OAB pedirá ao CNMP uma investigação a membros da força-tarefa da Lava Jato
Foto: Divulgação

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) quer que o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) investigue a atuação da força-tarefa da Lava Jato no Paraná. A proposta de fazer uma representação no CNMP foi aprovada pela Ordem nesta terça-feira (7). Apenas os conselheiros da OAB do Paraná votaram contra o requerimento. 

 

O procurador-geral da República, Augusto Aras, quer unificar os trabalhos da operação Lava Jato no país, com o compartilhamento das informações sobre investigações feitas no Paraná. Os procuradores da força-tarefa em Curitiba têm negado o compartilhamento das informações. Alguns membros da operação chegaram a fazer uma representação contra a subprocuradora-geral da República, Lindôra Araújo na corregedoria do Ministério Público, sob o argumento de que ela queria ter acesso a informações sigilosas. 

 

O pedido da procuradora seria uma série de decisões proferidas em 2015, pelo então juiz Sergio Moro, a pedido da força-tarefa. Outras denúncias apontam ainda que o grupo de investigadores compraram três equipamentos para gravar as conversas com investigados sem informar ninguém. Segundo o Conjur, a força-tarefa da Lava Jato atuou ligado ao FBI em muitas etapas das investigações, pedindo auxílio técnico sem passar pelos canais formais e compartilhando mais com os norte-americanos sobre o andamento dos processos do que com as autoridades brasileiras. 

Histórico de Conteúdo