Domingo, 23 de Junho de 2019 - 10:30

Famosas aderem ao congelamento de óvulos para adiar maternidade

por Karina Matias | Folhapress

Famosas aderem ao congelamento de óvulos para adiar maternidade
Monique Alfradique é uma das famosas que recorreram à técnica | Foto: Divulgação

Foi em uma conversa com uma amiga que a atriz Camila Rodrigues, 35 anos, que interpreta a protagonista Sophia da novela "Topíssima" (Record), escutou pela primeira vez sobre a possibilidade de congelar os seus óvulos. "Ela falou: A gente está em uma idade em que ou a gente tem filho agora ou a gente congela óvulos. Eu falei: 'Imagina, amiga nós somos muito jovens!"

Camila não sabia, mas, segundo os médicos, a qualidade e a quantidade dos óvulos produzidos pela mulher começam a cair a partir dos 35 anos, o que pode gerar dificuldades para uma eventual gravidez.

O problema é que, assim como Camila, muitas mulheres têm adiado a maternidade, seja para se dedicarem à carreira, seja porque acreditam não ter encontrado o parceiro ideal. Segundo dados do Ministério da Saúde, o número de mulheres que deram à luz entre os 35 e os 39 anos aumentou 71% nos últimos 20 anos no Brasil. Já os nascimentos de bebês de mães que tinham de 20 a 29 anos caíram 15%.

"O nosso ovário não acompanhou a nossa revolução social", afirma Melissa Cavagnoli, médica especialista em reprodução assistida.

É nessa lógica que o congelamento é visto como saída para quem deseja prolongar o sonho de ser mãe. Entre as famosas que integram o time estão ainda Monique Alfradique, Mariana Weickert, Ellen Roche, Renata Dominguez, Sabrina Parlatore e Claudia Raia.

Não há dados oficiais, mas clínicas especializadas em fertilização apontam aumento na procura desse tipo de tratamento. Há dois pontos, porém, que devem ser levados em consideração. Um deles é o alto custo do procedimento, em torno de R$ 15 mil a R$ 18 mil, e o congelamento de óvulos não é disponibilizado pelo SUS (Sistema Único de Saúde) -há unidades, porém, que oferecem o procedimento para mulheres em tratamento contra o câncer.

O segundo ponto é que o congelamento não garante a gravidez. Para ter mais chances de engravidar futuramente, é preciso congelar uma grande quantidade de óvulos, estimada entre 15 e 20. E quanto mais velha a mulher for, maior será a quantidade de óvulos necessária.

Há, ainda, as variáveis de cada organismo. Depois de ser alertada pela amiga, Rodrigues foi atrás do tratamento. A atriz estava com 34 anos e descobriu que sua quantidade de óvulos (chamada reserva ovariana) era baixa para a idade. Em uma primeira tentativa de congelamento, o tratamento não deu certo. "Fiquei muito triste, é um valor alto, vem a cobrança de gastar toda essa grana. Coloquei na minha cabeça: vai ser só mais uma vez. Fiz a segunda vez e congelei cinco, que não é um número alto, mas já fiquei feliz e agradeci demais", relata. "Eu sempre quis ser mãe, independentemente da forma."

CLAUDIA RAIA

No Brasil, a idade média em que as mulheres entram na menopausa é 50 anos. Mas o envelhecimento dos óvulos começa bem mais cedo, em geral a partir dos 35 anos.

"Os melhores resultados são com óvulos de até 35 anos", afirma a médica Melissa Cavagnoli. Por isso, ela diz, o ideal é que o congelamento seja feito antes dessa idade. "Até os 37 anos a gente ainda tem bons resultados. Depois disso, a paciente pode congelar, mas os resultados vão sendo menos favoráveis."

Uma vez congelados, não há data-limite para que o óvulo seja usado. Mesmo mulheres já na menopausa podem engravidar normalmente. Nesses casos, o útero é estimulado com hormônios.

Mãe de dois filhos (Enzo, 22 anos, e Sophia, 16), a atriz Claudia Raia, 52 anos, revela que também congelou seus óvulos porque pensa na possibilidade de ter um terceiro filho biológico. "Ainda não tenho uma data, um prazo. A mulher de 50 anos de hoje não é aquela mulher de 50, 30 anos atrás. Estamos no nosso melhor momento, no auge."

A atriz lembra que a sua mãe, Odette (que morreu neste ano), a teve aos 44 anos. "E isso foi há 52 anos. Tudo é possível. Eu sou muito realizada com Enzo e Sophia. Mas encararia de coração aberto ser mãe de novo."

Histórico de Conteúdo