Sábado, 17 de Agosto de 2019 - 05:16

A República dos Mentecaptos

por Fernando Vita

A República dos Mentecaptos
Iniciamos a carreira juntos no antigo Jornal da Bahia, ele chegara um pouco antes, e me habituei a rir das histórias de Fernando Vita. Não parava de falar, eram muitas, algumas antológicas como as dos malucos de Santo Antônio de Jesus, onde ele nasceu, e a do sujeito que construiu um avião no quintal de casa, e só depois do teco-teco pronto deu-se conta que era impossível decolar. Ou então teria de arrancar cercas e derrubar muros de parte da rua que passava no fundo. Vita escreveu livros com essas histórias, passadas na imaginária Todavia, que nem a Macondo, de Garcia Marques, e agora volta com a República dos Mentecaptos, que ele próprio descreve no subtítulo de “Uma hilariante história de mandriões, cortesãs, espertalhões e certos valdevinos de modo geral”. Leia aqui o primeiro capítulo. Você vai gostar.

Leia mais

Sábado, 10 de Agosto de 2019 - 05:09

A mística do rastro

por Helenita Monte de Hollanda

A mística do rastro
A médica-pesquisadora Helenita Monte de Hollanda, que edita o Canal Cultura Popular, no youtube, desenvolve interessante trabalho no Nordeste e na Amazônia visitando lugares, conhecendo-os, convivendo e ouvindo as pessoas. No youtube faz parceria com o jornalista Biaggio Talento (editor dos vídeos) e juntos registram e divulgam essas histórias contadas pelo povo que se perdem no tempo, em especial lendas, rezas, assombrações e outras manifestações. Helenita é autora de cinco livros, entre eles o “Como diz o ditado”. Esta é uma das histórias. Carlos Navarro Filho

Leia mais

Sábado, 03 de Agosto de 2019 - 05:01

O mito Lampião

por José de Jesus Barreto

O mito Lampião
Esse é o nosso Barretinho, sergipano criado no Subúrbio Ferroviário de Salvador, repórter, também poeta criativo dono de belas imagens, alegorias e fantasias, da vida, do amor, das mulheres, dos homens, meninos e velhos, abastados e miseráveis, nas ruas e no mato, no mundo. Ele escreve poesia fazendo prosa, depois de redigir profissionalmente, em especial quando repórter, o que fomos juntos no Estadão. Todos nós só começamos a escrever o queremos e gostamos quando paramos com o dia-a-dia da redação, paramos com a obrigação profissional, social e moral de produzir notícias, de informar, de ajudar as pessoas a formar opinião e a tomar decisões. Depois, ou fora da redação, é que o repórter pode criar, fazer o que gosta. Carlos Navarro Filho

Leia mais

Sábado, 27 de Julho de 2019 - 05:02

Purificar o Subaé

por Carlos Navarro Filho

Purificar o Subaé
No prefácio do Boquira, que terá o seu quarto lançamento em São Paulo no próximo dia 8 de agosto (os outros três foram na cidade do mesmo nome, em Salvador e na Faculdade de Mineração e Meio Ambiente da Universidade Federal do Recôncavo Baiano, em Cruz das Almas) o jornalista e conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios, Paolo Marconi refere-se aos artifícios jurídicos e burocráticos, e às sucessivas alterações da razão social da ré. Essas medidas arrastaram um processo de reparação de danos desde 1992 até a primeira e brilhante sentença do juiz Pompeu de Souza Brasil, da 3ª Vara Federal/Ba, em 2014. O magistrado esmiúça na sentença toda a saga procrastinatória do feito e a inércia do ente federal que, ao invés de acudir a população gravemente penalizada pela Penarroya, a multinacional que despejou quinhentas mil toneladas de resíduos de chumbo em Santo Amaro da Purificação, omitiu-se e lutou ao lado da ré. A condenação foi exemplar, mas ainda não cumprida porque a empresa recorreu ao Tribunal Regional Federal, em Brasília, e aguarda julgamento. No prefácio do Boquira, que terá o seu quarto lançamento em São Paulo no próximo dia 8 de agosto (os outros três foram na cidade do mesmo nome, em Salvador e em Cruz das Almas, na Faculdade de Mineração e Meio Ambiente da Universidade Federal do Recôncavo Baiano) o jornalista e conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios, Paolo Marconi, refere-se aos artifícios jurídicos e burocráticos, e às sucessivas alterações da razão social da ré. Essas medidas arrastaram um processo de reparação de danos desde 1992 até a primeira e brilhante sentença do juiz Pompeu de Souza Brasil, da 3ª Vara Federal/Ba, em 2014. O magistrado esmiúça na sentença toda a saga procrastinatória do feito e a inércia da União que, ao invés de acudir a população gravemente penalizada pela Penarroya, a multinacional que despejou quinhentas mil toneladas de resíduos de chumbo em Santo Amaro da Purificação, omitiu-se e lutou ao lado da ré. A condenação foi exemplar, mas ainda não cumprida porque a empresa recorreu ao Tribunal Regional Federal, em Brasília, e aguarda julgamento.

Leia mais

Sábado, 20 de Julho de 2019 - 05:10

Literatura africana

por Araken Vaz Galvão

Literatura africana
Valença abriga um criativo escritor, Araken Vaz Galvão, autor de 37 livros, que transitam pelo romance, conto, ensaio, cinema e crônicas. Desse acervo, 12 foram publicados e lhe valeram prêmios literários, o último em 2016 (Prêmio Jorge Amado - UBE/RJ). Araken é de Jequié, e antes de chegar a Valença, esteve exilado em vários países hispano-americanos, período em que foi vendedor de jornais, jornalista e produtor de TV, além de estudar História, Cinema e Literatura. O texto que apresentamos aqui é um fragmento de um novo trabalho do autor, que ele titulou por “Literatura Africana – Primeiras Lições”. Boa leitura. Carlos Navarro Filho.

Leia mais

Sábado, 13 de Julho de 2019 - 05:01

Ode ao Tempo Sucessivo

por Florisvaldo Mattos

Ode ao Tempo Sucessivo
É sempre uma honrosa satisfação ter o poeta, ensaísta e jornalista Florisvaldo Mattos ocupando este espaço. O amigo Flori é um dos grandes poetas de nossa constelação, a quem sobra o talento e a arte expostos aqui, nesses sonetos e nessa ode ao tempo: “Senhor do mundo, a seguir absoluto e irrefreável por vazios de infinitas errâncias. Sem nenhuma força capaz de mudar ou apagar o que deixaste para trás”. É poesia em estado puro. Carlos Navarro Filho

Leia mais

Sábado, 06 de Julho de 2019 - 09:32

Operação Golem

por Flávio VM Costa

Operação Golem
Revirando aqui o meu pesqueiro, encontrei este trecho do conto de Flávio VM Costa, que faz parte da coletânea “Tenente Marcus – Narrativas”. Flávio, belo repórter e escritor, é baiano, trabalhamos juntos durante alguns meses em 2010, e hoje está radicado em São Paulo. É um dos bons textos dessa nova safra de escritores baianos e logo no seu primeiro trabalho venceu o prêmio literário internacional Prada Feltrinelli Prize. Leia, você vai gostar. Carlos Navarro Filho.

Leia mais

Sábado, 29 de Junho de 2019 - 05:13

Contradições, furtos e afetos

por Franciel Cruz

 Contradições, furtos e afetos
O filósofo Franciel Cruz adentra o gramado, faz o maior borogodó com o Ingresia nos 39 estados da Federação e, não satisfeito, atravessa o Atlântico, intimado que foi, e vai lançar o livro na Espanha. Não sei aonde isso vai parar porque já está 23ª edição e eu aqui aberto a um jabá que não vem, mesmo depois de várias publicações e elogios. Poderia ser uns 50 exemplares que venderia por uma fortuna nas boas casas do ramo e nas feiras de Alagoinhas e região, porque na área do São Francisco não há mais espaço. Mas não custa investir um pouco mais, até porque, caro leitor, quero que você conheça o mais revolucionário, e único, sistema tático de futebol, inventado por um técnico de Irecê, que vai aqui anunciado e analisado pelo autor. Leia, conheça o esquema de jogo, e você vai mudar todo o entendimento até agora amealhado sobre o, com licença das palavras, esporte bretão. Além de morrer de rir. Carlos Navarro Filho

Leia mais

Sábado, 22 de Junho de 2019 - 05:32

Nas asas do tempo

por Jadson Oliveira

Nas asas do tempo
No segundo lustro dos anos 1970 ele surgiu na sucursal do Estadão, em Salvador. Usava uma sandália de tiras de couro cru e solado de pneu, na época conhecida como “alpercata de verdureiro”, uma calça Lee e camisa de manga curta, uma das duas do seu guarda roupa. Eu não sabia, mas estava chegando um antigo “revolucionário”, que nem podia ficar até tarde da noite na rua, cidadão, repórter, uma das pessoas mais íntegras que conheço. Refiro-me ao jornalista e editor do blog Evidentemente, Jadson Oliveira, até hoje um amigo querido. Jadson nos traz uma bela crônica em que fala de um porre e da saudade de um amigo, cachaceiro que nem ele, e que não está mais aqui. Você vai se emocionar. Carlos Navarro Filho.

Leia mais

Sábado, 15 de Junho de 2019 - 05:06

O intervalo do diabo

por Jeremias Macário

O intervalo do diabo
O jornalista e escritor baiano Jeremias Macário lançou ontem em uma festa cultural em Vitória da Conquista um novo livro, “ANDANÇAS”, e o “CD Sarau A Estrada”, embalado por cantorias, exposição de artes plásticas e declamação de poesias por artistas e poetas locais. O terceiro livro do autor tem uma pitada de realismo fantástico misturado com fatos reais, falando de temas que vão da ditadura militar, nos anos 1960 e 1970, a histórias de cunho social e de comportamento. Jeremias, que há anos trocou Salvador pela cidade do sudoeste baiano, é também autor de “Terra Rasgada”, “A Imprensa e o Coronelismo no Sudoeste” e “Uma Conquista Cassada – Cerco e Fuzil na Cidade do Frio”. Leia um capítulo e dois poemas do novo trabalho do autor. P.S.: Peço licença para homenagear um dos grandes jornalistas que conheci (fomos colegas no Estadão), Clóvis Rossi, que morreu na madrugada de ontem.Carlos Navarro Filho

Leia mais

Histórico de Conteúdo