Quarta, 20 de Maio de 2020 - 10:50

Live do BN: atacante Verena lamenta não ter estreado no Bahia devido a pandemia

por Ulisses Gama / Leandro Aragão

Live do BN: atacante Verena lamenta não ter estreado no Bahia devido a pandemia

A atacante Verena participou da live do Bahia Notícias na manhã desta quarta-feira (20). Após passagem por Portugal, atleta, de 24 anos, foi anunciada pelo Bahia em meados de março, alguns dias antes da paralisação do futebol brasileiro devido a pandemia do coronavírus. Por causa disso, ela ainda pôde fazer sua estreia com a camisa do Tricolor.

 

"Eu sabia que ia chegar bem perto do início do campeonato e não ia dar tempo para entrosar muito com as meninas, tinha que conhecê-las mais um pouco mais, e também por causa da inscrição, porque tinha que trocar o clube. Então, eu sabia que não ia poder estrear no primeiro jogo. Só que não contava com essa paralisação da pandemia. Todo mundo foi pego de surpresa. Ficou aquele gostinho de "nossa, era para eu estar estreando no segundo jogo". Ficou o gostinho de querer estrear, mas não consegui", lamentou durante a entrevista.

 

Verena começou no Bahia em 2014 após ser aprovada em teste. Depois, ela trocou o Tricolor pelo Lusaca, onde chamou atenção do Vitória. No Rubro-Negro, ela conseguiu se destacar nacionalmente e foi contratada pelo português Valadares Gaia, onde estava antes de retornar ao Esquadrão de Aço.

 

"Comecei no Bahia em 2014. Meu pai me levou para fazer teste, fui bem e fiquei no time. Elas disputavam o Brasileiro, mas não consegui chegar a tempo. Joguei o Baiano, ajudei um pouco. Foi assim que consegui ir para outros times e joguei no Lusaca, consegui me destacar e fui para o Vitória", lembrou.

 

Apesar de ser torcedora do Bahia desde pequena, Verena teve uma boa passagem pelo rival baiano. No entanto, foi bem recebida pelo torcedor do Tricolor.

 

"Eu joguei no rival e sempre que estive lá dei meu máximo, porque sou profissional. Mas sou Bahia desde criança, minha familia toda é Bahia. Agora que estou vestindo a camisa que sempre torci e vibrei, a felicidade está lá em cima", disse. "Quando recebi a proposta, pensei duas vezes, porque não queria deixar o clube lá, mas como meu ciclo estava encerrando e consegui fazer essa ligação com o Bahia. Quando fui anunciada a torcida me recebeu de braços abertos. Sigo algumas páginas do Bahia e vejo o carinho e o apoio do torcedor. Claro que tem as críticas, mas temos que absorvê-las tambem, levantar a cabeça e fazer o melhor. O carinho do torcedor baiano foi sensacional", completou.

 

Na live do BN, Verena ainda falou de outros assuntos, como por exemplo, a rotina em casa durante a quarentena. Confira a entrevista na íntegra:

Leia mais

Quinta, 30 de Abril de 2020 - 20:41

Live do BN: Cielo admite que adiamento da Olimpíada favoreceu sua preparação

por Matheus Caldas

Live do BN: Cielo admite que adiamento da Olimpíada favoreceu sua preparação
Campeão olímpico em 2008, em Pequim, o nadador Cesar Cielo, 33, ainda não sabe se vai brigar efetivamente para estar nos Jogos Olímpicos de Tóquio, adiados para o ano que vem. Contudo, ele afirmou nesta quinta-feira (30), em live no Instagram do Bahia Notícias, o adiamento pode ter sido benéfico para ele aprimorar o preparo físico e chegar forte à Olimpíada. 

Leia mais

Terça, 04 de Fevereiro de 2020 - 11:10

Longevo no Bahia, Diego Cerri comenta formação do elenco para 2020: 'Encorpado'

por Ulisses Gama

Longevo no Bahia, Diego Cerri comenta formação do elenco para 2020: 'Encorpado'
Diretor de futebol do Bahia, Diego Cerri está no clube desde a temporada 2016, quando foi contratado para assumir o cargo de gerente. No comando executivo desde o início de 2017, ele ficou próximo de deixar o clube e seguir para o Palmeiras em dezembro de 2019, mas a oferta foi recusada e ele preferiu continuar no Esquadrão de Aço. Em entrevista ao Bahia Notícias, o diretor afirmou que a negativa passou longe de ser comodismo no Tricolor. "De um jeito ou de outro, a gente se sente valorizado de estarem analisando meu trabalho. Mas aqui eu me sinto bem e isso tem sentido. Ao contrário do que possam imaginar, não é comodismo. Na verdade fica mais difícil", indicou. Com foco no trabalho para 2020, Cerri acredita que a formação do elenco está sendo positiva e o grupo vai chegar "encorpado" para disputar as competições. "Mantivemos o treinador que eu acho importante... Uma parte grande do grupo já domina os conceitos do Roger e isso facilita. Com jeito de jogar, fica mais fácil ir montando o elenco de acordo com as características que o treinador gostaria de ter", indicou. Cerri também falou sobre o meia Régis, os esforços para segurar o volante Gregore e o atacante Gilberto, além de comentar a ida de David para o Fortaleza. Confira a entrevista completa:

Leia mais

Edvaldo Valério lamenta ser único nadador do Brasil negro medalhista olímpico após 20 anos
Quando começou a partilha de bens do espólio dos Jogos Rio-2016, o ex-nadador Edvaldo Valério, de 41 anos, teve uma participação importante para que a piscina olímpica viesse para Salvador. Após a construção, ele assumiu a coordenação da Arena Aquática de Salvador, localizada no bairro da Pituba, devido à bagagem adquirida durante a carreira vitoriosa na natação. Em 2000, nos Jogos de Sydney, o baiano conquistou a medalha de bronze no revezamento 4x100 metros livre masculino, ao lado de Gustavo Borges, Fernando Scherer e Carlos Jayme. Durante a visita à redação do Bahia Notícias, Edvaldo concedeu entrevista abordando a nova fase da sua vida trabalhando no meio político e também analisou a atual situação da natação brasileira às vésperas das Olimpíadas de Tóquio, apontou as futuras promessas baianas da modalidade e comentou a fase mais difícil da sua vida, que foi quando deixou as piscinas. O baiano ainda lamentou o fato de, 20 anos depois, ainda ser o único nadador brasileiro negro a subir num pódio olímpico. "Achei que minha conquista em Sydney tivesse o poder de mudar esse cenário".

Leia mais

Terça, 03 de Dezembro de 2019 - 11:10

Léo Gomes relembra dificuldades na carreira e diz que espera voltar ao Vitória

por Glauber Guerra

Léo Gomes relembra dificuldades na carreira e diz que espera voltar ao Vitória
De malas prontas para o Atlhetico Paranaense, o volante Léo Gomes espera voltar ao Vitória no futuro. O atleta, revelado nas divisões de base do Leão, elogiou a torcida. “O Vitória tem uma torcida apaixonante, mesmo nos momentos de dificuldades, estava comparecendo. A coisa mais forte que tem é a torcida. Quero agradecer ao Vitória, à torcida, seguir a vida e espero um dia voltar para fazer outra história”, disse o atleta. Léo ainda demonstrou sua gratidão ao técnico Paulo Cézar Carpegiani, que deu a primeira chance na equipe principal, e relembrou as dificuldades no começo da carreira.

Leia mais

Presidente da Fube comemora legado dos JUBs e quer massificar esporte universitário baiano
Presidente da Federação Universitária Baiana de Esportes (Fube), Simon Vasconcelos ainda não sabe se deixará um legado após sua gestão, mas revela que ficaria satisfeito em deixar algo bom quando encerrar seu mandato. Fato é que o dirigente terá seu nome marcado no esporte universitário, já que participou do processo para a vinda dos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs) para a Bahia 51 anos depois. “Quando fizemos o 'Projeto JUBs 2019', não pensamos só no evento. Pensamos no legado. Pensamos na questão da discussão das políticas públicas do esporte universitário baiano, foi nosso primeiro ponto quando sentamos com o governo. O ápice disso são os JUBs, e o governo baiano entendeu isso”, comemorou. Vale destacar que a etapa final dos JUBs é considerada a maior competição esportiva universitária da América Latina, e reuniu cerca de 2.500 estudantes atletas de todo o país entre os dias 21 e 27 de outubro deste ano. Ao Bahia Notícias, Simon falou sobre o diálogo entre federação e universidades, o aumento no número de medalhas para o estado, e que já trata com o governo para que a Bahia receba novas competições nacionais.

Leia mais

À beira do centésimo jogo no Bahia, Gregore não esconde sonho pela Seleção Brasileira
Quando perguntado sobre o seu time do coração, Gregore é taxativo: "Sou Bahia". Identificado com o clube e muito querido pela torcida, o jogador de 25 anos, visto como um dos melhores volantes do Campeonato Brasileiro, tem um coração azul, vermelho e branco, mas que tem um tantinho de verde e amarelo. Vestir a camisa da Seleção Brasileira é um sonho para ele, que não escondeu o seu desejo em entrevista ao Bahia Notícias. "É um foco que tenho na minha carreira. Todo jogador quer chegar na seleção, mas quero viver o dia a dia. Eu quero ainda mais esse sonho. Se eu continuar evoluindo, vou conseguir", declarou. Gregore não sonha sozinho. Em algumas entrevistas, o técnico Roger Machado já credenciou o marcador a uma convocação para a equipe nacional, citando que o jogador é um "ladrão de bolas", "protetor da defesa", "muito combativo" e que lidera as estatísticas de sua função. Com 61 desarmes em 19 partidas disputadas, Gregore é um dos pilares da atual fase do Bahia, que hoje briga por uma vaga na Copa Libertadores. Mas o bom momento não ilude o atleta, que crê que o time pode fazer ainda mais. "Hoje o nosso time toma poucos gols. Se a gente quer conquistar coisas grandes, tem que manter assim. Se a gente toma pouco gol, nosso ataque tem condição de fazer. No nosso grupo, quem está entrando, o nível segue o mesmo. É parabenizar o grupo, mas ainda temos muito o que fazer nesse ano", indicou.

Leia mais

Medalha de ouro no Pan, boxeadora baiana fala da carreira e da expectativa para Tóquio 2020
Aos 26 anos, a baiana Bia Ferreira conquistou a medalha de ouro do boxe, na categoria até 60 kg, nos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru. Apesar de ainda não ter a vaga carimbada, a boxeadora é uma das grandes esperanças de medalha do Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Atualmente morando em Santo Amaro, interior de São Paulo, ela está imersa nos treinos junto à seleção brasileira. Muito solícita, Bia gentilmente deu uma pausa nas atividades para conversar com a reportagem do Bahia Notícias, por telefone, com o sotaque puxado para o "carioquês", "baianês" e "mineirês". "É uma mistura na verdade. Eu falo baiano, falo mineiro, falo paulista, falo carioca... Porque também na seleção tem gente de todos os lugares, então a gente convive e acaba pegando um pouquinho de cada um e fica bem engraçado, porque ninguém sabe da onde a gente é", comentou aos risos. A atleta falou do começo tardio na modalidade, que tem o seu pai, o ex-boxeador Sergipe, como seu grande mentor e espelho, seus contratempos na carreira e dos planos para as Olimpíadas de Tóquio 2020.

Leia mais

Caixa vazio e 'herança maldita': Luiz Henrique revela planos para a recuperação do Vitória
O Vitória vive um momento delicado, tanta na parte técnica, como nas finanças. O time ocupa a penúltima posição da Série B com apenas 11 pontos conquistados em 14 jogos. Um aproveitamento de apenas 26,2%. Vice-presidente do clube e responsável pelo setor financeiro, Luiz Henrique aparece pouco, mas tem voz ativa no Barradão. Em entrevista ao Bahia Notícias, ele falou sobre as dificuldades no início da gestão, admitiu que a situação é bem pior do que se imaginava e revelou planos para superar essa fase turbulenta. O dirigente tomou posse em 24 abril, após ser eleito na chapa encabeçada por Paulo Carneiro.

Leia mais

'Voluntário', presidente do Doce Mel valoriza projeto e quer mudar mentalidade do futebol
Campeão como treinador pela seleção de Ipiaú, Eduardo Catalão é apaixonado por futebol e pela cidade. Há 10 anos como presidente do Doce Mel – Atlanta até 2017 -, o dirigente busca transformar o clube do município em uma referência no estado, ao lado da dupla Ba-Vi. Sem receber nenhum dinheiro, Catalão deseja mudar a “mentalidade” atual do esporte e, por isso, valoriza o projeto social que se iniciou em 2009. “A direção não recebe nenhum salário, só comissão técnica, jogadores e um supervisor. Queremos mudar essa mentalidade no futebol que tudo é dinheiro. Sempre preservamos a imagem do clube, para todos saberem que apesar de novo, priorizamos muito o comportamento”, disse em entrevista ao Bahia Notícias. Atualmente, o projeto conta com cerca de 200 crianças, que não só jogam futebol, mas são encaminhadas para escolas, faculdades e empresas. “O que a gente usa no projeto é, primeiro estar matriculado na rede de ensino, segundo apresentar atestado médico de capacidade para participar, e terceiro de comportamento, tanto dentro quanto fora do projeto. Fazemos visitas semestrais no colégio para sabermos como eles estão”, explicou. E o trabalho vem rendendo frutos. Após virar Doce Mel Esporte Clube em 2017, a agremiação resolveu participar da Série B do Campeonato Baiano em 2019. Estreante, conquistou o título ao bater o Olímpia na final e garantiu o acesso à elite do futebol estadual. Agora, Catalão mira vôos mais altos, como evoluir o investimento na base e na estrutura do clube, com a reforma no Estádio Pedro Caetano, localizado em Ipiaú, e a construção de uma sede para a instituição.

Leia mais

Histórico de Conteúdo