Terça, 28 de Julho de 2020 - 14:05

Na Live do BN, Aglomerou detalha ações do tiroteio e invasão da polícia em live: 'Terror' 

por Júnior Moreira Bordalo

Na Live do BN, Aglomerou detalha ações do tiroteio e invasão da polícia em live: 'Terror' 
Arte: Bahia Notícias

O vocalista da banda Aglomerou, João Victor, conversou com o Bahia Notícias nesta terça-feira (28) para detalhar os momentos de tensão em sua live musical no domingo (26) que foi interrompida por tiroteio e invasão da polícia (veja aqui). "A gente ficou bem em choque, percebi o helicóptero se aproximando e parou praticamente em cima da gente, aquela ventania e barulho. 'O que está acontecendo?'. Só ouvi os gritos de 'deita, deita'. Quando escutamos o primeiro disparo, corremos e protegemos as nossas vidas. Um terror todo, caindo um por cima do outro", confessou.  

 

A operação foi resultado de desdobramento de uma investigação sigilosa da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense e teve apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core). Em nota, a Polícia Civil explicou que o alvo era um imóvel ao lado, em que estaria acontecendo uma festa com foragidos da Justiça, incluindo o miliciano, Wellington da Silva Braga, conhecido Ecko.  

  

O músico disse que nunca tinha passado por algo semelhante, mas que não "se sente confortável" para avaliar a conduta da polícia. "Para gente fica complicado tomar algum partido, pois a denúncia do que estava acontecendo na casa ao lado era muito grave. Então, a gente entende o trabalho da polícia, mas ficamos aterrorizados. Inclusive, o delegado da polícia civil entrou em contato pedindo para que fôssemos lá para pedir desculpas e se retratar. Na quinta-feira iremos lá. Infelizmente, estávamos no lugar errado e na hora errada", constatou.  

  

O cantor explicou ainda que sabiam do evento ao redor, já que "Angra dos Reis é uma cidade pequena". "Já tinha visto alguns vídeos rolando sobre essa festa, que estava acontecendo desde sexta-feira. Tivemos lá nos dias anteriores para montar a estrutura, não tínhamos grana. Vimos a movimentação, mas não entendemos a periculosidade de tudo. Porém, a gente sabia [da festa], sim", confessou. 

  

"A nossa principal ideia era tirar a live do ar, não se promover em forma disso. Porém, o pessoal acabou divulgando e viralizou. Ficamos preocupados com a mensagem negativa que poderia trazer para gente. Ninguém ali dentro da live tem problema algum judicial", reforçou. Com a divulgação, de 4 mil seguidores no Instagram, a banda passou para quase 34 mil em um dia.  

  

Com 11 anos de estrada, e há três com o nome Aglomerou, o conjunto espera colher frutos positivos com essa visibilidade. "A gente tá muito esperançoso para que possamos expandir o trabalho para todos os cantos do mundo". Além de entrevistas para o Brasil inteiro e Europa, o grupo agendou a próxima live para domingo (2), às 15h no canal da FM O Dia, uma das principais rádios do Estado. Confira a live: 

Histórico de Conteúdo