MPF reafirma que recibos de Lula são falsos; Moro deve definir se houve falsidade ideológica
Foto:

A força-tarefa da Operação Lava Jato no Ministério Púlblico Federal (MPF) acredita que o juiz Sergio Moro deve confirmar que são falsos os recibos apresentados pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na última quarta-feira (7), Moro afirmou que os documentos não era "materialmente falsos", mas ainda não definiu se houve crime de falsidade ideológica. A decisão deverá ser pronunciada quando for proferida a sentença no processo no qual Lula é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, envolvendo oito contratos entre Odebrecht e Petrobras. Moro avaliou que o documento é materialmente verdadeiro, mas o contido nele não corresponde à realidade. Em manifestação apresentada a Moro na última sexta-feira (9), o MPF disse que aguarda o julgamento final do mérito, onde será pronunciada "de form airretorquível a falsidade ideológica dos recibos de alguel". De acordo com o Uol, a Lava Jato questiona esses reciboss porque não há movimentação financeira que comprove o pagamento do aluguel do apartamento. O MPF sustenta que Lula é o verdadeiro proprietário do imóvel, fruto de um esquema envolvendo ambas as empresas. A força-tarefa aponta como um erro nos recibos a apresentação de datas que não existem no calendário. A defesa de Lula diz que essas falhas não são relevantes. 

Histórico de Conteúdo