Prefeitura chama de ‘inusitado’ questionamento do Ecad sobre título concedido a Salvador
Foto: Divulgação

A prefeitura de Salvador diz estranhar a divulgação de que “associações de música e o Ecad” teriam enviado carta à Unesco, “em nome de artistas que representam”, questionando o título de Cidade da Música, concedido à capital baiana, por não pagar “há mais de 10 anos de direitos autorais pelas músicas tocadas em eventos públicos”.

“Diante da inusitada medida, a prefeitura de Salvador esclarece que, embora haja três processos sobre a questão em trâmite na Justiça, não existe até o momento nenhuma decisão judicial sobre a questão. No entanto, a atual gestão, por intermédio da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult), abriu negociação com a gerência regional do Ecad para uma solução administrativa no primeiro semestre deste ano”, diz um trecho da nota de resposta.

De acordo com a prefeitura, depois de várias tratativas, o Executivo municipal, por meio da Secult, “propôs que levantaria o valor correspondente a 5% dos cachês contratados pela Saltur, empresa municipal de eventos, desde o Carnaval de 2013, início da gestão atual”, e concluída essa etapa, seria formada uma mesa de negociação com representantes do município e do Ecad para validar o montante e definir o pagamento, sendo que o percentual proposto sobre os cachês para a quitação dos direitos autorais já seria aplicado nos eventos posteriores às negociações”.

“A proposta apresentada foi aprovada pela gerência regional do Ecad em e-mail encaminhado à Secult. No momento, a Saltur está concluindo o levantamento de todos os contratos de 2013 até então para consolidar o valor total a ser apresentado ao Ecad. A expectativa é que esse processo seja logo finalizado para que sejam pagos os direitos autorais dos artistas cujas obras foram executadas em eventos públicos, realizados pela atual gestão municipal”, completa a nota.

Histórico de Conteúdo