Terça, 29 de Maio de 2018 - 16:00

Democracia pela metade

por Francisco Viana

Democracia pela metade
Foto: Acervo pessoal

Saint-Just, jacobino e companheiro de Robespierre na Revolução Francesa, dizia com amargura, antecipando o seu triste destino,  na guilhotina: “Desgraçados dos revolucionários que fazem a revolução pela metade, cavam a sua própria sepultura”. Os democratas brasileiros hoje poderiam parafrasear Saint-Just e  reconhecer que “desgraçados dos democratas que fazem a democracia a metade, permitem o golpe que os vai derrubar”.

 

O golpe que provou o Impeachement  de Dilma Rousseff  escancarou as portas do país para um novo ciclo de ilusões , que chegou ao ápice com a prisão e condenação do ex- presidente Lula. A pergunta sem resposta é: foi para viver o caos dos dias atuais , greve de caminhoneiros e desabastecimento à frente, que a ex- presidente foi derrubada e o ex- presidente está preso?  Pode ser desdobrada em outras: onde estão os brasileiros indignados? O que pretendo o presidente ( ilegítimo) Michel Temer? Criar um ambiente favorável à supressão das liberdades?  A realidade, greve dos caminhoneiros e crise de desabastecimento à frente, parece indicar que sim. A direita brasileira na impossibilidade de chegar ao poder pelo voto, aposta suas fichas em um golpe de Estado para valer - com tanques nas ruas, prisões de opositores e censura -   e na suposta salvaguarda do país contra o caos. Como a bandeira do anticomunismo não serve mais, a desculpa bem que pode ser a preservação da ordem. É o que está a caminho? É hora das forças democráticas se unirem e construir uma democracia de verdade, que, de cara, se traduza em justiça social e reformas. Rever o país de alto a baixo.

 

O problema do atual governo é que não inspira confiança. Onde grassa a desconfiança nada funciona. Esse o núcleo do  problema. A comunicação precisa ser utilizada para resgatar a confiança. Mas de nada adianta a comunicação pela comunicação. A comunicação necessidade da realidade para existir. Fora disso, é produzir um descrédito ainda mais efetivo e perigoso, pois a cada movimento errado o ceticismo envenena ainda mais o cotidianos brasileiro. 

 

* Francisco Viana é jornalista e doutor em Filosofia Política ( PUC-SP)

 

* Os artigos reproduzidos neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do Bahia Notícias

Histórico de Conteúdo