Segunda, 19 de Novembro de 2018 - 11:00

Nutricionista dá dicas para mudar os hábitos alimentares

Nutricionista dá dicas para mudar os hábitos alimentares
Foto: Reprodução / Getty Images

Não é novidade que uma alimentação saudável e equilibrada é essencial para alcançar uma qualidade de vida. De acordo com a nutricionista Marise Berg, autora do livro "Céu da Boca", uma alimentação saudável vai para além do prato. Em entrevista ao site do jornal O Globo, a especialista destacou que o estado da mente e as outras atitudes do dia a dia também são importantes para manter a saúde. Confira as dicas dadas pela nutricionista:

 

INVESTIGUE CARÊNCIAS

Tome cuidado com o que come e quando come. É preciso observar se o alimento está sendo ingerido para aplacar a fome ou para tentar compensar alguma aflição emocional. Segundo ela, comer coisas gostosas traz alívio, por isso é preciso estar de olho nos possíveis excessos.

 

BUSQUE NOVIDADES

A especialista explica que conhecer lugares e refeições diferentes é interessante para amadurecer o paladar, que pode estar viciado em comidas industrializadas. "Visite feiras, converse com quem trabalha nelas e se aventure a preparar refeições simples com os alimentos naturais que você mesma escolheu", sugere. Além disso, buscar atividades relaxantes também promovem ganhos consideráveis em uma rotina saudável, como a meditação. De acordo com a nutricionista, isso contribui para o fortalecimento interior e serve para abandonar hábitos nocivos relacionados a comida.

 

PLANEJAMENTO

Para ela, tirar um dia para planejar a alimentação da semana é crucial para quem deseja manter os hábitos a longo prazo. "Fazer lista de compras, decidir quantas refeições serão feitas em casa e na rua. Aprender a cozinhar, pelo menos o básico, é muito importante", completa.

Estudo revela que filhos seguem os hábitos de relacionamento da mãe
Foto: Reprodução / Pixabay

Os filhos tendem a seguir o exemplo da mãe, inclusive quando se trata de relacionamentos amorosos, de acordo com um estudo da Universidade de Ohio, nos Estados Unidos. Para essa conclusão, os pesquisadores avaliaram 7 mil pessoas durante 24 anos e constataram que mães e filhos têm números semelhantes de casamentos e parceiros com quem conviveram. Aqueles cujas mães trocavam de parceiros regularmente tendiam a fazer o mesmo, assim como quem tinha a mãe em um relacionamento de longo prazo, costumava defendê-lo.

 

Segundo o site da revista Crescer, o diferencial deste estudo em relação aos outros que já haviam apontado que filhos de pais divorciados tinham maior probabilidade de também se separar, é que os relacionamentos da mãe também podem influenciar o futuro amoroso dos filhos, e não só aquelas com efeitos traumáticos.

Meghan Markle revela exercício facial que deixa a sua pele mais jovem
Foto: Reprodução / Instagram

Conhecida por priorizar uma beleza natural, Meghan Markle revelou o segredo para manter o rosto com um contorno definido e a pele mais firme. Segundo o site da revista Claudia, o método utilizado pela Duquesa de Sussex é a yoga facial. “Pratico os exercícios faciais recomendados por uma das minhas esteticistas favoritas, Nichola Joss, que basicamente faz você esculpir seu rosto de dentro para fora”, contou a ex-atriz em entrevista. “Eu juro que funciona. Nos dias que faço, minhas bochechas e maxilar ficam muito mais esculpidos”, disse.

 

 

Ainda de acordo com a Claudia, o tratamento favorito de Meghan consiste em uma massagem no rosto, que acontece por dentro da boca. A esteticista das celebridades, Nichola Joss definiu a técnica como um "facelift" natural. No Instagram, a especialista explica como o procedimento é realizados e os seus benefícios.  “Usando um óleo facial, passe um tempo massageando a pele para reequilibrar, hidratar e nutrir, bem como desestressar o tecido muscular, removendo a tensão, o inchaço e as toxinas, tornando a pele e o músculo mais saudáveis e mais jovens”, relata.

Excesso de celular pode afetar desenvolvimento cognitivo das crianças, diz estudo
Foto: Reprodução / Getty Images

Um estudo da Universidade de Ottawa, no Canadá, revelou que mais de duas horas de tempo recreativo com telas estão relacionadas a um pior desenvolvimento cognitivo em crianças. Para a conclusão, os pesquisadores avaliaram o desempenho intelectual de 4.500 crianças dos Estados Unidos entre 8 e 11 anos e basearam-se nas recomendações do plano canadense Movimento 24 horas. Segundo o site da revista Claudia, trata-se de um planejamento que propõe entre 9 e 11 horas de sono, uma hora de exercício físico diário e menos de duas horas de entretenimento com telas.

 

Os resultados mostraram que quanto mais recomendações individuais meninos e meninas cumprirem, melhores serão suas habilidades. No entanto, em relação ao tempo gasto em equipamentos de telas, como celular, videogame e tablet, os pesquisadores descobriram que "mais de duas horas de tempo recreativo com telas estão associadas a um pior desenvolvimento cognitivo em crianças".

 

Ainda de acordo com a Claudia, as crianças analisadas na pesquisa tiveram que fazer um teste que avaliava as habilidades de linguagem, memória episódica, função executiva, atenção, memória de trabalho e velocidade de processamento. Diante disso, os cientistas recomendam que é necessário criar medidas que limitem o tempo das crianças em frente às telas e que estimulem hábitos saudáveis durante a infância e adolescência.

Quinta, 15 de Novembro de 2018 - 08:05

História de Superação: 'Há vida antes e depois do câncer'

por Rafaela Souza

História de Superação: 'Há vida antes e depois do câncer'

Curada de dois tipos de câncer, um no canal vaginal e outro no pulmão direito, a funcionária pública, Any Afonso, 42 anos, se tornou um exemplo para outras mulheres pela sua história de superação. A administradora, que participou do livro "InspireSer: Mulheres e o Câncer" contou ao BN Mulher que a obra surgiu de um grupo de apoio à mulheres do qual participava em 2017. “O objetivo do livro era inspirar outras mulheres para que elas não desistissem de lutar e para que soubessem que depois do tratamento contra o câncer a vida continua”, explica.

 

Foto: Arquivo Pessoal

 

Uma parceria com a Oncoclínica e o Núcleo de Oncologia da Bahia, "InspireSer: Mulheres e o Câncer" retrata a história de mais nove mulheres, onde todas 10 escreveram as suas vivências divididas em capítulos de forma conjunta.  Entre os temas, estão desde o diagnóstico e tratamento até os relacionamentos durante a fase. “As histórias foram escritas de forma que a cada mulher que leia entenda que ela está naquele contexto e as narrativas se repetem”, reitera.

 

SUSTO DA DESCOBERTA

A descoberta do câncer no canal vaginal veio quando Any tinha completado um ano de casada em 2013. Segundo ela, foi uma surpresa pois esse tipo de câncer é mais comum em mulheres idosas. A suspeita começou após a incidência de sangramentos no ato sexual. Com o resultado do exame e da biópsia, a administradora começou o tratamento baseado em sessões de radioterapia e quimioterapia.

 

No entanto, Any reforça que se manteve fortalecida durante o tratamento. “É muito difícil você passar por tudo isso, mas eu costumo dizer que você não pode culpar o mundo e achar que você é só vítima do acaso”. Em 2016, ela ainda se submeteu a uma cirurgia para a retirada da vesícula devido a uma complicação e entrou em coma. 

 

Ela aconselha que ter uma postura positiva diante o diagnóstico é necessário e importante para continuar o tratamento. “Há vida antes do câncer e depois. Não podemos ver a doença como um fim, mas como um meio. Depende de nós”, destaca.

 

DIFICULDADES SUPERADAS

A administradora relembra que teve diagnóstico de lúpus eritematoso sistêmico quando tinha apenas 17 anos. Trata-se de uma doença crônica autoimune, que consiste na maior produção de anticorpos pelo corpo. Nesse caso, alguns órgãos importantes podem ser comprometidos.“Com 26 anos, eu tive uma crise e perdi a função renal”, relembra.

 

Apesar do momento difícil, Any relata que foi nesta ocasião que ela iniciou os estudos focados em concursos públicos. “Ao invés de ficar reclamando, eu sabia que o mercado de trabalho não ia me aceitar daquele jeito. A partir daí, comecei a estudar para os concursos e me formei em administração”. Tanto estudou que conseguiu passar em um concurso público! Ela lembra que em 2010 foi submetida a um transplante de rim em São Paulo e cinco meses depois, foi convocada para assumir um cargo público em 2011.

Quinta, 08 de Novembro de 2018 - 09:05

Empoderamento feminino: feirante cidadã

Empoderamento feminino: feirante cidadã

Ao lado do mercado do peixe na Feira de São Joaquim, foi montada uma estrutura para o evento Empoderamento Feminino: Feirante Cidadã. A iniciativa, que aconteceu nesta quarta-feira (7) durante a tarde, é um projeto de um grupo de mulheres que integram o Liderar o Futuro, curso promovido pelo Sebrae com mentoria de Douglas Burtet. A proposta era levar conteúdo de qualidade para as feirantes e esclarecer as dúvidas. “Foi uma tarde muito produtiva, espero que possamos ter mais eventos como este para as mulheres aqui na Feira de São Joaquim”, disse Avani de Almeida, que no dia 24 de novembro irá assumir a Presidência da Associação da Feira. Para Liliane Bispo e a irmã, que frequentam diariamente a feira como clientes, foi uma oportunidade para aprender.

 

 

 

A advogada Simone Neri, primeira mulher a presidir o Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-BA, abriu o evento, deu boas vindas a todas e falou da importância do evento. Na plateia as feirantes, que já tinham sido “turbantinadas” pela especialista em penteados afro Negra Jhô, estavam atentas ao que dizia a experiente psicóloga Marilene Fonseca, a primeira a falar sobre Empoderamento Feminino e Autoestima. “Nós fomos acostumadas a cuidar de todos, mas só podemos fazer isso depois de cuidarmos primeiro de nós mesmas”, disse Marilene. Ela ainda reforçou: “Ame o próximo como a si mesmo, disse Jesus. Como você vai amar o próximo se você não se amar?”, perguntou a psicóloga. Ela ainda falou do poder da mulher e motivou a todas com mensagens de fé, esperança e caridade! A segunda a palestrar foi a médica ginecologista Camila Ribeiro, que atende nas Obras Sociais de Irmã Dulce. Camila explicou sobre temas relacionados a saúde da mulher, o que desencadeou diversas dúvidas entre as participantes. A jornalista e editora do Bahia Notícias Mulher Iga Bastianelli, convidada para ser a mediadora, conduziu o bate papo. “Minha sugestão é que vocês feirantes criem um grupo de mulheres e se dividam em áreas de trabalho. Fico honrada de presenciar o início de um trabalho com grande potencial. Me coloco à disposição para apoiar”, disse a jornalista Iga Bastianelli, que durante 7 anos foi voluntária como palestrante e coordenadora de comunicação de Projetos Sociais na África.

 

 

Logo em seguida foi a vez de Dra Uilma Augusta. Membro do Núcleo do 2º Grau de Justiça Restaurativa do Tribunal de Justiça da Bahia, ela, que falaria sobre violência doméstica, ressaltou a violência psicológica que as mulheres sofrem no dia a dia. Entre as diversa mensagens de incentivo reforçou: “É preciso que vocês se unam para conseguir representatividade e conquistas”, destacou Dra Uilma, depois que o público expôs as dificuldades que enfrenta. Durante o evento surgiram ideias de implementar um Núcleo de saúde, gestão e empreendedorismo e até mesmo jurídico para atender as feirantes de São Joaquim. As sugestões foram acolhidas pelas organizadoras do evento, entre elas a professora e consultora Sueli Di Paula, a empresária Francisca Souza, responsável por intermediar a relação com as feirantes, as consultoras do Sebrae Monique Teixeira e Maria Aparecida Rosado, a advogada Simone Neri e as empresárias Maria José Vieira e Márcia Marques, que pretendem dar continuidade ao projeto.

 

 

Para finalizar o evento a cabeleireira, empresária especialista em penteados Afros Negra Jhô motivou as mulheres com seu exemplo de superação. “Todos os dias devemos acordar e agradecer, somos poderosas e vocês aqui na Feira são um grande orgulho da Bahia ”, finalizou Negra Jhô.

Terça, 06 de Novembro de 2018 - 20:00

Endometriose pode ser tratada com células-tronco, diz estudo

Endometriose pode ser tratada com células-tronco, diz estudo
Foto: Reprodução / Thinkstock

Um estudo desenvolvido por pesquisadores norte-americanos e publicado pela revista Stem Cell Reports revelou que o tratamento com células-tronco pode ser a nova solução para as mulheres que sofrem com a endometriose. Segundo o site da revista Claudia, a pesquisa relata que as células defeituosas do endométrio podem ser substituídas por células normais, que se reproduzem e respondem adequadamente à progesterona.

 

Para essa conclusão, os cientistas reconstruíram um útero danificado, através de células-tronco não saudáveis, e as reprogramam para serem saudáveis. A descoberta chamou atenção por ser a primeira pesquisa que mostra que as células retiradas da própria paciente podem ser usadas para o tratamento da doença.

 

Graças a isso, uma das maiores vantagens é o menor risco de rejeição pelo sistema imunológico da transplantada, diferentemente dos transplantes comuns.

 

A endometriose afeta de 10% a 15% das mulheres em idade fértil (12 a 45 anos), de acordo com os dados da Associação Brasileira de Endometriose. A doença se trata de um distúrbio em que o tecido que reveste o útero cresce fora dele. Cólicas, sangramentos intensos, alterações intestinais e até infertilidade estão entre os sintomas.

Intervalo mínimo entre gestações deve ser de um ano, diz pesquisa
Foto: Reprodução / Pixabay

O tempo de espera entre uma gravidez e outra deve ser de no mínimo um ano, segundo um novo estudo da revista científica JAMA Internal Medicine. A pesquisa revela que esse cuidado garante a segurança e bem-estar tanto da mãe quanto do bebê. De acordo com o site da revista Claudia, as gestações em intervalos menores podem aumentar a probabilidade de parto prematuro em até 8,5%, e a morte materna em até 1,2%.

 

O estudo é o primeiro a analisar a relação entre o intervalo das gestações e a mortalidade materna. Para a conclusão, foram analisados 148.544 nascimentos no Canadá, e o resultado revelou que as mulheres mais jovens (entre 20 e 34 anos) tiveram um risco de 8,5% de parto prematuro para intervalos menores de 12 meses. Em contrapartida, as que seguiram a recomendação apresentaram risco de 3,7%.

 

Já para mulheres mais velhas, os riscos foram menores. A taxa passou de 6% para as que engravidaram antes de um ano e de 3,4% para as que esperaram mais que o tempo indicado. Apesar dos resultados importantes, os cientistas explicaram que o estudo só avaliou mulheres canadenses e, por isso, não está certo se os resultados se repetem em outros lugares. Além disso, as causas que levam os riscos para as mulheres não foram examinados na pesquisa.

Cuidados necessários para saúde dos pets e bem estar da família

É muito comum que pais presenteiem seus filhos com a adoção de cães e gatos. Os pets são leais, amorosos, divertidos e ainda podem oferecer benefícios à saúde dos membros da família. Quando falamos especificamente em crianças, as vantagens são ainda maiores. Um pet pode estimular a afetividade dos pequenos e oferecer a eles um senso de responsabilidade. Porém, para ser saudável, toda relação precisa de alguns cuidados.

 

A médica-veterinária e Gerente Técnica de Animais de Companhia da Boehringer Ingelheim Saúde Animal, Gabriela Rosa, explica que o primeiro passo para uma convivência saudável entre pets e crianças é manter o calendário de vacinação em dia. “Cães e gatos podem trazer benefícios para crianças, como diminuir o estresse e a ansiedade. Mas é preciso lembrar aos tutores que pets podem transmitir doenças, chamadas de zoonoses, que são comuns aos seres humanos e animais, como a raiva. Quando um cão ou gato se contamina com o vírus, geralmente pelo contato com um animal de rua ou um animal silvestre, ele pode transmitir a doença para os seres humanos por meio da mordida. Por este motivo, a vacinação adequada é fundamental”, explica Gabriela. Outro exemplo de zoonose é a leptospirose, que é transmitida aos cães pela urina do rato. Um cão contaminado, além de adoecer e poder vir a óbito, também pode passar a doença para as pessoas.

 

Além das zoonoses, existe uma série de doenças que podem acometer cães e gatos e que podem ser prevenidas através da vacinação, como Cinomose, Parvovirose, Hepatite Infecciosa Canina, Coronavirose, Parainfluenza e Adenovirose em cães; e rinotraqueite, calicivirose, panleucopenia e clamidiose em gatos. “O médico-veterinário é quem prescreve e aplica a vacina. Levar o animal para uma consulta pelo menos uma vez ao ano é essencial”, diz a especialista.

 

Sobre o contato entre o animal de estimação e as crianças, é importante que os pais expliquem com atenção os limites saudáveis desta interação, como evitar que beijem o pet no nariz ou na boca.  Outra responsabilidade dos tutores é a proteção contra pulgas e carrapatos. Esses parasitas podem  aparecer na vida dos pets e não devem ser negligenciados. “O tutor precisa ficar atento aos sinais. Animais de estimação se coçam, mas não o tempo todo. Se a coceira ocorre com frequência, o pet pode estar infestado por pulgas. Mesmo que o cão tenha estado em ambiente fechado a maior parte do tempo, as formas jovens destes parasitas (ovos e larvas) estão em todos os lugares e podem ser trazidas para dentro de nossas casas”, alerta Gabriela Rosa.

 Vitamina D pode ajudar a evitar abortos de repetição, diz estudo
Foto: Reprodução / Pixabay

Além de ser fundamental para a saúde do nosso corpo, a vitamina D pode ser ainda mais importante para a mulher que deseja engravidar. Isso porque, um estudo americano publicado no The Lancet Diabetes & Endocrinology, revelou que as mulheres que sofreram um ou dois abortos e tentaram engravidar novamente tiveram mais sucesso com a continuação da gravidez quando os níveis de vitamina D estavam suficientes. Ou seja, segundo os pesquisadores, manter o nível adequado da vitamina, antes mesmo da concepção, pode ajudar reduzir as chances de aborto, conforme as informaçãos do site da revista Crescer.

 

Para saber o nível adequado da vitamina, é necessário fazer um exame de sangue específico. 

 

COMO AUMENTAR OS NÍVEIS DE VITAMINA D
Ainda não é possível afirmar a relação do estudo com segurança. No entanto, a professora e chefe do setor de Gestação de Baixo Risco do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Santa Casa de São Paulo, Silvia Piza destacou que é importante manter a saúde em dia e garantir que o nível esteja equilibrado. "Conseguimos manter uma boa dosagem de vitamina D tomando banho de sol ou ingerindo suplementos vitamínicos, já que os alimentos não têm uma quantidade suficiente", explicou à revista Crescer.

 

Quanto à exposição solar é preciso se atentar ao tempo, que deve ser no máximo, até as 10h e após as 16h30. Meia hora já é o suficiente", disse.

Histórico de Conteúdo