Terça, 18 de Junho de 2019 - 10:50

Carreiras FTC: O Respeito à flor da pele

por Alessandra Calheira

Carreiras FTC: O Respeito à flor da pele
Foto: Divulgação

Há poucos dias resolvi fazer uma tatuagem. Em meio a repercussão do ato, uma amiga fez o seguinte questionamento: por que você resolveu marcar a sua pele com essa palavra? Naquele momento, minha resposta foi carregada de obviedades e, talvez por isso, não a tenha convencido. Passado o impacto causado pela audácia da pergunta, refleti que a tatuagem causaria menos estranheza se marcasse o nome dos meus filhos ou um grafismo qualquer. Mas escolhi a palavra “RESPEITO”. Por quê? No meu ponto de vista existem, pelo menos, três perspectivas que estão associadas a forma como as pessoas se relacionam consigo mesma, com o outro e com a sociedade. Peço licença ao leitor para, por meio de um exemplo pessoal, abordar um tema tão relevante também no âmbito corporativo.


O autoconhecimento e a autoconsciência proporcionam que possamos reconhecer nossos limites, crenças, valores e desejos. Um conjunto de forças que ajuda a compor a personalidade. Distraídas e, muitas vezes atuando no automático, as pessoas podem agir por desrespeitar os próprios sentimentos possibilitando, desta forma, o surgimento da frustação, insatisfação e tristeza. Você já presenciou colegas se deixarem levar até o limite e, ao se darem conta, estarem imersos em sentimentos negativos e contraditórios? Respeito próprio tem a ver com cuidar de si, do seu bem-estar e da forma como organiza as emoções. Tem a ver também com a barreira que se estabelece frente à opinião contrária emitida pelo outro. Porque auto respeito é saber comunicar nosso posicionamento frente às nossas individualidades e subjetividades. É problematizar a aceitação que concedemos ou não para que terceiros se manifestem contra nós com o objetivo de diminuir, descontruir e desvalorizar decisões e ações.


No mundo competitivo em que vivemos, o respeito não costuma emergir gratuitamente e saber impô-lo pode viabilizar ou dificultar o desenvolvimento profissional. Existe uma medida invisível e imprecisa que deve ser regulada. Alguns interlocutores demandam uma postura nossa mais forte que outros. Bem como algumas situações pedem uma sinalização de limite bem mais evidente. Essa medida precisa ser encontrada, especialmente em ambientes hostis que costumam ser permissivos com quem é, pensa ou age diferente. Particularmente, comemoro o fato da sociedade estar caminhando para maior respeito a diversidade. Muitas empresas já perceberam a riqueza que é conviver com profissionais dotados de variados perfis, histórias de vidas e até formações acadêmicas e culturais diversas.


Eu tatuei a palavra respeito em minha pele porque ela é o meu principal valor. Porque quero me lembrar todos os dias que para ser respeitada preciso impor respeito, respeitar o outro e a mim mesma. E você, se fosse tatuar um dos seus valores, qual seria?

 

* Alessandra Calheira é Líder do Setor de Carreiras da Rede FTC
 
* Os artigos reproduzidos neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do Bahia Notícias

Histórico de Conteúdo