Mostra Ecofalante faz exibições e debates online para marcar Semana do Meio Ambiente
Foto: Divulgação

A Mostra Ecofalante, que em agosto realiza sua 9ª edição, promove uma programação especial online desta quarta-feira (4) até a próxima terça-feira (9), para celebrar a Semana do Meio Ambiente.

 

A iniciativa contempla a exibição gratuita, por meio plataforma Videocamp, dos filmes “Ruivaldo, o Homem que Salvou a Terra”, de Jorge Bodanzky e João Farkas; “Amazônia Sociedade Anônima”, que tem Estêvão Ciavatta como diretor e Walter Salles como produtor associado; “A Grande Muralha Verde”, que tem produção-executiva de Fernando Meirelles, “O Golpe Corporativo” de Fred Peabody, e “Ebola: Sobreviventes”, de Arthur Pratt.

 

Além das sessões, o evento prevê ainda debates sobre temas como conservação ambiental, mudanças climáticas, economia e saúde. Para os encontros, que serão transmitidos ao vivo pelo YouTube e pelo Facebook, estão confirmadas as participações de Fernando Meirelles, Jorge Bodansky e Estêvão Ciavatta; dos jornalistas Flávia Guerra, Mariluce Moura (Revista Fapesp) e Claudio Angelo (da rede Observatório do Clima); de Adriana Ramos (Instituto Socioambiental – ISA), Paulo Artaxo (cientista, professor da USP), Ladislau Dowbor (professor titular de economia da PUC-SP), Daniel Azeredo (procurador do Ministério Público Federal do Pará) e Silvio Caccia Bava (editor-chefe do Le Monde Diplomatique Brasil).

 

PROGRAMAÇÃO
MOSTRA ECOFALANTE - ESPECIAL SEMANA DO MEIO AMBIENTE
3 de junho (quarta-feira)

19h - Abertura com Chico Guariba e Laís Bodanzky
19h30 - “Ruivaldo, o Homem que Salvou a Terra” - Jorge Bodanzky e João Farkas (Brasil, 2019, 43 min, livre)  *disponibilizado até o final do dia 09/06 (terça-feira)

 

4 de junho (quinta-feira)
17h - “Golpe Corporativo” - Fred Peabody (“The Corporate Coup d’Etat”, Canadá/EUA, 90 min, 2018, livre) e “Ebola: Sobreviventes” - Arthur Pratt (“Survivors”, EUA, 83 min, 2018, 12 anos) *disponibilizados até o final do dia 9/06 (terça-feira).
19h - Debate com Jorge Bodanzky e João Farkas, diretores de “Ruivaldo, o Homem que Salvou a Terra” e mediação de Flávia Guerra.

 

5 de junho (sexta-feira)

15h - Debate "O papel do cinema na comunicação de questões socioambientais" com os diretores Fernando Meirelles, Jorge Bodanzky, Estêvão Ciavatta e João Moreira Salles (a confirmar) e mediação de Flávia Guerra.
17h - “Amazônia Sociedade Anônima” – Estevão Ciavatta (Brasil, 72 min, 2019, livre) *disponibilizado por 24 horas, até às 17h00 do dia 6/06 (sábado).
19h - Debate “Conservação: Ataque ao Meio Ambiente e aos Povos Tradicionais”, com Adriana Ramos (ISA), Daniel Azeredo (procurador do Ministério Público Federal do Pará), mediação de Claudio Angelo e outros nomes a confirmar.

 

6 de junho (sábado)
17h - “A Grande Muralha Verde” - Jared P. Scott (“The Great Green Wall”, Reino Unido, 92 min, 2019, livre) *disponibilizado por 24 horas, até às 17h do dia 7/06 (domingo).
19h - Debate “Mudanças Climáticas: desertificação, conflitos, migrações e outros impactos imediatos", com Fernando Meirelles, Paulo Artaxo, mediação de Daniela Chiaretti (a confirmar).

 

7 de junho (domingo)
19h - Debate “System Error: como o atual sistema econômico leva à destruição ambiental, ao fim do trabalho digno e ao abalo da própria democracia", com Ladislau Dowbor, outros convidados a confirmar e mediação de Silvio Caccia Bava.

 

8 de junho (segunda-feira)
19h - Debate “Saúde - Como Comunicar em Tempos de Crise Sanitária e Fake News?”, com Douglas Rodrigues, Átila Iamarino (a confirmar) e mediação de Mariluce Moura.

Recuperado do acidente, Tagino Gondim comanda live show de forró nesta quinta-feira 
Foto: Divulgação

O cantor Targino Gondim comandará uma live show junina na próxima quinta-feira (4), a partir das 20h, como parte do projeto da Macaco Gordo. Considerado um dos maiores representantes do forró na Bahia, Targino realizará uma apresentação especial com um repertório recheado de sucessos, incluindo regravações e canções autorais.


Na última semana, o artista sofreu um acidente de carro. O veículo em que ele estava capotou próximo à cidade do Conde (BA) (relembre aqui). Vale lembrar que o projeto Macaco Live é reexibido todo sábado a partir das 16h na tela da BAND Nordeste e em Manaus, e o show do cantor irá ao ar no sábado (6), às 16h, no programa #LivecomaBand. 

Terça, 02 de Junho de 2020 - 15:00

GastrôBahia: Dia dos Namorados com um sabor especial

por Cris Montenegro

GastrôBahia: Dia dos Namorados com um sabor especial
Leo e Fernanda Possa | Foto: Divulgação

Conhecido nacionalmente pela sua culinária autoral repleta de sabor, sofisticação e beleza, o Buffet Fernanda Possa inova mais uma vez e traz um menu pra lá de especial para o jantar Dia dos Namorados, comemorado no próximo dia 12 de junho. De entrada, o cliente pode escolher entre mini brie folhado com mel e pétalas de rosa e mini terrine de gorgonzola com geleia de frutas vermelhas e pimenta. Para o prato principal, as opções são filé com molho de cogumelos frescos e ravioli trufado ou conchiglione de bacalhau com molho de tomate e azeitona. Já para a sobremesa, os chefs Fernanda e Léo Possa irão preparar uma taça trufada de chocolate com morango. O valor é de R$260 / custo total casal (uma entrada + um prato principal e uma sobremesa para cada um). Vinho ou espumante à parte. Entregas To Go ou retirada na sede do buffet. Quantidade limitada. Mais informações: 71 99982 8499 (@fernandapossagastronomia)

Osba confirma programação especial de São João, Dia dos Namorados e tributo a Gil
Foto: Divulgação

Dando continuidade às ações da Osbaflix selo criado para levar música ao público na internet, durante o isolamento social, a Orquestra Sinfônica da Bahia (Osba) confirmou uma agenda comemorativa para o mês de junho.

 

“A chegada de junho vem junto com cheiro de comida de milho, com a vontade de arrastar pé ao som de um xote, com a lembrança de bandeirolas esvoaçando e com a fogueira iluminando as ruas e amenizando o friozinho da chegada do inverno”, informou a Osba, em suas redes sociais.

 

A programação inclui um especial dos namorados com participação de Moreno Veloso, o São João Sinfônico e o Abraço da Osba, em homenagem ao aniversário de Gilberto Gil.

 

Confira a programação:

Terça, 02 de Junho de 2020 - 14:00

Giro: Clube Melissa Salvador promove live especial com Samara Souto

por Adriana Barreto e Cris Montenegro

Giro: Clube Melissa Salvador promove live especial com Samara Souto
Samara Souto | Foto: Divulgação

Para embalar o coração dos apaixonados, os Clubes Melissa em Salvador e Feira de Santana vão promover uma live musical que será comandada pela cantora de sertanejo universitário Samara Souto (@samarasoutoficial). A programação acontecerá no dia 06 de junho (sábado) às 16h, no perfil  do Instagram @clubemelissashoppingdabahia e  faz parte do projeto Live Conections, promovido pela marca para entreter os clientes durante o período de isolamento social.

A marca, presente nos principais shoppings da cidade, está no momento operando nos sistemas Delivery e Drive Thru, obedecendo as medidas protetivas orientadas pelos órgãos de saúde. Dentre as principais novidades comerciais está a moderna coleção ‘Dreamers’, além da ação que oferta 20% OFF em pares selecionados e mimos especiais que acompanham as opções de presentes para o Dia dos Namorados. (Por Cris Montenegro)

BTCA faz segunda edição do 'Bate-papo dos Pés à Cabeça' com Dudude Herrmann nesta quinta
Foto: Divulgação / Adriana Moura

O Balé Teatro Castro Alves (BTCA) promove, nesta quinta-feira (4), a partir das 17h, a segunda edição da série “Bate-papo dos Pés à Cabeça”. 

 

Transmitida através do Instagram do BTCA, a live será comandada pela dançarina Mirela França, que recebe a artista mineira Dudude Herrmann. A convidada atua como intérprete, coreógrafa, professora, improvisadora, performer, diretora de espetáculo, escritora, produtora e curadora.

 

O bate-papo tem como proposta engajar reflexões descontraídas pela internet, discutindo aspectos técnicos da linguagem, pensamentos e conceitos que compõem a estética ou a prática do profissional convidado. O público poderá interagir, enviando perguntas que podem ser lidas pelo bailarino mediador.

Fernanda Montenegro critica situação do Brasil: 'Sem a cultura das artes, não existe país'
Foto: Divulgação

Obedecendo as orientações do isolamento social para evitar o contágio e a disseminação do novo coronavírus, Fernanda Montenegro se pronunciou a respeito da conjuntura atual para a cultura no Brasil. “Não sei, só sei que não vou me acalmar. Se eu ainda tiver raciocínio e força, estarei em ação. É uma ambição minha", afirmou a artista, destacando as incertezas sobre o futuro.

 

“Sem a cultura das artes, não existe país. Estamos vivendo uma hora muito desbaratinada. Não temos perfil, estamos jogados fora”, disse a atriz, que segundo o jornal O Globo, tem feito a quarentena ao lado da ilha, Fernanda Torres, e do genro, o cineasta Andrucha Waddington, em Petrópolis, no Rio de Janeiro. “Temos uma linguagem particular. Ganhamos prêmios em todos os cantos do mundo. Uma personalidade cinematográfica, nós temos”, completou.

 

A entrevista completa será exibida no Canal Brasil, em duas edições do Cinejornal, exibidas nesta terça-feira (2), às 21h50, e na quinta (4), às 19h45.

Ex-Glee, Samanta Ware acusa Lea Michele de racismo: 'Disse que cagaria na minha peruca!'
Fotos: Divulgação

Após a adesão de Lea Michele à campanha “#BlackLivesMatter”, em uma postagem no Twitter, sua ex-colega de elenco em Glee, Samantha Marie Ware ironizou sua postura e acusou de racismo. 


"George Floyd não merecia isso. Este não foi um caso isolado e isso deve acabar #VidasNegrasImportam", escreveu Lea, em referência ao caso do homem negro morto por um policial branco nos Estados Unidos. 

 


Samantha, então, reagiu à publicação. "[Rindo muito]. Você se lembra de quando fez da minha estreia na TV um inferno? Porque eu nunca esqueci. Eu acho que você disse a todo mundo que se tivesse a oportunidade, 'cagaria na minha peruca!', entre outras pequenas agressões traumáticas que me fizeram questionar minha carreira em Hollywood", escreveu a atriz negra.

Museu do Futebol oferece 15 exposições virtuais gratuitas durante pandemia
Foto: Divulgação

Sem poder abrir as portas, por causa da pandemia do novo coronavírus, o Museu do Futebol, situado em São Paulo, criou uma alternativa para que o público possa explorar seu acervo online (clique aqui para acessar). Ao todo, estão disponíveis 15 exposições virtuais sobre temas diversos do universo futebolístico.

 

A mostra mais recente é “Pacaembu – o estádio monumento”, uma homenagem aos 80 anos completados este ano de uma das arenas esportivas mais importantes do país. O público poderá conferir ainda outras exposições sobre temas como a resistência das mulheres no futebol, a história da camisa canarinho da seleção brasileira e a evolução das chuteiras.
 

Confira a lista completa de exposições disponíveis:

Pacaembu – o estádio monumento
Mulheres, desobediência e resiliência
Celebre as Mulheres no futebol brasileiro
Lea Campos, a primeira árbitra
A “Michael Jackson”: Os primeiros chutes
A “Michael Jackson”: livre para jogar
A “Michael Jackson”: Seleção Brasileira e Europa
A “Michael Jackson”: o legado
Mário Américo: massagista das seleções
Estilo em campo: acessórios, cores e tecnologias na moda do futebol
Futebol de papel
O jogo e o povo
A Seleção em Poços de Caldas
A história da Camisa Canarinho: como o amarelo-ouro passou a vestir o Brasil
Chuteiras: a evolução do futebol na ponta dos pés

Terça, 02 de Junho de 2020 - 09:50

Movimento Black Lives Matter nunca esteve tão alinhado à indústria cultural

por Walter Porto e Gustavo Fioratti | Folhapress

Movimento Black Lives Matter nunca esteve tão alinhado à indústria cultural
Foto: Reprodução / Twitter

Num curta lançado neste domingo, o cineasta Spike Lee liga os atuais protestos contra o racismo nos Estados Unidos (clique aqui), que tiveram estopim na morte de George Floyd, vítima da brutalidade policial, ao assassinato de Eric Garner em 2014 e o do personagem Radio Raheem em seu clássico "Faça a Coisa Certa", de 1989.

É a prova de que a indignação que movia Lee há mais de três décadas segue firme e renovada. E, mesmo sendo uma referência, ele não é o único a se valer da arte para expressar revolta com a violência racista.

Desde que o movimento Black Lives Matter ganhou projeção, houve uma imediata disseminação desse tema também no audiovisual. E a frase "I can't breathe", ou não consigo respirar, dita por Garner enquanto era sufocado no revoltante episódio que engatilhou manifestações seis anos atrás, tem se espalhado por letras de música no mundo todo.

Os acontecimentos da última semana, aliás, foram reveladores do quanto a luta antirracismo se embrenhou na indústria da cultura pop. Rádios e gravadoras como Capitol Records e Warner - e até o Spotify - se juntam nesta terça à campanha "The Show Must Be Paused", ou o show tem de parar, que propõe a interrupção de suas atividades em protesto contra a brutalidade que matou George Floyd.

Gigantes do streaming como Netflix e Amazon e estúdios como Warner e Disney, além dos responsáveis pelo Oscar, deram nos últimos dias declarações públicas de denúncia de racismo e defesa da comunidade negra em meio às manifestações que tomam as ruas.

Neste momento de protesto, o retrato da experiência negra em filmes e versos ganha ainda mais contundência. A professora Izabel Cruz Melo, que pesquisa a história do cinema, afirma que obras que procuram narrar casos de racismo existem desde os primórdios dessa arte, mas com visibilidade menor pelo modo como a indústria se organiza.

A forte retomada do tema do racismo no debate público, no entanto, veio junto com a maior circulação de imagens por câmeras de celular, o que, segundo ela, "multiplicou a possibilidade de pessoas negras filmarem e terem espaço de criação". "Isso tem impacto sobre narrativas novas da experiência do que é ser negro."

"Não é uma novidade, na produção dos cineastas negros, falar sobre violência ou abuso", diz, sublinhando que há hoje preocupação em mostrar que pessoas negras têm uma vida para além da violência. "Talvez a novidade seja a sociedade, de forma geral, se dar conta disso quando essas imagens se tornam mais visíveis, na veiculação massiva do noticiário e da internet."

Nos últimos anos, nomes que hoje estão no primeiro patamar do cinema americano, como Ava DuVernay, Barry Jenkins e Ryan Coogler, denunciaram em suas obras a brutalidade policial e o encarceramento da população negra.

"Fruitvale Station: A Última Parada", primeiro longa de Coogler, que dirigiria depois o blockbuster "Pantera Negra", contava a história real do assassinato do jovem Oscar Grant pelas mãos de policiais. A quase simultaneidade com o escândalo de Garner acabou colando o filme no movimento Black Lives Matter, mas o caso retratado era de 2008 --o que serviu para mostrar, por óbvio, que racismo não era novidade.

Barry Jenkins pegou material mais antigo ainda, um livro de James Baldwin de 1974, para contar em "Se a Rua Beale Falasse" a história de um casal negro que é separado quando o homem é preso por um crime que não cometeu. E mesmo seu filme anterior, o oscarizado "Moonlight", tinha um ponto-chave da narrativa na detenção do protagonista negro.

A cineasta Ava DuVernay seguiu "Selma", sua biografia de Martin Luther King, com o documentário "A 13ª Emenda", sobre o aprisionamento em massa da população negra americana. E, depois, sua série multipremiada "Olhos que Condenam" pautava a história real e simbólica de cinco jovens negros presos ao serem erroneamente apontados como responsáveis pelo estupro de uma mulher branca.

São trabalhos de diretores que se consolidaram discutindo a experiência negra e contando histórias particulares que, pela força da narrativa cinematográfica, mostravam por que cada uma daquelas vidas importava.

Outros trabalhos soam como desdobramentos ainda mais evidentes do tempo de Black Lives Matter. É o caso de "Queen & Slim", filme de Melina Matsoukas que reinventa a história de "Bonnie & Clyde" a partir de um casal negro que acaba matando um policial depois de uma abordagem violenta e protagoniza uma fuga midiática pelo país.

Izabel Cruz Melo ressalta também filmes brasileiros que se realizaram em meio a esse contexto, como o curta "Sem Asas", da paulistana Renata Martins, e o documentário "O Caso do Homem Errado", da gaúcha Camila de Moraes.

Isso para não mencionar as séries, que vão desde "Atlanta" - criada por Donald Glover, mesmo responsável por exprimir, como Childish Gambino, a violência racial como fundamento da cultura americana em "This Is America" - até a releitura de "Watchmen", que propôs repensar toda a mitologia dos vigilantes mascarados com base na história dos conflitos raciais nos Estados Unidos.

Na quarta temporada de "Orange Is the New Black", a detenta Poussey é contida por um policial em meio a um protesto pacífico e, imobilizada no chão pelo joelho do guarda, reclama de não conseguir respirar. Não adianta.

A frase "I can't breathe" repete o que disseram Eric Garner, em 2014, e agora George Floyd, em Minneapolis. E entre a morte de um e de outro, ela ecoou também na música. BaianaSystem, Radiohead e Pussy Riot foram alguns dos artistas que criaram canções refletindo a violência cometida pelo Estado contra a população negra nas Américas - mas não só contra negros.

São lembrados nas músicas os favelados, as vítimas de feminicídio, os trabalhadores, os expulsos pelo mercado imobiliário. Falam das estruturas que dão base à ideologia na qual instituições de controle social se apoiam, assegurando a saúde da economia.

Em março, o rapper Dax lançou uma música em que repete diversas vezes que não pode respirar, descrevendo um estado emocional em que chora sem saber o porquê. A ansiedade lhe sopra "não abra a boca" quando ele "tem tanto a dizer", diz a música, e joga para seus ouvintes a aflição de ver pessoas próximas morrendo muito jovens.

Há quatro anos, o grupo BaianaSystem compôs uma canção chamada "Lucro (Descomprimindo)", que diz "tire as construções da minha praia/ não consigo respirar/ as meninas de minissaia/ não conseguem respirar".

Embora Russo Passapusso, vocalista da banda, diga acreditar que a morte de Floyd ressignifique esses versos, expandindo as interpretações possíveis, ele conta que a composição mirava o conflito entre os direitos do cidadão e o espaço urbano.

Mas, segundo ele, esse sentimento de asfixia foi norteado por uma leitura ligada ao antirracismo e à liberdade de gênero quando o grupo sampleou, na canção "Salva", uma música de Edy Star que diz "quero respirar".

"I Can't Breathe" foi a primeira canção em inglês gravada pelas mulheres do grupo russo Pussy Riot. A música foi lançada um ano depois da morte de Eric Garner e ganhou um clipe em que Nadya Tolokonnikova e Masha Alyokhina aparecem numa cova, sufocadas aos poucos. Os versos finais da canção ("alguma justiça talvez seja encontrada/ nas cinzas de sua morte") são referência direta ao episódio de violência policial.

Não sabemos, para lembrar a pergunta com que Spike Lee abre seu curta, se a história vai parar de se repetir. Mas a cultura sem dúvida se movimenta.

Na pandemia, projeto Altares de Antônio – Trezenas de Junho tem edição virtual 
Foto: Fernando Vivas /GOVBA

Realizado pelo Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI), da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, o projeto Altares de Antônio – Trezenas de Junho este ano terá uma edição virtual, para atender as necessidades do isolamento social durante a pandemia do novo coronavírus.


As celebrações acontecem desta segunda-feira (1º) até o dia 13 de junho, incluindo uma exposição virtual de fotos e vídeos de Altares, publicadas no Instagram @ccpicultura. Os seguidores podem participar da mostra enviando imagens dos altares de suas casas e demonstrando como praticam a sua devoção. 


Os responsáveis pelas fotos postadas receberão em sua casa como presente amostras dos tradicionais pãozinho e licor de Santo Antônio, além de uma máscara de proteção com o tema, para a rezadeira da casa. O autor da foto mais curtida durante a trezena receberá uma imagem do santo.

Regina Duarte e ministro do Turismo articulam reunião com comitê gestor do Audiovisual
Foto: Divulgação

Regina Duarte, que há cerca de duas semanas foi dispensada pelo presidente Jair Bolsonaro da Secretaria Especial da Cultura, mas não teve sua exoneração efetivada (clique aqui), participará de uma reunião com setor audiovisual.


De acordo com informações da coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S. Paulo, ela e o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro, articulam uma data na próxima semana, para o encontro com o comitê gestor do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), órgão responsável por definir as  diretrizes e o plano anual de investimentos do FSA.

Teatro Castro Alves anuncia programação de primeira semana de junho do TCAemCasa
Foto: Divulgação / TCA

Adaptado a uma nova programação diante da pandemia do novo coronavírus, o Teatro Castro Alves anunciou nas redes sociais, nesta segunda-feira (1°), a programação de mais uma semana do projeto TCAemCASA. 

 

Até o dia 6 de junho, sábado, serão oferecidos de forma online aulas abertas de pilates, balé clássico, dança contemporânea, além de uma Live Concerto, com André Becker, através do Osbaflix. 

 

Além dos cursos de música, que já vem sendo ministrados, acontecerá mais uma edição do bate-papo “Dos Pés a Cabeça”, na quinta-feira (4). Para a ocasião, a dançarina Mirela França convida a artista da dança mineira Dudude Herrmann.  

 

Confira:

Em parceria com Lerry, Luisa e os Alquimistas lançam single 'Aquela Saudade'
Foto: Reprodução / Instagram

Sob os vocais da cantora Luisa Nascim, o grupo Luisa e os Alquimistas lançou uma nova canção intitulada “Aquela Saudade”. O novo trabalho, que é uma parceria com o rei do pagotrance, o DJ e produtor feirense Lerry, reforça a mistura de estilos da turma que viaja pelo brega, pop e alternativo. 

 

A canção, vale destacar, é uma composição do próprio Lerry. De acordo com o portal Culturasss, a letra de “Aquela Saudade” foi apresentada a Luisa pela primeira vez em 2018, mas só agora teve o seu arranjo finalizado. O lançamento feito durante a pandemia não foi por acaso, já que as apresentações e shows foram suspensos por medida de segurança. 

 

“O resultado é uma arrochadeira baiana com uma dose extra de graves no melhor estilo dubwise, guitarra swingada do começo ao fim e muita envolvência na interpretação de Luísa Nascim. Música pra lembrar daquela paixão súbita que deixou saudades e/ou enviar no inbox pra ‘todes webnamorades’ que essa quarentena colocou em nossas vidas”, explicou Lerry. 

 

Confira:

Segunda, 01 de Junho de 2020 - 16:50

Em curta, Spike Lee liga morte de George Floyd a 'Faça a Coisa Certa'

por Folhapress

Em curta, Spike Lee liga morte de George Floyd a 'Faça a Coisa Certa'
Foto: Reprodução / Instagram

O cineasta Spike Lee lançou neste domingo (31) um curta-metragem inédito, chamado "3 Brothers", que liga a morte de George Floyd, estopim de manifestações antirracistas nos Estados Unidos, a dois outros assassinatos de negros por policiais.

Lee usa imagens reais da morte de Eric Garner, em 2014 - que foi asfixiado e fez ressoar em protestos pelo mundo a frase "I can't breathe" (não consigo respirar) - costuradas ao assassinato de Radio Raheem, personagem de "Faça a Coisa Certa", um dos principais filmes do diretor, de 1989.

Os três homens negros foram mortos por sufocamento em ações policiais e engatilharam forte mobilização social. O vídeo de Lee começa com a pergunta "a história vai parar de se repetir?".

Além deste filme-protesto na esteira do movimento Black Lives Matter, Lee produziu um curta dedicado à cidade de Nova York, onde o cineasta nasceu e fez boa parte de seus filmes, em meio à onda de mortes causadas na metrópole pelo coronavírus.

O cineasta lança seu próximo filme de longa-metragem para o streaming, "Destacamento Blood", no próximo dia 12, na Netflix. A estreia de Lee na plataforma, encabeçada por Chadwick Boseman ("Pantera Negra"), conta a história de veteranos negros que voltam ao Vietnã décadas depois de lutarem na guerra pelos Estados Unidos.

O filme segue o sucesso de "Infiltrado na Klan", de 2018, que rendeu a Spike Lee o primeiro Oscar de sua carreira de mais de 30 anos, coroado como melhor roteiro adaptado.

Museu do Louvre programa reabertura para 6 de julho com novos protocolos
Foto: Divulgação

Um dos mais emblemáticos espaços culturais do mundo, o museu do Louvre, em Paris, programou sua reabertura para o dia 6 de julho. A iniciativa, que integra as medidas de desconfinamento gradual da França, no entanto, será realizada com uma série de cuidados.

 

De acordo com informações do jornal O Globo, para entrar no museu, o público terá que reservar a visita com antecedência e terá que usar máscara. Fechado desde 13 de março, o sistema de marcação online será aberto em 15 de junho.

 

“Ainda que tenhamos conseguido aproveitar os tesouros do Louvre por visitas virtuais, nada se compara com a emoção de encontrar cada obra de arte de forma real”, avalia o diretor do Louvreu, Jean-Luc Martinez.

Segunda, 01 de Junho de 2020 - 15:00

GastrôBahia: Alimentação prática, saborosa e saudável

por Cris Montenegro

GastrôBahia: Alimentação prática, saborosa e saudável
Foto: Divulgação

Quer melhorar seus hábitos alimentares, mas ainda não sabe por onde começar? Contratar refeições congeladas pode te ajudar, planejamento e organização é a chave para uma vida mais saudável. A Nutrie Vida Saudável oferece pacotes com refeições para todos os momentos do dia - café da manhã, almoço, jantar, lanches e opções detox e agora com opções vegetarianas. A empresa disponibiliza diversos tipos de cardápios semanais/mensais como o Nutrie Sob Medida: 120 gramas de Proteína + 100 gramas de acompanhamentos (legumes, massas sem glúten ou raízes); o Nutrie Boa forma:  120 gramas de Proteína + 100 gramas de acompanhamentos (legumes, massas sem glúten ou raízes + kit de lanches Nutrie e o Nutrie Detox: sete dias de dieta detox (shotnutrie, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar), além de produzir dietas personalizadas de acordo com a demanda do cliente e menu vegetariano. Encomendas: pedidos com pelo menos 24h de antecedência através do perfil no instagram @nutrievidasaudavel ou telefone 71 99948 1858

 

 

 

 

Feira inscreve para Prêmio Cultura e Desenvolvimento Local durante emergência
Foto: Reprodução / Instagram

Agora em formato de edital de emergência cultural, por causa da pandemia do novo coronavírus, o Prêmio Cultura e Desenvolvimento Local abriu inscrições para sua terceira edição, em Feira de Santana, na Bahia. Os interessados devem se inscrever entre os dias 1º e 15 de junho.

 

A iniciativa, que integra a “Mostra da Diversidade Cultural: Imagens da Cultura Popular”, desta vez selecionará de 10 a 35 projetos, que receberão uma bolsa incentivo no valor total de R$ 100 mil.  O auxílio será concedido a projetos desenvolvidos na cidade de Feira de Santana e região, que tenham como objetivo de difundir ao público a diversidade cultural e o patrimônio imaterial local. 

 

Todos os selecionados para receber deverão propor duas ações: uma atividade formativa e educativa, transmitida por meio virtual, durante o período de isolamento; e outra mostra ou evento aberto ao público e gratuito, após o fim do isolamento. “No caso de não haver liberação para a realização de eventos coletivos pelas autoridades até março de 2021, em função das restrições sanitárias, a organizadora poderá renegociar com os premiados outra ação em substituição à Mostra cultural”, detalha o edital (clique aqui e acesse edital e ficha de inscrição).

Segunda, 01 de Junho de 2020 - 14:00

Giro: Amor e perfume

por Adriana Barreto e Cris Montenegro

Giro: Amor e perfume
Foto: Divulgação

Acertar em cheio no presente e agradar a amada é tudo o que um homem apaixonado deseja. E sabendo que ele também será presenteado na compra é mais um motivo para deixá-lo satisfeito. Por isso, a Sharis Perfumaria do Villas Boulevard está funcionando com sistema de vendas online.

“Quem não gosta de ser amado ou amada? Acho que o dia dos namorados tem que ser celebrado ao máximo com quem você ama. A loja está oferecendo seus produtos com consciência e todo cuidado que nossos clientes precisam”, revela Marlene Cardoso, proprietária da Sharis.

Além disso, o Dia dos Namorados Sharis Perfumaria conta com o frete grátis, a partir de R$ 1.000 em compras, para qualquer bairro da capital baiana e Lauro de Freitas.Para conferir o catálogo completo dos produtos e todas as novidades da loja, é só entrar em contato pelo whatsapp 71 99966 7147 ou 99611 2288 e no instagram @sharis_perfumaria. (Por Cris Montenegro)

Museu do Recolhimento dos Humildes faz live sobre fotografia como documento histórico
Foto: Divulgação

O Museu do Recolhimento dos Humildes promove, nesta terça-feira (2), a partir das 17h, em sua conta oficial no Instagram, uma live com o museólogo, fotógrafo e gestor cultural Jomar Lima, tendo como tema “Afrobarroco, a fotografia como documento histórico”.

 

Durante a transmissão, o convidado vai falar sobre sua arte e a religiosidade. “Minha exposição ‘Afrobarroco Cachoeira, Recôncavo da Bahia, Religiosidade’ reflete a atualidade vivida dentro de uma cidade secular que preserva elementos também seculares. Escolhi uma capela que abriga as orações de religiosos e leigos. Sua decoração interna é inteiramente adornada com talha dourada e azulejos portugueses que ditam passagens bíblicas. Sua arquitetura interna obedece ao estilo barroco conhecido como Dom João V, pois verifica-se uma transição entre o barroco e o rococó. É neste cenário do século XVII que os rituais do candomblé também acontecem. Vivas estão nesse lugar duas memórias ancestrais: uma que subjugou o povo africano e a outra, a resistência e soberania desse mesmo povo”, explica Jomar Lima, sobre um dos trabalhos já expostos no museu.

Música #EmCasaComSesc tem nova lives com Zé Renato, Filipe Catto e Teresa Cristina
Foto: Divulgação

Realizada desde abril para promover entretenimento online durante a pandemia do novo coronavírus, a série Música #EmCasaComSesc anunciou novas atrações desta semana, abrindo o mês de junho. A programação é exibida no Youtube do Sesc São Paulo e no Instagram da série Sesc Ao Vivo.

 

Nesta segunda-feira (1º) se apresenta o pianista Cristian Budu, com o tema "A música clássica em tempos de mudança". No repertório, estão obras dos séculos 18, 19 e 20, compostas por Beethoven, Schumann, Debussy, Villa-Lobos e Ernesto Nazareth.

 

Na terça-feira (2), o público poderá conferir a live do cantor e compositor Zé Renato, conhecido pelo seu trabalho com o quarteto vocal e instrumental Boca Livre. O artista promete executar canções gravadas pelo grupo, como “Toada”, “Quem Tem a Viola” e “Mistérios”, além de músicas de seus projetos pessoais, a exemplo de "Nega Dina" e "Diz Que Fui Por Aí".

 

O cantor Filipe Catto é a atração da quarta-feira (3), apresentando o projeto “Vênus Unplugged”, no qual celebra seus 10 anos de carreira com um repertório de sucessos e inspirações. O setlist inclui músicas como “Adoração”, “Saga”, “Iris e o Arco”, "Eu Não Quero Mais" e "Lua Deserta".

 

Na quinta-feira (4), o multi-instrumentista Edgard Scandurra comanda o show "40 anos de lados B", cantando suas principais composições, tanto no Ira!, quanto em sua carreira solo. Na sexta-feira (5), Teresa Cristina homenageia Noel Rosa, com o show “Teresa Cristina canta Noel: Batuque é um privilégio”. No repertório, canções como "Com que Roupa", "Feitio de Oração" e "Gago Apaixonado".

 

Já no sábado (6), o compositor e pianista Francis Hime, acompanhado da cantora Olivia Hime, apresenta o repertório do show "Encontro Musicais", uma espécie de biografia de canções de Francis e do processo de criação delas. No repertório, grandes composições e canções compostas em parceria com Chico Buarque, como "Atrás da Porta", "Meu Caro Amigo", "Passaredo" e "Vai Passar".

 

Fechando a programação, no domingo (7), o cantor e compositor Renato Teixeira apresenta ao público composições próprias, como "Amanheceu, peguei a viola", parcerias com Almir Sater, como "Um violeiro toca" e "Tocando em frente", e outras canções do cancioneiro nacional, como "Cálix Bento" (extraída do folclore e adaptada por Tavinho Moura), "Cabecinha no Ombro" (Paulo Borges) e "Felicidade" (Lupicínio Rodrigues).

Aulas online do Balé Teatro Castro Alves tem inscrições abertas
Foto: Divulgação

Transferidas para o ambiente virtual desde maio, por causa da pandemia do novo coronavírus, as aulas abertas do Balé Teatro Castro Alves (BTCA) seguem em junho. Voltadas a pequenos grupos de pessoas com experiência intermediária ou avançada em dança, previamente inscritas, as atividades são ministradas pelos dançarinos da companhia em turmas de balé clássico, pilates e dança contemporânea.

 

As aulas são realizadas de segunda a quinta-feira, sempre às 14h30, em salas virtuais na ferramenta Zoom Meeting. Às segundas-feiras serão ministradas aulas de balé clássico, com Leonard Henrique; nas terças-feiras, pilates com Ticiana Garrido; nas quartas, mais uma vez balé clássico, com Anna Paula Drehmer; e às quintas-feiras, dança contemporânea, com Jai Bispo. 

 

Para participar destas turmas, com 10 vagas cada uma, será necessário garantir lugar, por ordem de inscrição, no dia de cada aula, através de link divulgado das 9h às 11h nas redes sociais do BTCA. O BTCA promove ainda aulões públicos transmitidos pelo Instagram “BTCA Movimenta Home Office”, com prática de alongamento semanal.

 

AULAS ABERTAS
Exibição em salas virtuais na ferramenta Zoom Meeting (link a ser divulgado aos participantes)

Balé Clássico Com: Leonard Henrique

Quando: 1, 8, 15, 22 e 29 de junho (segundas-feiras), às 14h30

Pilates Com: Ticiana Garrido

Quando: 2, 9, 16, 23 e 30 de junho (terças-feiras), às 14h30

Balé Clássico Com: Anna Paula Drehmer

Quando: 3, 10, 17 e 24 de junho (quartas-feiras), às 14h30

Dança Contemporânea Com: Jai Bispo

Quando: 4, 11, 18 e 25 de junho (quintas-feiras), às 14h30

 

AULÕES

Pilates com Ticiana Garrido

Convidado(a): Lila Martins

Quando: 5 de junho (sexta-feira), às 15h

 

Balé Clássico com Leonard Henrique

Convidado(a): Solange Lucatelli

Quando: 12 de junho (sexta-feira), às 15h

 

Dança Contemporânea com Jai Bispo

Convidado(a): Paullo Fonseca

Quando: 19 de junho (sexta-feira), às 15h

 

Balé Clássico com Anna Paula Drehmer

Convidado(a): Douglas Amaral

Quando: 26 de junho (sexta-feira), às 15h

Duas semanas após anúncio de saída da Secretaria da Cultura, Regina não foi exonerada
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Depois de cerca de duas semanas do anúncio do afastamento de Regina Duarte da Secretaria Especial da Cultura (clique aqui), a exoneração da atriz ainda não foi publicada no Diário Oficial da União. Com o cargo comissionado, o contrato de Regina prevê proventos mensais de R$ 15.594,89 para o trabalho de 40 horas semanais.
 


Detalhes do cargo de Regina Duarte no Portal da Transparência (clique na imagem para ampliar)

 

No vídeo do anúncio do afastamento da secretaria, ela chegou a comemorar o “presente” que teria recebido do presidente Jair Bolsonaro, um cargo de chefia na Cinemateca Brasileira, que também não se materializou. 

 

A contratação tem alguns impasses, desde a inexistência do cargo prometido, até o sucateamento do órgão, que em 2020 não recebeu sequer uma parcela do repasse de R$ 12 milhões do orçamento do governo federal (clique aqui). 


 

SUBSTITUTO
Antes mesmo da confirmação de que Regina Duarte deixaria a Secretaria Especial da Cultura, o ator Mário Frias se colocou como possível substituto. Ele chegou a se encontrar com o presidente Jair Bolsonaro algumas vezes após o anúncio da saída da artista (clique aqui), mas sua nomeação ainda está em aberto.

 

Novo diretor da Casa de Rui Barbosa tem proximidade com Flávio Bolsonaro
Foto: Divulgação

O professor e historiador Edgard Leite, recentemente nomeado para assumir o cargo de Diretor de Pesquisa da Fundação Casa de Rui Barbosa, tem relação de proximidade com o filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro.

 

De acordo com informações da coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S. Paulo, Leite foi prestigiado por Flávio Bolsonaro, em 2013, quando tomou posse na Academia Brasileira de Filosofia. Na ocasião, o então deputado federal e hoje senador registrou o momento nas redes sociais, junto com uma foto do encontro. “Na posse do acadêmico Edgard Leite na Academia Brasileira de Filosofia”, escreveu.

 

Fundada em 1924, a Fundação Casa de Rui Barbosa tem como missão preservar e dar acesso à obra de Rui Barbosa, ao seu acervo e ao de personalidades de destaque para o país, promovendo a pesquisa, o ensino e a difusão do conhecimento sobre temáticas relevantes para a história do Brasil.

Segunda, 01 de Junho de 2020 - 08:50

Cinemateca agoniza sem verba e governo pode sofrer ação por repasses atrasados

por Guilherme Botacini | Folhapress

Cinemateca agoniza sem verba e governo pode sofrer ação por repasses atrasados
Foto: Divulgação

O Ministério Público Federal deu um prazo de 60 dias para a Secretaria Especial da Cultura dar informações sobre a falta de repasses orçamentários à Cinemateca Brasileira. Depois desse período, o MPF pode entrar com uma ação civil pública contra a secretaria.

Funcionários relatam que trabalham sem receber desde abril. Além disso, contratos com terceirizados, como manutenção e segurança, estão prestes a acabar, e a conta de luz está dois meses atrasada.

O limbo em que se encontra a instituição é resultado da suspensão do contrato entre o Ministério da Educação e Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto, a Acerp, para a gestão da TV Escola, em dezembro do ano passado.

Quem detém o orçamento e faz os repasses é a Secretaria Especial da Cultura. Como os repasses são feitos via Acerp e a secretaria não tem contrato próprio com a associação, a verba foi represada.

A manutenção do local só foi mantida até abril graças a um caixa da associação dedicado à Cinemateca, mas que já chegou ao fim.

Segundo a representação na qual se baseia o ofício do Ministério Público, nenhuma parcela do orçamento de R$ 12 milhões relativo a 2020 para a Cinemateca foi repassada à Acerp.

Funcionários dizem, ainda, que o ofício do MPF e eventual ação civil pública pode ajudar a restaurar os repasses pendentes, mas não garantem a continuidade dos trabalhos enquanto a gestão permanecer suspensa e o orçamento bloqueado.

A falta de manutenção e eventual corte do fornecimento de energia comprometem o acervo da Cinemateca. São cerca de 250 mil rolos de filmes, do cinema mudo a produções mais recentes, que precisam de controle constante de temperatura e umidade.

A instituição ainda tem um depósito com rolos de nitrato de celulose, material altamente inflamável e usado até meados do século 20 na produção audiovisual. O risco de incêndio aumenta se as películas não forem guardadas sob condições adequadas. O prédio da Cinemateca é tombado e já sofreu com enchentes e incêndios, o último em 2016.

A direção da Acerp se reuniu com a secretaria para tentar negociar um novo contrato na semana passada, mas relatos indicam que pode haver um rompimento com a gestão suspensa, o que poderia resultar num eventual fechamento da Cinemateca.

A Secretaria Especial da Cultura se limitou a dizer que a área técnica está avaliando o processo de recontratação da Acerp ou de novo contrato com outra organização social, assim como o ofício do MPF.

A direção da Cinemateca foi prometida pelo presidente Jair Bolsonaro a Regina Duarte após sua demissão da Secretaria Especial da Cultura (clique aqui). A então secretária sofreu semanas de fritura antes de ser demitida depois de ficar menos de três meses no cargo.

A saída de Regina foi costurada pela deputada federal Carla Zambelli, que chegou a dizer que a nomeação da atriz para a Cinemateca dependeria só de questões burocráticas.

Com a hipótese de rompimento do contrato de gestão atual e a falta de recursos e de um plano para a Cinemateca por parte da secretaria, o cargo prometido a Regina se revela cada vez mais incerto.

Viola Davis apoia campanha que pede justiça pela morte de brasileiro de 14 anos pela polícia
Foto: Divulgação

A atriz Viola Davis compartilhou em suas redes sociais, neste domingo (31), um abaixo assinado que pede justiça pela morte de João Pedro Mattos, garoto brasileiro de 14 anos, morto pela polícia no dia 18 de maio, na comunidade do Salgueiro, no Rio de Janeiro.

 

“#BlackLivesMatter”, escreveu a artista. A hashtag lembra a campanha “Vidas Negras Importam”, que tem mobilizado os norte-americanos em torno da morte de um homem negro, George Floyd, por um policial branco. 

 

Com a ajuda de Viola Davis, a campanha que pede justiça pelo garoto brasileiro já conta com 780.488 assinaturas. O objetivo é atingir 1 milhão.

 

 Ariana Grande vai a protesto nos EUA; Katty Perry promove ação
Foto: Reprodução / Instagram

Artistas norte-americanos foram às ruas para participar dos protestos contra a morte de George Floyd, homem negro sufocado até a morte por um policial (veja aqui). Entre as estrelas estavam Ariana Grande - chegou a tirar fotos com fãs durante o ato - Shawn Mendes e Camila Cabello. 

  

Halsey e Ariana Grande nas manifestações | Foto: Reprodução /Instagram

 

Halsey também foi às ruas ao lado do YUNGBLUD para exigir justiça. Os membros do 5 Seconds Of Summer, Ashton Irwin e Luke Hemmings também estavam nos protestos. Melanie Martinez, Lauren Jauregui, Tinashe, Machine Gun Kelly, J. Cole, Madison Beer e Ross Lynch não ficaram para trás e, com faixas, tomaram as avenidas de suas cidades.

 

Além disso, os cantores Harry Styles, que está fora do país, e Katy Perry, que está grávida, não participaram dos protestos, mas divulgaram nas redes sociais um projeto onde doarão dinheiro para pagar a fiança dos manifestantes que forem presos. 

Domingo, 31 de Maio de 2020 - 16:40

Baiano cria festival com shows de 90 artistas como Avril Lavigne, Daniela e Claudia Leitte 

por Júnior Moreira Bordalo

Baiano cria festival com shows de 90 artistas como Avril Lavigne, Daniela e Claudia Leitte 
Foto: Divulgação

Fundador do POPLine, um dos maiores portais de música pop do Brasil, o baiano Flávio Saturnino criou o festival online Masks4ALL, que acontece neste domingo (31), e reune diversos shows exclusivos de artistas com mais de 90 artistas, incluindo Avril Lavigne, OneRepublic, Daniela Mercury, Claudia Leitte, Ludmilla, Anavitória, Cleo, Dennis DJ, Di Ferrero, Gretchen, Karol Conká, Preta Gil, Fernanda Abreu, Glória Groove, Valesca, Wanessa Camargo, Manu Gavassi e Pabllo Vittar. 

  

A festa começou às 14h, no YouTube do Portal POPline, e o público poderá contribuir com a doação de R$ 10, que será revertido para a fabricação de máscaras que serão distribuídas para ONGs e entidades das cidades mais atingidas pela COVID-19 no Brasil. Peças de roupas, acessórios, canecas, desenhos, entre outros objetos estão entre os prêmios que os fãs poderão ganhar do seu artista preferido. 

  

O evento está sendo apresentado por Hugo Gloss, Bianca Andrade (Boca Rosa), Foquinha, Thaynara OG, Lore Improta, Spartakus Santiago, GKay, Igor Saringer e o Palitão (Gina Indelicada). Confira a grade completa:

Domingo, 31 de Maio de 2020 - 11:40

Festival com Alceu Valença, Racionais e BaianaSystem é adiado para outubro

por Amon Borges | Folhapress

Festival com Alceu Valença, Racionais e BaianaSystem é adiado para outubro
Foto: Reprodução / Revide

O festival Forró da Lua Cheia foi remarcado para 9 a 12 de outubro. A 30ª edição, que seria realizada de 11 a 14 de junho, no feriado de Corpus Christi, vai ocorrer em Altinópolis, cidade do interior de São Paulo, cerca de 60 km de Ribeirão Preto.

A organização afirma que as atrações anunciadas inicialmente seguem na programação. Racionais MC’s, BaianaSystem e O Grande Encontro, dcom Elba Ramalho, Alceu Valença e Geraldo Azevedo, estão entre os destaques deste ano.

Um hotel fazenda recebe, além de shows, oficinas de arte, teatros e cursos, somando aproximadamente 150 atrações em cinco palcos. Geraldo Azevedo já brincou que o Forró da Lua Cheia é o “Woodstock Brasileiro”, fazendo referência ao festival de 1969 nos EUA.

Falamansa, Tribo de Jah, Liniker, Francisco, El Hombre e Cordel do Fogo Encantado também fazem parte do lineup.

Os ingressos do 2º lote custam de R$ 420 a R$ 840e ficam disponíveis no site oficial. O acesso ao camping já está incluso no valor da entrada. Segundo a organização, são esperadas 10 mil pessoas por dia no festival.

Em 2019, passaram por lá Planet Hemp, Ney Matogrosso, Elza Soares com Ilú Obá de Min, Chico César, Camisa de Vênus, Djonga, Xenia França, entre outros.

A primeira edição foi em 1983, mas era apenas uma festa junina de amigos.

O evento cresceu e Gilberto Gil, Jorge Ben Jor, Novos Baianos, Alceu Valença, Geraldo Azevedo, Elba Ramalho (trio que volta neste ano), Seu Jorge e Nação Zumbi são alguns dos nomes que fazem parte de sua história.



ATRAÇÕES POR DIA

Luísa e os Alquimistas

Falamansa

Tribo de Jah

Diana do Sertão

Cordel do Fogo Encantado

Cao Laru

Liniker e os Caramelows

Mariana Aydar

Bia Ferreira

Racionais MC’s

Francisco El Hombre

O Grande Encontro (Elba Ramalho, Alceu Valença e Geraldo Azevedo)

BaianaSystem

Ventania

Xaxado Novo



Festival Forró da Lua Cheia 2020

Onde: Hotel Fazenda Vale das Grutas (Antinópolis – SP)

Quando: 11 a 14 de junho

Ingressos: R$ 180 a R$ 430

Mais informação: festivalforrodaluacheia.com.br

Domingo, 31 de Maio de 2020 - 09:30

Polarização política contamina avaliação de filmes e gera discurso de ódio

por Leonardo Sanchez | Folhapress

Polarização política contamina avaliação de filmes e gera discurso de ódio
Foto: Reprodução / G1

Foi no Festival de Berlim do ano passado. Numa sessão para a imprensa, surge na tela a imagem do cantor Seu Jorge interpretando o guerrilheiro baiano Carlos Marighella. O filme termina sob aplausos e, na mesma época, começam a chegar ao Internet Movie Database —ou IMDB, um acervo de produções audiovisuais que também permite aos usuários dar notas a filmes e séries— milhares de avaliações raivosas para o filme.

Não, os jornalistas e críticos presentes nas exibições de “Marighella” não se arrependeram das palmas batidas. As pessoas que avaliavam o filme de Wagner Moura online, na verdade, não tiveram a oportunidade de ver o longa.

Figura controversa da ditadura militar, Marighella contaminou o trabalho de Moura com a polêmica que sempre acompanhou seu nome. Uma leva de gente se enfureceu com a mera existência de uma cinebiografia do guerrilheiro de esquerda e criou um verdadeiro exército para atacar o longa.

Mais de um ano depois, “Marighella” ainda não teve uma estreia comercial e foi exibido poucas vezes. Mesmo assim, sua página no IMDB ostenta a nota três, de um máximo de dez, numa média gerada a partir das avaliações de 42.588 frequentadores do site.

Mas tramas consideradas de esquerda não estão sozinhas nas verdadeiras cruzadas que mobilizam as pessoas para detonar a imagem virtual de qualquer filme político. Longas de direita também enfrentam a ira de uma internet cada vez mais polarizada.

É isso que evidencia um estudo do Grupo de Políticas Públicas para o Acesso à Informação da Universidade de São Paulo. Liderada pelo pesquisador em ciência de dados Leonardo Zeine, o cientista da computação Márcio Ribeiro e Pablo Ortellado, colunista deste jornal, a pesquisa se debruçou sobre os 15 filmes nacionais que mais dividem a opinião no IMDB. Na lista aparece, claro, “Marighella”.

Na pesquisa, o trio coletou, em janeiro, as notas atribuídas a todos os filmes brasileiros listados no site e produzidos entre 1931 e 2019. A condição para participar da análise era que o título tivesse pelo menos cem avaliações.

A essa lista foi aplicado o chamado índice de polarização, desenvolvido pelo grupo, e que identificou quais eram os longas com as notas mais concentradas em polos opostos.

“O IMDB deixa uma parte de seus dados abertos, então você tem acesso a planilhas com algumas informações. O problema é que, nelas, os filmes não estão classificados por país”, afirma Zeine. “O que a gente fez, então, foi criar um programa, um robô, que simula um usuário para poder identificar os filmes que buscávamos.”

Além de “Marighella” –em sétimo lugar–, aparecem na lista os associados à esquerda “Democracia em Vertigem” –12º–, documentário sobre o impeachment de Dilma Rousseff indicado ao Oscar, e “Que Bom Te Ver Viva” –15º–, sobre mulheres que lutaram contra a ditadura militar.

Já alinhados com os interesses da direita estão “Bonifácio: O Fundador do Brasil” –o primeiríssimo–, “O Jardim das Aflições” –em quarto–, “1964: O Brasil entre Armas e Livros” –nono– e “Polícia Federal: A Lei É para Todos” –13º. Engrossam a lista os religiosos “Nada a Perder 2” –em segundo–, “Os Dez Mandamentos” –terceiro–, “Nada a Perder” –quinto– e “Milagre” –décimo. Vários deles têm alguma relação com Olavo de Carvalho, guru de Bolsonaro.

“Como se Tornar o Pior Aluno da Escola”, fruto da mente de Danilo Gentili, aparece em 11º lugar e gerou polêmica quando foi lançado por seu tom politicamente incorreto. E, sem qualquer relação com bandeiras de direita ou de esquerda, completam o ranking “Inspetor Faustão e o Mallandro” –em sexto–, “Diário de um Exorcista - Zero” –oitavo– e “Eu Fico Loko” –14º.

“Esses três são casos engraçados, porque parecem estar na lista por uma divergência estética, de conteúdo mesmo”, diz Zeine. “Parece que há pessoas que gostam deles por considerarem trash.”

Mas, na avaliação da crítica especializada, o consenso é que os três são mesmo ruins. No caso de “Eu Fico Loko”, a trama narra a história de Christian Figueiredo, influencer com uma ampla base de fãs que deve, também, ter se mobilizado para elogiar o longa no IMDB.

Quanto à presença na lista dos outros 12 filmes, que flertam com religião e política, Zeine lamenta. “Eu acho triste eles serem alvo da polarização política que tem crescido no país, porque com isso a experiência cinematográfica é enfraquecida”, afirma.

“Parece que as pessoas precisam muito mais buscar uma identidade própria na tela do que simplesmente assistir a um filme. Se fala muito pouco de estética, de arte, e muito mais da política. E de um jeito atrofiado, não é nem um debate substancial. E isso cria um antagonismo barato, fraco, sem debate.”

O fenômeno, no entanto, não é exclusivo da cada vez mais polarizada sociedade brasileira. Lá fora, o IMDB e outros sites que compilam avaliações de cinema também foram alvo de sabotagem por parte de pessoas avessas a temáticas abordadas em cena.

Nos últimos anos, blockbusters têm abraçado cada vez mais a diversidade. E diversidade pode desagradar muita gente. Foi isso que superproduções como “Pantera Negra”, “Capitã Marvel” e “Star Wars: Os Últimos Jedi” provaram quando foram lançados.

O primeiro atraiu a ira dos racistas por seus heróis negros. O segundo, a dos machistas por sua protagonista mulher. Já o último trouxe um combo das duas coisas, com a aspirante a jedi Rey e o ex-stormtrooper negro Finn no centro da trama.

Quando estrearam, os longas, todos da Disney, foram alvo de campanhas virtuais ferrenhas que queriam boicotar as obras sem ao menos ter visto nenhuma delas. Diante das boas avaliações da crítica e do sucesso que títulos das franquias fariam, resolveram manchar a imagem dos filmes em agregadores de críticas.

Grupos raivosos conseguiram enfiar milhares de avaliações negativas no Rotten Tomatoes, plataforma de prestígio que orienta muita gente na hora de escolher o que ver no cinema. No caso de “Pantera Negra”, chegaram até mesmo a criar eventos no Facebook em que conclamavam outros a dedicarem um dia de suas vidas a sabotar o título da Marvel.

À época, o agregador de críticas enviou uma declaração ao portal The Wrap. “Nós no Rotten Tomatoes temos orgulho de termos nos tornado uma plataforma para fãs apaixonados debaterem e discutirem entretenimento e levamos essa responsabilidade a sério. Ao mesmo tempo em que respeitamos as opiniões diversas de nossos fãs, não perdoamos discursos de ódio”, dizia a nota.

No ano seguinte, com a estreia de “Capitã Marvel”, o Rotten Tomatoes eliminou milhares de comentários negativos a respeito do filme que foram identificados como sabotagem. Para provar que havia preconceito embutido nas avaliações, o site destacou que, em poucas horas, o longa recebeu mais cotações do que a maioria dos blockbusters costumam receber em um mês.

Segundo o pesquisador Leonardo Zeine, o fenômeno das campanhas de ódio na cultura é amplo e extrapola fronteiras. “Nos últimos 15, 20 anos, a gente tem visto crescer, nas pessoas, a necessidade de defender uma causa. Estamos em um jogo de identidades e o campo da cultura tem sido impregnado por isso. É uma polarização pobre e muito intensa."

Histórico de Conteúdo