Dias D’Ávila: Motorista morre em batida entre carro e caminhão-baú na BA-093
Foto: Reprodução / Bahia Norte

Uma pessoa morreu e outra ficou gravemente ferida em uma colisão frontal entre um carro e um caminhão-baú em um trecho da BA-093, em Dias D'Ávila, na Região Metropolitana de Salvador (RMS). Segundo a Bahia Norte, que administra a rodovia, o acidente ocorreu por volta de 6h30, no KM-23, próximo a uma cervejaria da região, nesta segunda-feira (25).

 

Conforme o G1, o motorista do carro morreu no local. Outra pessoa, que também estava no veículo, ficou gravemente ferida e foi levada ao Hospital Geral de Camaçari, após atendimentos da Bahia Norte. Não há mais informações sobre o estado de saúde dela. Já o motorista do caminhão não teve ferimentos. 

Porto Seguro: Aeroporto tem atrasos e cancelamentos de voos devido a mau tempo
Foto: Clériston Santana / TV Bahia

O Aeroporto de Porto Seguro, na Costa do Descobrimento, registrou atrasos e cancelamentos de voos neste domingo (24) devido ao tempo chuvoso. O terminal ficou lotado de passageiros que buscavam informações sobre decolagens. Segundo a TV Santa Cruz, havia pessoas em pé, sentadas e até deitadas no chão. Avisos sobre os voos eram emitidos pelo sistema de som do aeroporto.

 

Conforme o setor de anúncio e operações do aeroporto, dos cerca de 20 voos previstos para a manhã de domingo, apenas cinco conseguiram pousar. Pelo menos três foram cancelados e alguns foram alternados. Ainda não há detalhes de quantos passageiros tiveram o voo cancelado. Ainda segundo a emissora, no começo da tarde, alguns passageiros foram levados para hotéis da cidade.

 

No decorrer da tarde, as operações começaram a ser normalizadas, depois que a chuva ficou menos intensa. A previsão é que as chuvas devem continuar até a sexta-feira (29), segundo informou o site Climatempo. 

LEM: Chuva deixa ruas alagadas, invade casas e causa acidentes
Foto: Reprodução / Blog do Braga

As chuvas que caíram em Luís Eduardo Magalhães, no extremo oeste baiano, neste domingo (24) deixaram diversas ruas alagadas e causaram prejuízos em veículos. A água também invadiu casas em diferentes bairros da cidade. Segundo o Climatempo, a previsão é que o tempo chuvoso siga até pelo menos a sexta-feira (29) na cidade.

 

Neste domingo, as precipitações causaram alagamentos em diversas vias, como a Avenida Salvador, e as ruas São Francisco, Mato Grosso, Rio Grande do Norte, Paraíba, Guarani, entre outras. Conforme o Blog do Braga, carros e motocicletas caíram em buracos na Rua Mato Grosso. Apesar dos danos, os motoristas não ficaram feridos. 

Teatro Popular de Ilhéus realiza Mostra de Cordel nesta sexta
Evento terá apresentação do Grupo 4° Compasso | Foto: Divulgação

O Teatro Popular de Ilhéus realiza a “Mostra de Poesia Popular de Cordel”, nesta sexta-feira (29), a partir das 19h, com entrada franca.


Com o objetivo de incentivar a expressão da literatura popular e de cordel na região, o encontro acontecerá na área externa da Tenda, onde o público poderá conferir um encontro de poetas cordelistas em performances declamadas de poemas de cordel.


O evento terá ainda uma apresentação do Grupo 4° Compasso, formado por jovens oriundos da Filarmônica Capitania dos Ilhéos e que tem a proposta de resgatar gêneros brasileiros tradicionais e misturar com os urbanos.


Na ocasião, também acontece a “Feirinha Popular de Produtos Regionais”, com abertura marcada para as 18h.

Segunda, 25 de Março de 2019 - 07:40

Amélia Rodrigues: Chuva faz motorista se abrigar em cima de carro

por Francis Juliano

Amélia Rodrigues: Chuva faz motorista se abrigar em cima de carro
Foto: Leitor BN WhatsApp

As chuvas devem continuar nesta segunda-feira (25) em Amélia Rodrigues, no Portal do Sertão. Segundo o Climatempo, a probabilidade de chuva chega a 90% nesta segunda, e as precipitações devem seguir até a sexta-feira (29). Na tarde deste domingo (24), o volume de água deixou um carro, que estava próximo à BR-324, quase submerso. O motorista deve de se abrigar em cima do veículo. Por conta das chuvas – o trânsito ficou lento na rodovia – que faz a ligação Salvador-Feira de Santana, no momento do temporal.

Segunda, 25 de Março de 2019 - 00:00

Anunciada há 10 anos, ponte Salvador-Itaparica só deve sair do papel em 2021

por Rebeca Menezes

Anunciada há 10 anos, ponte Salvador-Itaparica só deve sair do papel em 2021
Foto: Divulgação

No dia 24 de março de 2009, uma terça-feira, o então governador da Bahia Jaques Wagner informou que entregaria à ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, um projeto para a construção de uma ponte que ligaria Salvador à Ilha de Itaparica (veja aqui). O anúncio foi feito durante a I Mostra Nacional de Desenvolvimento Regional, que acontecia em Salvador, e citado inclusive pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Aqui na Bahia, só do PAC, previsto de investimentos até 2012 
 Dilma, se eu falar e não for verdade, você fica quieta, se for verdade, você balança a cabeça, que é verdade , ou seja, nós temos R$ 45 bilhões previstos de investimentos aqui para a Bahia. Já não contente com tudo o que recebe, o Wagner me apresenta proposta de um projeto, levando aqui, a ponte atravessando até Itaparica. E ele já me disse que a obra custa mais de R$ 1 bilhão. Certamente, certamente o projeto será olhado com carinho, com paixão e, certamente, Wagner, se eu não fizer, outro fará. Não posso prometer", disse o então presidente para o público que o assistia.

E foi bom não fazer promessas. Dez anos depois da obra ser citada pela primeira vez – que foram completados neste domingo (24) – , Lula está preso acusado em diversas investigações sobre corrupção. Dilma Rousseff foi eleita presidente do Brasil por dois mandatos, mas sofreu impeachment. Wagner já foi ministro da Defesa, ministro da Casa Civil, ministro-chefe de gabinete, secretário estadual de Desenvolvimento Econômico e eleito senador pela Bahia. A ponte? Sequer saiu do papel.


A ideia em si surgiu muito antes do anúncio de Wagner. Durante um debate realizado na Universidade federal da Bahia (Ufba) em junho de 2013, o secretário estadual de Planejamento à época, José Sérgio Gabrielli, disse que o projeto original do equipamento é ainda mais antigo. Segundo Gabrielli, em 1967 o arquiteto Sérgio Bernardes formulara uma proposta dentro do Plano Diretor do Centro Industrial de Aratu (CIA), que criava um anel viário, com três tipos de traçados, sendo duas para o trânsito de veículos pesados, além de uma ponte entre a capital e a Ilha de Itaparica.

 

Ainda assim, as obras não devem começar a curto prazo. Questionada sobre a atual previsão do governo para que a ponte comece efetivamente a ser construída, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), atualmente responsável pelo projeto, respondeu que espera-se que o contrato seja assinado ainda este ano e que as atividades preliminares durem de 6 a 12 meses. Assim, as obras devem começar entre meados de 2020 e o início de 2021. Além da SDE, a ponte também é tocada pela Secretaria de Infraestrutura (Seinfra) e pela Casa Civil.

 

Até o momento, o Governo do Estado já investiu cerca de R$ 87 milhões para a elaboração do conjunto de estudos de projetos do Sistema Rodoviário Oeste, o equivalente a 1,2% do valor total das obras previstas para o novo sistema viário, "o que é compatível com os custos esperados para projetos dessa magnitude", segundo a SDE.


Dentre os levantamentos feitos, estão o Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental – EIA/RIMA, realizados pelo Consórcio V&S e Nemus, que resultou na Licença Prévia emitida em junho de 2016; os estudos urbanísticos realizados pelo Consórcio Demacamp, Pólis e Oficina, incluindo Plano Urbanístico Intermunicipal da Ilha de Itaparica (PUI), Planos Locais Urbanísticos Municipais (PLURs) e a revisão dos Planos de Desenvolvimento Urbano (PDDUs) dos municípios de Itaparica e Vera Cruz, além do Cadastro Imobiliário da área urbana da Ilha de Itaparica e dos Estudos de Impacto de Vizinhança; Estudos Técnicos de Hidráulica Marítima e ventos realizados pela COPPETEC, da Universidade Federal do Rio de Janeiro; e Estudos de navegação, sondagens, estudos de tráfego e o Projeto Básico de engenharia, elaborado pelo Consórcio COWI, Enescil e Maia Melo. Os levantamentos estão disponíveis no site criado pelo governo para reunir e publicizar as informações sobre o projeto (acesse aqui).


A ponte Salvador-Itaparica terá 12,3 quilômetros de extensão - o que a garantirá a 23ª posição no ranking mundial de pontes. Ela também será a maior ponte sobre lâmina d'água da América Latina, superando a Rio-Niterói, que tem 8,8 km. O custo estimado é de R$ 5,34 bilhões, sendo R$ 1,51 bilhão de dinheiro público.


Em Salvador, o equipamento começa entre a Feira de São Joaquim e o terminal do sistema ferry-boat, conectando-se com a Via Expressa por meio de viadutos e túneis – o atual projeto prevê a construção de quatro viadutos e dois túneis. Apesar de se estudar a possibilidade da cabeceira ser colocada na região do Subúrbio de Salvador, observou-se que a ponte precisaria de quase 7 quilômetros a mais, o que aumentaria os custos. Além disso, um estudo de tráfego apontou que 90% do fluxo originário da travessia irá para as regiões centro e sul da capital baiana, o que geraria um tráfego desnecessário para os usuários.

Fonte: Estudo de Tráfego da TTC, análise da equipe / Governo da Bahia


A ideia é que se tenha 3 pedágios no Sistema Rodoviário Oeste, entre os quais estará o da Ilha, próximo à cabeceira da ponte. Na última semana, durante uma audiência pública sobre o projeto, o governo divulgou os preços estimados que serão cobrados no pedágio para a travessia. Segundo Paulo Henrique Almeida, coordenador Técnico do Projeto, os valores são "salgados", mas são mais baratos do que os motoristas gastariam usando outros meios para chegar de um ponto ao outro. Os valores divulgados são muito próximos ao informado por Gabrielli em 2013: na época, José Sergio argumentou que não se poderia cobrar mais do que o custo para o veículo atravessar por meio do sistema de ferry-boat, por exemplo, o que até então foi mantido. A concessão vai durar 35 anos, contando 5 anos de construção e os demais de operação. 

Arte: Priscila Melo / Bahia Notícias

A OBRA
A primeira etapa de construção do complexo, segundo a SDE, contará com quatro segmentos:

-os acessos em Salvador (viadutos e túneis);

-a Ponte propriamente dita, que liga o bairro do Comércio, na Cidade Baixa, à praia de Gameleira, na Ilha de Itaparica;

-a implantação de uma nova rodovia expressa na Ilha, para o desvio do tráfego de passagem;

-a duplicação da BA 001 entre a nova rodovia e a Ponte do Funil.
 

Já a segunda etapa vai abranger as obras de:

-duplicação ou substituição da Ponte do Funil;

-duplicação das BAs 001 e 046 entre a Ponte do Funil e Santo Antônio de Jesus;

-requalificação da BA 001 entre Nazaré e Valença, e implantação da ligação entre Santo Antônio de Jesus e o entroncamento entre a BR-242 e a BR-116.


Para os trechos entre Salvador e a Ponte do Funil, segundo a secretaria, já estão disponíveis o projeto básico de engenharia e a licença prévia ambiental. Já para a segunda etapa, os investimentos devem ficar em torno de R$ 700 milhões, incluindo o contorno da cidade de Nazaré. Os projetos e os licenciamentos – que devem ser mais simples, já que se trata de duas rodovias já existentes – serão produzidos a partir do início dos trabalhos da primeira etapa. 


Esta parte compreende ainda o trecho da atual BA-001 entre as cidades de Nazaré e Valença. A obra de duplicação ficará a cargo da concessionária, que deverá se comprometer a realizá-la no momento em que o segmento atingir um volume de tráfego preestabelecido no contrato. Até lá, a concessionária será responsável pela conservação da estrada e por sua requalificação, incluindo intervenções pontuais de melhoramento da geometria e inserção de terceira faixa onde necessário.


Por sua vez, os trechos entre as cidades de Santo Antônio de Jesus e Castro Alves, e entre esta e o entroncamento da BR-242 com a BR-116, devem ficar a cargo do governo federal, com a União assumindo a construção como obra pública.

Segunda, 25 de Março de 2019 - 00:00

Cronologia: Os caminhos que (ainda não) levaram à ponte Salvador-Itaparica

por Rebeca Menezes

Cronologia: Os caminhos que (ainda não) levaram à ponte Salvador-Itaparica
Foto: Divulgação

O projeto da ponte Salvador-Itaparica teve como berço a Secretaria Estadual de Planejamento (Seplan), que, quando a proposta foi anunciada pela primeira vez (relembre aqui), há 10 anos, era chefiada por Walter Pinheiro. Desde então, o projeto já foi tocado por outros quatro secretários: Antônio Alberto Valença (entre 2010 e 2011), Zezéu Ribeiro (entre 2011 a 2012), José Sergio Gabrielli (entre 2012 e 2015) e João Leão (de 2015 ao início de 2019). Em fevereiro deste ano, quando Pinheiro voltou à Seplan, já não tinha mais a ponte nas mãos: Leão assumiu a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE) e levou o projeto, sua menina dos olhos, debaixo do braço. O vice-governador foi quem até o momento mais se aproximou de ver o sonho concretizado, mas tem os últimos 10 anos como um alerta: o projeto, além de caro, não é fácil.


Verdade seja dita. De março de 2009, quando foi anunciada pelo então governador Jaques Wagner pela primeira vez, o governo do Estado não demorou de agir em relação ao projeto da ponte. Já em janeiro de 2010, lançou o edital para a Proposta de Manifestação de Interesse (PMI) para que empresas se colocassem como interessadas em disputar a concorrência. Segundo a SDE, na época foram recebidas duas propostas de consórcios integrados por grandes empresas nacionais. Porém, o governo considerou que as contribuições apresentadas eram "insuficientes", e decidiu contratar a consultoria McKinsey & Company para "aprofundar o desenho e estruturação" do equipamento, partindo do que foi apresentado nas PMIs. A partir de então, a burocracia tratou de alongar, e muito, as coisas. A questão é que os políticos não queriam exatamente aceitar – ou ao menos transparecer – que não se tratava de algo simples de executar.


Em fevereiro de 2010, Walter Pinheiro disse que a ideia era "nacionalizar" o projeto, para que ele não ficasse restrito ao governo da Bahia, e inclui-lo no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal. "Os recursos serão utilizados para elaboração de estudos e no ano de 2010 vamos precisar muito da bancada para inclusão da ponte no Plano Plurianual, no Plano de Investimentos e no PAC, para garantir que quando a gente fizer o edital do vetor oeste tenhamos já parte expressiva de recursos para a construção da ponte", disse em entrevista ao Bahia Notícias. Não foi o que aconteceu. 


Ainda em 2010, Pinheiro deixou a pasta para disputar o cargo de senador pela Bahia. Foi substituído por Antonio Valença. Em julho do mesmo, o novo secretário sugeriu que havia pouco de concreto na ideia. À época, não estava sequer definido onde a ponte começaria e terminaria. Também não se sabia prazo ou valor do projeto. “As propostas podem trazer redimensionamento e novos trechos rodoviários. Certamente vai para a Ilha e vai sair de Salvador. Nós temos a expectativa de que haja conexão com a Via Expressa”, avaliou. “Não é um projeto pequeno. É projeto para bilhão, mas não temos uma ideia definida", disse, ao ser questionado sobre qual seria o investimento.


Em 2011, ocorreu uma nova troca de gestão da Seplan, que foi assumida por Zezéu Ribeiro (que morreu em fevereiro de 2015). Poucos meses depois de assumir o cargo, Zezéu participou de uma reunião com a então secretária da Casa Civil, Eva Chiavon, para discutir o cronograma de obras do Sistema Viário Oeste. Naquele ano, a previsão era que a ponte tivesse 11,7 quilômetros de extensão e 70 metros de altura. A ideia era lançar a licitação para a construção em 2014 e que as obras fossem concluídas em 2018. A partir daí, as previsões só mudaram.


Em outubro de 2012, por exemplo, o já senador Walter Pinheiro disse que a licitação para a obra poderia ser aberta no começo de 2013. Já em janeiro de 2013, quase um ano após assumir a Seplan, José Sérgio Gabrielli disse que sairia até março de 2014. Em agosto de 2014, durante campanha para o Senado, Otto Alencar disse que o projeto estaria pronto em outubro daquele ano e que, então, Wagner lançaria a licitação. Em outubro, Gabrielli chegou a anunciar, durante um seminário, que as obras da ponte começariam em agosto de 2015, com conclusão prevista para 2020.


Em março de 2015, contudo, a Seplan informou a chamada para a licitação só deveria acontecer no final daquele ano. Em dezembro, mais um adiamento: em nota, a Seplan disse que não havia mais prazo para o processo licitatório. “O cronograma foi modificado, primeiramente, em função da escala e complexidade do projeto, mas também pela evolução da conjuntura da crise econômica mundial”, justificou a pasta, em nota enviada ao BN.


Em março de 2016, o chefe da Casa Civil da Bahia, Bruno Dauster, reforçou o que seria o motivo da cautela: a crise econômica que atingiu mais forte o Brasil pouco tempo após a reeleição da presidente Dilma Rousseff. "Seria um equívoco a gente lançar nesse momento um edital, quando não tem garantia de alguém que não queira depois dar continuidade”, explicou Dauster em entrevista ao Bahia Notícias. "É um projeto também de valor muito elevado, em uma conjuntura muito difícil de se ter dinheiro. É normal que ele esteja em um estágio mais inicial”, afirmou, sete anos após o primeiro anúncio.


Somente em agosto de 2017 houve um avanço mais palpável na discussão sobre a construção da ponte: foi lançado um chamamento público com o objetivo de prospecção de mercado e de acolhimento de novas contribuições técnicas para os estudos realizados pelo Estado, um passo na direção da futura concessão da construção e operação do Sistema Rodoviário Oeste.


O chamamento deu um gás a mais ao governo do Estado, que começou a mostrar mais otimismo. Em dezembro daquele ano, Rui Costa chegou a dizer que o edital poderia já sair em 2018. "Estamos recebendo todos que queiram conhecer e detalhar [um projeto]. A partir de janeiro, nós podemos, com essa e as outras empresas interessadas, estruturar e montar o edital de licitação. Ocorrendo tudo bem, nós vamos lançar o edital ainda no primeiro semestre de 2018”, afirmou o governador. Em agosto de 2018, Rui ainda acreditava que as licitações sairiam até o fim do ano, promessa que foi refeita em outubro do mesmo ano. Novamente, não aconteceu.


Ainda assim, o governo defende que o lançamento da licitação está finalmente próxima. Ao BN, a SDE informou que espera-se que o contrato seja assinado ainda este ano e que estas atividades preliminares durem de 6 a 12 meses. Assim, as obras devem começar entre meados de 2020 e o início de 2021.


Na última quinta-feira (21), durante audiência pública realizada pela Secretaria de Infraestrutura do Estado (Seinfra) sobre o equipamento, Leão negou que houve "promessas" de entrega da licitação, e reforçou que se trata de um projeto complexo. "Não é promessa, isso é um projeto muito grande. Isso começou em 2010. Quando nós fizemos a Via Expressa, que é onde tem aqueles dois túneis, aquilo ali foi baseado no projeto da ponte Salvador-Itaparica. Então isso é uma conquista, e uma obra de R$ 6 bilhões você não vai conquistar do dia pra noite. É uma obra muito complexa, tem uma série de ações que nós tivemos que fazer, que projetar, com um cuidado muito grande do Estado da Bahia, dos parceiros, pra que o projeto ficasse perfeito. E estamos chegando aqui agora à perfeição", avaliou.

 

VER PARA CRER
Mas se o governo do Estado sempre acreditou que a ponte sairia do papel, essa não era uma crença compartilhada por todos. Em 2010, em um café da manhã com empresários, na Associação Comercial da Bahia, Emílio Odebrecht, que presidia o Conselho de Administração, revelou descrença na ponte bilionária: "Sou cético. Não acredito. Acho que temos muitas outras alternativas que convêm melhor, como uma pista por Candeias". Tudo isso muito antes do Grupo Odebrecht ser alvo da Operação Lava Jato.


Dias depois, seu filho Marcelo Bahia Odebrecht, então presidente da empreiteira, negou que a família fosse "contra" a obra. "Meu pai não se posicionou contra a ponte. Vamos ser claros: sendo o projeto do porte que é, a gente tem que estar consciente dos desafios. O que existe é a consciência de todos os desafios da construção, dos investimentos, com a sua magnitude, a oposição que tem. É um projeto que tem seus desafios, não quer dizer que somos céticos. O projeto nasceu com meu avô (Norberto). Temos que ter consciência dos desafios”, argumentou Marcelo Odebrecht.


Mas foi o ceticismo que marcou o tom da oposição a Jaques Wagner e Rui Costa nos últimos dez anos. Para o grupo, os governistas usaram a ponte durante esse tempo como um projeto "eleitoreiro", para convencer a população de que haveria uma obra desse porte mesmo quando havia pouco de concreto para apresentar.


As críticas pesaram ainda mais durante a campanha de 2014. Como Gabrielli era cotado para ser candidato do PT ao governo do Estado, apontava-se que sua nomeação como secretário de Planejamento seria uma forma de ligar seu nome ao imaginário da ponte, fazendo com que o equipamento fosse uma das principais promessas de campanha.


Com os ânimos exaltados em um clima de intensa disputa eleitoral, em maio daquele ano o grupo ligado ao prefeito de Salvador, ACM Neto, organizou na Câmara de Vereadores um "aniversário", com direito a bolo, para marcar os 5 anos do anúncio de Wagner. O à época vereador Léo Prates disse que era uma forma de protesto pelo andamento do projeto. “Ainda não se vislumbra um prazo para o início das obras”, criticou o democrata.

Foto: Divulgação

 

Durante as eleições de 2018, o candidato ao Palácio de Ondina José Ronaldo voltou a criticar o usou "eleitoreiro" do projeto. Ronaldo acusou João Leão de tentar "iludir o povo" ao divulgar que a empresa vencedora da licitação para a construção do equipamento seria conhecida uma semana após a eleição. "De promessa, o povo já está cheio. Promessas que não saem do papel, como a Fiol, o Porto Sul, a duplicação da estrada Ilhéus-Itabuna, a Ponte de Ilhéus e diversas outras são usadas politicamente para enganar os eleitores", apontou.

Segunda, 25 de Março de 2019 - 00:00

Construção da ponte Salvador-Itaparica foi atrasada por crise, Lava Jato e eleições

por Rebeca Menezes

Construção da ponte Salvador-Itaparica foi atrasada por crise, Lava Jato e eleições
Foto: Divulgação

Mais do que apenas burocracia governamental prejudicou os planos do governo do Estado de construção da ponte Salvador-Itaparica até o momento. Dez anos após ser anunciada pela primeira vez (veja aqui), a obra teve sua licitação adiada diversas vezes e pelos mais diversos motivos (leia mais aqui).

 

O primeiro e mais importante motivo de atraso foi a percepção da complexidade de uma proposta como essa. O governo chegou a lançar uma Proposta de Manifestação de Interesse (PMI) ainda em 2010, mas as alternativas estavam aquém do que a gestão esperava. As duas PMIs apresentadas serviram como uma espécie de embrião para o projeto atualmente consolidado, que contempla ainda diversos estudos que serão a base para quem for construir a ponte.


Mas é em março de 2014, cinco anos após o anúncio de Wagner, que surge o primeiro entrave além da capacidade da gestão estadual para uma obra desse porte. Foi nesse período que foi deflagrada a Operação Lava Jato – que coincidentemente começou a partir de investigações que começaram em 2009. A Operação da Polícia Federal, que já levou à prisão dois ex-presidentes da República (Luiz Inácio Lula da Silva e Michel Temer), também dificultou a vida das maiores empreiteiras do país. Como estavam envolvidas em acusações de corrupção e acordos de leniência com multas bilionárias, seria um risco assumir uma construção de R$ 6 bilhões, mesmo que estivesse tudo pronto.


Mais ou menos no mesmo período, uma crise econômica atingiu todo o mundo, mas com mais força o Brasil, que ainda passava por uma instabilidade política muito grande. Em meio a grandes insatisfações, Dilma Rousseff se reelege no final de 2014, mas começaria uma forte onda de rejeição e manobras do Congresso que culminaram em seu impeachment em agosto de 2016. Quando Michel Temer assume com a promessa de que vai retomar a economia, afetada por forte desconfiança, o presidente é acusado de corrupção em um processo que envolve até gravações de conversas confidenciais, o que deixa o mercado financeiro novamente com o pé atrás.


Em março de 2016, o próprio governador Rui Costa admitiu que não parecia um bom momento para tocar o projeto da ponte Salvador-Itaparica. Nessa época, o governo do Estado já investia fortemente em negociações com os chineses como os potenciais integrantes de uma Parceria Público-Privada (PPP) para tornar o sonho da ponte uma realidade. "Eu vou repetir o que uma empresa chinesa me disse. ‘Nós não estamos tão preocupados com a rentabilidade do negócio. Isso para nós é segundo plano. Nós estamos preocupados com a segurança dos nossos negócios’”, apontou Rui.


Mas nem só de estabilidade política se faz uma ponte. Em um momento em que o governo baiano conseguiu recuperar a confiança dos chineses e a economia brasileira começou a dar sinais de recuperação, Rui perdeu um importante aliado: o governo federal. Se com as gestões de Lula e Dilma a Bahia conseguiu muitos investimentos, e com Temer a relação se mantinha protocolar, a ascensão de Jair Bolsonaro ao Palácio do Planalto dificultou, e muito, a vida do chefe do Executivo baiano.


Bolsonaro teve na Bahia um de seus piores coeficientes eleitorais e tem o Partido dos Trabalhadores, de Rui Costa, como seu principal opositor. Em um cenário que exige um alto investimento do setor público, não ter o governo federal não é exatamente um bom agouro.


Por isso, a gestão estadual teve que novamente adequar seus planos. De acordo com a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico (SDE), atual responsável pela obra, a estruturação econômico-financeira do projeto continua em revisão. "A modelagem prevista inicialmente, sob a forma de uma PPP ancorada em importante aporte federal, foi prejudicada pela radical mudança na conjuntura político-econômica, que tem paralisado ou retardado quase todos os megaprojetos de infraestrutura de transportes no país. O governo do Estado tem trabalhado numa estruturação alternativa, que possa contar com algum apoio tanto do governo federal quanto de investidores internacionais", argumentou a pasta, em nota enviada ao BN. 

Segunda, 25 de Março de 2019 - 00:00

Ponte pode ampliar desenvolvimento, mas não há consenso sobre impactos

por Rebeca Menezes / Lucas Arraz

Ponte pode ampliar desenvolvimento, mas não há consenso sobre impactos
Projeção de cabeceira da ponte no Comércio | Foto: Divulgação

A ideia de se construir uma ponte de bilhões de reais para ligar uma ponta à outra da Baía de Todos-os-Santos (BTS) vai além de diminuir distâncias. Colocada em prática, a construção vai significar a geração de milhares de empregos a curto e longo prazo, além de desenvolver outros eixos do estado fora da Região Metropolitana de Salvador. Mas ainda não há consenso sobre como fazer isso de uma forma sustentável e sem afetar outras potencialidades da região, mesmo após dez anos do projeto ser anunciado (veja aqui).


De acordo com os estudos feitos, o vetor de expansão está concentrado ao norte da BTS, mas o cenário mudaria com a reconfiguração da matriz logística. Porém, é preciso garantir que com o aumento do fluxo de veículos a Ilha de Itaparica não cresça desordenadamente, com especulação imobiliária e falta de estrutura para receber tantas pessoas. 

Foto: Divulgação


Para buscar um desenvolvimento planejado, o governo do Estados e representantes dos municípios de Salvador, Vera Cruz, Itaparica e Jaguaripe assinaram, em fevereiro de 2013, um acordo de cooperação técnica. As recomendações dos estudos de impacto de vizinhança e similares exigidos por lei exigiram adequações nos planos diretores municipais e a reestruturação da mobilidade urbana nas cidades impactadas.


Segundo a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), já foram realizados estudos urbanísticos, incluindo o Plano Urbanístico Intermunicipal da Ilha de Itaparica (PUI), Planos Locais Urbanísticos Municipais (PLURs) e a revisão dos Planos de Desenvolvimento Urbano (PDDUs) dos municípios de Itaparica e Vera Cruz, além do Cadastro Imobiliário da área urbana da Ilha de Itaparica e dos Estudos de Impacto de Vizinhança.


"Estão todos prontos. Inclusive nós já remetemos isso para a Ilha de Itaparica, para o município de Itaparica e para o município de Vera Cruz. Todos os PDDUs estão prontos e já estão sendo analisados pelas Câmaras de Vereadores", garantiu o secretário e vice-governador João Leão, em entrevista ao Bahia Notícias.


Mas um certo receio ainda ronda os moradores da ilha, que temem que não haja estrutura suficiente e cobram mais investimentos na região. Ao BN, a prefeita de Itaparica, Marlylda Barbuda, disse que a Câmara já começou a discussão do PDDU e que a cidade está confiante com a chegada da ponte, mas a gestão alerta para problemas importantes que precisam ser solucionados.
 
"A gente acredita na ponte. A gente entente que irá aproximar tanto Itaparica a Salvador quanto Salvador a Itaparica. A gente só teme as mazelas que podem chegar porventura com a ponte. Então na conversa que tivemos com o vice-governador esta semana, nós falamos sobre isso. A gente tem um problema de abastecimento de água, e no verão a gente sente isso de forma intensa; um problema de saneamento básico, no que tange a malha de esgotamento sanitário - somente 40% da cidade de Itaparica tem malha de esgoto -; tem um hospital que é de média complexidade...", enumerou. Marlylda citou ainda o cuidado com as áreas de preservação e para a agricultura familiar, para que não ocorra "a invasão de grandes resorts". "Temos que ter uma visão para que a cidade possa ser ocupada de uma forma que o povo não sofra as consequências da sua chegada. O PDDU vem pra regular isso". 


A prefeita ainda criticou gestões do Executivo estadual que trataram a cidade como um "apêndice" baiano. "Não estou dizendo que essa é uma questão somente do governador Rui, mas o governo do Estado nos teve como um apêndice dos 417 municípios da Bahia, e a gente tem vários potenciais. A cidade é vocacionada ao turismo, a gente não quer perder essa característica. A gente entende que a ponte traz benefícios, mas está exigindo respeito às características da cidade, para não perder a qualidade de vida que a gente tem, e que possa macular nossa tradição, nossa história", reforçou. 


Já Jorge Carvalho, presidente da Comissão Especial da Ponte na Câmara de Vereadores de Vera Cruz, diz que a Casa está avaliando o texto do PDDU com "muita cautela, porque não foi elaborado pela cidade, mas pelo governo do Estado". "A Bahia discutiu Vera Cruz, mas Vera Cruz ainda não foi ouvida. A população precisa saber o que vem de bom. É uma cidade que ainda está em crescimento, não temos faculdade, não temos hospital com leito de UTI. Então depois da vinda da ponte, a demanda vai ser gigantesca, e nós precisamos saber que tipo de infraestrutura o governo do Estado pensa em mandar pra lá", cobrou. Segundo ele, houve apenas audiências pública setoriais na região, mas nenhuma que apresentou o projeto como um todo e seus impactos.


Jorge afirma que já há consequências da chegada da ponte, como invasão de terrenos e crescimento de venda e construção de novos imóveis, mas que a cidade ainda não tem sequer uma estrutura mínima. "Lá, só temos 3,7% das ruas calçadas, pra se ter uma noção. E vamos implantar uma ponte, com um mega projeto, em uma cidade em que nem as (estradas) vicinais o governo do Estado calçou? Essa é nossa preocupação. Na teoria, é tudo maravilhoso. Depois eles implantam a ponte e largam a gente ao Deus dará. Por isso precisamos do compromisso do governo com a cidade", defendeu, questionando ainda sobre as garantias de preservação ambiental dos ecossistemas da Baía de Todos-os-Santos. Segundo o governo, há um custo estimado com programas ambientais de R$ 18,7 milhões por ano durante a construção, e R$ 5,1 milhões por ano durante a operação.


BAHIA MAIS PRÓXIMA
Segundo Leão, além de desenvolver a região da Ilha de Itaparica, a obra ainda vai deixar os baianos "mais próximos". "O Estado da Bahia vai crescer, e crescer muito, com a conclusão dessa obra. Nós vamos fazer com que 250 municípios do estado fiquem mais perto de Salvador, no mínimo, 100 quilômetros. Belmonte ficará 283 quilômetros mais perto de Salvador. Porto Seguro, 250 quilômetros. Então isso vai fazer com que a Bahia se aproxime", anunciou durante audiência pública sobre a ponte realizada no auditório da Seinfra nesta quinta-feira (21).

Foto: Divulgação


“A ponte será uma grande locomotiva, um novo vetor para desenvolver outras partes da Bahia, com benefícios para 10 milhões de habitantes e mais de 250 municípios. Essa grande intervenção viária vai proporcionar ainda o crescimento socioeconômico da própria Ilha de Itaparica, mas também do sul do Recôncavo e do Baixo Sul. Tudo isto, em virtude do encurtamento da distância para a capital e dos investimentos que serão atraídos para os municípios dessas regiões”, destaca o vice-governador.


Segundo o documento apresentado na última audiência pública, a intenção é aproveitar a "proximidade" para explorar ainda mais as potencialidades turísticas entre a BTS e a Costa do Dendê.

 

IMPASSE SOBRE ALTURA DA PONTE
Uma outra questão que ainda gera impasse no projeto é a altura da ponte. A projeção inicial era se chegar a um vão com 125 metros de altura, mas o governo atualmente trabalha com um máximo de 85 metros.


A questão foi questionada pelo especialista em Direito Marítimo Zilan da Costa e Silva Moura, que acredita que essa decisão pode limitar a passagem de grandes navios e as manobras das embarcações, além de inviabilizar a existência de plataformas de petróleo na BTS. "O país está desenvolvendo o pré-sal. Tem pré-sal na costa brasileira inteira. Na costa de Sergipe, tem. A Bahia, como é protegida, temos um local privilegiado para serviços de apoio e manutenção de plataformas de petróleo. As plataformas de petróleo não poderão passar”, contou.


A questão também é acompanhada de perto pela Associação de Usuários dos Portos da Bahia (Usuport). Para Paulo Roberto Villa, diretor executivo da Usuport, é preciso garantir a segurança de operação dos navios e dos próprios usuários durante a travessia. "A ponte não pode prejudicar o acesso ao Porto de Salvador, assim como os navios não podem prejudicar a ponte. Com o que foi apresentado, existe o risco sim, esse risco não foi eliminado. Imagina um investimento dessa natureza e um navio atingir (a estrutura)? Vai interromper a ponte por vários anos. Então é uma coisa que tem que ser abordada", defendeu.


Paulo disse ainda que há que se ter cuidado para que o porto da capital baiana não perca um diferencial importante. "O Porto de Salvador é o único do Brasil capaz de receber linhas diretas com navios mãe com mais de 400 metros de comprimento. Nenhum porto do Sul do país tem condição de fazer isso. Nós não podemos perder essa capacidade. Essa é a nossa maior preocupação".


Em nota encaminhada ao BN, a SDE garantiu que os grandes navios de cruzeiro e os porta-contêineres maiores não precisarão passar sob a Ponte, pois continuarão utilizando o Porto de Salvador, e que o governo não acredita que a atividade de manutenção de plataformas, atualmente realizada nos estaleiros, justifique um gasto extra da ordem de R$ 1 bilhão para colocar a ponte a 125 metros de altura.


"Com a execução do projeto da ponte, está garantido mais desenvolvimento, emprego e renda para a Bahia e para os baianos. A construção de plataformas, por sua vez, são apenas possibilidades e não estão garantidas. Sendo assim, o governo optou por uma estratégia que assegure o crescimento econômico das regiões beneficiadas e a geração de postos de trabalho", diz a nota.


Contudo, a SDE reforça que isso não significa dizer que o governo não apoie o desenvolvimento da indústria naval na Bahia. "Ele apenas está fazendo uma análise de custo-benefício. A ponte terá um impacto muito maior na economia baiana do que a manutenção de plataformas. E, além disso, o Estaleiro [de Paraguaçu] terá mais de cinco anos para redesenhar sua estratégia, preparando-se para competir em outras atividades e em várias outras áreas da construção naval, como, aliás, já está fazendo ao obter licença para operar como terminal de combustíveis e ao participar de licitação da Marinha do Brasil destinada à produção de navios de guerra (corvetas)", conclui a pasta.

Ciclone ganha velocidade e se aproxima da Bahia; efeitos podem ser sentidos até terça
Foto: Reprodução / Correio

O ciclone que se aproxima do litoral sul do estado da Bahia e do Espírito Santo pode chegar à costa com ventos de até 61 km/h. Os efeitos da tempestade tropical podem ser sentidos até a próxima terça-feira (26) (veja mais).

 

Neste sábado (23), o ciclone ainda era uma depressão tropical. No entanto, os ventos ganharam velocidade e ele passou a ser classificado como tempestade tropical. Ela foi batizada de Iba, que significa “ruim” em tupi-guarani.

 

As informações foram divulgadas neste domingo em um aviso emitido pelo Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC/Inpe), em colaboração com o Centro de Hidrografia da Marinha (CHM) e com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

 

"São esperados ventos fortes nas proximidades do litoral sul do estado da Bahia e do Espírito Santo, podendo atingir 87 km/h (47 nós) em alto-mar, no setor Leste do ciclone, e 61 km/h (33 nós) junto à costa, durante todo o período de atuação do ciclone", relata o texto.

 

Segundo os institutos meteorológicos, também há a expectativa de mar grosso a muito grosso, com alturas de ondas entre 3,0 e 5,0 metros em alto-mar. Além disso, existe a possibilidade de de ocorrência de ressaca atingindo a costa entre Vitória, no Espírito Santo, e Caravelas, na Bahia, com ondas de até 2,5 metros, até a noite de segunda (25).

Olímpia vence PFC-Cajazeiras e se isola na liderança da Série B do Baianão
Foto: Reprodução / Instagram

No duelo de líderes, melhor para os visitantes. O Olímpia venceu o PFC-Cajazeiras por 1 a 0, neste domingo (24), no Estádio 25 de Junho, em Cachoeira, pela 3ª rodada da Série B do Campeonato Baiano. O gol foi marcado por Jonas. Com o triunfo, o clube de Anderson Talisca se isolou na ponta com nove pontos. O PFC ficou com seis.

 

O próximo desafio do Olímpia será diante do Canaã, no domingo (31), às 15h, no José Rocha, em Jacobina. Já o PFC-Cajazeiras encara o Doce Mel, no Estádio Municipal Pedro Caetano, no mesmo dia e horário.

 

Já o UNIRB conquistou o primeiro triunfo da sua história. Neste domingo, o clube bateu o Doce Mel por 2 a 1, no Carneirão, pela 3ª rodada do certame estadual. Com o triunfo, a equipe deixou a lanterninha da competição e agora soma três pontos. Já o Doce Mel está em 4º também com três.

 

Na próxima rodada, o UNIRB recebe o Galícia, no domingo (31), às 15h, no Carneirão.

Idoso de 63 anos é capturado com carabina e revólver em Chorrochó
Foto: Divulgação / SSP-BA

Um idoso de 63 anos foi preso em flagrante na cidade de Chorrochó com uma carabina e um revólver. João Lopes da Conceição, foi detido enquanto policiais faziam patrulhamento rural na localidade de Tabuleiro.

 

Guarnições da Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe) Caatinga encontraram as armas dentro da casa do idoso. O caso foi registrado na Delegacia Territorial de Paulo Afonso. 

Domingo, 24 de Março de 2019 - 16:00

Acidente com viatura deixa três policiais feridos na BR-324

Acidente com viatura deixa três policiais feridos na BR-324
Foto: Divulgação

Uma viatura da Polícia Militar que seguia para a cidade de Santo Antônio de Jesus sofreu um acidente neste domingo (24) enquanto passava pela BR-324. O veículo aquaplanou na pista e capotou, deixando três policiais feridos.

 

De acordo com informações da Polícia Militar, chovia no momento do acidente. Os policias viajavam para participar de uma operação com o Inema. Após o acidente, eles entraram em contato com a Companhia de Polícia de Proteção Ambiental (Coppa), que prestou auxílio aos feridos.

 

Um dos policiais foi encaminhado para o Hospital do Subúrbio, outro foi para o Hospital da Bahia e o terceiro seguiu para o Hospital Ouro Negro. O material da viatura acidentada foi recolhido do local.

Domingo, 24 de Março de 2019 - 12:00

Mesmo com ciclone no mar, Defesa Civil alerta para possível ressaca nas cidades do sul

por Francis Juliano / João Brandão

Mesmo com ciclone no mar, Defesa Civil alerta para possível ressaca nas cidades do sul
Foto: Divulgação

Mesmo com o ciclone tropical instalado em alto mar, a 150 metros de distância da costa de Porto Seguro, o superintendente da Defesa Civil da Bahia, Paulo Luz, disse que pode ter efeitos, como ressaca, nas cidades do sul baiano.

“Tem vento mais forte, soprando em direção ao mar, mas tem vento em direção à terra. Esse vendaval acaba com queda de árvores, destelhamento de casas, atinge rede elétrica, faltando energia nas cidades. Também tem risco muito alto para qualquer embarcação que esteja navegando no período até segunda-feira (25). Os meteorologistas chamam atenção para o vendaval que provoca uma espécie de ressaca. Seria uma situação muito preocupante”, afirmou Luz.

Ainda de acordo com ele, as cidades do sul da Bahia, como Belmonte, Porto Seguro e Mucuri já sofrem com a erosão marinha. “Mesmo sem ciclone, o mar já tem avançado em muitas ruas dessa cidade”, disse ele.

Simões Filho: Quatro pessoas são baleadas após passageiro reagir a assalto em ônibus
Foto: Reprodução / Berimbau Notícias

Após um passageiro reagir ao assalto a um ônibus da cidade de Simões Filhos, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), na noite deste sábado (23), quatro pessoas foram baleadas, segundo a 22ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM). Na troca de tiros um dos assaltantes também foi baleado e o outro conseguiu fugir.

De acordo com o site Berimbau Notícias, o crime aconteceu quando o ônibus voltava para Simões Filho por volta das 20h30. Os dois suspeitos entraram no coletivo, pagaram o bilhete como se fossem passageiros normais e anunciaram o assalto no Parque das Bromélias, na região do Cia-Aeroporto. Os criminosos deram voz de assalto e saquearam todos os passageiros do coletivo. 

No fundo do ônibus, um passageiro não identificado, estava armado com uma pistola. Então começou a troca de tiros dentro do veículo resultando em quatro passageiros baleados. Os dois bandidos também acabaram atingidos pelos disparos, mas um deles conseguiu fugir.

O caso será investigado pelo Grupo Especial de Repressão a Roubo em Coletivos (Gerrc).

Juazeiro: Sete pessoas são atropeladas após carro invadir rotatória
Foto: Reprodução / TV Bahia

Sete pessoas foram atropeladas e uma delas morreu na rotatória do Mercado do Produtor em Juazeiro, município do norte da Bahia, no início da manhã deste sábado (23). Segundo o G1, a suspeita da polícia é de que o motorista do carro que atingiu as vítimas estava alcoolizado.

Testemunhas contaram à Polícia Militar que o condutor do veículo perdeu o controle do carro na BA-210 e atingiu o grupo que estava em um ponto aguardando transporte, próximo a uma feirinha de uma central de abastecimento.

A vítima que morreu é um idoso de 63 anos, identificado como João Lopes Frazão Filho. Ele chegou a ser levado para o Hospital de Traumas em Petrolina (PE), mas não resistiu aos ferimentos.

Nazaré: Agência bancária é assaltada e suspeitos usam maçarico para abrir caixas
Foto: Reprodução / G1

Uma agência bancária que fica no centro do município de Nazaré das Farinhas, no recôncavo baiano, foi assaltada na madrugada deste sábado (23), por volta das 3h, de acordo com o G1. 

De acordo com a Polícia Civil, os suspeitos usaram um maçarico para abrir três caixa eletrônicos da agência bancária. A ação aconteceu por volta das 3h.

A polícia ainda não sabe quantas pessoas participaram da ação, nem a quantia roubada pelos suspeitos. Ninguém ficou ferido durante o crime e ninguém ainda foi preso.

Sábado, 23 de Março de 2019 - 17:35

Canaã vence o Galícia pelo Campeonato Baiano da Série B

Canaã vence o Galícia pelo Campeonato Baiano da Série B
Foto: Hilton Oliveira/ Galícia

O Canaã bateu o Galícia por 1 a 0, neste sábado (23), em Pituaçu, válido pela terceira rodada do Campeonato Baiano da Série B.

 

O gol foi marcado por Caio Jambeiro aos 35 minutos da etapa final.

 

Com o resultado, a equipe de Irecê chegou aos seis pontos e ocupa a terceira colocação no certame estadual. Já o Galícia segue sem pontuar e figura na vice-lanterna.

 

O Canaã volta a campo no dia 31 de março contra o Olímpia, às15h, no Estádio José Rocha, em Jacobina, enquanto o Galícia vai pegar o Unirb, no mesmo dia e horário, no Carneirão, em Alagoinhas.

Sábado, 23 de Março de 2019 - 16:30

Série B do Baiano: FBF libera e Doce Mel mandará jogos em Ipiaú

por Glauber Guerra

Série B do Baiano: FBF libera e Doce Mel mandará jogos em Ipiaú
Estádio Municipal Pedro Caetano | Foto: Ipiaú Online

O Doce Mel Esporte Clube está de volta para a sua casa. A equipe mandará seus jogos no Campeonato Baiano da Série B no Estádio Municipal Pedro Caetano, em Ipiaú. O anúncio foi feito pela Federação Bahiana de Futebol (FBF), por meio do seu site oficial.

 

A decisão aconteceu após o Doce Mel apresentar os laudos pendentes para a liberação da praça esportiva. Diante disso ,a equipe precisou mandar uma partida no Estádio Waldomiro Borges, em Jequié.

 

O Doce Mel tem três pontos e ocupa a quarta colocação na Série B do Campeonato Baiano.

 

O próximo compromisso do Doce Mel é contra o Unirb, domingo (24), às 16h, no Carneirão, em Alagoinhas. Em Ipiaú, o primeiro duelo será no dia 31 de março, às 15h, diante do PFC-Cajazeiras, pela quarta rodada.

Sábado, 23 de Março de 2019 - 16:20

Auge de ciclone que atinge a Bahia deve acontecer na segunda-feira

por Francis Juliano / Lucas Arraz

Auge de ciclone que atinge a Bahia deve acontecer na segunda-feira
Foto: Reprodução / Correio

A fase mais crítica do ciclone que se formou a 150 quilômetros de Porto Seguro neste sábado (23) (veja aqui) deve acontecer na segunda-feira (25). Até lá, a Defesa Civil do estado (Sudec) alertou para o aumento da velocidade dos ventos e a formação de ondas de até 4 metros de altura nas proximidades do Litoral Sul do Estado da Bahia e do Espírito Santo. 

 

De acordo com relatórios de monitoramento climático, os ventos podem atingir 102 km/h em alto-mar e 61 km/h junto à costa, durante todo o período de atuação do ciclone que atingirá seu pico na segunda. Inicialmente, a expectativa era que a atividade climática só se formasse neste domingo (24). 

 

A notícia boa é que o ciclone está se movimentando, o que dissipa a força dos ventos no continente. No entanto a Sudic alerta para o perigo do trânsito de embarcações no mar e pede que banhistas evitem a praia durante o período.

Sábado, 23 de Março de 2019 - 16:00

A 150 km de Porto Seguro, ciclone se formou no mar e não deve passar pelo continente

por Francis Juliano / Lucas Arraz

A 150 km de Porto Seguro, ciclone se formou no mar e não deve passar pelo continente
Foto: Reprodução / Windy

O ciclone tropical que se formou neste sábado (23) próximo a costa do Espírito Santo e ao Litoral Sul do Estado da Bahia está em alto-mar, a 150 quilômetros do município baiano de Porto Seguro e não deve passar pelo continente.

 

De acordo com Paulo Luz, superintendente da Defesa Civil Do Estado (Sudec), a atividade climática se movimenta lentamente em direção ao norte do Espírito Santo.

 

Apesar da boa notícia, o sinal alerta para atividades marítimas continua valendo, advertiu Luz. “Há risco para qualquer tipo de embarcação no mar enquanto o ciclone estiver vigente”, falou. 

 

O maior perigo causado pelo fenômeno climático é a formação de grandes ondas, que podem chegar até a 4 metros de altura. A recomendação neste caso é para que a população evite o mar em municípios como Nova Viçosa, Mucuri e outras cidades do Litoral Sul da Bahia até segunda-feira (25). 

 

“Vamos alertar para que a Defesa Civil de cada município tenha atenção e alerte para que ninguém vá para o mar neste período”, falou Luz. A velocidade dos ventos também deve continuar alta até segunda-feira, acompanhada de chuvas pelo estado. 

Sábado, 23 de Março de 2019 - 14:20

Estádio Adauto Moraes poderá ter gramado sintético em 2020

por Glauber Guerra

Estádio Adauto Moraes poderá ter gramado sintético em 2020
Foto: Glauber Guerra/ Bahia Notícias

Um dos principais problemas do Estádio Adauto Moraes é o gramado, que tem sido alvo de críticas por parte de jogadores, treinadores, dirigentes e torcida (relembre aqui). Porém, esse transtorno pode terminar em breve. O Governo do Estado da Bahia em parceria com a Prefeitura Municipal de Juazeiro estuda implantar um piso sintético na praça esportiva em 2020. O anúncio foi feito em Juazeiro, neste sábado (23), pelo secretário estadual do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), Davidson Magalhães, e pelo prefeito Paulo Bonfim (PCdoB).

 

Nos próximos dias, técnicos da Sudesb irão realizar um estudo no Estádio Adauto Moraes. O objetivo é saber qual o melhor tipo de grama para a praça esportiva. Caso o sintético não seja viável, a outra alternativa é implantar um piso natural ou recuperação do atual.

 

Presidente da Juazeirense,  o deputado estadual Roberto Carlos (PDT) se diz a favor de grama natural, mas não se opõe ao sintético. “Ainda vai ser discutido o tipo de grama. Isso vai ser avaliado após um estudo. Eu prefiro a grama natural, pois a grama sintética esquenta muito e o calor em Juazeiro é grande. Acho que a temperatura da grama iria ficar alta e prejudicaria o jogo. Mas vamos aguardar. O importante é que sejam feitas melhorias no Estádio Adauto Moraes”, disse o parlamentar-cartola, em entrevista ao Bahia Notícias.


Foto: Glauber Guerra / Bahia Notícias

 

Atualmente, dois estádios baianos possuem gramado sintético: Arena Cajueiro, em Feira de Santana, de propriedade do Bahia de Feira, e o Estádio Municipal Waldetrudes Carneiro de Magalhães, em Serrolândia.

 

FUTEBOL AMADOR SERÁ CONTEMPLADO
O futebol amador de Juazeiro será contemplado com a instalação de grama sintética no Campo da Liga 1º de maio, no bairro Santo Antônio. Atualmente, o equipamento é de piso de chão batido. Além disso, 30 campos de várzea do município receberão iluminação.


Campo da Liga 1º de maio em Juazeiro | Foto: Divulgação/ Ascom/PMJ

Moradores de Praia do Forte denunciam uso de água de rio para construção de condomínio
Foto: Reprodução / Youtube

Moradores de Praia do Forte, no município de Mata de São João, denunciaram ao Bahia Notícias o suposto uso da água do rio da localidade para a construção de um condomínio. De acordo com os denunciantes, a prática é a responsável por uma queda no volume de água do flume. 

 

Em um vídeo que circula por grupos de moradores, dois homens se aproximam de um carro pipa que abastece um canteiro de obras na Ilha dos Pássaros e acusam a Realeza Construções e Empreendimentos de supostamente utilizar água do rio da Praia do Forte no empreendimento. 

 

“É por isso que o rio está secando”, diz um dos homens ao gravar o carro pipa e alguns baldes cheios de água. “Ninguém mais pesca. O rio está secando e estão culpando o verão. Aqui o motivo”, complementa o outro denunciante. Assista ao vídeo: 

Eunápolis: Cachorro fica ao lado de corpo do dono assassinado até chegada da polícia
Foto: Reprodução / Radar 64

O cachorro de um homem assassinado no município de Eunápolis, na região sul da Bahia, ficou ao lado do corpo da vítima até a chegada da polícia para remoção nesta sexta-feira (22).

 

De acordo com a Polícia Militar ao G1, o crime ocorreu na Avenida ACM, próximo ao Hospital Regional do município. O corpo foi encontrado pela manhã e a suspeita é de que o homicídio tenha ocorrido durante a madrugada, enquanto a vítima, que era um morador de rua, dormia.

 

A polícia foi acionada após informações de que o homem tinha sido vítima de agressão sendo atingido por uma pedra. A pedra usada no crime foi encontrada ao lado do corpo com vestígios de sangue.

 

Os PMs fizeram o isolamento da área e solicitaram os agentes do Departamento de Polícia Técnica (DPT) para remoção do corpo. Enquanto a remoção não ocorria, o cachorro vira-lata ficou por perto. Pessoas que moram na região e que conheciam a vítima disseram que o homem e o cãozinho andavam sempre juntos.

Sábado, 23 de Março de 2019 - 00:00

TJ-BA condena hospital a indenizar paciente por implante de prótese menor na perna

por Cláudia Cardozo

TJ-BA condena hospital a indenizar paciente por implante de prótese menor na perna
Caso aconteceu no Hospital Alvorada Taguatinga | Foto: Blog Pilates

O Hospital Alvorada Taguatinga foi condenado pelo Tribunal de Justiça da Bahia a indenizar um paciente de Araci em R$ 55 mil por erro médico. Do valor da condenação, R$ 30 mil são por danos morais e R$ 25 mil por danos estéticos. De acordo com os autos, o paciente foi atropelado em dezembro de 2016, sofrendo uma fratura de fêmur no quadril direito, e foi submetido a um tratamento tardio em novembro de 2009, com realização de uma artroplastia total do quadril, com colocação de uma prótese. Depois da cirurgia, o paciente sofreu um encurtamento da perna esquerda em 3,5 cm. O encurtamento passou a lhe causar dores na coluna, diminuiu a força muscular, e o homem desenvolveu escoliose e sofreu com a limitação de flexão do quadril e do joelho direito.

 

Na época do acidente, o paciente tinha 44 anos e era mecânico. O atropelamento aconteceu quando ele estava em serviço. O homem foi atendido pelo hospital, onde se submeteu a diversos tratamentos por quase três anos. Todos, sem sucesso. Ao final, foi submetido a uma cirurgia que lhe causou a sequela, o que o impediu de retornar ao trabalho. O hospital, em sua defesa, alegou que o médico responsável pela cirurgia de implante da prótese não tem vínculo com a unidade de saúde. Disse ainda que não há danos a serem reparados, além do fato do paciente ter continuado o tratamento em outro estabelecimento de saúde.

 

De acordo com a desembargadora Rosita Falcão, da 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), a responsabilidade do hospital é objetiva no dever de indenizar no caso. A magistrada observou que, nos autos, consta como médico solicitante o nome do hospital. Diante deste fato, considerou que não há prova nos autos de que o médico não possui vínculo com o hospital. Os relatórios médicos concluíram que após a realização da cirurgia, a perna do paciente ficou menor, comprometendo a capacidade laborativa, com danos permanentes, pois a atividade profissional desempenhada exige esforço físico e pode acarretar em um desgaste na prótese. Para a relatora, o fato de o paciente ter feito fisioterapia em outro hospital não afasta o dever de indenizar, pois o dano ocorreu por colocação de uma prótese menor do que o tamanho necessário. Também considerou que houve danos estéticos para o paciente.

 

Sobre as indenizações, a desembargadora considerou os valores razoáveis para a extensão do dano sofrido pelo paciente, estando em “perfeita harmonia com as circunstâncias fáticas do caso concreto, examinadas acima, não havendo razões que justifiquem a sua modificação pelo Tribunal de Justiça”. Também entendeu que o valor não causa enriquecimento ilícito do paciente e, muito menos, abala “a saúde financeira da apelante”.

Chapada Diamantina: Projeto reúne artesãos a fim de expandir vendas de artesanato local
Foto: Divulgação / ArtChapada

Com o objetivo de promover a visibilidade e expandir as vendas do artesanato produzido na Chapada Diamantina, um grupo de artesãos locais se reuniu para a criação do projeto "ArtChapada" em janeiro deste ano.

 

A iniciativa, idealizada pela artesã e estudante de Administração Horrana Oliveira, 21 anos, juntamente com o professor de informática, Matheus Brito, consiste numa loja colaborativa virtual que vende artesanatos para todo o Brasil (acesse aqui). As artes variam do conhecido crochê à peças decorativas feitas com fio de cobre, palha de cipó e licuri.

 

"Faço crochê desde os seis anos e até hoje empreendo com ele. Tive a ideia de criar junto com Matheus uma plataforma de venda. Mas percebi que seria algo muito grande para ter sozinha. Tem tantos artesanatos legais aqui e que eu não vejo serem divulgados. Sempre quis fazer algo pelo artesanato da região. Por isso, pensei em reunir vários artesãos locais e mostrar que a Chapada não é só turismo", explica.

Foto: Divulgação / ArtChapada

Segundo ela, a participação em grupos e divulgação por meio das redes sociais estimularam o interesse dos artesãos pelo projeto. "Conheço muita gente que faz artesanato na região. Além disso, estou em vários grupos, comecei a perguntar e as pessoas foram aparecendo", revela. Até o momento, o projeto conta com a participação de artesãos de Seabra, Palmeiras e Iraquara.

 

Em relação ao trabalho na loja, a artesã destacou que eles se organizam como uma família. "A gente não trabalha com hierarquia, todo mundo tem poder de fala e participa de todas as decisões", reitera.

 

A especialista na área de saboaria natural e estudante de nutrição, Daniela Souza, 27 anos, revelou que o projeto foi a oportunidade para expandir o seu trabalho. "Já fazia sabonetes há um tempo, mas não fazia divulgação. Eu senti que já estava na hora de expandir minhas vendas e vi a solução para esse problema quando conheci o projeto nas redes sociais", relata.

Foto: Divulgação / ArtChapada

VALORIZAR O ARTESANATO

O artesão e mecânico Joilson Pereira, 24 anos, que complementa a sua renda com a venda das suas artes com arame de cobre, acredita que mais projetos para valorizar o artesanato local devem ser criados. "O nosso trabalho precisa ser mais valorizado. É importante fazer um grupo como esse com todos os artesãos e expandir a área de vendas", defende.

Foto: Divulgação / ArtChapada

Além da valorização, a falta de espaço também foi um problema apontado pela artesã Daniela Souza. "Vejo que a galera tem muito potencial, mas não tem espaço. Falta muito essas feiras de artesanato por aqui, seria bacana para a gente mostrar todo o nosso talento. Porque, como sempre digo aos meus clientes, toda vez que virem o símbolo ‘feito à mão’ dêem muito valor, pois ali tem muito esforço, trabalho e dedicação", completa.

Mantida em cárcere privado por seis meses pelo namorado, jovem relata torturas sofridas
Foto: Evandro Veiga / Correio

A estudante Deisiane Souza Cerqueira, de 18 anos, foi mantida em cárcere privado pelo namorado por seis meses em Camaçari. Em entrevista ao jornal Correio, ela relata que sofreu constantes torturas no período, sendo agredida e ameaçada de morte diversas vezes.

 

Deisiane foi resgatada pelo pai na última terça-feira (19). Ele desconfiou que havia algo errado após ligar diversas vezes para a filha e o namorado dela, o tatuador Marcos Alexandre da Silva, 35 anos, inventar desculpas para impedir o contato entre os dois por celular.

 

"Não sei o que houve com ele. Depois de dois meses de namoro, passou a me trancar dentro de casa, me espancar sem eu fazer nada. Ele deixava eu comer apenas uma vez por dia", disse Deisiane ao Correio. Encontrada pelo pai com o rosto desfigurado e cicatrizes no corpo, ela denunciou o caso na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) de Camaçari.

 

"Ele apagava o cigarro na minha nuca, no meu braço, no meu pescoço. Mordia as minhas costas todas. Já deu uma facada em minha perna. Queimava minhas pernas e braços com colher quente. Uma vez, atravessou a ponta de uma faca nos meus lábios. Me esmurrava do nada", contou a estudante.

 

Ela já conseguiu uma medida protetiva estabelecendo que Marcos não deve ficar a 300 metros de Deisiane e dos familiares dela. Ainda de acordo com o Correio, o advogado do tatuador foi à Deam e disse que seu cliente vai se apresentar à polícia, mas não definiu um prazo.

Sudesb divulga tabela e grupos da Copa Metropolitana Sub-15
Foto: Ascom / Sudesb

A Copa Metropolitana Sub-15 começa a ganhar forma. Na manhã desta sexta-feira (22) foram divulgados os grupos e a tabela, com datas, horários e locais das partidas da 9ª edição. O anúncio foi feito pela Superintendência dos Desportos do Estado da Bahia (Sudesb), com apoio da Federação Bahiana de Futebol (FBF).

 

O Bicampeão Bahia está no Grupo A, junto com Academia Rubro Negra, Estrela de Março e Redenção. Já o Vitória figura no grupo B, com Leônico, Galícia e Cajazeiras.

 

Todos os 40 times estreiam no dia 6 de abril. Foram formados 10 grupos de quatro equipes, que jogarão entre si em partidas de ida e volta. Os primeiros colocados avançam e os seis melhores segundos completam a lista dos classificados.

 

Ao todo, 23 municípios baianos receberão os jogos: Salvador; Mata de São João; Dias D'Ávila; Feira de Santana; Inhambupe; Simões Filho; Saubara; São Francisco do Conde; Lauro de Freitas; Conceição do Jacuípe, Cachoeira, Catu, Governador Mangabeira, Itaparica, Maragojipe, Muritiba, Pojuca, São Félix, Santo Antônio de Jesus, São Sebastião do Passé, Teodoro Sampaio, Terra Nova e Vera Cruz.

 

De acordo com Vicente Neto, diretor geral da Sudesb, a competição terá um maior número de seleções municipais participantes: “Nesta edição, que abre o calendário de copas da Sudesb, ampliamos o número de municípios participantes de 15 para 23. Essa é uma política que será reforçada em todas as nossas ações”, disse o gestor.

 

Para conferir os grupos e a tabela completa da Copa Metropolitana, clique aqui.

Canavieiras: Jovem grávida é esfaqueada e ex-marido é preso após confessar crime
Foto: Clodoaldo Ribeiro / Divulgação

Uma jovem, de 22 anos, que está grávida, ficou ferida após ser esfaqueada, no município de Canavieiras, sul da Bahia, na quinta-feira (21). Conforme as informações do G1, a Polícia Civil informou que o ex-marido da vítima foi preso após confessar o crime. A jovem, que não teve identidade revelada, foi atingida na barriga. O ataque não comprometeu a saúde do bebê.

 

Segundo a polícia, a motivação do crime alegada pelo suspeito foi o fato dele não ter aceitado o fim do relacionamento com a jovem, além de ter descoberto que a vítima tinha outro companheiro. O suspeito ainda revelou que ingeriu bebidas alcoólicas.

 

A vítima foi socorrida para o Hospital Regional Costa do Cacau, localizado em Ilhéus. Não há informações sobre o estado de saúde dela e do bebê.

 

Ainda de acordo com a polícia, o suspeito chegou a ser preso em fevereiro, após agredir a jovem. O suspeito foi encaminhado para a delegacia de Canavieiras e está à disposição da Justiça.

Feira: Carga de produtos de higiene avaliada em mais de R$ 500 mil é recuperada
Foto: Divulgação / Polícia Civil

Uma carga de produtos de higiene pessoal avaliada em mais de R$ 500 mil foi recuperada, na BR-101, no município de Rio Real, na quinta-feira (21).

 

Segundo o Acorda Cidade, o delegado Gustavo coutinho, titular da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos de Cargas (Decarga), informou que a carreta seguia de São Paulo para Pernambuco. A polícia conseguiu recuperar cerca de 95% dos produtos, como sabonetes, papel higiênico, shampoos e desodorantes.

 

Ainda de acordo a publicação, a polícia conseguiu recuperar a carga depois de realizar a perseguição ao assaltantes, que fugiram e abandonaram o veículo.

Histórico de Conteúdo