Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 05 de Janeiro de 2021 - 11:40

Gestão Municipal: todos falaram em mudança, mas quantos têm coragem pra mudar?

por Rodrigo Santos

Gestão Municipal: todos falaram em mudança, mas quantos têm coragem pra mudar?
Foto: Acervo pessoal

Quando todos os gestores estão abrindo os trabalhos da terceira década do século XXI, a palavra da moda é mudança. Mas, infelizmente, este tem sido um termo cosmético e de enganação em nossa sociedade. Principalmente, na Gestão Pública. 

 

Querem um exemplo? Vejamos a formação das equipes nas 'novas’ administrações municipais, país afora. Principalmente, nos grupos que eram oposição e triunfaram com o discurso do ‘novo e do diferente'. É um tal de nomear: parente; parente de parentes; aliados, derrotados pelo povo nas urnas; laranjas – limas, limões, o ‘pomar inteiro’, enfim. 

 

Um verdadeiro filme de terror!

 

Mais do que trair aos seus eleitores, já na largada, estes ‘novos gestores cheirando a mofo’ enganaram, antes, a eles próprios, quando acharam que teriam capacidade/coragem de fazer diferente.  Porém, mudar – de verdade – rompendo com as velhas práticas, requer autoconhecimento, TransFormAÇÃO e muita ousadia. É para poucos!

 

Que a população brasileira, de todos os municípios, fique atenta e cobre, duramente, dos seus mandatários, o mínimo que os outros setores da sociedade já cobram de quem trabalha duro, diariamente, para si ou para outrem.

 

Governança, profissionalismo, transparência, integridade e, principalmente, Liderança Educadora, com a prática de uma verdadeira Pedagogia do Exemplo. Estes são os pilares que devem inspirar toda a gestão – bem como a cidade inteira – a não se contentar com ‘qualquer coisa’. Eis o que se espera dos líderes da gestão municipal na contemporaneidade.

 

Líderes só são reconhecidos como tal, porque se desafiam, com coragem e humildade intelectual, a liderar gente melhor que eles, formando assim grandes coletivos em prol da mudança real. Ao contrário dos chefes de pequena dimensão, que preferem se cercar de bajuladores, para repetirem o que é melodioso aos seus ouvidos mal treinados e aos seus egos inflados.

 

Quem ‘planta laranjas’ nos espaços mais estratégicos, jamais colherá transformação efetiva e gestão de vanguarda.

 

Acorda Prefeito(a)!

 

A verdadeira vitória se constrói depois das urnas!!!

 

*Rodrigo Santos é doutor em Educação, Política e Gestão; mestre em Desenvolvimento Humano e Sustentabilidade. Atua na mentoria de estadistas e líderes organizacionais, no Brasil e no exterior. Presidente do Grupo INGEPE e Diretor Científico do Instituto de Gestão, Educação, Política e Estratégia

 

*Os artigos reproduzidos neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do Bahia Notícias

Histórico de Conteúdo