Quinta, 05 de Dezembro de 2019 - 11:15

Roger comenta queda de rendimento na Fonte e pede apoio da torcida para voltar a vencer

por Ulisses Gama

Roger comenta queda de rendimento na Fonte e pede apoio da torcida para voltar a vencer
Foto: Felipe Oliveira / Divulgação / EC Bahia

Garantido na Copa Sul-Americana, o Bahia agora está em busca da sua melhor campanha na história dos pontos corridos. Para isso, basta vencer um dos últimos dois jogos do Campeonato Brasileiro, a começar pelo duelo contra o Vasco nesta quinta-feira (5), às 19h15, na Arena Fonte Nova.

 

Para isso, será preciso passar por um pequeno tabu. A equipe não vence em casa desde o final de setembro, quando bateu o Botafogo por 2 a 0. Na última quarta-feira (4), o técnico Roger Machado admitiu que o rendimento como mandante caiu e destacou o apoio dos tricolores para voltar a conseguir  um bom resultado.

 

"Retrospecto recente, teve uma queda, mas fora melhorou. Em alguns momentos de instabilidade onde há uma pressão exacerbada, jogar fora, em alguns momentos, se torna mais tranquilo. Dentro da nossa casa, o que eu tenho de lembrança do torcedor é que essa energia que passa, já relatei, no último jogo em casa, empate contra o Atlético-MG, quando parte da torcida decidiu nos vaiar, algo que é difícil para o atleta... Seria a mesma coisa que estar em família na arquibancada, no momento em que erro, minha mãe, meu pai, meu irmão me vaiarem. De todo modo, quando o torcedor não gosta, ele se manifesta. Contra o Atlético-MG, ele transformou o estádio em um caldeirão, abafando e fazendo com que parte da torcida viesse junto com eles. Isso repetido várias vezes, faz com que a gente tenha uma confiança. Essa é a grande diferença que vi de outras equipes por quais passei e joguei contra. Essa energia vinda do torcedor, que apoia quando mais precisa, que eu queria ver ampliada", declarou.

 

O comandante do Esquadrão de Aço rechaçou a possibilidade de "má vontade" dentro do elenco tricolor e comparou a pressão no futebol em relação a outros esportes, como por exemplo o tênis. 

 

"Os atletas nunca então jogando de má vontade. Isso, com toda segurança de quase 30 anos de futebol, é muito raro de acontecer. Não pode dizer que não aconteça, mas é raro. O que acontece é a perda de confiança, que faz com que tu erre gestos simples. Perda de confiança se atribuiu a medo, fala que o time é pipoqueiro. Em outros esportes, você vê o tenista falando que perdeu a confiança no saque, que não estava bem emocionalmente, e ninguém fala que ele é pipoqueiro. Que nosso torcedor possa nos ajudar como tem nos ajudado, enchendo a Fonte Nova e nos empurrando para o ataque", indicou.

 

O Bahia tem 48 pontos e está na 11º posição da competição nacional.

Histórico de Conteúdo