Operação Adsumus: TJ-BA nega novo pedido de liberdade ao empresário Manoel Andrade
Manoel Andrade é dono do camarote Axezeiro | Foto: Andi and Emily's Blog

O desembargador Júlio Cezar Travessa, da Primeira Turma da Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), negou nesta quinta-feira (12) o pedido de habeas corpus feito pela defesa para libertar o empresário Manoel Andrade, preso no âmbito da Operação Adsumus, que investiga um esquema de corrupção em prefeituras baianas. No pedido de liberdade, o advogado do empresário afirmou que a decisão judicial que colocou Manoel Andrade na prisão apresenta termos abstratos, genéricos e desgarrados do caso concreto, concluindo que a decisão é “leviana e mentirosa”.

 

O desembargador, no entanto, manteve a prisão, afirmando que a existe uma farta prova documental, e que a defesa não trouxe como fundamento o trancamento da ação penal, atacando apenas a fundamentação da decisão judicial que colocou o empresário sob prisão preventiva, admitindo, portanto, que existem indícios da autoria e provas de materialidade. Segundo ele, se “o magistrado e o órgão do Ministério Público tiverem capacidade de engendrar uma trama como essa, eles estão perdendo tempo no Ministério Público e no poder Judiciário, já seria o caso de serem contratados por alguma empresa mundial de cinema para se transformarem em grandes roteiristas”.

 

Dono do camarote Axezeiro, Barreto foi preso após decisão do juiz Gustavo Teles Veras Nunes, expedida no último dia 16 de maio, na qual decretou também a prisão do ex-prefeito de Santo Amaro, Ricardo Machado (PT), e o empresário Jonaldo do Carmo. Barreto é acusado de fazer parte de um esquema que teria desviado R$ 20 milhões entre 2012 e 2016, na gestão de Machado em Santo Amaro, e também na prefeitura de Muritiba (lembre aqui).

Histórico de Conteúdo