Zelotes: Palocci diz que Lula beneficiou montadoras em troca de pagamentos para filho
Foto: Reprodução / Congresso em Foco

Em novo depoimento à Justiça Federal, em Brasília, o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci disse que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) negociou pagamentos a seu filho caçula, Luís Cláudio Lula da Silva, com o lobista Mauro Marcondes Machado, do setor automobilístico. O acordo foi feito em prol da aprovação de uma Medida Provisória (MP-471) que visava a prorrogação de incentivos fiscais de montadoras nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil.

 

Segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo, Palocci disse que entre o final de 2013 e o início de 2014 o filho caçula de Lula o procurou na sede de sua consultoria, em São Paulo, para pedir contribuições para o seu projeto de esportes.

 

"Ele disse que precisava para o evento 'Touchdown', que ele lidera, para fechar entre R$ 2 milhões e R$ 3 milhões e que eu ajudasse com recursos via empresas conhecidas, porque eu conhecia muitas. Não pude fazer nada e fui falar com Lula para saber se ele me autorizava a fazer isso. Sempre que alguém me pedia em nome do ex-presidente eu o consultava", relatou o ex-ministro ao juiz Ricardo Augusto Soares Leite, no âmbito da Operação Zelotes.

 

Ao levar o assunto a Lula, Palocci recorda que o ex-presidente mandou ignorar o pedido de seu filho, pois o assunto já havia sido resolvido com Marcondes — segundo o relato, empresas iriam pagar entre R$ 2 milhões e R$ 3 milhões a Marcondes e ele passaria o dinheiro a Luís Cláudio.

 

De acordo com o ex-ministro, o lobista demonstrou ter acesso 'irrestrito' a Lula.

 

"O ex-presidente me disse que tinha confiança no Mauro Marcondes e que o conhecia desde que era sindicalista no ABC e ele era atuante na área empresarial. Tinha razoável confiança nele. Me disse isso porque fiquei espantado com a forma como o ex-presidente teria interferido na MP de forma tão explícita. Mas ele me disse que ele era de confiança dele e que não haveria problema", repassou.

 

Neste processo, Palocci depôs como testemunha de acusação. Além de Lula, o ex-ministro Gilberto Carvalho e mais cinco são réus. O Ministério Público Federal (MPF) sustenta que a empresa Marcondes e Mautoni Empreendimentos, que representava os interesses da CAOA (Hyundai) e da MMC Automotores (Mitsubishi do Brasil) teria oferecido R$ 6 milhões a Lula e a Carvalho. Esse dinheiro seria usado para financiar campanhas do PT.

Histórico de Conteúdo