Sábado, 21 de Outubro de 2017 - 05:03

PÉ DE VENTO NO DESERTO

por Otto Freitas

 PÉ DE VENTO NO DESERTO
Foto: Fabio Bouzas
Seu Binha do eterno

 
Bicho do mato,
andarilho solitário,
SeuBinha vive no eterno,
no meio daquela pedra,
lá no alto de Igatu.
Da sua caverna
conhece o mundo.
Aprendeu a amar
os homens,
do fundo da natureza
ao redor.
Nunca vou me esquecer
daqui.
Até quando eu morrer
vou me lembrar.
SeuBinha é de luz.
Deus conversa com ele todo dia,
na maior intimidade.
 
 
 

 
 
Gim tônica

 
Vou me mudar para ontem,
quem sabe anteontem.
Reencontrarei pessoas que jamais conheci,
tão íntimas que mal sei seus nomes.
Talvez eu tome aquelas quatro doses
de gim tônica,
copo longo,
cheio de assunto e muito gelo.
Clarear o juízo,
refrescar o olhar,
lembrar direito do futuro sem flores,
tudo sujo feito pé de vento no deserto.
Foi o fim do mundo chegou
ontem,
quem sabe anteontem?
 
 
 
 

 
Morro do Vigia

 
Toda tarde a gente ia
tomar banho na bica
ao pé do Morro do Vigia
das baleias de Itapuã.
 
Lá em cima
os anjos brincavam
na areia branca,
perto do céu de Itapuã.
 
Lá de cima a gente via
a curva que Deus criou,
do coqueiral ao farol,
no mar de Itapuã.
 
 
 

Histórico de Conteúdo