prefeituras-Bairro também ofertarão a vacina. "Estamos tendo aumento dos casos de H1N1, que subiu de 63 para 79 casos em um curto intervalo de tempo, o que é preocupante. A imunização é a melhor forma de evitar a doença que pode evoluir para complicações graves ou até mesmo a morte. Nos últimos dias, a influenza B também registrou alta nas notificações. Estávamos com 02 casos e já avançamos para 11. O inverno se aproxima e é importante que as pessoas não deixem para a última hora, levando ainda em consideração que o Ministério da Saúde não irá prorrogar a campanha que tem previsão de término", alertou a subcoordenadora de Doenças Imunopreveníveis, Doiane Lemos. Desde o início da estratégia, em 23 de abril, apenas 64% das 541 mil pessoas que compõem o público alvo se imunizaram. A meta da Secretaria Municipal da Saúde é vacinar pelo menos 90% da população elegível. A campanha segue até 30 de maio.

Farmácia Sant'Ana firma acordo de R$ 1,8 milhão para quitar dívidas trabalhistas
Foto: Reprodução/ TRT-BA

A Farmácia Sant’Ana, do Grupo Brasil Pharma, assinou um acordo em que se compromete a pagar R$ 1,8 milhão de em dívidas trabalhistas. Mais de 100 empregados serão beneficiados. O acordo foi firmado junto com o Sindicato dos Farmacêuticos, em uma audiência realizada na quarta-feira (23), na 25ª Vara do Trabalho de Salvador, no Fórum do Comércio. O valor total será pago em parcela única no prazo de 15 dias e a quantia referente ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) foi liberada. Segundo o juiz titular da Vara, Agenor Calazans, a composição foi muito relevante. “O grupo atravessa dificuldades financeiras e, com o acordo, aliviamos um pouco o passivo da empresa, garantindo, assim, o pagamento das verbas trabalhistas dos autores da ação”, comentou o magistrado. 

Pesquisa aponta que uma em cada oito pessoas terá diabetes tipo 2 em 2045
Foto: Shutterstock

Uma projeção apresentada por pesquisadores do instituto Novo Nordisk Research and Development, na Dinamarca, apontou que uma a cada oito pessoas sofrerá de diabetes tipo 2 em 2045, caso os hábitos de vida atuais sejam mantidos. Apresentados no Congresso Europeu de Obesidade, que acontece na Áustria, os dados mostraram ainda que uma em cada cinco pessoas será obesa no mesmo período. Os pesquisadores avaliaram dados, dos anos de 2000 a 2014, do banco de dados da Organização Mundial da Saúde Noncommunicable Disease Risk Factor Collaboration. Segundo o jornal O Globo, os resultados indicam que o percentual de obesos subirá de 14% para 22% nos próximos anos. No caso da diabetes, o índice deve passar de 9,1% para 11,7%. "A prevalência global de obesidade e diabetes é projetada para aumentar dramaticamente a menos que programas de prevenção da obesidade sejam intensificados", afirmou o coautor do estudo, Alan Moses. Para estabilizar a prevalência de diabetes, os pesquisadores apontam que as taxas de obesidade devem cair para 10% até 2045.

Mundo deve registrar aumento de 58% nos casos de câncer, diz Fundo de Pesquisa
Foto: Shutterstock

Um relatório do Fundo Mundial de Pesquisa sobre o Câncer (WCRF - World Cancer Research Fund, em inglês), divulgado nesta quinta-feira (24), alerta para o grande aumento de casos de câncer nos próximos anos. Intitulado "Dieta, Nutrição, Atividade Física e Câncer: uma Perspectiva Global", o documento ressalta o excesso de peso e a obesidade, somados a estilos de vida com pouco exercício e muita comida "rápida" e processada, como principais fatores no desenvolvimento do câncer. Segundo a Agência Brasil, em 2012, foram registrados cerca de 14,1 milhões de casos de câncer em todo o mundo (7,4 milhões de casos em homens e 6,7 milhões em mulheres). De acordo com o documento, este número deverá alcançar os 24 milhões de casos até 2035, o que representa um alarmante aumento de 58%. O Fundo Mundial de Pesquisa sobre o Câncer e o Instituto Americano de Pesquisa do Câncer lançaram também recomendações para a redução do risco de desenvolvimento da doença. Baseadas nos estudos mais recentes disponíveis, as recomendações são: ter um peso saudável; ser fisicamente ativo; comer cereais integrais, frutas, legumes e grãos; limitar o consumo de fast-foods assim como de carnes vermelhas e processadas; evitar o consumo de bebidas adoçadas, priorizando o consumo de água e bebidas sem açúcar; limitar o consumo de álcool; optar por satisfazer as necessidades nutricionais por meio de dietas, em vez de consumir suplementos alimentares; amamentar, que é saudável tanto para a mãe, quanto para o bebê. Em 2012, o câncer de pulmão foi o câncer mais comum no mundo, contribuindo com 13% do total de novos casos diagnosticados. O câncer de mama (somente em mulheres) foi o segundo mais comum, com quase 1,7 milhão de novos casos no mesmo ano. O câncer colorretal foi o terceiro, com quase 1,4 milhão de casos. Entre os homens, o câncer de pulmão foi o mais comum em todo o mundo, representando quase 17% do número total de novos casos, em 2012. Os três principais tipos da doença, pulmão, próstata e colorretal, contribuíram com quase 42% de todos os cânceres (excluindo câncer de pele não-melanoma). Entre as mulheres, o câncer de mama foi o mais comum no mundo, contribuindo com mais de 25% do total de novos casos diagnosticados em 2012. Os três principais tipos da doença, mama, colorretal e pulmão, contribuíram com mais de 43% de todos os cânceres (excluindo câncer de pele não-melanoma). O câncer do colo do útero contribuiu com quase 8% de todos os casos.

Sexta, 25 de Maio de 2018 - 07:10

Com greve, hospitais registram falta de remédios e alertam para risco a pacientes

por Fabiana Cambricoli | Estadão Conteúdo

Com greve, hospitais registram falta de remédios e alertam para risco a pacientes
Foto: Agência Brasil

Com a greve dos caminhoneiros completando seu quarto dia, alguns dos principais hospitais privados do País já começam a registrar falta de medicamentos e insumos necessários para o atendimento a pacientes. Nesta quinta-feira (24), entidades que representam o setor emitiram comunicados alertando para o risco da situação e pedindo aos grevistas que liberem da paralisação caminhões que transportam medicamentos e oxigênio. A Confederação Nacional de Saúde (CNS) informou, em nota, que estabelecimentos de saúde já sofrem "falta de gás medicinal, material anestésico, medicamentos, insumos para tratamento de água, entre outros produtos vitais para a manutenção dos serviços, bem como para a segurança dos pacientes". A entidade diz que "não se opõe a nenhuma manifestação", mas apelou aos manifestantes que liberem os veículos que transportam materiais médicos para que a reivindicação da categoria "não coloque em risco a saúde do cidadão". A Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), que representa 24 centros de saúde de referência no País, como os hospitais Sírio-Libanês e Albert Einstein, solicitou às lideranças do movimento grevista que cargas de gases medicinais, como oxigênio, medicamentos e outros insumos "sejam liberados do embargo estabelecido", uma vez que alguns dos hospitais associados já detectam "queda substancial dos estoques e iminente falta de insumos nas instituições de saúde", situação que pode ameaçar o bem-estar e a vida dos pacientes atendidos. Hospitais contatados pela reportagem manifestaram preocupação com a possível continuidade da greve nos próximos dias. O Einstein afirmou que o movimento já impede o abastecimento de alimentos, medicamentos materiais e gases medicinais em suas unidades e que o atendimento aos pacientes "poderá ser severamente impactado nos próximos dias" se a situação persistir. Sírio-Libanês, Oswaldo Cruz e Hospital das Clínicas afirmam que o atendimento ainda não foi impactado. O Grupo Leforte traçou plano de contingência caso a paralisação se estenda. A Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) informou que, desde o início da greve, recomendou aos grevistas que permitam a passagem de cargas consideradas essenciais, como remédios, alimentos perecíveis e carga viva. A entidade ressalta, porém, que não é possível controlar todos os os pontos de bloqueio espalhados pelo País. Disse ainda que o tráfego pode ser prejudicado por congestionamentos e filas formadas por veículos que aderiram à manifestação.

Melhora da memória está entre os benefícios do sexo, aponta estudo
Foto: Reprodução / Superinteressante

Um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Wollongong, na Austrália, revelou que ter uma vida sexual movimentada reduz níveis de estresse e ansiedade, melhora a qualidade do sono e até o sistema imunológico. O estudo examinou dados de 6 mil adultos com mais de 50 anos durante um período de dois anos. Após a análise, a equipe encontrou uma diferença considerável entre o raciocínio das pessoas sexualmente ativas e o das que não faziam sexo. Segundo o IG, os participantes foram questionados sobre hábitos alimentares e de sono, além de detalhes da vida sexual, como a frequência com a qual beijavam e se envolviam em experiências íntimas. Além disso, foram realizados testes de memória no início e no final do estudo, o que mostrou que as pessoas com a vida sexual mais ativa têm mais facilidade em lembrar de eventos recentes. Para os pesquisadores, isso acontece porque o sexo estimula a formação de neurônios.

Feira de Santana: Rui Costa apresenta Novo Hospital Clériston Andrade 2
Foto: Divulgação

O governador Rui Costa anunciou novos investimentos para a saúde em Feira de Santana durante visita na próxima segunda-feira (28). A cidade de Feira de Santana irá ganhar um pacote de benefícios que inclui um aporte de R$ 25 milhões para o Novo Hospital Geral Clériston Andrade 2, além de recursos para segurança pública e agricultura familiar. A unidade de saúde recebeu um montante de R$ 24 milhões entre obra, mobiliário e equipamentos de alta tecnologia. Além disso, foram adquiridos 14 micro-ônibus para transportar os pacientes oriundos dos municípios que fazem parte do consórcio de saúde deste equipamento. Após a entrega da Policlínica, Rui Costa anuncia mais reforços para a saúde de Feira, autorizando uma licitação no valor de R$ 25 milhões para a construção do Novo Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA) 2, que terá seu projeto apresentado à imprensa. A nova unidade será implantada nos moldes dos projetos executados no HGE, em Salvador, e do Hospital Prado Valadares, em Jequié. O governador também direcionou recursos para a segurança pública de Feira de Santana por meio do projeto que prevê a renovação da frota da Polícia Militar em todo o estado. Serão entregues 52 viaturas entre bases móveis, caminhonetes e monovolumes. Deste total, Feira de Santana será beneficiada com 36 veículos  e  26 motocicletas distribuídas as Companhias de Polícia Militar, CIPGO e Esquadrão de Motociclistas Asa Branca. No campo da agricultura, Rui Costa entregará 4.551 CARs (Cadastro Ambiental Rural). Os títulos, cujo investimento superou R$ 300 mil, beneficiam pequenos produtores rurais que passam a ter o registro público de suas terras em âmbito nacional.

Associação diz que medicamentos podem não chegar aos consumidores
Foto: Reprodução / Gramado News

A Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) alerta que 6,3 milhões de medicamentos que atenderiam 90% do território brasileiro e 2,4 milhões de consumidores podem não chegar ao destino final. De acordo com a Agência Brasil, o presidente da Abrafarma, Sergio Mena Barreto, afirmou que as principais dificuldades atingem os chamados medicamentos termolábeis, que devem ser mantidos refrigerados e necessitam de temperatura estável até o seu destino. "Entendemos que protestos de qualquer categoria profissional são legítimos, desde que não atinjam direitos básicos da população. Solicitamos à coordenação do movimento grevista que entenda a importância de se manter a população com acesso a produtos tão essenciais quanto medicamentos", pontuou. A entidade relatou ainda que alguns veículos foram apedrejados e os motoristas agredidos durante o percurso entre o centros de distribuição e os pontos de venda.

Quinta, 24 de Maio de 2018 - 19:20

Greve de caminhoneiros afeta abastecimento de oxigênio em hospitais na Bahia

por Mário Bittencourt | Estadão Conteúdo

Greve de caminhoneiros afeta abastecimento de oxigênio em hospitais na Bahia
Foto: Reprodução / Pretonobranco.org

A greve nacional dos caminhoneiros, em seu quarto dia nesta quinta-feira (24), afeta o abastecimento de oxigênio em hospitais da Bahia. Em dois deles, só há oxigênio para esta sexta-feira (25). Devido aos bloqueios, caminhões carregados com 180 e 200 cilindros ou tiveram de retornar para as empresas distribuidoras do produto ou estão parados nas rodovias estaduais e federais. A situação mais grave é em Juazeiro, cidade de 221 mil habitantes no norte baiano, e onde os dois principais hospitais da cidade só têm oxigênio para até esta sexta-feira. No Hospital Materno-infantil (gestão municipal) há apenas um tubo de 1.500 metros cúbicos de oxigênio e 120 cilindros de 8 a 25 metros cúbicos, segundo a Prefeitura. A direção do Hospital Regional (gerido pelo Estado), que aguarda a chegada de 4 mil metros cúbicos de oxigênio, não informou a quantidade atual, mas garantiu que só dá para ficar até o meio dia de amanhã. A empresa que abastece os hospitais de Juazeiro, a Diox Distribuidora de Oxigênio, informou que o caminhão com 10 mil metros cúbicos de oxigênio saiu nesta quinta de Simões Filho (Região Metropolitana de Salvador), a 509 km de Juazeiro. O trajeto mais rápido entre Simões Filho e Juazeiro é pelas BRs 324 e 407. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), na BR-324 há bloqueios parciais ou totais nos quilômetros 542, 600, 613 e 617, na Região Metropolitana de Salvador. Na BR-407, os bloqueios ocorrem nos quilômetros 131 (próximo a Senhor do Bonfim) e 230 (imediações de Capim Grosso). Nos bloqueios das duas rodovias os caminhões de carga estão proibidos de passar. "Estamos tentando ver com a PRF um apoio para que o caminhão possa passar por essas barreiras. Apoiamos a manifestação, mas os caminhoneiros têm de entender que os hospitais precisam ser atendidos", declarou o administrador do segmento medicinal da Diox Jorge Henrique Santos. Em nota, a Prefeitura de Juazeiro comunicou que "espera que essa situação seja resolvida o mais rápido possível e não interfira o atendimento à saúde da população." No total, a empresa precisa fazer entregas em 30 hospitais públicos e particulares de 15 cidades da Bahia. Em Brumado, no sudoeste, há outro caminhão da empresa que está parado num bloqueio. Nas outras cidades, o oxigênio que tem dá para ficar até o final de semana", informou Santos, que solicitou ainda apoio do Ministério Público Federal para tentar fazer com que a passagem dos caminhões da empresa seja possível. Em Vitória da Conquista, no sudoeste do estado e a terceira maior cidade baiana, com 348 mil habitantes, o Hospital Geral (gestão estadual) está com dois caminhões de oxigênio presos nos bloqueios desde esta quarta-feira. Segundo a direção da unidade hospitalar, a maior do município, os caminhões da empresa White Martins estão nos bloqueios de Brumado e Santo Estevão. A quantidade de oxigênio do hospital dá para ficar até o final de semana. A White Martins ficou de enviar nota sobre o assunto, mas isso não ocorreu. Segundo a Secretaria de Saúde da Bahia, "não existe desabastecimento em nenhuma unidade estadual" e "os fornecedores estão comprometidos com o fornecimento regular". "Se necessário, serão escoltados pela Polícia Militar a fim de garantir o suprimento das unidades", diz a nota do governo. A Federação dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo enviou um e-mail aos presidentes da República, da Câmara e do Senado "alertando para o iminente desabastecimento dos hospitais e serviços de saúde, caso persista a greve dos caminhoneiros". Segundo o presidente, Yussif Ali Mere Junior, os hospitais podem ficar sem o abastecimento de oxigênio, materiais, medicamentos e insumos em geral, como suprimentos para diálise. "Precisamos garantir com urgência o abastecimentos das redes de saúde para manter o atendimento à população. Trabalhamos com estoques reduzidos e necessitamos de abastecimentos regulares, como por exemplo, de 2 em 2 dias, 3 em 3 dias, no caso de reposição de oxigênio, afirmou. A Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) também se pronunciou sobre os protestos. Em nota, afirmou que farmácias e drogarias de todo o País já sofrem com o desabastecimento de produtos essenciais. "Um dos principais problemas referem-se aos medicamentos termolábeis, que devem ser mantidos refrigerados e necessitam de temperatura estável até o seu destino final - algo impossível de ser garantido com um veículo travado nas estradas", diz Sergio Mena Barreto, presidente executivo da associação. Segundo ele, na manhã desta quarta-feira, dia 23, veículos que transportavam medicamentos dos distribuidores e centros de distribuição até os pontos de venda chegaram a ser apedrejados, e seus motoristas agredidos fisicamente.

 

Rastreamento do Câncer de Mama oferece atendimento a mulheres de Cândido Sales
Foto: Divulgação

O município de Cândido Sales recebe, na próxima segunda-feira (28), o Saúde sem Fronteiras Rastreamento do Câncer de Mama. Serão oferecidas mamografias gratuitas para mulheres de 50 a 69 anos, em uma unidade móvel estacionada na Praça Moisés Félix dos Santos, das 7h às 18h. De acordo com a Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab), 1.726 mulheres do município estão dentro da faixa etária preconizada pelo Ministério da Saúde. Para o atendimento, é necessário apresentar documento de identidade, cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) e comprovante de residência. Para as mulheres com diagnóstico positivo, o tratamento cirúrgico, quimioterápico ou radioterápico será realizado em unidades de alta complexidade em oncologia.

Quinta, 24 de Maio de 2018 - 17:10

Abastecimento de remédios é afetado em farmácias no RJ, PR e MG, diz Abrafarma

por Dayanne Sousa | Estadão Conteúdo

Abastecimento de remédios é afetado em farmácias no RJ, PR e MG, diz Abrafarma
Foto: Carlos Severo / Fotos Públicas

A Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) afirmou nesta quinta-feira (24) que a paralisação de caminhoneiros está afetando o abastecimento de medicamentos no País. O principal mercado, a cidade de São Paulo, ainda não sente os impactos, mas há dificuldades maiores no Rio de Janeiro, Paraná e Minas Gerais, conforme afirmou o presidente da entidade, Sergio Mena Barreto. A Abrafarma afirma que as varejistas transportam diariamente de seus centros de distribuição às lojas uma quantidade de 6,3 milhões de unidades de medicamentos. Esse volume equivale a transportar por dia em torno de 1% de tudo o que as varejistas venderam no primeiro trimestre de 2018. Considerando o faturamento da Abrafarma no trimestre, esse volume de unidades corresponde a R$ 120 milhões em vendas circulando diariamente nos caminhões. Os prejuízos com a greve, no entanto, tendem a ser menores. Segundo Barreto, uma parte desse volume de unidades transportadas diariamente tem, sim, conseguido chegar às lojas. Uma das preocupações no abastecimento das farmácias é com os medicamentos chamados "termolábeis", que precisam ser mantidos sob refrigeração. A Abrafarma diz que, com veículos parados nas estradas, tem sido impossível manter estável a temperatura desses medicamentos. Ainda segundo a entidade - que pediu aos grevistas a continuidade do abastecimento de medicamentos - transportadores que levavam produtos até as farmácias chegaram a ser hostilizados nesta quarta-feira, com veículos apedrejados. Negociações têm sido feitas junto ao movimento grevista para permitir que alimentos e medicamentos possam passar pelos bloqueios e chegar ao mercado consumidor, diz Barreto. A Abrafarma representa os grandes grupos do varejo farmacêutico, incluindo empresas como RD (Raia Drogasil), DPSP (Pacheco e São Paulo) e Pague Menos. Segundo a entidade, as redes afiliadas estão presentes em 90% do território brasileiro. A crise de abastecimento atinge o varejo farmacêutico num momento de enfraquecimento nas vendas. A Abrafarma reportou aumento de 6,27% nas vendas de janeiro a março deste ano, ritmo equivalente à metade do que o setor crescia nos mesmos meses do ano passado.

SMS realiza mutirão de combate ao Aedes aegypti no Subúrbio Ferroviário
Foto: Fiocruz

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) retomou nesta semana os mutirões de limpeza, em parceria com a Limpurb, no Subúrbio Ferroviário de Salvador. Levantamento de Índice Rápido para Aedes aegypti realizado entre 9 e 13 de abril detectou uma alta taxa (10,1%) de proliferação do mosquito na região. Nesta quarta (23) e quinta-feira (24), a atividade foi realizada nos bairros de Fazenda Coutos e Coutos I. Já na próxima quarta-feira (30), das 8h às 14h, a mobilização acontece no bairro de Tubarão. Os mutirões têm o objetivo de  intensificar o combate aos focos e criadouros do Aedes aegypti. Os moradores das localidades visitadas devem colaborar com a iniciativa descartando entulhos e materiais inservíveis, que podem ser colocados em frentes às casas para recolhimento. Agentes de combate às endemias também intensificarão a visita casa a casa, para identificação e eliminação dos criadouros do inseto, e realizarão o trabalho de borrifação de inseticida diminuir a infestação do vetor na fase adulta.

Prazo estabelecido por lei para início de tratamento de câncer não é atendido no país
Foto: Agência Brasil

A lei que instituiu, em 2012, prazo máximo de 60 dias para o tratamento de pacientes com câncer ainda não é cumprida, de forma geral. De acordo com o Ministério da Saúde, o tempo médio é de 81 dias. A informação foi apresentada em audiência pública convocada pelo Ministério Público Federal nesta quarta-feira (23), em Brasília, para discutir a implementação da norma. O levantamento do Ministério da Saúde aponta que o tempo médio se ampliou levemente desde o início da lei. Entre 2013 e 2017, o intervalo entre o diagnóstico e o procedimento determinado para combate à doença saiu de 79 para 81 dias. Segundo a Agência Brasil, as informações foram produzidas a partir de uma amostra de 500 casos analisadas pelos técnicos da pasta. Ainda de acordo com a pasta, os tratamentos com índice maior de demora para além do prazo são os realizados para câncer de mama e de próstata. Os procedimentos com maior atraso são as cirurgias. Atualmente, há 303 hospitais em todo o país habilitados para atender pacientes com câncer. O levantamento, apresentado na audiência pela coordenadora-geral de Média e Alta Complexidade do ministério, Maria Inês Gadelha, indica que, entre 2013 e 2017, o número de cirurgias de câncer subiu 29%, enquanto a quantidade de radioterapias teve aumento de 36% e o de quimioterapias, 46%. No caso dos gastos federais, as verbas destinadas a tratamentos para a enfermidade foram ampliadas em 146% no mesmo período. 

Quinta, 24 de Maio de 2018 - 11:30

Dica Hammer: 10 benefícios do alongamento muscular

Dica Hammer: 10 benefícios do alongamento muscular
Foto: Divulgação

Muitas vezes ignorado, o alongamento muscular é de suma importância para manutenção da qualidade de vida, melhora da aptidão física e promoção de saúde. Trata-se de um tipo de exercício físico que tem como objetivo dar mais agilidade, elasticidade e um aumento na amplitude do movimento muscular, explica o educador físico Jaddy Santtos, coordenador técnico da rede Hammer Fitness Club, unidade Stella Maris 2. Confira a seguir 10 benefícios listados pelo profissional para você começar já a dar mais valor ao alongamento:


1. Aumenta a flexibilidade, deixando os movimentos mais soltos e leves e melhorando a aptidão física;


2. Alivia a tensão muscular responsável por dores nas costas, no pescoço e até dores de cabeça;


3. Relaxa o corpo e a mente, ajudando a aliviar o estresse;

 

4. Aumenta a consciência corporal, melhorando também a habilidade para aprender e executar movimentos finos;

 

5. Melhora a postura;


6. Previne lesões esportivas e as dores musculares após o exercício físico;

 

7. Previne tendinites e LER (lesão por esforço repetitivo);

 

8. Ativa a circulação sanguínea;

 

9. Prepara o músculo para a atividade física;

 

10. Produz ótimos resultados no tratamento de dores na coluna (lombalgia e cervicalgia).

Rui assina ordens de serviço para unidades de saúde em Itaparica e Vera Cruz
Foto: Divulgação / GOVBA

O governador Rui Costa assinou nesta quarta-feira (23) ordens de serviço para construção do Centro de Atenção Psicossocial (Caps) e da Academia de Saúde no município de Itaparica. Com investimentos acima de R$ 1,7 milhão, entre obras e equipamentos, as duas unidades serão construídas no mesmo terreno, na Avenida Antônio Carlos Magalhães. No mesmo dia, o governador também assinou a ordem de serviço para construção de uma Academia de Saúde em Vera Cruz. O equipamento será construído na Praça Antônio Carlos, localizada na Travessa Antônio Bandeira. Com investimento de mais de R$ 155 mil, o novo espaço irá contribuir para a promoção da saúde da população a partir da implantação de polos com infraestrutura, equipamentos e quadro de pessoal qualificado para a orientação de práticas corporais e atividade física e de lazer e modos de vida saudáveis. Na unidade serão oferecidas aulas de ginástica, capoeira, jogos esportivos e populares, yoga, tai chi chuan, dança, teatro, música, pintura e artesanato.

República Democrática do Congo já registra 58 casos de ebola
Foto: Divulgação / CDC

A República Democrática do Congo já notificou 58 casos de ebola, segundo informou hoje (23) a Organização Mundial da Saúde (OMS). Os números incluem 28 casos confirmados, 21 casos prováveis e nove suspeitos, além de 27 mortes. A maior parte dos casos foi identificada nas regiões de Bikoro (29 casos) e Iboko (22 casos). De acordo com a OMS, até a última segunda-feira (21), mais de 600 pessoas que tiveram contato direto com casos notificados de ebola foram identificadas e estão sendo monitoradas por equipes em solo. Segundo a Agência Brasil, entre os 58 casos reportados da doença no país, três envolvem profissionais da área de saúde. Desde o início da semana, o Ministério da Saúde local, em parceria com a própria OMS, Médicos sem Fronteiras e Fundo das Nações Unidas para a Infância trabalham para vacinar comunidades mais afetadas pelo ebola. A dose tem caráter experimental e já havia sido utilizada na Guiné em 2015. Segundo a OMS, a vacina foi utilizada em diversos ensaios envolvendo mais de 16 mil voluntários na Europa, na África e nos Estados Unidos e se mostrou segura para o uso em humanos. A entidade ressaltou ainda que a dose apresentou resultados altamente eficazes na proteção contra a doença. A República Democrática do Congo vive seu nono surto de ebola desde a descoberta do vírus, em 1976. 

Quinta, 24 de Maio de 2018 - 07:30

Compostos cancerígenos do churrasco entram no organismo através da pele

por Fábio de Castro | Estadão Conteúdo

Compostos cancerígenos do churrasco entram no organismo através da pele
Foto: Getty Images

Já se sabia a fumaça produzida pelas churrasqueiras contém uma quantidades consideráveis de hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPA), compostos cancerígenos que podem causar doenças respiratórias e mutações no DNA. Um novo estudo, porém, mostra que a maior parte dessas substâncias não penetra no organismo dos participantes dos churrasco pelas vias respiratórias, mas através da pele. A nova pesquisa, publicada nesta quarta-feira (23), na revista científica Environmental Science & Technology, foi coordenada por Eddy Zeng, da Escola de Meio Ambiente da Universidade de Jinan, na China, e também envolveu cientistas da Universidade de Pequim, também na China. De acordo com os cientistas, os HPAs, produzidos pela queima incompleta de substâncias orgânicas como o carvão, a lenha e a gasolina, também se formam por meio de uma reação química quando a fumaça entra em contato com a gordura e as proteínas das carnes assadas nas temperaturas elevadas da churrasqueira. Estudos feitos com roedores têm mostrado que a exposição prolongada aos HPAs está ligada ao risco aumentado de certos tipos de câncer, incluindo tumores de pele, mama, bexiga, fígado e próstata. A maior parte das pesquisas já feitas, porém, tinha foco na exposição aos HPAs pela própria comida e pela fumaça da churrasqueira. O novo estudo confirma que a maior quantidade de HPAs é absorvida mesmo pela ingestão do churrasco. No entanto, para surpresa dos pesquisadores, o nível de absorção dessas substâncias pela exposição à fumaça é maior pela pele do que pelas vias respiratórias. De acordo com Adelaide Cassia Nardocci, professora da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da Universidade de São Paulo (USP), que não está envolvida no estudo chinês, as concentrações de HPA liberadas por um churrasco são pequenas, mas não podem ser negligenciadas, porque elas se somam à exposição praticamente constante a essas substâncias que também estão presentes na poluição urbana. "Sabemos que essas substâncias têm um potencial para causar alterações que podem levar à formação de processos cancerígenos e por isso elas são, sim, uma grande preocupação do ponto de vista da saúde pública. Por causa da poluição atmosférica, estamos expostos a elas ao longo de toda a vida. Em conjunto, a absorção pelas vias respiratórias e a exposição pela via alimentar geram um risco que não é desprezível, ainda que as concentrações sejam muito baixas", disse Adelaide ao jornal O Estado de S. Paulo. Segundo Adelaide, a conclusão da pesquisa chinesa é importante para chamar a atenção sobre os riscos envolvidos no preparo dos alimentos. "O churrasco é particularmente preocupante, porque expõe a carne a uma temperatura alta e, além dos compostos já presentes na fumaça, temos a queima da gordura, que contribui para a produção de HPAs. É um processo de preparo que deveria ser evitado na medida do possível - especialmente levando-se em conta essa nova informação de que há uma absorção considerável pela pele", afirmou Adelaide. A professora afirma que a queima da gordura é a parte mais crítica do churrasco, em termos de produção de HPAs. "Em geral, a carne fica por longo tempo na churrasqueira e a gordura vai sendo queimada à medida que envolve o alimento cada vez mais. Feita dessa forma, as substâncias nocivas são incrementadas. É absolutamente desaconselhável expor a carne à fumaça", declarou. Para realizar o estudo, os cientistas fizeram um experimento com 20 homens, com idades de 22 a 25 anos, que participaram de um churrasco de 2,5 horas em Guangzhou, na China. Os participantes foram divididos em três grupos. O primeiro grupo comeu o churrasco, mas tomou precauções para evitar a exposição à fumaça - tanto pelo nariz como pela pele. O segundo grupo ficou ao lado da churrasqueira, exposto à fumaça, mas não comeu carne. Um terceiro grupo não comeu churrasco, utilizou uma máscara especial para evitar a inalação da fumaça, mas ficou exposto à ela. Os cientistas coletaram amostras de urina de todos os participantes antes e depois do churrasco. Eles também coletaram amostras do ar durante o evento, para analisar os níveis de HPAs. Os pesquisadores calcularam, ainda, estimativas da ingestão de HPAs pelos participantes através da comida, do ar e da pele. Como esperado, o consumo da carne assada na churrasqueira correspondeu ao maior nível de exposição aos HPAs. Mas o segunda principal rota de absorção foi a pele, seguida pela inalação da fumaça. O estudo também mostrou que roupas compridas não são suficientes para evitar a absorção de HPAs pela pele. Os cientistas verificaram que as roupas reduziram a quantidade de HPAs absorvida pela pele por um curto período, mas, só até que os tecidos ficassem saturados com a fumaça.

Dia de Combate ao Glaucoma: Ação oferece aferição de pressão ocular gratuitamente
Serviço será oferecido no Pituba Parque Center e no Mundo Plaza | Foto: Google

Em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Glaucoma, será oferecido gratuitamente o exame de tonometria, que verifica a pressão intraocular. A ação acontece nesta quinta (24) e sexta-feira (25), das 10h às 15h, e no sábado (26), das 9h às 12h, na entrada principal do Pituba Parque Center, Itaigara. Também será oferecido atendimento no edifício Mundo Plaza, Caminho das Árvores, nesta quinta e sexta, das 10h às 15h. Os exames serão realizados, por ordem de chegada, pelas equipes do Grupo HoBrasil, DayHORC e Instituto de Olhos Freitas. Os resultados serão entregues no final do atendimento com uma orientação da necessidade, ou não, de procurar um especialista para diagnóstico completo.

Governo flexibiliza uso de UPAs construídas com recurso federal
Foto: Agência Brasil

O presidente Michel Temer assinou nesta terça-feira (22) um decreto que flexibiliza o uso de Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e Unidades Básicas de Saúde (UBS) construídas com recursos do governo federal. Anunciada durante a Marcha dos Prefeitos, a medida atende a uma demanda de prefeitos para não perder a estrutura de unidades não utilizadas. Atualmente, segundo o Ministério da Saúde, 148 UPAs 24h construídas ou em fase final de obras estão paradas, sem oferecer atendimento à população, diante da dificuldade de estados e municípios de custear o serviço. Com o decreto, as unidades poderão ser usadas como outros estabelecimentos de saúde, como Unidades Básicas de Saúde (UBS), Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), Centro Especializado em Reabilitação (CER), Academias da Saúde, entre outros. "O objetivo é dar funcionalidade aos equipamentos construídos, mantendo diálogo com os órgãos de controle, municípios e conselhos envolvidos. As unidades construídas foram apresentadas dentro do planejamento de saúde municipal e estadual, mas, devido à crise econômica, não foram colocadas em uso", afirmou o ministro da Saúde, Gilberto Occhi. Até então, se estado ou município não utilizasse a estrutura construída com recursos federais para funcionamento da UPA teria que devolver o valor da obra para dar a destinação que achasse mais conveniente ao imóvel. Agora, o gestor deverá enviar documentação justificando a necessidade de readequação do imóvel, desde que comprove que o espaço seja usado plenamente em ações e serviços de saúde, ainda que diferentes do que inicialmente foi pactuado. A ação é resultado de longas tratativas entre representantes do Ministério da Saúde, Tribunal de Contas da União (TCU), Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde CONASEMS), Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (CONASS) e Confederação Nacional dos Municípios (CNM) até a chegar a esta solução.

OMS aprova plano de cobertura em saúde para 1 bilhão de pessoas
Foto: Marcos Santos / USP Imagens

Delegados que participam da Assembleia Mundial da Saúde aprovaram nesta quarta-feira (23) um plano estratégico para os próximos cinco anos, considerado ambicioso pela própria Organização Mundial da Saúde (OMS). A agenda foi definida no intuito de contribuir para alcançar os chamados Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) – com foco, em particular, na garantia de vidas saudáveis e do bem-estar de pessoas de todas as idades até 2030. De acordo com a OMS, o plano aprovado é composto de três metas: garantir, até 2023, que mais 1 bilhão de pessoas passem a se beneficiar de cobertura universal em saúde; que mais 1 bilhão de pessoas estejam protegidas de emergências em saúde; e que mais 1 bilhão de pessoas gozem de boa saúde e bem-estar. Segundo a Agência Brasil, a estimativa da entidade é que, alcançando esses três pontos, um total de 29 bilhões de vidas possam ser salvas em todo o mundo. O relatório Estatísticas Mundiais da Saúde aponta que menos da metade da população global recebe todos os serviços de que precisa. Em 2010, quase 100 milhões de pessoas foram empurradas para uma situação de pobreza extrema por pagar despesas médicas. Além disso, cerca de 13 milhões de pessoas morrem antes dos 70 anos com doenças cardiovasculares, doença respiratória crônica e câncer, a maioria em países de baixa e média renda.

Alimentos com muito açúcar terão alerta para consumidor, afirma ministro da Saúde
Ministro Gilberto Occhi na 71ª Assembleia Mundial da Saúde | Foto: Divulgação

O Brasil vai adotar medidas para alertar o consumidor sobre o excesso de açúcar em alimentos processados. De acordo com anúncio feito nesta terça-feira (22) pelo ministro da Saúde, Gilberto Occhi, o alerta estará contido no rótulo dos produtos. "Estamos engajados na adoção de políticas concretas e efetivas para conter o avanço da obesidade. O Brasil adotará medidas para alertar sobre o excesso de açúcar no rótulo de alimentos processados, e, assim, os consumidores poderão fazer escolhas mais saudáveis. Também estamos estruturando medidas para reduzir o açúcar nesses alimentos", afirmou na plenária da 71ª Assembleia Mundial da Saúde, promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Durante o encontro, em Genebra, o governo brasileiro apresentou proposta de nova rotulagem de alimentos e também de um acordo com a indústria para redução de açúcar em alimentos ultraprocessados. As medidas, segundo a pasta, têm o objetivo de facilitar a compreensão do consumidor e trazer orientações claras para escolhas mais saudáveis. Dados da pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), de 2017, apontam que o excesso de peso atinge 54% da população nas capitais do país, e 18,9% estão obesos. No Brasil, a discussão sobre um novo modelo de rotulagem é conduzida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A proposta da entidade é que o rótulo seja fixado na parte frontal do produto, com advertências em relação ao excesso de nutrientes que podem trazer malefícios a saúde, como sódio, gordura e açúcares.

Mulher que exercia ilegalmente profissão de psicóloga é presa em Amargosa
Foto: Divulgação / Polícia Civil

Uma mulher que se passava por psicóloga no município de Amargosa foi presa nesta quarta-feira (23). De acordo com a Polícia Civil, Sheila Araújo Guimarães, de 47 anos, oferecia atendimentos particulares, utilizava carimbos falsos e chegou a prescrever medicamentos controlados para diversos pacientes. O delegado Adílson Freitas, titular da Delegacia Territorial (DT) de Amargosa, afirmou que um mandado de busca e apreensão foi cumprido na casa e no consultório da falsa psicóloga, onde os policiais encontraram blocos de receituário e carimbos. "Fizemos consultas ao Conselho Regional e ao Conselho Federal de Psicologia, os quais nos informaram que não constava inscrição em seus cadastros em nome de Sheila Araújo Guimarães", acrescentou. Conduzida à DT, Sheila afirmou que iniciou o exercício da profissão no municípios em 2013. Ela responderá por exercício ilegal da profissão de psicologia.

Mulheres com câncer de mama carecem de apoio no local de trabalho, aponta pesquisa
Foto: Shutterstock

Pesquisa divulgada nesta terça-feira (22) aponta que falta suporte no ambiente de trabalho para as mulheres com câncer de mama. Segundo o levantamento, 78% das pacientes relataram que, após receberem o diagnóstico da doença, faltou apoio da empresa onde trabalham. Quase metade das mulheres entrevistadas (49%) disse que precisou abandonar o trabalho após o diagnóstico de câncer. Essa porcentagem sobe e atinge 58% na faixa etária entre os 36 anos e 45 anos. Segundo a Agência Brasil, a pesquisa “Câncer de Mama Metastático: a voz das pacientes e da família” foi realizada pelo Instituto Provokers em nove capitais do país: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém, Curitiba e Porto Alegre. Foram ouvidos 170 pacientes e 240 familiares. De acordo com as participantes, quando existe algum tipo de suporte na empresa onde trabalham, na maioria das vezes está relacionado a uma flexibilização de horário ou permissão para se ausentar quando necessário. Quando questionadas sobre a atividade que faziam antes de receberem o diagnóstico e que mais sentem falta, 48% mencionou justamente o trabalho. Nenhuma das entrevistadas citou a existência de qualquer tipo de suporte específico para o tratamento oncológico em seus empregos. As pacientes apontaram ainda dificuldades para manter a renda familiar que tinham antes do diagnóstico. As dificuldades para manter a rotina de trabalho e os gastos associados ao tratamento reduzem em 38% a renda das pacientes usuárias do sistema público e em 15% para aquelas que se tratam por meio da rede privada. Como consequência disso, mais de um terço das mulheres ouvidas (36%) pela pesquisa afirma que usa suas próprias economias para custear o tratamento.

Histórico de Conteúdo