Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Myrian Rios retorna aos palcos após 20 anos com monólogo: 'Privilegiada e abençoada'
Foto: Divulgação

O ano de 2021 começou com comemoração dupla para a atriz e apresentadora Myrian Rios, 62. Além de celebrar seus 45 anos de carreira, ela também retorna aos palcos após duas décadas, dando vida a Rainha Ester em um monólogo, escrito pelo ator Cyrano Rosalém, que atuou no filme "Nosso Lar" (2010), e dirigido por Rogério Fabiano, que esteve na 18ª temporada de "Malhação" (Globo, 2010).

Myrian, que fez sucesso em novelas como "O Clone" (Globo, 2001) e "Ti Ti Ti" (Globo, 1986), contou ao F5 que seu retorno na peça "Rainha Ester, a Escolhida por Deus para Salvar o Povo Judeu", em cartaz no teatro West Plaza, em São Paulo, é uma realização. "Me senti privilegiada e abençoada por comemorar 45 anos de carreira num monólogo de uma história de uma mulher forte e determinada", diz

A atriz fala de sua ligação com a personagem da Rainha Ester, e afirma que ambas têm em sua história a fé muito presente. "Tudo o que ela faz, consagra a Deus. Eu também sou uma pessoa que em tudo o que eu falo, a cada passo, eu faço uma oração pedindo a Deus que me ilumine", completou.

A peça estreou no dia 14 de novembro, na cidade de Ribeirão Preto, interior de SP. Desde então, teve apresentações em Petrolina, em Pernambuco, e na cidade paulista de São José dos Campos. Agora está em cartaz na cidade de São Paulo, e Myrian diz que pretendem ficar até dia 28 de fevereiro, "se tudo correr bem".

Além disso, todo o trabalho e produção do monólogo foram feitos de forma minuciosa. Myrian comenta que o texto foi escrito e baseado em muitos estudos, não apenas da personagem, mas também de todo o contexto histórico. "Foram quase dois meses só no texto, marcando cada parágrafo, buscando as entrelinhas, para poder passar para o público a verdadeira emoção e objetivo da Ester", explicou.

Quanto ao estilo do texto, ela confessou ser uma experiência nova em sua carreira. A opção de criar um monólogo também foi muito ligada à "falta de patrocínios e apoios culturais", segundo a atriz, mas ela topou o desafio. "Aceitei por dois motivos: gostaria de ter a experiência de fazer um monólogo e pela dificuldade de você montar um espetáculo".

"Tem sido bem difícil, mas prazeroso e uma realização profissional sensacional", disse Myrian sobre a experiência de criar e atuar em um espetáculo em meio à pandemia, e também assegurou que o teatro está cumprindo todos os protocolos de segurança. Ela contraiu a Covid-19 no ano passado, e conta que foi assintomática, perdendo apenas o paladar e olfato, que "ainda oscila".

Também contou que o cenário, maquiagem, cabelo e vestuário utilizados no espetáculo são frutos de parcerias que a equipe conseguiu ao longo das apresentações, mas lembra que a peça precisa de um apoio maior ainda. "Precisamos muito dessas parcerias, mas estou sempre pedindo a Deus por algum patrocinador", desabafou.

MYRIAN E ROBERTO
Além de seus trabalhos, a atriz também afirma que se sente honrada em, após anos, ainda ter sua figura ligada a Roberto Carlos, 79, e vice-versa. "As pessoas olham para o Roberto e lembram de mim, olham para mim e lembram do Roberto", conta. Ela também diz que seu relacionamento com o cantor foi cheio de amor, carinho e respeito, e que isso marcou os fãs. "Eles foram felizes nos vendo felizes."

Além de estar de volta aos palcos, Myrian também voltou recentemente para a televisão. Após 10 anos como missionária da Canção Nova e ter cumprido seu mandato como deputada no Rio de Janeiro, a artista estava havia 17 anos sem atuar em novelas. Foi então convidada a participar de "As Aventuras de Poliana" (SBT, 2018) que está na sua segunda temporada e prevê retomar as gravações ainda em 2021.

"Foi sensacional, foi a primeira vez que eu trabalhei no SBT e tive uma experiência muito, muito feliz", comentou. A artista ressaltou também que a emissora tem um tratamento diferente de outras que ela já trabalhou, justamente por ter o foco no público infantojuvenil e trabalhar com muitas crianças. Ela brinca que se sentia em uma escola durante os intervalos das gravações da novela.

Para o ano de 2021, em paralelo à exibição da peça "Rainha Ester", Myrian toca a produção de um espetáculo infantojuvenil, outro espetáculo liberado pelo psiquiatra e escritor Augusto Cury e outro monólogo escrito por Cyrano, "Cleopatra". "Já temos tudo caminhando ao mesmo tempo, para poder emendar um no outro", completa.

Agora, ela se vê totalmente dedicada aos seus novos projetos, mas também aos seus filhos: Edmar Mank, 24, que se dedica à carreira musical de rapper carioca, e Pedro Arthur, 19, que mora com a atriz em São Paulo e segue a carreira de ator. "Vivo para os meus filhos e para o meu trabalho", afirma.

Ídolo nos EUA: Morre apresentador Larry King por complicações da Covid-19
Foto: Reprodução / G1

Internado desde o final do ano passado após complicações da Covid-19 (veja aqui), o apresentador de TV dos EUA, Larry King, morreu aos 87 anos, informou seu perfil oficial no Twitter neste sábado (23).

 

"É com profundo pesar que a Ora Media anuncia a morte de nosso co-fundador, apresentador e amigo Larry King, que morreu nesta manhã aos 87 anos no Centro Médico Cedros Sinai de Los Angeles", diz o comunicado. King comandou um tradicional programa de entrevistas por mais de 25 anos na CNN americana.

Sábado, 23 de Janeiro de 2021 - 09:30

Coluna Literatura: Leia 'Versejos & proseios', de Jose de Jesus Barreto

por Carlos Navarro Filho

Coluna Literatura: Leia 'Versejos & proseios', de Jose de Jesus Barreto

José de Jesus Barreto, Barretinho para os amigos mais chegados, repórter velho de guerra, poeta e escritor na aposentadoria das redações de jornal, rádio e tv nas quais brilhou, dá uma palhinha nos poemas que cria e chama de versejos. Barretinho costuma falar de amor, de musas arrebatadoras, ou de mulheres simples e belas apenas mulheres. Fala também da vida, de tipos populares da cidade, ou de um caminhar diário nas areias de Itapuã, república onde vive a catar conchas e sereias. Com ele fechamos este janeiro de poemas. Leia, você vai gostar. Clique aqui e leia o texto.

Sábado, 23 de Janeiro de 2021 - 09:30

De Angela Davis a Gramsci e Marx, veja os intelectuais que viraram estrelas das HQs

por Folhapress

De Angela Davis a Gramsci e Marx, veja os intelectuais que viraram estrelas das HQs
Foto: Reprodução / Folha

O corpo deitado de Angela Davis se encolhe no quadrado apertado que ocupa o canto superior esquerdo da bandeira dos Estados Unidos.

Espalhada na página dupla de um livro, a imagem é chapada em branco e preto, e nas listras escuras se escreve que a única coisa que acompanhava a jovem professora na cela de sua prisão era um camisolão de hospital.

É um dos momentos sublimes de "Miss Davis", uma graphic novel que conta a obra de uma das maiores intelectuais do movimento negro e antiprisional americano --um trabalho que usa os recursos visuais mais criativos das HQs como um meio de realçar o que há de extraordinário na vida daquela professora de filosofia.

"Acima de tudo, uma graphic novel deve ir ao essencial", diz a francesa Sybille Titeux de la Croix, que roteirizou o livro. "As coisas não se organizam como num romance, em que há bastante espaço para um texto detalhado. Aqui há também o desenho, que permite de algum jeito reviver as personagens, criando uma nova iconografia, mais atual, sobre uma figura emblemática."

Davis não foi a única intelectual a receber o tratamento dos quadrinhos. Também viraram desenhos coloridos, nos últimos anos, pensadores tão díspares quanto Antonio Gramsci, Yuval Noah Harari e Karl Marx, indicando um novo filão de HQs com objetivos, por assim dizer, quase didáticos.

Veja só o exemplo do lançamento mais recente da editora Veneta, referência em publicações desse gênero, que quadriniza o filósofo alemão Herbert Marcuse --influência de boa parte dos ativistas do Maio de 1968 e, por coincidência, da própria Angela Davis, a ponto de um aparecer no livro do outro.

Na adaptação de Marcuse, o texto domina mais o quadro, num esforço perceptível de transmitir as principais ideias de um pensador complexo ao leitor, ao passo que acompanhamos suas andanças pelo mundo, seus laços familiares, suas filiações a universidades e correntes políticas.

O americano Nick Thorkelson, autor da obra, lembra ter como meta apresentar um intelectual que cativou tantos jovens revolucionários do passado a uma nova geração, a que ele é pouco familiar --um objetivo também declarado por Titeux em relação a Davis.

"O quadrinho é um meio que permite trazer ideias importantes a leitores mais jovens. Nos Estados Unidos, certamente, eles têm certa reputação de ser para crianças, apesar de as pessoas que prestam atenção já perceberem que não é mais de modo algum uma mídia infantil."

O cartunista, sorridente e de cabelos grisalhos, diz que os americanos da sua idade nunca aprenderam direito a ler HQs porque achavam algo primitivo, vergonhoso. Mas isso mudou desde que artistas respeitados, como o Art Spiegelman de "Maus", passaram a ter reconhecimento crítico.

"É uma mídia maravilhosa para discutir ideias e observar a história em ação. E para transmitir o que parece ser o coração de ideias complexas, porque uma imagem conta por mil palavras."

Dessa forma, quando um iniciante Marcuse busca, ainda na Alemanha dos anos 1920, algum recurso para tornar sua filosofia mais concreta e atual, um livro de Martin Heidegger bate à sua porta --literalmente. E quando, anos depois, ele recebe a notícia de que Heidegger se juntou aos nazista, a página mostra o jovem filósofo levando uma tijolada na cabeça.

A pesquisadora Maria Clara Carneiro comenta que essa intenção de atrair jovens com linguagem visual, muito forte no imaginário de pais e professores, não vem acompanhada de uma educação atenta à leitura de imagens.

"Eu sou da defesa de que não é fácil ler quadrinhos", diz Carneiro, que é doutora em teoria literária e professora da Universidade Federal de Santa Maria, no Rio Grande do Sul. "É preciso ter uma formação nisso. O ensino na escola nos limita sempre a uma mesma tipologia, mas é preciso criar um vocabulário, ler quadrinhos diferentes, assim como se faz com o texto."

O efeito disso é que muitos quadrinhos com algum objetivo de ensino se importam demais com o que está escrito e dão menos bola para a estética. Carneiro chama obras assim de "menos quadrinizadas".

"O quadrinho envolve uma articulação, dentro de uma mesma página, em que os elementos criam um sentido entre si. O menos quadrinizado é aquele em que o texto e a imagem são redundantes, ou no qual o entendimento está só no texto, e a imagem está a serviço dele."

Por isso é tão desafiante criar quadrinhos sobre pessoas conhecidas por suas ideias. O risco de o produto final ser um apanhadão de teses complicadas em um livro ilustrado --e não quadrinizado-- é grande.

Sybille Titeux de la Croix, ao explicar como adaptou a vida de Angela Davis, conta que procurou dosar as ideias mais complexas da professora com "cenas de ação" de uma vida marcada por eventos de alta temperatura política.

Ao responder uma pergunta sobre se todo grande intelectual poderia ter sua vida transposta para uma HQ, ela é taxativa. "Absolutamente não."

"Muitas mentes excepcionais tiveram vidas incrivelmente chatas. Imagine se eu faço a biografia de Pierre Bourdieu, e você o vê fazendo palestras, dando aulas no Collège de France, às vezes jogando rúgbi --e você teria perdido todo o tempo precioso que poderia gastar lendo os livros dele. Os leitores iam correr atrás de mim na rua, pedindo reembolso. E teriam razão!"

Associação diz que setor criativo é preterido e pleiteia isenção de impostos para retomada
Abape quer propor projeto para ocupar Concha e TCA | Foto: Paulo Henrique

Com quase um ano de decretos municipais e estaduais que inviabilizam grande parte dos eventos e atividades culturais na Bahia em virtude da pandemia do novo coronavírus, empresários têm se mobilizado para sensibilizar o poder público e a sociedade civil a respeito do impacto econômico e social da paralisação do setor.

 

Segundo o presidente da Associação Baiana das Produtoras de Eventos (Abape), Moacyr Villas Boas, ainda não existem dados estaduais consolidados pelo fato da entidade ter sido criada recentemente, em dezembro de 2020 (clique aqui e saiba mais). Mas aponta, entretanto, que em nível nacional, de acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Eventos (Abeoc) e o Sebrae, o setor que movimenta mais de R$ 936 bilhões - equivalente a 12,93% do PIB do Brasil - teve 98% de seus trabalhadores prejudicados pela pandemia. 

 

“Nosso objetivo é bater na porta, literalmente, de todos os gestores públicos que direta ou indiretamente trabalham na área de cultura e entretenimento. E nossa ideia, neste momento, é abrir um canal de diálogo com as partes, pra que a gente possa ajudar na construção de um plano de retomada”, explica Moacyr Villas Boas, que diz fazer questão de frisar o caráter não negacionista da Abape. “A gente entende a gravidade e que as medidas que estão sendo tomadas pelas autoridades, de fato, são necessárias. Mas, ao mesmo tempo, entendemos que a gestão pública, de forma geral nas três esferas - municipal, estadual e federal - já falhou no enfrentamento da pandemia com a categoria. Isso é fato”, pondera. 

 

Citando o fechamento da Ford, que gerou forte comoção no país, Villas Boas observa que não existe a mesma sensibilidade com relação aos prejuízos do setor cultural e de eventos. “Se formos falar de economia, dados do Sebrae indicam que indústria de entretenimento e eventos emprega muito mais que a automobilística. É uma indústria parada há 11 meses, mas não há a mesma empatia por parte da sociedade”, provoca. 

 

Além disso, ele questiona a disparidade de tratamento entre sua área de atuação e outras. “A gente percebe que muitas vezes há uma falta de reconhecimento dos governantes com relação a nossa categoria. É como se alguns setores da economia fossem mais preteridos. Por exemplo, eu não consigo entender por que templos religiosos podem funcionar e eventos de pequeno porte com a mesma capacidade não”, compara. “A gente não entende como é que nos aeroportos os aviões estão lotados, sem seguir qualquer medida de distanciamento, nos transportes públicos e no comércio a mesma coisa, e, no entanto, os profissionais de cultura não podem trabalhar”, critica o presidente da Abape, convencido da necessidade de mostrar ao poder público e à sociedade “que existe toda uma cadeia de profissionais que estão diretamente prejudicados e passando necessidade”.

 


O presidente da Apabe é proprietário da Allcance Produções | Foto: Divulgação

 

Empenhado nessa “missão”, Moacyr Villas Boas conta que desde dezembro conversa informalmente com o prefeito Bruno Reis e que nesta semana esteve com o titular da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult), Fábio Mota. “A reunião foi muito positiva, a prefeitura está totalmente aberta e disposta a dialogar conosco. E aí ficamos com dois deveres de casa: apresentarmos a proposta de um evento modelo seguro que possa ser replicado e também estudarmos, junto com eles, um projeto de lei que possa ser apresentado à Câmara para votação, que isente ou desonere a categoria no que se refere a impostos, pelo menos durante um tempo, para que o setor possa respirar”, adianta o presidente da Abape, informando que já tem reuniões agendadas também com a Empresa Salvador Turismo (Saltur) e a Fundação Gregório de Mattos (FGM), ambas vinculadas à Secult municipal.

 

Para o evento teste negociado com a prefeitura, ele revela que a aposta do setor é o modelo lounge, semelhante ao que foi praticado em termos de drive-in na capital baiana. A ideia é reunir pequenos grupos separados por grades, mas sem carros. “Elas assistem do lado de fora, separadas por grupos, seguindo todos os protocolos, com distanciamento”, explica.

 

Se com a gestão municipal Moacyr garante ter tido total abertura ao diálogo, com o governo do estado ele diz não ter a mesma receptividade. “O que eu posso dizer é que nesse quesito a prefeitura tem abraçado muito mais a classe do que o estado. Isso você pode deixar bem claro, porque é bom que eles saibam”, dispara. Ele alega que desde 2020 vinha conversando informalmente com representantes do governo, a exemplo da secretária de Cultura, Arany Santana, e o diretor da Bahiatursa, Diogo Medrado, mas que até então nada evoluiu.

 

Villas Boas conta que há cerca de duas semanas empresários ligados ao Carnaval conseguiram se reunir com o governador Rui Costa, mas reiterou que este grupo não representa toda a classe. “Fato é que quando tomamos conhecimento da reunião capitaneada por Diogo Medrado, começamos a fazer contato com ele para participar. Ele justificou que naquele momento não cabia, porque era uma reunião específica de alguns empresários que haviam solicitado já há algum tempo, e pediu que enviássemos nosso ofício para pleitear a nossa audiência”, relata. 

 

Ele diz que diante da negativa e ao saber que o governo tem trabalhado na criação de uma comissão para estudar um plano de retomada para o estado, envolvendo gestores de cultura, de saúde e sanitários, além de pessoas ligadas à área de cultura e entretenimento, a Abape formalizou a solicitação, para não ficar de fora desta discussão. 

 

“Enviamos no dia 13 de janeiro para o gabinete do governador, para o próprio Diogo Medrado, na Bahiatursa, para Arany Santana, que inclusive também se mostrou bastante receptiva. A gente deve marcar reunião com ela muito em breve. No entanto, nós fazemos questão de uma reunião com o governador, nós achamos que é muito importante”, insiste o empresário. 

 

Até então, a associação aguarda um posicionamento do executivo estadual, para quem pretende sugerir iniciativas envolvendo o Complexo Teatro Castro Alves. “A gente quer apresentar uma proposta para realização de eventos na Concha Acústica e no Teatro Castro Alves com capacidade reduzida, distanciamento, seguindo os protocolos”, explica Moacyr Villas Boas, acrescentando que a ideia é solicitar também isenção do pagamento da pauta para ocupação destes espaços, com o objetivo de minimizar os impactos para o setor de entretenimento, na retomada das atividades. Isto porque os custos operacionais dos eventos com capacidade reduzida e protocolos sanitários mais rígidos são mais elevados.

 

“A partir do momento que a gente conseguir desenhar e fazer esses eventos teste mostrando que não houve impacto negativo [referente às contaminações pelo novo coronavírus], isso vai gerar segurança para que os demais espaços da Bahia também voltem a funcionar seguindo os mesmos parâmetros”, prevê.

Iphan aborda perspectivas de preservação nos 50 anos de tombamento de Cachoeira
Foto: Reprodução / Prefeitura de Cachoeira

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) promove, entre os dias 25 e 29 de janeiro, o webnário "50 anos de tombamento do conjunto arquitetônico e paisagístico de Cachoeira-BA: conquistas, desafios e novas perspectivas".

 

O evento, que será transmitido pelo canal oficial do Iphan no YouTube, contará com a participação de professores, pesquisadores, representantes culturais e autoridades, para debates em formato de mesas-redondas e apresentações. O webnário contará também com apresentações das filarmônicas Lyra Ceciliana, Minerva Cachoeirana e do grupo Gegê Nagô.

 

O atual chefe do Escritório Técnico do Iphan em Cachoeira, arquiteto e urbanista João Gustavo Andrade, afirma que, ao mesmo tempo em que se celebram os 50 anos deste tombamento, revela-se também importante discutir as conquistas alcançadas nesse período, além de seus impactos na vida da população local. “É fundamental o entendimento da atual relação da comunidade com o bem a fim de sedimentar os instrumentos já existentes em prol da preservação e salvaguarda deste patrimônio cultural, criando-se espaços para discussões de novas formas e perspectivas de proteção e gestão”, reitera.

 

O conjunto urbano de Cachoeira possui cerca de 670 edificações e, além do acervo colonial, a Ponte D. Pedro II, o mercado, a ferrovia e a hidrelétrica são importantes marcos culturais. Em 1756, a riqueza produzida em Cachoeira pela cana de açúcar e pelo fumo ajudou a reconstruir Lisboa, totalmente destruída por um terremoto.  

 

A cidade foi pioneira no movimento emancipador do Brasil, com os batalhões patrióticos liderados por Rodrigo Antônio Falcão Brandão (Barão de Belém) e Maria Quitéria de Jesus, dentre outras personalidades da história nacional. Além do acervo edificado, este conjunto urbano está intrinsecamente ligado a diversas manifestações de natureza imaterial como o samba de roda, a capoeira, os cultos de matrizes africanas e as celebrações das irmandades católicas.

'SSA Mapping' lança convocatória de artistas para mostra aberta 2021
Foto: Reprodução / Instagram

Artistas visuais do Brasil e do exterior vão poder participar de mais uma edição da Mostra Aberta SSA Mapping 2021. Para isso, a organização do evento lançou uma convocatória para que obras de diversas linguagens sejam projetadas na fachada do Arquivo Pu?blico da Bahia.

 

A chamada de trabalhos está aberta até o próximo dia 28 de fevereiro. Os interessados podem  obter outras informações, acessar o regulamento e se inscrever através do link disponibilizado pela mostra (clique aqui).

 

Dentre os formatos que podem ser inscritos estão remixes, fotos sequenciadas e vídeo-dança. Nas duas edições anteriores, 2017 e 2018, criações de variados artistas foram projetadas em locais púbicos da capital baiana como a Praça Municipal, o Campo da Pólvora e o Dique do Tororó.

 

O SSA Mapping tem apoio financeiro do estado da Bahia atrave?s da Secretaria de Cultura e da Fundac?a?o Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministe?rio do Turismo do governo federal.

Semelhança entre figurino de Kamala Harris e Lisa da série 'Os Simpsons' chama a atenção
Foto: Reprodução / F5

A posse do presidente dos Estados Unidos Joe Biden chamou a atenção também por um outro motivo: a roupa da vice-presidente, Kamala Harris.

Porém, engana-se quem pensa que trata-se de alguma crítica ao figurino. O fato é que o traje escolhido parece ter sido previsto pela série "Os Simpsons" em um episódio da 11ª temporada que foi ao ar originalmente no ano 2000.

No episódio e questão, Lisa era a primeira mulher a assumir a presidência do país e usou uma roupa muito semelhante: terno da cor roxa e colar de pérolas, exatamente como Harris na cerimônia da última quarta-feira (20). Em ambos os casos, a posse também acontecia após um governo de Donald Trump. Outra coincidência é que ator Tom Hanks, que participou do evento, também fez participação no filme "Os Simpsons" (2007).

Mas as "previsões" de "Os Simpsons" não são de agora. Em julho de 2020, o CMN (Conselho Monetário Nacional) aprovou o lançamento da cédula de R$ 200, que terá como personagem o lobo-guará.

O assunto foi um dos mais comentados pelos internautas nas redes sociais, e alguns deles lembraram que a nota de R$ 200 não é uma novidade para "Os Simpsons". "Eles também previram isso. No 16º episódio da 25ª temporada, que foi ao ar em 2014, ano da Copa", escreveu um usuário no Twitter.

Com a fama de sempre adivinharem acontecimentos no futuro, a série de desenho animado da Fox continua impressionando os telespectadores. "Chega uma hora que a vida parece ser apenas uma reprodução de 'Os Simpsons', fora da ordem cronológica", brincou outra internauta.

Neste mesmo episódio, os roteiristas também "previram" a derrota do Brasil para a Alemanha. Nos últimos anos, o desenho deu um vislumbre do futuro - incluindo a previsão de que Donald Trump se tornaria presidente dos Estados Unidos.

Eles previram a crise do ebola, smartphones e até Lady Gaga se apresentando no Superbowl. No penúltimo episódio da 8ª e derradeira temporada de 'Game of Thrones', a personagem Daenerys e seu exército tomam Porto Real de Cersei Lannister.

Entretanto, em um momento que parecia que ela estava perdendo a batalha, ela resolveu atacar novamente com seu dragão Drogon e incendiou a capital de Westeros, dizimando a população.

A grande sacada percebida por fãs de "Os Simpsons" foi que eles previram o fato dois anos atrás, em 2017. Em um episódio inspirado na série da HBO, Homer e sua família são colocados em um universo alternativo e, ao final do episódio, um dragão destrói o vilarejo onde mora.

Alguns internautas dizem até que o desenho "previu" o surgimento da ativista ambientalista Greta Thunberg. No seriado, Lisa Simpson é uma jovem engajada em causas como o feminismo e a preservação do planeta.

Em um episódio de 2009, Lisa discursou sobre o aquecimento global para seus colegas e a comparação com o discurso feito por Greta na Cúpula de Ação Climática da ONU em 2019 foi inevitável.

Sexta, 22 de Janeiro de 2021 - 19:00

Giro: Sprint VA’A inova o formato das competições na Bahia

por Adriana Barreto e Cris Montenegro

Giro: Sprint VA’A inova o formato das competições na Bahia
Foto: Divulgação

Provas com percursos de 500m, 1.000m e 1.500m marcaram a volta dos eventos de canoagem em Salvador. A iniciativa da organização do Sprint VA’A foi de três amigos, Leonardo Miranda, Rosvaldo Carmo, (conhecido como Rosca) e Thiago Fonseca, que é responsável pelo espaço Mana Porto da Barra.

Inicialmente era para ter sido uma disputa entre amigos, mas a “comunidade VA’A soteropolitana”, carente de bons eventos mesmo antes da pandemia, aderiu de forma massiva. O jeito então foi limitar as vagas a 40 participantes, de forma a tentar garantir a segurança e saúde de todos. As vagas foram totalmente preenchidas e tivemos as modalidades OC1 e OC2, além da participação dos atletas de Surfski. Para pontuar, os atletas eram obrigados a competir nas 3 distâncias já citadas, prova incomum para OC1, OC2 e Surfski na Bahia, que sempre tem raias mais longas, de no mínimo 6 Km.

O ponto de partida foi em uma área de conservação ambiental, o Parque Marinho da Barra, em frente ao Farol da Barra, um dos cartões postais mais conhecidos de Salvador, seguindo em direção ao Porto da Barra. Apesar dos curtos percursos, foi possível avistar outros pontos conhecidos da cidade, como o Forte Santa Maria, Forte São Diogo e Igreja de Santo Antônio.
O grande destaque do evento foi o atleta Clóvis Nunes, que ganhou as provas de 500m e 1.000m na OC1, garantindo o título nessa modalidade. A segunda colocação foi para Cláudio Britto e a terceira para Leonardo Miranda. A “briga” entre estes mesmos atletas continuou na OC2, onde a dupla Clóvis e Leonardo levou a melhor, vencendo as 3 provas. Na vice liderança, Cláudio Britto e Lucas Costa, que disputaram cada metro do percurso com Mauro Penteado e Eduardo Perez, dupla que acabou ficando com a terceira colocação.
A raia feminina surpreendeu pela quantidade de participantes inscritas, um total de onze mulheres, número pouco comum para os padrões locais. A vitória foi de Paloma Sapucaia, que venceu as três provas, seguida por Jéssica Rollemberg e Leilane Sother. Já no Surfski, modalidade convidada, Bruno Machado não deu espaço a ninguém, abrindo ampla vantagem nos três percursos. A segunda colocação ficou para Danilo Queiroz e terceira para Lucas Von Beckerath.
 A organização tem a intenção de fazer mais três etapas do Sprint VA’A, sendo uma em cada estação do ano e, se depender da adesão dos atletas, as etapas serão confirmadas, pois a repercussão foi muito boa.
O Sprint VA’A teve apoio de Villa Forma Academia, Mana Porto da Barra, Tia Sônia Alimentos e da maioria dos clubes de Salvador, que se uniu para fazer um belíssimo evento, de forma responsável, em prol do esporte.

Sexta, 22 de Janeiro de 2021 - 18:50

Cartunista Laerte Coutinho testa positivo para Covid-19

Cartunista Laerte Coutinho testa positivo para Covid-19
Foto: Reprodução / YouTube

A cartunista Laerte Coutinho testou positivo para o novo coronavírus (Covid-19). A informação foi divulgada pela própria artista com uma publicação nas redes sociais na tarde desta sexta-feira (22). 
 

"Gentes queridas, peguei covid. Estou sob bons cuidados e a evolução está satisfatória", disse Laerte na postagem. "Fico grata pelas emanações e preocupações!", completou, recomendando aos seguidores que utilizem máscara, lavem as mãos e cumpram o isolamento social caso seja possível.

 

Fãs e amigos de Laerte desejaram uma boa recuperação para ela nos comentários da publicação. "Melhoras, querida!", escreveu o parceiro de longa data e também cartunista Adão Iturrusgarai.

 

 

Conhecida por criações no universo das charges e dos cartoons brasileiros, Laerte tem 69 anos e publicações nos principais veículos de comunicação do país. No seu repertório estão personagens como Suriá, Muriel e Os Piratas do Tietê.

Cineasta Larissa Fulana de Tal é a próxima convidada da 'Live de Roteiristas'
Foto: Divulgação

A próxima “Live de Roteiristas” recebe Larissa Fulana de Tal neste sábado (23), às 16h, com a abordagem “Tema Negro, Negro Tema”, que traz a discussão da negritude e seus espaços no mundo do audiovisual.

 

Mulher negra, nascida em Salvador e tem formação em cinema pela Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB), Larissa também é diretora de criação na produtora Olhos Abertos Audiovisual e atualmente segue como Conselheira da Região Nordeste na Associação de Profissionais Negros da Audiovisual (APAN). 

 

Larissa também é diretora do documentário Lápis de Cor (2014), projeto contemplado pela I Chamada de Curtas Universitários do Canal Futura; diretora do curta-metragem Cinzas, inspirado no conto de Davi Nunes, contemplando no Edital Curta Afirmativo (2012). Ela assinou a direção Geral da série documental Diz aí! Afro e indígena do Canal Futura (2018) e atua nas áreas de criação, direção e montagem.   

 

A edição deste ano da "Live de Roteiristas" vai contar com 15 encontros e 15 convidados, distribuídos em 30 horas de conteúdo. O projeto pretende dar continuidade aos momentos que marcaram sua primeira edição, em 2020, quando mais de 20 convidados diferentes participaram dos bate-papos.

 

Para participar do evento, a pessoa interessada poderá fazer inscrição através do e-mail: vamosfazercoisasjuntos@gmail.com. As inscrições são gratuitas.

Plataforma disponibiliza livros da coleção 'Feminismos Plurais' gratuitamente
Coleção é coordenada pela filósofa Djamila Ribeiro | Foto: Companhia das Letras

A plataforma Eu Faço Cultura vai distrbuir cerca de 500 exemplares impressos de livros da coleção Feminismos Plurais. Coordenada pela filósofa Djamila Ribeiro, as obras trazem reflexões de autores negros sobre racismo, feminismo, estética, religião, empoderamento e encarceramento.

 

A coleção é composta de oito volumes. Podem realizar o resgate na plataforma os alunos de escolas públicas, beneficiários de programas sociais do governo federal, população de baixa renda, jovens de 15 a 29 anos portadores da Identidade Jovem, idosos, portadores de necessidades especiais e seus acompanhantes e microempreendedores individuais e representantes de organizações não-governamentais.

 
“Lugar de Fala”, de Djamila Ribeiro, é o primeiro volume da coleção. O livro faz uma reflexão sobre quem tem direito à voz numa sociedade estruturada e machista, em que os brancos estão no topo da pirâmide e as mulheres negras na base. “Lugar de fala não é impedir alguém de falar, é dizer que outra voz precisa falar”, explica a autora.

 

A questão racial é tratada em dois volumes: “Racismo Recreativo”, de Adilson Moreira, e “Racismo Estrutural”, de Silvio Almeida. Adilson Moreira cita o ambiente de trabalho e programas de televisão em que há casos de discriminação racial, mas não são tratados dessa forma. Silvio Almeida analisa o sistema de organização da sociedade que cria condições desiguais para o negro.

 

História e religião estão no foco de dois babalorixás: Sidnei Nogueira, autor de “Intolerância Religiosa”, e Rodney William, autor de “Apropriação Cultural”. Nogueira apresenta um histórico da intolerância religiosa no Brasil, desde a chegada dos portugueses e dos jesuítas até a ascensão das religiões evangélicas. William escreve sobre a aculturação dos costumes dos povos escravizados e defende um debate amplo, saindo do comum. 

 

O olhar feminino está presente em mais três obras: “Interseccionalidade”, de Carla Akoterine, “Encarceramento em massa”, de Juliana Borges, e “Empoderamento”, de Joice Berth. Carla Akoterine e Juliana Braga analisam a condição negra e a opressão da sociedade, desde o período colonial, quando escravos eram oprimidos pelos proprietários, com a permissão da Justiça. Joice Berth escreve sobre o empoderamento coletivo e individual, e como a estética negra é desvalorizada.

Sexta, 22 de Janeiro de 2021 - 15:00

GastrôBahia: La Bottega é mais um espaço anunciado na Villa San Luigi

por Cris Montenegro

GastrôBahia: La Bottega é mais um espaço anunciado na Villa San Luigi
Gabriel Carvalho e Marcelo Reis

O empresário Marcelo Reis, à frente do La Pasta Gialla e da pizzaria Acqua & Farina – que acaba de ganhar uma franquia em Curitiba (PR) – apresenta novidades já neste início de 2021. Ele se juntou a Gabriel Carvalho, fundador e idealizador da Villa San Luigi, na Pituba, ao lado da esposa Jéssica Duarte, e ao chef Neto Perna, no La Bottega Antipasti & Vino.

 

O bar ocupará o terraço da vila de inspiração italiana na Rua Amazonas e buscará fortalecer o consumo de vinhos de qualidade em Salvador, acompanhados de tapas italianas. Além do La Bottega, o restaurante Pepo, comandado pelo chef Peu Mesquita, será inaugurado no espaço. A previsão é de que os dois ambientes sejam abertos ao público até o final de fevereiro.

 

A Villa San Luigi ainda abriga uma unidade da Coffeetown Salvador, a Savana Floricultura e a Mahi, loja de Resort & Beach Wear. As três operações já funcionam desde o dia 12 de janeiro.

Soulja Boy, de 'Kiss me Thru the Phone', é acusado de estupro por sua ex-assistente
Foto: Divulgação

O rapper americano Soulja Boy, autor de hits como "Kiss Me Thru the Phone" e "Crank That (Soulja Boy)", está sendo processado por estupro e pelo que seria equivalente ao atentado violento ao pudor -"sexual battery", em inglês- por sua ex-assistente pessoal.

Segundo o jornal britânico The Guardian, a mulher, que não é identificada na reportagem, acusa o artista de a trancar num quarto por três dias e a estuprar repetidamente. Ela também afirma que o músico abusou física e verbalmente dela, além de reter os pagamentos a que tinha direito.

No processo, a assistente diz que começou a trabalhar com o rapper em 2018 e passou a se relacionar amorosamente com ele em janeiro de 2019. Os abusos teriam começado no mês seguinte e continuado até agosto de 2020.

Soulja Boy, cujo nome verdadeiro é DeAndre Way, negou as acusações. "Ele não bateria ou colocaria as mãos numa mulher... Isso é um absurdo", disse um representante do músico ao site TMZ.

A advogada da suposta vítima, que busca uma indenização e um julgamento com júri, afirmou que sua cliente está "traumatizada e preenchida de medo" pelas ações de Way.

A carreira de Soulja Boy estourou em 2007, quando "Crank That (Soulja Boy)" chegou ao topo das listas de músicas mais ouvidas nos Estados Unidos. No ano seguinte, "Kiss Me Thru the Phone" alcançou o terceiro lugar.

Não é a primeira vez que o rapper enfrenta problemas com a Justiça. Em 2014, ele já havia sido condenado por porte ilegal de arma. Depois de quebrar sua liberdade condicional, em 2019, ele foi condenado a oito meses de prisão e libertado após cumprir três.

Sexta, 22 de Janeiro de 2021 - 14:00

Giro: Mioma em pauta

por Adriana Barreto e Cris Montenegro

Giro: Mioma em pauta
Foto: Divulgação

Um problema comum e bastante silencioso. Os miomas atingem em média de 33 a 50% das mulheres em idade reprodutiva. Eles nada mais são que tumores benignos que se desenvolvem pelo crescimento anormal de células do próprio músculo uterino da mulher e, se não observados, podem chegar a causar a infertilidade.
O risco está no fato de que muitas dessas mulheres demoram em identificar a doença. Boa parte delas não realiza acompanhamentos constantes com especialistas e, simplesmente confunde os sintomas dos miomas, com aqueles da menstruação. "Como em tudo o que envolve saúde, o mais recomendado é que a mulher conheça seu próprio corpo e seja capaz de identificar quando algo está fora do eixo. Se o plano for ter filhos no futuro, não demorar de investigar cada detalhe associado", alerta a médica do IVI Salvador, Dra. Andreia Garcia.
O mioma pode causar infertilidade devido ao seu tamanho ou ainda por causa da sua localização. Ambos os fatores podem deformar a cavidade endometrial, comprometendo a gestação. Além disso, alguns tipos de miomas - como os submucosos – aumentam ainda as chances de aborto de repetição.
 

'Zona Mundi': TVE exibe shows de Livia Nery e Aeromoças e Tenistas Russas neste sábado
Foto: Divulgação

A TVE Bahia exibe, neste sábado (23), a sétima edição do “Zona Mundi - Circuito Eletrônico de Som e Imagem”, voltado para experimentações nas performances audiovisuais. A partir das 18h30, o público poderá conferir no Palco TVE os shows da banda paulistana Aeromoças e Tenistas Russas - ATR e da cantora baiana Lívia Nery.

 

A banda ATR é um projeto de música instrumental que mistura rock e eletrônica, com “pegada dançante”. No disco “Mundi”, lançado em 2020, o grupo inova trazendo vocais e participações de diversos artistas. Já a cantora, compositora e produtora Livia Nery, apresenta seu mais recente trabalho, o disco “Estranha Melodia”, que mescla a música eletrônica com o cancioneiro de um “Brasil brejeiro”. 

 

Todos os shows poderão ser acompanhados pelo também pelo portal www.tve.ba.gov.br/tveonline.

Sexta, 22 de Janeiro de 2021 - 12:50

Boca Livre racha de vez com saída de mais um integrante por causa da vacina

por Thiago Bethônico | Folhapress

Boca Livre racha de vez com saída de mais um integrante por causa da vacina
Maurício Maestro, à esquerda, foi o pivô da cisão | Foto Divulgação

Quatro dias após os músicos Zé Renato e Lourenço Baeta anunciarem suas saídas do Boca Livre, foi a vez de David Tygel deixar o grupo.

"Depois de pensar, de sofrer, de me reservar ao direito de sonhar, de me respeitar... Abandono esse projeto que criei com tanto carinho", escreveu o artista em sua rede social, nesta quarta-feira (20).

Assim como seus ex-colegas de quarteto, Tygel disse ter tomado a decisão por divergências ideológicas com Maurício Maestro, que teriam chegado ao limite após o músico dizer que não iria se vacinar contra o coronavírus.

Segundo Tygel, a presença de uma pessoa no grupo que se identifica com uma postura antivacina encerra qualquer possibilidade de eles trabalharem juntos. "Eu sou totalmente a favor da vacina, então houve um corte na relação com o Maurício. Esse Boca Livre que as pessoas tanto se identificaram, e para o qual eu dei 40 anos da minha vida, esse Boca Livre não existe mais", disse por telefone.

Maestro é apoiador de Jair Bolsonaro (sem partido) e, nas redes sociais, costuma compartilhar publicações de aliados do presidente. Entre as mais recentes, há um vídeo do blogueiro Allan dos Santos, que é investigado no inquérito da fake news no Supremo Tribunal Federal, e outro de Olavo de Carvalho, considerado um guru dos bolsonaristas.

Procurado, ele disse que não iria comentar a saída de Tygel do grupo, a qual chamou de "decisão pessoal".

Parceiros mais antigos do quarteto, David Tygel e Maurício Maestro frequentaram o mesmo colégio no Rio de Janeiro e, em 1966, formaram o grupo Momento 4uatro. Após o encerramento do conjunto, os dois ficaram um período separados antes de fundarem o Boca Livre em 1978.

Tygel explica que foi essa relação de longa data com Maestro que o fez pensar duas vezes antes de deixar o quarteto com Zé Renato e Lourenço Baeta. Segundo ele, ainda passava em sua cabeça a possibilidade de continuar com o Boca Livre apesar das discordâncias. "Isso era uma loucura minha obviamente, mas fez com que demorasse alguns dias até tomar minha decisão", afirmou.

O músico disse que telefonou para o colega para conversar sobre a situação. "Eu disse 'Maurício, essa sua posição realmente nos afasta ideologicamente, nos afasta politicamente e nos afasta pessoalmente, porque é impossível conciliar a arte e a vida num momento em que você está defendendo uma posição que não é nem uma questão de política, é uma discussão de genocídio", disse.

Com isso, o quarteto vocal carioca formado há mais de 40 anos perde três integrantes. Como a marca pertence a Maestro, ainda não se sabe se ele vai manter o Boca Livre ativo.

Por enquanto, Tygel diz que seguirá com os trabalhos de professor universitário e como compositor de músicas para filmes.

"Eu estou fazendo trilhas para dois longas-metragens e sou um professor realizado: tenho mais de 150 alunos por semana aqui no Rio de Janeiro. No momento, não tem nem como pensar em trabalhar em um [novo] grupo vocal", afirmou.

Já em relação a Maurício Maestro, a quem chama de "um gênio musical e grande companheiro", ele diz ter esperança de que as coisas mudem. "Espero que um dia caia a ficha do Maurício e ele possa seguir a vida dele com mais abertura, revendo essa posição em que ele se encontra, mas eu não tenho controle sobre isso. E como eu não tenho esse controle, a melhor decisão foi sair do grupo", comentou.

Sexta, 22 de Janeiro de 2021 - 11:40

Bruno evita cancelar Carnaval de Salvador, mas acha difícil festa acontecer em julho

por Jade Coelho / Bruno Luiz

Bruno evita cancelar Carnaval de Salvador, mas acha difícil festa acontecer em julho
Foto: Elias Dantas/ Ag. Haack/ Bahia Notícias

Após o prefeito Eduardo Paes (DEM) dizer que não haverá Carnaval no Rio de Janeiro em 2021 (veja aqui), o prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), preferiu adotar cautela ao não oficializar o cancelamento da festa este ano. Entretanto, afirmou ser remota a possibilidade de a folia acontecer em julho, como vem sendo cogitado por outras capitais brasileiras. 

 

O prefeito lembrou os atrasos no cronograma de vacinação contra Covid-19, provocados pela falta de doses suficientes para distribuição a estados e municípios, torna improvável a possibilidade de imunização em massa da população soteropolitana até junho, em um prazo no qual seja seja possível planejar o Carnaval para julho. 

 

“Eu prefiro ser mais conservador no posicionamento [de não cancelar o Carnaval]. Mas não tenha dúvidas que Carnaval só poderá ocorrer após imunização em massa, dos 3 milhões de moradores de Salvador serem vacinados. Diante do cenário que hoje está colocado, de cronograma para fornecimento da vacina, da dificuldade de aquisição da vacina, é fácil imunizar todo mundo até o mês de junho pra que a gente pudesse ter 45 dias, dois meses para realizar o Carnaval? Não”, afirmou Bruno.

 

Apesar da tendência, Bruno disse preferir aguardar “o desenrolar dos fatos” para tomar uma decisão. Ele também cogitou a possibilidade de a festa ser realizada mais próxima a fim do ano.

 

“A tendência é o processo de imunização não estar concluso em seis meses. Vai depender da vacina. Por isso, a tendência é que não ocorra em julho. Pode ser em outubro? Pode, mas pode ser que não tenhamos condição de realizar esse ano. Iremos fazer no momento em que for possível fazer”, declarou.

Rapper Filipe Ret é detido pela polícia com 65 g de maconha em rodovia do Rio
Foto: Divulgação

O rapper Filipe Ret foi detido pela Polícia Rodoviária, na noite desta quinta-feira 21), quando trafegava na Via Lagos (RJ 124), no Rio de Janeiro.

 

De acordo com informações do jornal O Dia, os agentes estavam em operação quando abordaram o veículo conduzido pelo artista, um Audi/Q3. 

 

Segundo a publicação, durante a abordagem foram encontrados 65 g de maconha na bagagem de Filipe, que confessou a posse das drogas para uso pessoal e disse estar a caminho para Búzios, na Região dos Lagos. 

Sexta, 22 de Janeiro de 2021 - 09:50

Atriz que interpretou Danielle Rousseau em 'Lost', Mira Furlan morre aos 65 anos

por Jamile Amine

Atriz que interpretou Danielle Rousseau em 'Lost', Mira Furlan morre aos 65 anos
Foto: Divulgação

Intérprete da personagem Danielle Rousseau na série “Lost”, a atriz croata Mira Furlan morreu aos 65 anos, na última quarta-feira (20). O anúncio foi feito em suas redes sociais, junto com um texto de despedida assinado pela artista, uma imagem com as datas de nascimento e da morte, além de uma foto dela sorridente. A causa do falecimento não foi informada.

 

"Eu olho para as estrelas. É uma noite clara e a Via Láctea parece muito próxima. É para lá que vou em breve. 'Somos todos restos de estrelas', me lembro da fala da Delenn no roteiro do Joe. Não é uma perspectiva ruim. Eu não tenho medo. Enquanto isso, vou fechar os olhos e sentir a beleza ao meu redor. E vou respirar debaixo do céu cheio de estrelas. Respire. Expire. É isso", diz o texto.

 

Além do papel em “Lost”, Mira Furlan atuou ainda a embaixadora Delenn, em "Babylon 5". Com este trabalho, ela venceu Universe Reader's Choice Award de melhor atriz coadjuvante em série de TV, em 1996. 

 

Sua estreia no cinema foi no filme iugoslavo "Quando papai saiu em viagem de negócios" (1985), de Emir Kusturica. O longa-metragem ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes em 1985 e foi também indicado ao Oscar de melhor filme em língua estrangeira.

 

Sexta, 22 de Janeiro de 2021 - 08:50

Saiba por onde Belchior passou depois que deixou a família e os palcos

por Lucas Brêda | Folhapress

Saiba por onde Belchior passou depois que deixou a família e os palcos
Foto: Divulgação

Em dezembro de 2013, Belchior e a companheira, Edna Prometheu, estavam havia dois meses morando de favor na casa de um fã. Desde 2007, o cantor cearense vinha sumindo da vida pública e também da própria família, perambulando pelo sul do Brasil e pelo Uruguai.

Naquele fim de ano, o professor de filosofia que o hospedara tinha uma viagem marcada para a Europa com a mulher. Deixaria Belchior e Edna com a filha adolescente por alguns dias, até que se deparou com uma reportagem da revista Época.

"A divina tragédia de Belchior" trazia uma investigação do exílio do cantor e revelava a existência de dois mandados de prisão contra ele, em razão de processos de pensão alimentícia movidos por sua ex-mulher. Com a revista em mãos, o hospedeiro pediu a Belchior que deixasse sua casa.

"Senti arrependimento", diz Marcelo Bortoloti, autor da reportagem e coautor de "Viver é Melhor do que Sonhar", novo livro em que ele e a jornalista Chris Fuscaldo buscam os caminhos e os motivos de Belchior no exílio. "Escrevi sem pensar nele. Pensei num tipo de sucesso que a matéria poderia fazer. Quando a gente é jovem, vai pisando nas coisas."

Sem casa para ficar, Belchior passou a noite de 24 de dezembro daquele ano no antigo prédio da rádio Santa Cruz, em Santa Cruz do Sul, no Rio Grande do Sul. O lugar, onde havia trabalhado um radialista --fã que também já havia abrigado o cantor--, estava abandonado e vazio. O casal tinha que ir até a casinha dos fundos, onde ficava o vigia, para usar o banheiro, e dormia em um colchão ganhado.

No livro, Bortoloti e Fuscaldo chamam a reportagem de 2013 de "mesquinha e sensacionalista". Mas ela foi o pontapé inicial do trabalho da dupla, que desde 2015 vem perseguindo os passos do artista.

Em 2017, Belchior morreu depois de quase dez anos dessa vida às sombras que ele havia escolhido levar desde que foi abandonado gradativamente a rotina de shows, o escritório, o apartamento e o carro em São Paulo. Em 2007, se separou da ex-mulher, passou a morar com Edna e fez o último contato com a família. Em 2009, partiu de vez para o Uruguai.

Nesse período, correu da imprensa e da Justiça, fez dezenas de amigos, viveu num acampamento de agricultores, numa espécie de comunidade hippie e até num mosteiro. Também deu incontáveis calotes, deixou pertences por onde passou, lamentou o impeachment de Dilma Rousseff (PT), dedicou-se aos desenhos e nunca deixou de pintar de preto o bigode e os cabelos.

Um momento difícil do trajeto de Belchior foi quando ele dormiu embaixo da ponte. Era 2012, o cantor havia passado um tempo em um hotel na cidade uruguaia de Artigas, época em que conseguia pagar as contas com os cerca de R$ 40 mil mensais que recebia de direitos autorais, mas a Jutiça bloqueou suas contas.

Depois de cinco meses sem pagar o hotel, saíram de lá --ele e Edna-- só com a roupa do corpo. Dormiram numa área pública debaixo da Ponte Internacional da Concórdia, que liga os dois países, e só no dia seguinte encontraram um novo fã a fim de abrigá-los.

"É quando a fuga vai virando uma tragédia", diz Bortoloti. "Caminhando naquela ponte, dava a sensação do desamparo dele naquele momento. Ele perdeu muita coisa e decidiu ir adiante no isolamento."

No exílio, apesar de ter gravado em 2011 um DVD nunca lançado com o pianista João Tavares Filho, Belchior mal pegou no violão. Ele tinha um medo --alimentado ou, pelo menos, externado por Edna-- de ser reconhecido. O casal dizia estar sendo perseguidos pela Globo, que havia encontrado o cantor e o exposto em duas matérias no Fantástico, uma em 2009 e outra em 2012.

Curiosamente, não foi numa comunidade alternativa de jovens no centro de Porto Alegre a única vez que Belchior cantou para hóspedes. O cantor, que foi seminarista, só soltou a voz para as freiras.

As mais velhas das irmãs beneditinas no Mosteiro da Santíssima Trindade, em uma montanha perto de Santa Cruz do Sul, sequer conheciam Belchior. Durante alguns dias, à noite, contudo, ele pegou o violão para tocar e cantar "Paralelas" e alguns de seus sucessos gravados por Elis Regina. Belchior e Edna viviam prometendo um retorno triunfante aos palcos, motivo pelo qual recusavam todas as propostas para que ele tocasse e ganhasse dinheiro. Ele recusou uma proposta milionária para participar da propaganda de uma marca de carros que tinha um modelo retornando às lojas.

Galeria Belchior no Uruguai Veja as fotos do cantor Belchior no Uruguai https://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/nova/50454-belchior-no-uruguai *** "Os fãs queriam ter o ídolo um pouco pra eles. Quando viam que ele não ia cantar, que a relação era de ser humano, mandavam embora", diz Fuscaldo.

As dívidas haviam tornado a volta de Belchior um problema. Mas a falta de movimentação do cantor, que passava os dias lendo, desenhando ou só se escondendo, despertava a desconfiança dos hóspedes --quase todos fãs do artista.

No livro, Fuscaldo e Bortoloti levantam hipóteses. Belchior poderia ter alguma doença, estar com vergonha, depressão, talvez tivesse um desejo franciscano de buscar o recolhimento, mágoa com a mídia ou quisesse compensar a curta obra que deixou entrando para a história de outra maneira.

Uma dessas hipóteses atribui o exílio a Edna. Era ela quem dizia os "nãos", assumia as brigas e dedicava a vida para cuidar do cantor. Ele nunca contrariava a companheira, que acumulava calotes, tinha habilidade para despistar repórteres e ganhou a fama de uma Yoko Ono responsável por desvirtuar a trajetória de sucesso de um ídolo.

Galeria Memórias de Belchior Josely Teixeira Carlos conta sobre o cantor que também sabia latim. "Ela tentava organizar eventos, mas não conseguia. Não é uma Paula Lavigne. E nem uma Yoko Ono, que aliás não é culpada de nada também. Belchior quis fazer tudo isso."

No fim, Belchior acabou como uma figura ainda mais mítica depois do exílio --e de sua morte. "Ele sai do jogo do mercado, da sociedade e faz um movimento quase anárquico de ruptura. Isso faz dele um herói. Ele vira um mito. E com certeza isso vai pesar na apreciação da obra", diz Bortoloti.

Gal Costa lança novos singles em parceria com Silva e o português António Zambujo
Foto: Divulgação

Depois de parcerias com Rodrigo Amarante, Zeca Veloso, Seu Jorge, Zé Ibarra, Rubel, Jorge Drexler, Criolo e Tim Bernardes, Gal Costa lançou, nesta sexta-feira (22), dois singles em duo com Silva e o cantor português António Zambujo.

 

Com Silva, Gal já havia dividido o palco, em fevereiro de 2020, pouco antes da pandemia, durante o show “A Pele do Futuro”, em cartaz na Concha Acústica do TCA, na capital baiana. Com ele, a artista regravou “Só Louco”, lançada originalmente no disco “Gal canta Caymmi”, de 1976.

 

“Se alguém me dissesse que um dia eu cantaria Caymmi com Gal, eu provavelmente não acreditaria. Foi uma honra cantar ‘Só Louco’, uma das canções mais bonitas da música brasileira, com uma das minhas vozes prediletas no mundo”, comentou o artista capixaba.

 

Já com António Zambujo, ela cantou “Pois é”, de Tom Jobim e Chico Buarque, gravada originalmente no álbum “Água viva” (1978). “Cantar com a Gal é cantar com uma lenda! Um sonho tornado agora realidade, cantando uma música de Tom! Melhor impossível!”, declarou o artista português.

 

As músicas são as duas últimas faixas do novo álbum da artista baiana, que tem título provisório de “Gal 75” e tem lançamento previsto para 12 de fevereiro, pela Biscoito Fino. O álbum conta com releituras de canções que marcaram a discografia da cantora e tem direção artística de Marcus Preto. 

 

Ouça as músicas:

 

Sem Carnaval, prefeitura de Salvador renova locação de banheiros químicos, mas volta atrás
Foto: Júnior Improta / Ag. Haack / Bahia Notícias

A prefeitura de Salvador chegou  a estender por mais 12 meses o contrato para a locação de banheiros químicos “para o carnaval, eventos e festas populares”, de acordo com publicação divulgada na edição da última quarta-feira (20) do Diário Oficial do Município (DOM). No entanto, nesta quinta-feira (21), a Secretaria de Ordem Pública (Semop) tornou sem efeito o quarto aditivo de contrato.

 

Segundo a publicação, o vínculo seria de R$ 19.666.400, com início no dia 14 deste mês, com a empresa BF Serviços Ambientais Eireli. O contrato foi assinado pela nova titular da pasta, Marise Chastinet.

 

Vale destacar que o serviço não incluiria somente a locação para eventos festivos, mas também para “manutenção de sanitários públicos fixos, dependentes da rede de água, esgotamento sanitário e de energia elétrica, instalados e a serem instalados em logradouros públicos” da capital baiana.

 

Ao Bahia Notícias, a assessoria de imprensa da Semop indicou que a publicação no diário oficial foi tornada sem efeito por conta de um erro técnico na publicação. A pasta ainda informou que a secretária irá revisar o contrato para que o vínculo seja novamente assinado. Portanto, mesmo sem a realização de festividades em Salvador por conta da pandemia da Covid-19, a prefeitura deve manter o acordo de locação para eventos deste tipo, conforme objeto especificado pela própria gestão municipal no resumo do aditivo contratual posteriormente tornado sem efeito.

 

VAI TER CARNAVAL?
A festa momesca de 2021 foi adiada na capital baiana ainda na gestão do ex-prefeito ACM Neto (DEM). Neste ano, Bruno Reis (DEM), no entanto, sugeriu que o evento poderia acontecer, de forma reduzida, no mês de julho, em conjunto com cidades como Rio de Janeiro e São Paulo, que possuem gestores aliados políticos – Bruno Covas (PSDB) e Eduardo Paes (DEM) (leia mais aqui).

 

Contudo, nesta quinta, o prefeito do Rio descartou carnaval na cidade em julho, em meio à segunda onda do coronavírus no país (leia mais aqui). O BN tentou contato com Bruno Reis para saber qual vai ser o posicionamento de Salvador, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria.

 

TRÊS ANOS DE VÍNCULO
O contrato entre o município e a empresa responsável pelos banheiros químicos foi fechado no dia 27 de outubro de 2017, com valor de R$ 20.429.788. Em dezembro de 2018, um aditivo de dois anos foi fechado pelo valor de R$ 39.332.800, e firmado até o dia 12 deste mês. Desta forma, até o momento, a BF Serviços Ambientais embolsou R$ 59.762.588, segundo as somas dos valores disponibilizadas pelo portal da transparência do município. 

'Valsa Salvador': Grupos da capital baiana podem se inscrever em festival até dia 30
Foto: Mauro Akin Nassor

A primeira edição do Valsa Salvador está com as inscrições abertas até o dia 30 de janeiro. O festival on-line tem o intuito de atrair grupos de valsa da capital baiana para trazer a riqueza e energia da categoria de dança através dos jovens e adultos. A inscrição é gratuita e pode ser realizada através do formulário disponibilizado pela organização (clique aqui).

 

Para se inscrever, os grupos devem enviar um vídeo com duração de 1 a 3 minutos, com no mínimo dois bailarinos em uma das músicas que constam no regulamento do evento. Todos os grupos selecionados receberam um cachê por suas participações mais o prêmio em dinheiro e o troféu para os melhores do dia.

 

O concurso virtual acontecerá no dia 11 de abril e terá transmissão ao vivo pelo canal oficial no YouTube do projeto. Além do concurso, haverá uma oficina de produção cultural para os dirigentes dos grupos de valsa.

 

“A categoria valsa de concursos já existe há mais de 20 anos. No entanto, essa é a primeira edição do Valsa Salvador trazendo consigo a versão virtual, por conta da pandemia. Temos como objetivo movimentar a categoria da valsa, fazendo com que os grupos que passaram o ano de 2020 parados se movimentem. Sendo assim, movimentarão também a arte e a cultura no meio jovem das periferias”, afirma uma das produtoras, Adrielle Couto.

Encontro de Cheganças e Marujadas homenageiam Dona Bete, mestra da cultura popular
Foto: Divulgação / Samuel Macedo

Homenageando Dona Bete, uma das mestras da cultura popular, o grupo Cheganças de Arembepe vai realizar, no dia 30 de janeiro de 2021, às 15h, o Encontro de Cheganças e Marujadas. 

 

Responsável por, juntamente com outras mulheres, organizar a chegança feminina com o intuito de manter viva essa manifestação cultural na região de Arembepe, Dona Bete atua desde 2002 coordenando mulheres da comunidade, que tocam pandeiros, bailam como o balanço das embarcações e cantam músicas que contam histórias de marujos em alto-mar e a devoção aos Santos protetores.

 

Além da Chegança Feminina de Arembepe, ela também atua em outros grupos culturais da sua localidade e da região do Recôncavo baiano. Entre eles, destacam-se o samba de roda, o terno de reis e a quadrilha junina.

 

O Encontro de Cheganças e Marujadas acontecerá de forma virtual, transmitido no canal do YouTube Cheganças de Arembepe.

'Venha comigo se quiser viver', diz Arnold Schwarzenegger ao tomar vacina contra Covid-19
Foto: Reprodução / YouTube

O ator e ex-governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, 73, se vacinou contra a Covid-19 nesta quarta-feira (20). Ele recebeu sua dose no estádio Dodger Stadium, em Los Angeles, e fez brincadeiras com falas de personagens famosos que já interpretou.

O astro publicou em suas redes sociais um vídeo em que se imuniza e incentivou os fãs a fazerem o mesmo. "Hoje foi um bom dia. Nunca fiquei tão feliz em esperar em uma fila. Se você for elegível, junte-se a mim e inscreva-se para receber sua vacina. Venha comigo se quiser viver!", escreveu.

Sentado no banco do carona, Schwarzenegger pediu para a enfermeira "abaixar essa agulha!" enquanto ela o vacinava. Isso foi um trocadilho com uma fala do filme de comédia "Um Herói de Brinquedo" (1996), quando o ator, que interpretava Howard Langston pede para "abaixar esse cookie!".

Além desse papel, o ator e fisiculturista ficou muito conhecido por fazer a franquia "O Exterminador do Futuro" (1984), filme que ele deu vida ao assassino conhecido como Exterminador, que viaja de 2029 para 1984 com a missão de matar Sarah Connor, interpretada pela atriz Linda Hamilton.

Nos comentários da publicação que o ex-governador fez em seu Instagram, os internautas também brincam com frases ditas por ele. O ator sueco Linus Wahlgren, 44, escreveu "Que tal 'Eu voltarei' para a segunda dose?", em um trocadilho com a fala marcante do filme "O Exterminador do Futuro".

Quinta, 21 de Janeiro de 2021 - 19:00

Giro: Day in paradise

por Adriana Barreto e Cris Montenegro

Giro: Day in paradise
Tairine Ceuta será uma das participantes

Saudando a chegada de 2021 em grande estilo, e apresentando seus roteiros turísticos para o novo ano, a FW Viagens promove no próximo domingo, 24/1, o “Day In Paradise FW Viagens”, em Busca Vida, Litoral Norte da Bahia. O evento, que seguirá rigorosamente todos os protocolos de segurança sanitária exigidos pelas autoridades, receberá jornalistas e influenciadores digitais numa super casa. Para organizar este encontro especial, a FW convidou o jornalista,  produtor cultural e Ceo da agência de comunicação integrada Canal In, Ricardo Henrique. 

Na ocasião, a agenda da empresa será lançada oficialmente. Nela, destinos como Aracaju, Chapada Diamantina, Caldas Novas (GO), Ilhéus (com Tororomba) e Fortaleza podem ser adquiridos de maneira segura e facilitada. Isso porque a empresa dispõe de aquisição via boleto bancário, por exemplo, sem consulta aos órgãos de proteção ao crédito. Além dos modais tradicionais que incluem cartão de crédito, onde o parcelamento pode alcançar até 10 prestações e o pagamento à vista com desconto real. Outra vantagem é a garantia de poder se programar, uma vez que a FW Viagens divulga seus destinos com bastante antecedência. 

Alguns dos arrobas mais badalados da Bahia estarão reunidos neste day in. Por lá o Ruy Candeias (@itboy_), Ronaldo Lima (@babadosbaiano), Nereida Albernaz (Correio* e @eubabadeira), Tairine Ceuta (@tairineceuta e @comsabor), o RP Alan Martins (@alanmartinsrp), o fotógrafo e editor do site Dois Terços Genilson Coutinho (@genilson_coutinho e @doistercos) e os jornalistas Marcos Costa (@marcoscostajr e @sitecurtindoemsalvador), Júnior Moreira (@juniormoreirabordalo e @bahianoticias) e Ricardo Henrique (@rhjpinto e @canalin__) - que também assina o evento, vão aproveitar até o último momento todas as delícias de um dia inteirinho no paraíso. “Recebi com muita alegria o convite para organizar este encontro. Oportunidade de brindar com segurança o novo ano e o sucesso, apesar de tudo, em 2020”, disse Ricardo.

 

Terceiro edição do Enxurrada Casa Preta apresenta En(cruz)ilhada, DJ DMT e Los Perifas
Foto: Divulgação

O espetáculo solo En(cruz)ilhada e os shows de Los Perifas e DJ DMT serão as próximas atrações da terceira edição do Enxurrada Casa Preta. As apresentções acontecem, respectivamente, nos dias 30 e 31 de Janeiro, com transmissão pelos canais de Youtube e Facebook da Casa Preta Espaço de Cultura.

 

O projeto aborda, através da música e do teatro, possíveis trajetos coletivos e de acesso à produções culturais baseadas em diversidade racial, de gênero e religiosa durante quatro meses. 

 

Exibido no dia 30 de janeiro, às 20h, o monólogo En(cruz)ilhada é protagonizado pelo integrante do Bando de Teatro Olodum, Leno Sacramento. Na obra, a vítima não está sozinha e o público é conduzido junto ao ator à várias reflexões sobre vida e morte.

 

Na trama, Leno discute o racismo e as várias mortes simbólicas que envolvem o negro na sociedade. A morte social, cultural, financeira, estética e psicológica. A peça é dirigida por Roquildes Junior.

 

No dia 31 de janeiro, os shows de DJ DMT e Los Perifas vão dar continuidade à programação. O DJ DMT inicia a noite, às 20h, e terá como convidada a Suja de Fato, cantora, MC, compositora, poeta e idealizadora da Batalha das Bruxas.

 

O grupo Los Perifas se apresenta às 21h, na mesma noite, e é formado por Ridson Reis (ator e músico do Bando de Teatro Olodum), Roquildes Júnior e Gabriel Carneiro. O show começa às 21h e vai contar com um repertório formado pela releitura de canções de artistas como Carlinhos Brown, Martinho da Vila, Lenine, Tribalistas, entre outros.

Supla confirma já ter ficado com Ana Maria e fãs brincam com semelhança entre os dois
Foto: Reprodução / TV Globo

Mais do que a descoberta de uma celebridade dos anos 90, a internet agora ficou sabendo de mais um detalhe da vida de Supla. O papito contou para seus seguidores do Instagram que já ficou com uma pessoa bem parecida com ele: Ana Maria Braga.

 

Questionado se já se relacionou com a apresentadora global, o filho roqueiro de Eduardo e Marta Suplicy respondeu com um vídeo em que assente com a cabeça confirmando que sim. 

 

Os comentários que vieram depois foram piadas comparando a aparência dos dois. "Para quem não sabe, a Ana Maria é irmã dele", se divertiu um perfil. Outro comentou: "Claro que já, e saiu o 'Louro' José".

 

A resposta de Supla é apenas mais uma que ele dá para perguntas engraçadas feitas por internautas através de caixas de questionamentos colocadas por ele em seus storys. 

 

Em outra ocasião os fãs chegaram a perguntar se o cantor já havia transado em um avião. Sem papas na língua, ele afirmou que sim. "Se é isso, eu acho que já", disse, misturando o inglês com o português.

Sem aglomeração: Festa de Iemanjá seguirá os mesmos moldes da Lavagem do Bonfim
Foto: Jamile Amine / Bahia Notícias

As comemorações à Iemanjá devem seguir a mesma sistemática da Lavagem do Bonfim, que foi realizada sem cortejo de público, carreatas ou aglomerações. A informação foi dada pelo prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), nesta quinta-feira (21).

 

“Sei que as pessoas têm tradição de ir no Rio Vermelho para colocar as oferendas para Iemanjá. Então, pedimos que isso não ocorra. Que as pessoas possam fazer em outros lugares que não o Rio Vermelho, por conta da pandemia, e sem aglomerações”, disse Bruno Reis.

 

De acordo com o gestor, a prefeitura em breve revelará à população como deverá ser a festa e fez um pedido para que a escolha do presente que será ofertado pelos pescadores no mar – um dos tradicionais ritos do evento - represente a todos os soteropolitanos.

 

Bruno também comentou sobre o feriado de Carnaval (dia 16 de fevereiro). Segundo ele, a decisão se a capital baiana terá ponto facultativo deverá ser discutida pelo poder Executivo municipal junto ao governo do estado. Ele lembrou que há um projeto de lei em tramitação no Congresso Nacional para transferência da data para julho.

 

“A dificuldade é o pouco tempo para aprovação, tendo em vista que o Congresso só retoma suas atividades em 1ª de fevereiro, com eleição nas duas casas. Mas, se será ponto facultativo ou não, vamos discutir com o governo do estado, assim como se haverá prorrogação desse feriado para o segundo semestre”, afirmou.

Histórico de Conteúdo