Terça, 28 de Maio de 2019 - 11:30

Alagoinhas: Terreiro de candomblé é hostilizado durante 'culto' evangélico

por Francis Juliano

Alagoinhas: Terreiro de candomblé é hostilizado durante 'culto' evangélico
Foto: Reprodução / Instagram

Integrantes de um terreiro de candomblé em Alagoinhas, no agreste baiano, acusam um grupo de evangélicos de atacar verbalmente o espaço religioso. O caso ocorreu no final da noite desta segunda-feira (27), por volta das 23h30, na frente do terreiro Ilê Axé Oya Ladê Inan. Segundo Ed Oladelê, egbom, filho de santo da casa, os acusados foram ao local com a justificativa de culto, mas fizeram outra coisa.

 

"Não era culto, eram palavras de ordem. Falavam em expulsão de demônio, de satanás, e sempre associavam nossa casa como casa de satanás. Diziam que as portas do terreiro tinham que ser fechadas. Minha madrinha, uma pessoa de 61 anos, não abriu a porta nem a janela", relatou ao Bahia Notícias.

 

Segundo Oladelê, em torno de 30 pessoas participaram do tal "culto" que durou cerca de 30 minutos. Nesta terça-feira (28), a comunidade ligada ao terreiro atacado fará uma queixa na delegacia da cidade e levará o caso ao Ministério Público do Estado (MP-BA) para apuração. O Ilê Axé Oya Ladê Ianan fica na localidade de Ferro Aço, no bairro Santa Terezinha, periferia da cidade, e existe há mais de dez anos.

 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Acabamos de sofrer um ataque de Intolerância Religiosa em nosso Ilê Axé. Evangélicos na comunidade do Ferro Aço, Santa Terezinha, aqui em Alagoinhas - Bahia, por volta das 23:30h, hoje conhecido com Praça do Céu, atacaram nossa casa com palavras como "Satanás irá cair" e várias palavras de ordem direcionadas diretamente ao Candomblé. Estamos nesse momento em um processo de investigação e encaminhando-nos a Delegacia da Policia Civil. Amanhã percorreremos a Promotoria de Justiça, à Secretaria de Meio Ambiente, à Secretaria de Serviços Públicos, à Secretaria de Assistência Social através da Diretoria da Promoção da Igualdade e todos os órgãos competentes a fim de que todas as medidas judiciais sejam aplicadas. Nossa Yalorixá, Mãe Rosa de Oyá é uma pessoa honrada e sempre foi respeitada em toda a Comunidade até o dia de hoje, porém é hipertensa e com mais de 60 anos de idade e presenciou em sua porta agressões que já limaram e estão limando pessoas e templos. Todas as medidas cabíveis estão sendo tomadas e não descansaremos até que os responsáveis recebam as devidas punições. Assinam o corpo de Egbons do Ilê Asé Oyá Ladê Inan e demais autoridades, Yawos e Abians do Ile Asé. Imagens feitas pela vizinhança. #intoleranciareligiosa #racismo #intolerancia #candomble #alagoinhas #bahia #brasil #brazil

Uma publicação compartilhada por Ed Silva (@ed.omoyo) em

Histórico de Conteúdo