Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Salvador vacina pessoas com 48 anos ou mais e retoma aplicação da 2ª dose neste domingo
Foto: Betto Jr./Secom

A prefeitura de Salvador segue, neste domingo (20), com a aplicação da primeira dose da vacina contra a covid-19 para as pessoas com idade igual ou superior a 48 anos. Devem se dirigir aos pontos de imunização, das 08 às 12 horas, os nascidos de 19 de outubro de 1972 a 20 de fevereiro de 1973. A primeira dose segue suspensa para os demais grupos prioritários. 

 

Já a 2ª dose é retomada neste domingo e acontecerá entre 08h e 12h para aqueles que estão com o reforço atrasado ou com a data agendada no cartão de vacinação para até o dia 30 de junho. Serão aplicadas as doses da Oxford e CoronaVac, conforme estratégia abaixo. 

 

Confira os postos de vacinação deste domingo (20)

1ª DOSE: 08H ÀS 12H

 

08H ÀS 12H: 48 anos nascidos de 19 de outubro de 1972 a 20 de fevereiro de 1973 

 

Drives: Centro de Convenções, 5 Centro de Saúde, Atakadão Atakarejo (Fazenda Coutos), Parque de Exposições, Arena Fonte Nova, Faculdade Universo (Avenida ACM), Shopping Bela Vista e Vila Militar. 

 

Pontos fixos: USF Santa Luzia (Engenho Velho de Brotas), USF Vila Nova de Pituaçu, USF João Roma Filho (Jardim Nova Esperança), USF Curralinho, 5 Centro, USF Plataforma, USF Colinas de Periperi, USF Eduardo Mamede (Mussurunga), Parque de Exposições, UBS Ramiro de Azevedo (Campo da Pólvora), USF Resgate, USF Cajazeiras V e Clube dos Oficiais da Polícia Militar (Dendezeiros). 

 

2ª  DOSE - OXFORD: 08H ÀS 12H

Drives: PAF Ondina; Universidade Católica de Salvador (Campus Pituaçu); FBDC Brotas; Unijorge Paralela e Shopping da Bahia. 

 

Pontos Fixos: 

PONTOS FIXOS: USF Vista Alegre, Universidade Católica (Pituaçu), USF Vale do Matatu, USF Federação, USF Teotônio Vilela II (Nova Brasília de Valéria), FBDC Brotas, Unijorge Paralela, USF Fernando Filgueiras (Cabula VI), USF Pirajá e USF Cajazeiras X. 

 

2ª DOSE CORONAVAC: 8H ÀS 12H

DRIVE: Barradão (Canabrava).

 

PONTOS FIXOS: Barradão e UBS Nelson Piauhy Dourado (Águas Claras).
 

Rui Costa lamenta mortes por Covid; desde o início da pandemia já são 23.104 óbitos na BA
Foto: Reprodução / Mathilde Missioneiro - Folhapress

Em uma postagem nas redes sociais, o governador Rui Costas lamentou, neste sábado (19), as diversas mortes por Covid-19 que o estado e o país vêm registrando. O gestor ressaltou que mesmo com a abertura de leitos, os que morreram não mais voltarão para o ceio familiar. De acordo com o último boletim emitido pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesab) neste sábado (19), em um período de 24 horas, a Bahia registrou 94 óbitos pela doença. 

Na postagem o governador demonstrou solidariedade às vítimas e aos familiares. "Por mais que a gente consiga vacinar, por mais leitos de UTI que a gente consiga abrir, por maiores que sejam nossos esforços, essas pessoas não retornarão. São vidas humanas que se perderam. Pais, avós, filhos, amigos que não veremos mais. Famílias destruídas. É preciso compreender o significado disso, ter a dimensão dessa tragédia. Que Deus, em sua infinita sabedoria, conforte o coração de quem ficou", publicou.

De acordo com o último boletim emitido pela Sesab, 4.737 novos casos da doença haviam sido registrados demonstrando uma taxa de crescimento de +0,4%. Além dos dados negativos que revelam 96 óbitos, um dado positivo demonstra que 4.325 pessoas já são consideradas curadas. Desde o início da pandemia o estado já registrou 1.092.772 casos confirmados do novo coronavírus e 23.104 mortes. 

 

Domingo, 20 de Junho de 2021 - 08:40

CPI diz que há culpados pelas 500 mil mortes e que, no depender da comissão, serão punidos

por Renato Machado | Folhapress

CPI diz que há culpados pelas 500 mil mortes e que, no depender da comissão, serão punidos
Foto: Bruno Kelly/Amazônia Real

A CPI da Covid divulgou na tarde deste sábado (19) uma nota na qual lamenta a marca de 500 mil mortes em decorrência da pandemia do novo coronavírus no Brasil. Os senadores afirmam que há culpados por essa situação e, que no que depender da CPI, serão punidos exemplarmente.
 

O texto ainda sugere que as mortes representam um crime contra humanidade, morticínio e genocídio.
 

Embora não cite nominalmente o presidente Jair Bolsonaro, cita erros, omissões, desprezos e deboches. A palavra "deboche" foi usada em diversos momentos pelos integrantes do colegiado, em particular pelo relator Renan Calheiros (MDB-AL) para descrever algumas falas do presidente a respeito da pandemia.
 

"Asseguramos que os responsáveis pagarão por seus erros, omissões, desprezos e deboches. Não chegamos a esse quadro devastador, desumano, por acaso. Há culpados e eles, no que depender da CPI, serão punidos exemplarmente", afirma o texto da nota.
 

"Os crimes contra a humanidade, os morticínios e os genocídios não se apagam, nem prescrevem. Eles se eternizam e, antes da justiça Divina, eles se encontrarão com a justiça dos homens", completa a nota.
 

O texto da nota é assinado por sete dos onze senadores titulares da comissão, além de três dos sete suplentes. Assinam, por exemplo, a cúpula da comissão, formada pelo presidente Omar Aziz (PSD-AM), Renan e o vice-presidente, Randolfe Rodrigues (Rede-AP). A nota também afirma que esse sábado é uma data "dolorosamente trágica" e transmite os mais profundos sentimentos ao país e aos familiares dos mortos.
 

"Temos consciência que nenhuma palavra é suficiente para consolar e superar a dor das perdas de nossas famílias. São 500 mil sonhos interrompidos, 500 mil vidas ceifadas precocemente, 500 mil planos, desejos e projetos. Meio milhão de vidas que poderiam ter sido poupadas, com bom-senso, escolhas acertadas e respeito à ciência", afirma a nota.
 

O Brasil chegou na tarde deste sábado a 500.020 mortes em decorrência da Covid-19, o segundo país do mundo a ultrapassar a marca de meio milhão de vidas perdidas. Antes dele, os Estados Unidos superaram essa cifra e, no dia 15 de junho, passaram de 600 mil óbitos. A diferença é que, por lá, mais de 148 milhões de norte-americanos (45% da população) estão imunizados; por aqui, são cerca de 24 milhões de brasileiros (11% da população).
 

A marca foi lembrada na série de protestos contra o governo brasileiro em cidades do país. Em Brasília, uma grande faixa foi estendida no gramado em frente ao Congresso Nacional, em menção às "mais de 490 mil mortes". A CPI foi lembrada em cartazes dos manifestantes, que afirmavam que as conclusões da comissão precisariam resultar no impeachment do presidente.
 

Também neste sábado, a Casa Civil da Presidência divulgou um material com o balanço dos 900 dias do governo do presidente Jair Bolsonaro. A pasta ressalta que o governo já distribuiu mais de 110 milhões de doses das vacinas contra a Covid-19 para os estados, o que "coloca o país em quarto lugar no ranking mundial de países que mais aplicam vacinas contra a Covid-19" e afirma que todos os brasileiros "que assim o desejarem" serão vacinados até o final do ano.
 

O material não cita em nenhum momento a marca de 500 mil mortos.
 

 

AGU propõe que civis sejam punidos na justiça militar caso haja 'ofensa' às forças armadas
Foto: Reprodução / Pedro Ladeira - Folhapress

Em parecer protocolado no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira (17), e assinado pelo advogado-geral da União substituto, Fabrício de Soller, o governo federal propôs que civis sejam julgados e punidos pela Justiça Militar por supostas ofensas a instituições militares e às Forças Armadas. 

Conforme divulgou o jornal Folha de São Paulo, a proposta tem como base outros pareceres já elaborados pelas áreas jurídicas do Ministério da Defesa; de Exército, Aeronáutica e Marinha; e da Secretaria-Geral da Presidência da República. A proposta surge em paralelo à Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF), movida no Supremo pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI), que defende que jornalistas vêm sendo silenciados através de ameaças e hostilizações através de atos de censura via decisões judiciais. 

Como lembra o F. de S. Paulo, nesta ação a associação de imprensa revela desejo para que sejam consideradas inconstitucionais artigos na legislação que versem sobre a proibição no tocante à publicação de informações referentes a servidores públicos, pessoas públicas, candidatos a cargos eleitorais, militares e instituições militares. No âmbito militar, a previsão legal está prescrita  no Código Penal Militar, em uma normativa estabelecida durante o período ditatorial que estabelece a punição para civis  por crimes militares, em casos de ofensas e ataques a instituições militares e às Forças Armadas. Esse entendimento vale para os chamados crimes contra a honra.

Para a ABI, “apesar da interpretação restritiva que predomina no STF”, critérios assentados em expressões como “afetar as instituições militares” e “atingir as Forças Armadas” abrem a possibilidade da aplicação do código militar ao julgamento de não militares, ou seja, civis. “A submissão à Justiça castrense e a aplicação do Código Penal Militar produzem efeito resfriador sobre todos aqueles que desejam publicar notícias sobre as Forças Armadas”, cita a ação.

O governo federal discorda da Associação. “Se houver cometimento de ilícitos penais, mediante dolo ou ausência do dever de cuidado objetivo, deve haver sanção penal, (…) sob pena de conferir-se (…) um salvo conduto para o cometimento de crimes contra a honra de militares, políticos e agentes públicos”, cita um parecer da Subchefia para Assuntos Jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência.

De acordo com a  AGU, o que a ABI solicita resultaria em um afastamento do juiz natural da causa, mesmo se o suspeito for um civil e o suposto ofendido, um militar ou uma instituição militar. “Os delitos praticados por civil contra instituição militar são considerados crimes militares e, portanto, de competência da Justiça Militar”, afirmou a AGU. Cabe ao ministro Gilmar Mendes, relator do processo, avaliar os pedidos. 

Feciba: Estudantes da rede estadual têm até 2 de julho para inscrever projetos de pesquisa
Foto: Divulgação / GOVBA

A Secretaria da Educação do Estado (SEC) realiza, até 2 de julho, as inscrições para a submissão de projetos escolares da rede estadual de ensino para a 9ª Feira de Ciências, Empreendedorismo e Inovação da Bahia (Feciba). A atividade, que conta com a mobilização de estudantes e professores, será realizada em formado virtual, na plataforma do Instituto Anísio Teixeira (IAT), entre os dias 25 e 29 de outubro, com o tema “Territórios educativos e suas experiências científicas”.

 

A Feciba tem como objetivo promover a popularização da Ciência e o fortalecimento da Educação Científica por meio de projetos desenvolvidos por alunos e educadores da rede pública estadual da Bahia. Serão selecionados 250 projetos de iniciação científica desenvolvidos por estudantes regularmente matriculados nas modalidades e ofertas da rede pública estadual da Bahia, como Ensino Fundamental, 6º ao 9º ano; Ensino Médio, 1ª, 2ª e 3ª série; e Educação Profissional e Tecnológica, 1ª, 2ª, 3ª e 4ª série, considerando as matrículas realizadas em 2021, sob orientação dos professores da rede de Educação pública da Bahia.

 

Nesta edição, acrescenta-se também como objeto a seleção de atividades artísticas com temas científicos pelos alunos das modalidades e oferta já citadas e de relatos dos professores orientadores. A Feciba contempla quatro modalidades: Projeto de Pesquisa em Andamento; Pesquisas Científicas Concluídas; Performances Científicas; e Relato de Experiências de Orientação Científica.

 

A adesão à 9ª Feciba deve ser feita pelas unidades escolares estaduais, mediante preenchimento do formulário de adesão disponibilizado pela SEC, no Portal da Educação (aqui). Os professores orientadores interessados em participar da 9ª Feciba, no formato virtual, deverão preencher o formulário de submissão, também disponível no mesmo endereço.

Veículos da prefeitura de Jacobina são apreendidos por falta de licenciamento
Foto: Reprodução/Jacobina Notícias

Uma blitz da Polícia Rodoviária Estadual (PRE) apreendeu dois veículos da prefeitura de Jacobina, no Piemonte da Chapada Diamantina. De acordo com a PRE, os carros estavam com a documentação atrasada, incluindo o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) quanto o licenciamento. A apreensão ocorreu na noite da sexta-feira (18) e foi divulgada pelo Jacobina Notícias neste sábado (19). 

 

Em relato à reportagem do blog Jacobina 24 Horas, a capitã PM Virgínia Bacelar Rocha, comandante da 2ª Cia Polícia Rodoviária Estadual, informou que a PRE estava realizando uma operação para coibir consumo de bebidas alcoólicas entre motoristas, quando dois veículos da Prefeitura de Jacobina acabaram sendo parados na blitz. 

 

“A blitz era a alcoolemia, onde convidamos motoristas para fazer o teste do etilômetro e, quando fomos conferir a documentação dos veículos, eles não estavam portando o documento atualizado. Consultamos o aplicativo do Detran (Departamento Estadual de Trânsito da Bahia), onde foi comprovada a irregularidade”, afirma a comandante, acrescentando que o aplicativo do Detran acompanha, em tempo real, toda a operação, com horário, localização e veículos que estão sendo abordados. 

 

Ao site, o secretário municipal de Transportes, Carlos Ferreira de Deus reconheceu as irregularidades e prometeu tratar a situação na segunda-feira (21). 

Domingo, 20 de Junho de 2021 - 07:20

Brasil chega a 500 mil mortes por Covid

por Everton Lopes Batista | Folhapress

Brasil chega a 500 mil mortes por Covid
Foto: Paula Fróes/GOVBA

O Brasil chega à marca de meio milhão de mortos pela Covid-19 neste sábado (19), segundo registros oficiais das secretarias de Saúde dos estados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa. O número real, porém, deve ser ainda maior, já que nem todos os infectados fazem o exame para detectar a presença do coronavírus.
 

Às 20h deste sábado, o país contou 2.247 mortes e 78.869 novos casos da doença nas últimas 24 horas, elevando o total de óbitos para 500.868, e o de casos, para 17.881.045.
 

Com isso, o Brasil torna-se o segundo país a ultrapassar os 500 mil mortos. Antes dele, os Estados Unidos superaram essa cifra e, no dia 15 de junho, passaram de 600 mil óbitos. A diferença é que, por lá, mais de 148 milhões de norte-americanos (45% da população) estão totalmente imunizados; por aqui, são 24.243.552 milhões de brasileiros (11,45% da população) que já tomaram as duas doses.
 

Com vacinação ainda lenta, o vírus se alastra por todas as regiões do Brasil. Na última semana, houve média de cerca de 2.000 mortos por dia pelo coronavírus Sars-CoV-2. A média diária de novos casos está em torno de 70 mil, o que deixa o atual momento entre os piores da pandemia.
 

Desde o primeiro registro da doença no país, em fevereiro de 2020, mais de 17,8 milhões de pessoas já foram infectadas pelo Sars-CoV-2 no Brasil —número que provavelmente também está subdimensionado.
 

Os dados comparativos mostram que as autoridades brasileiras erraram na condução do país em meio à pandemia. Quando se considera a taxa de mortos por 100 mil habitantes, por exemplo, o Brasil é o 9º país com mais óbitos, ostentando 235 mortes/100 mil habitantes. Apenas países de população bem menor estão à sua frente.
 

Entre as maiores economias do mundo, o Brasil é o país que acumula mais mortes por 100 mil habitantes.
 

Apesar de todas as evidências científicas disponíveis, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mantém o negacionismo que expressou desde o primeiro momento. Ele já subestimou o perigo que a doença representa quando a chamou de gripezinha, lançou desconfiança sobre as vacinas que comprovadamente podem diminuir os riscos de morte e não segue as medidas de proteção contra o vírus, como uso de máscara e distanciamento social.
 

Pressionado pelo número elevado de mortes, Bolsonaro até apareceu em rede nacional para celebrar a distribuição de 100 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 aos estados e municípios, mas ao mesmo tempo não dá sinais de que ele mesmo deve se vacinar. Outros líderes mundiais tomaram a injeção no braço em público como maneira de estimular a população e dissipar qualquer receio provocado por notícias falsas.
 

Em suas falas, as imprecisões e as expressões próprias de um movimento político que se opõe à ciência servem para lançar desconfianças infundadas sobre as vacinas e o uso das máscaras, que ele diz ser um símbolo contra a liberdade individual.
 

Suas crenças se refletiram nas ações do governo federal, que se empenhou mais na defesa e na distribuição de remédios como a hidroxicloroquina, ineficaz contra a Covid, e menos na compra das vacinas.
 

Mesmo após mais de um ano de realização de estudos científicos padronizados com a hidroxicloroquina e outros medicamentos do chamado "kit Covid" que não encontraram benefícios no uso dos remédios pelos doentes, o presidente segue propagandeando esses medicamentos como a solução.
 

O resultado: cerca de um quarto da população brasileira fez uso de algum medicamento para tratar precocemente ou prevenir a Covid-19, de acordo com uma pesquisa do Datafolha —entre os que declaram voto em Bolsonaro nas eleições de 2022, o índice sobe para 37%. Mas o tratamento ainda não existe, e os números de mortes ajudam a confirmar isso.
 

Enquanto isso, a CPI da Covid instalada no Senado expõe a inoperância do governo federal e alimenta críticas às ações das autoridades sanitárias e de Bolsonaro no período. Para agravar o quadro econômico ruim, aumenta também o isolamento do Brasil no cenário internacional, acompanhado de fortes críticas à gestão da crise na saúde.
 

A comissão parlamentar ajudou a evidenciar a omissão do presidente e de seu ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, no colapso de Manaus no começo deste ano, quando hospitais ficaram sem oxigênio para fornecer aos doentes internados.
 

O comportamento errático do governo também se evidencia nas trocas na pasta mais relevante para o enfrentamento da pandemia. Desde o começo da crise, quatro ministros da Saúde tentaram conduzir a reação do país. Dois deles —Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich— saíram do posto por divergências com Bolsonaro. O terceiro, Pazuello, mais alinhado ao presidente, ficou quase um ano no cargo. Saiu pela má gestão e como um dos investigados na CPI da Covid-19.
 

Cabe agora ao médico paraibano Marcelo Queiroga, o quarto ministro, conter a múltipla crise. Com discurso mais modulado, ele reafirma seu apreço à ciência, mas está dentro de um governo que, como também mostrou a CPI, ignorou durante meses a oferta de vacinas feita pela Pfizer ainda no ano passado.
 

E a Pfizer nem foi a única vacina esnobada. Importantes nomes do governo atacaram a Coronavac, por sua origem chinesa. Bolsonaro, Paulo Guedes (ministro da Economia) e Ernesto Araújo (ex-chanceler) fortaleceram esse discurso.
 

Nas redes sociais, sobretudo entre bolsonaristas, circulam mentiras que afastam a população dos imunizantes. Algumas delas sugerem que as vacinas carregam algum tipo de chip ou que causem efeito magnético. O objetivo é disseminar o pânico e a descrença naquilo que é a melhor ferramenta para combater a pandemia.
 

As vacinas contra a Covid-19, desenvolvidas em tempo recorde e algumas delas com eficácias extraordinárias, têm seus dados de segurança continuamente revisados por autoridades sanitárias, como a Anvisa. Países que escolheram o caminho da vacinação em massa, como os Estados Unidos e Israel, colhem os bons frutos dos imunizantes agora.
 

No Brasil, mesmo com uma vacinação abaixo do desejado, os imunizantes já teriam evitado a morte de 43 mil pessoas acima de 70 anos, segundo estudo do Centro de Pesquisas Epidemiológicas da UFPel (Universidade Federal de Pelotas) em parceria com a Universidade Harvard e o Ministério da Saúde.
 

Já o uso de máscara é uma medida simples e barata para conter a disseminação do Sars-CoV-2 e outros vírus respiratórios. Sabiam disso desde o início os médicos e os países asiáticos que melhor lidaram com a pandemia. Elas ainda são necessárias e devem seguir essenciais por um bom tempo no Brasil, onde o vírus tem alta circulação e a vacinação anda lentamente, afirmam os especialistas.
 


 

 

Sábado, 19 de Junho de 2021 - 20:54

De virada, Vitória bate o Brusque e deixa o Z-4 da Série B

por Glauber Guerra

De virada, Vitória bate o Brusque e deixa o Z-4 da Série B
Foto: Max Haack/ Ag. Haack/ Bahia Notícias

O Vitória venceu o Brusque por 3 a 1, neste sábado (19), no Barradão, em jogo válido pela quinta rodada da Série B. Edu abriu o placar para a equipe visitante na primeira etapa, porém o Leão virou na etapa final. Soares Bolota, David e Ygor Catatau anotaram a favor do rubro-negro.

 

Com o resultado, o Leão conquistou sua primeira vitória na Série B e de quebra deixou o Z-4. Agora, o time comandado pelo técnico Ramon Menezes tem seis pontos e aparece em nono colocado.

 

O próximo compromisso do Vitória é contra o Coritiba, terça-feira (22), às 21h30, no Couto Pereira.

 

O JOGO

A primeira boa chegada foi do Vitória. Aos sete minutos, David recebeu na entrada da área e arriscou para a defesa de Ruan Carneiro. Aos 13, outra chance do Leão. David cruzou para Dinei, que cabeceou para fora.

 

O Vitória tinha maior posse de bola e tentava construir jogadas, mas falhava no último passe. 

 

Quem abriu o placar foi o Brusque. Aos 24, Edu recebeu de Diego Mathias, subiu mais que Wallace e cabeceou para o fundo das redes.


Foto: Max Haack/ Ag. Haack/ Bahia Notícias

 

Aos 38, Rodolfo arriscou de fora da área, mas Lucas Arcanjo fez boa defesa.

 

O Brusque conseguiu se fechar e tirar os espaços do Vitória. O jeito para o Leão era tentar chutes de fora da área. Soares tentou aos 40, mas a bola foi para fora.

 

Segundo tempo
O técnico Ramon Menezes fez duas alterações no intervalo. Ele sacou Roberto e Fernando Neto para as entradas de Pedrinho e Bruno Oliveira, respectivamente.

 

Aos dois minutos, Soares Bolota cobrou falta com veneno e bola chegou a encostar na rede, mas pelo lado de fora. Três minutos depois, Soares Bolota cruzou para Dinei, que cabeceou por cima.

 

O Vitória chegou ao empate aos 13 minutos. Depois de bate e rebate na área, a bola sobrou para Soares Bolota, que estufou as redes.


Foto: Max Haack/ Ag.Haack/ Bahia Notícias

 

O time rubro-negro teve outra postura no segundo tempo. A equipe criou as melhores chances. 
Samuel passou pelo marcador aos 31, invadiu a área e finalizou para fora.

 

A virada aconteceu aos 31. David recebeu cruzamento de Cedric, cabeceou na trave, mas a bola parou em seus pés e ele só teve o trabalho de empurrar para o fundo das redes.


Foto: Max Haack/ Ag. Haack/ Bahia Notícias

 

E teve mais gol do Vitória. Aos 42, Ygor Catatau invadiu a área e deu números finais ao jogo. Triunfo do Leão por 3 a 1.


Foto: Max Haack/ Ag. Haack/ Bahia Notícias

 

FICHA TÉCNICA
Vitória 3 x 1 Brusque
Série B – 5ª rodada

Local: Barradão, em Salvador (BA).
Data: 19/06/2021 (sábado)
Horário: 19h
Árbitro: Tiago Nascimento dos Santos (PE)
Assistentes: Ricardo Bezerra Chianca (PE) e José Daniel Torres de Araujo (PE).
Gols: Edu (Brusque); Soares Bolota, David e Ygor Catatau (Vitória)
Cartões amarelos: Toty, Edu e Rodolfo Potiguar (Brusque); Bruno Oliveira e Guilherme Santos (Vitória)

 

Vitória: Lucas Arcanjo; Cedric, Marcelo Alves e Wallace e Roberto (Pedrinho); Gabriel Bispo (Ygor Catatau), Pablo Siles, Fernando Neto (Bruno Oliveira) e Soares Bolota (Guilherme Santos); David e Dinei (Samuel). Técnico: Ramon Menezes.

 

Brusque: Ruan Carneiro; Toty, Claudinho, Ianson e Airton; Zé Mateus, Rodolfo Potiguar, Diego Mathias (Gabriel Taliari) e Bruno Alves (Fillipe Soutto); Edu (Jhon Cley) e Thiago Alagoano (Bruno Lopes). Técnico: Jerson Testoni.

Rui faz apelo aos baianos para evitarem aglomerações durante festejos juninos
Foto: Paula Fróes / GOVBA

Neste sábado (19), em visita a Amargosa, o governador Rui Costa apelou à população para evitar aglomerações durante os festejos juninos. Rui ressaltou a necessidade de reforçar as medidas de prevenção à disseminação do coronavírus.

 

“Quero aqui fazer ao apelo não só ao povo de Amargosa, mas a toda à região e a todos baianos. Estamos insistindo nessa tecla, pela preocupação com o aumento dos casos de Covid-19. Não queremos impedir a tradição, mas precisamos nos cuidar agora e evitar o pior depois”, disse o governador.

 

Rui destacou que a situação da pandemia poderia ser muito diferente no país se não fosse a lentidão da vacina. “Hoje, já era para 70% do povo brasileiro já estar vacinado. Infelizmente, o presidente não comprou vacina no ano passado, quando os laboratórios ofereceram. Como a CPI está mostrando, teve laboratório que ofereceu ao Brasil vacina pela metade do preço e mesmo assim o presidente não comprou”.

 

“Meu apelo é que, mesmo mantendo a tradição cultural do São João, evitem a qualquer custo as aglomerações”, completou o governador.

Para evitar ação, Carrefour paga R$ 115 milhões; família de Beto recebe R$ 5 mi
João Alberto foi espancado em loja e morreu. | Foto: Arquivo pessoal

Na última semana, o Carrefour, rede de supermercados, aceitou pagar R$ 115 milhões em ações de reparação à sociedade para afastar abertura de ações judiciais pela morte de João Alberto Freitas, conhecido como Beto. Ele foi espancado por seguranças em uma unidade de Porto Alegre, em novembro de 2020.

 

O valor é 22 vezes os R$ 5,2 milhões destinados aos familiares do homem negro morto, segundo divulgado pelo site UOL.

 

A primeira quantia faz parte de um TAC (termo de Ajustamento de Conduta) acertado com entidades públicas e organizações do movimento negro para reparar danos morais e descartar abertura de ações judiciais.

 

De acordo com o Conselho Nacional do Ministério Público, o valor é o mais alto para um acordo do tipo para combate ao racismo e será destinado à concessão de bolsas de estudo para pessoas negras, além de campanhas de combate ao racismo.

 

Já o dinheiro destinado à família, foi negociado diretamente com o Carrefour e faz parte de outro acordo. Os parentes de Beto precisaram assinar termos de confidencialidade porque os acordos são sigilosos.

 

O Carrefour informou que nove familiares de João Alberto foram indenizados.

Relator na Câmara do Rio pede cassação do mandato de Jairinho por morte de Henry
Foto: Tânia Rego / Agência Brasil

O relator do processo no Conselho de Ética da Câmara do Rio de Janeiro contra o vereador Dr. Jairinho (sem partido), apresentou o relatório final pela procedência da denúncia nesta sexta-feira (18). Ele indicou a cassação do mandato do parlamentar por quebra de decoro.

 

O vereador está preso desde 8 de abril junto com a namorada Monique Medeiros. Os dois são acusados pela morte do menino Henry Borel, de 4 anos. Monique era a mãe do menino. As investigações apontam que a criança teria sido morta por Dr. Jairinho, após sofrer espancamento no apartamento onde morava com o casal, no Rio de Janeiro. Dias depois a justiça transformou a prisão temporária de 30 dias do casal em prisão preventiva.

 

A partir da apresentação do relatório, a defesa de Jairinho terá cinco dias para apresentar as alegações finais. Após esse prazo, o conselho voltará a se reunir para deliberar sobre o processo. Se for aprovado, ele é remetido ao plenário para a votação definitiva.

 

De acordo com a Agência Brasil, a conclusão do relator, o vereador Luiz Ramos Filho (PMN), teve como base o inquérito policial sobre a morte do menino Henry Borel e o depoimento por escrito do executivo do hospital que atendeu o garoto. O relatório concluiu que há elementos para a cassação do mandato.

 

“A ligação do Dr. Jairinho para o executivo do hospital para evitar que o corpo do menino Henry fosse periciado pelo Instituto Médico Legal caracteriza quebra de decoro a ser punido com a perda do mandato”, explicou.

 

O vereador Alexandre Isquierdo (DEM), presidente do Conselho de Ética, afirmou que a Câmara do Rio agiu de forma célere, com responsabilidade, respeitando todos os prazos e o direito à ampla defesa do acusado.

 

De acordo com  Isquierdo, a expectativa é que a votação definitiva em plenário ocorra no dia 29 de junho.

'Com Bolsonaro o Brasil ficou mais pobre e sem saúde', afirma Robinson em manifestação
Foto: Divulgação

O vice-líder do governo do estado na Assembleia Legislativa, deputado estadual Robinson Almeida (PT-BA), reforçou as críticas à gestão do  Presidente Jair Bolsonaro, em manifestação nacional pelo impeachment  neste sábado (19). A população soteropolitana ocupou as ruas do Campo Grande a Barra por mais vacinas e pelo auxílio emergencial.  A manifestação foi confirmada também em cerca de 386 cidades de todos os estados brasileiros, incluindo as 27 capitais. No exterior, a previsão foram cerca de 52 cidades em países como, Estados Unidos, Canadá, Alemanha, França, Portugal e Argentina.


 
“Ninguém aguenta mais, já são mais de 500 mil vidas perdidas pela irresponsabilidade, negligência e omissão de um presidente incapaz de governar o Brasil. O Brasil merece um futuro justo, com mais empregos e uma vida digna para os mais pobres”, critica o parlamentar. “Desde que o genocida assumiu a presidência, o país declina mais, os itens essenciais da cesta básica estão cada vez mais caros, a gasolina a R$ 6,00 o llitro e, para piorar, enfrentamos uma pandemia com um incompetente no poder. Ele não está à altura do cargo que ocupa, não tem condições de liderar o Brasil”, destacou Robinson.

Pesquisa da Uefs detecta variante Gama do coronavírus em assintomáticos em Feira
Foto: Edvan Barbosa / Ascom Uefs

Uma pesquisa realizada pela Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) detectou variante Gama do novo coronavírus em pessoas assintomáticas na cidade.

 

A informação foi divulgada nesta sexta-feira (18) e segundo a Uefs, resultados parciais da pesquisa chamada de "Vigilância Epidemiológica e Genômica da Covid-19 de indivíduos em Grandes Áreas de circulação em Feira de Santana" foram expostos em evento da instituição.

 

A pesquisa foi feita entre 8 de abril e 18 de maio de 2021, com testes de detecção do coronavírus em pessoas que não apresentavam sintomas em locais de grande circulação do município. A metolodogia usada foi a de sequenciamento do RNA viral para encontrar caraterizações genéticas do vírus.

 

A pesquisa foi desenvolvida em parceria com a Fiocruz, Vigilância Epidemiológica e Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana (VE/SMFS), OPAS/OMS, Coordenação Geral de Laboratórios de Saúde Pública (CGLAB/SVS/MS) e o Laboratório Central de Saúde Pública da Bahia (Lacen/BA).

 

A universidade fala sobre a necessidade de compreender casos assintomáticos, através do reconhecimento de novas variantes do coronavírus e infectados. Os resultados divulgados mostram a colega de 1.400 amostras, detectando 154 pessoas infectadas pela Covid-19 e classificadas como assintomáticas.

 

A coleta mostra também 122 genomas e uma variante predominante em 100% dos infectados, a P.1/P1.1, conhecida como variante de Manaus e que apresenta transmissão entre 1,7 e 2,4 vezes maior do que as outras.

Flávio Bolsonaro tem feito reuniões estratégicas em casa com convocados da CPI
Foto: Joílson César / Ag. Haack / Bahia Notícias

A atuação do senador Flávio Bolsonaro (Patriota) na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia não tem se restringido a participação da sessões. Segundo o blog do jornalista Lauro Jardim, o filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem realizado reuniões estratégicas com as testemunhas bolsonaristas na própria casa.

 

As reuniões com o convocados a depor da CPI acontecem, segundo O Globo, na mansão de R$ 6 milhões que Flávio comprou recentemente em Brasília.

 

A apuração indica que na quinta-feira (17) houve uma dessas reuniões com dois advogados e o médico Francisco Cardoso, defensor da cloroquina e do tratamento precoce que depôs na sexta a CPI. Segundo O Globo, os advogados o orientaram sobre o que falar e o que calar diante dos senadores.

Bahia registra 4.737 novos casos e 96 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas
Foto: Paula Fróes / GOVBA

A Bahia registrou, neste sábado (19), 4.737 novos casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,4%) e mais 96 mortes pela doença nas últimas 24 horas. Segundo boletim epidemiológico da Secretaria Estadual da Saúde (Sesab), também foi registrado 4.325 recuperados.

 

No total, a Bahia acumula agora 1.092.772 casos confirmados do novo coronavírus e 23.104 mortes em decorrência da infecção, contabilizados desde o início da pandemia, que chegou ao estado no dia 6 de março de 2020, com a identificação da primeira contaminação em Feira de Santana.

 

Os casos ativos agora somam 16.224. Os municípios baianos com mais casos confirmados desde o início da pandemia são Salvador (220.875), Feira de Santana (47.429), Itabuna (32.006), Vitória da Conquista (31.935), Camaçari (22.983), Lauro de Freitas (21.415), Ilhéus (20.511) e Barreiras (17.764).

 

A taxa de ocupação dos leitos de UTI no estado é de 81%. Já no caso das unidades pediátricas de terapia intensiva, o percentual é de 63%.

 

FILA DA REGULAÇÃO
Às 12h deste sábado, 74 solicitações de internação em UTI Adulto Covid-19 constavam no sistema da Central Estadual de Regulação. Outros 56 pedidos para internação em leitos clínicos adultos Covid-19 estavam no sistema. Este número é dinâmico, uma vez que transferências e novas solicitações são feitas ao longo do dia.

Sábado, 19 de Junho de 2021 - 17:20

Sincotelba participa de ato contra Bolsonaro: 'Pior governo do Brasil'

por Lula Bonfim / Gabriel Lopes

Sincotelba participa de ato contra Bolsonaro: 'Pior governo do Brasil'
Foto: Lula Bonfim / Bahia Notícias

Representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Correios e Telégrafos do Estado da Bahia (Sincotelba) participaram do ato contra o presidente Jair Bolsonaro, na tarde deste sábado (19).

 

Presidente do sindicato, Josué Canto, afirma que os Correios se coloca contra os ataques feitos por Bolsonaro.

 

"É a única empresa pública que vem lutando contra os ataques de Bolsonaro. Estamos aqui contra o genocídio dele, contra a omissão na compra de vacinas e nos levantamos contra a opressão de qualquer governo e Bolsonaro não é diferente. Está sendo o pior governo da história do Brasil", opinou.

 

Josué também comenta sobre possíveis consequências, em uma eventual privatização dos Correios. Na visão dele, a população pagaria mais caro.

 

"Aumento de tarifa e a falta de serviços postais para mais de 5 mil municípios brasileiros. Os Correios para manter a entrega postal, sai dos cofres dos correios, não do governo, 6 bilhões de reais. Qual é o empresário que vai querer bancar 6 bilhões para dar entrega postal aos brasileiros?", questiona.

Moradores de prédio na Barra relatam vandalismo de manifestantes durante ato
Foto: Leitor BN / WhatsApp

Moradores de um prédio localizado na ladeira da Barra, em Salvador, relataram cenas de vandalismo durante a passagem de manifestantes pelo local neste sábado (19). Um ato contra o presidente Jair Bolsonaro foi realizado na capital, com saída do Campo Grande em direção ao bairro da Barra.

 

Segundo um leitor do Bahia Notícias, a manifestação corria de forma pacífica e no momento em que um carro da Associação dos Professores Universitários da Bahia (APUB) passava pela frente do prédio Solaire, a violência começou.

 

Ele, que registrou a ação com imagens, conta que um dos moradores de um edifício ao lado do Solaire, acenou uma bandeira do Brasil para os manifestantes e a ação foi vista como um ato de "bolsonarismo".

 

De acordo com o morador, os manifestantes arrancaram câmeras de segurança do prédio e destruíram a fachada de vidro do local com pedras e barras de ferro.

Foto: Leitor BN / WhatsApp

 

"Sem precendente e sem necessidade pela arbitrariedade e falta de censo de democracia dos manifestantes", disse. Ele também afirmou que moradores indignados tentaram revidar e a polícia precisou intervir.

Funcionário de empresa de adubos é preso suspeito de furto em Juazeiro
Foto: Ascom / PC-BA

Policiais do Serviço de Investigação (SI) da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR) de Juazeiro prenderam preventivamente, nesta sexta-feira (18), um funcionário de uma empresa de adubos. Ele é suspeito de subtrair mais de R$ 400 mil em defensivos agrícolas.

 

O homem, que confessou ter roubado 40 caixas com os produtos químicos, teve o mandado cumprido no bairro Cajueiro. As investigações continuam para identificar e localizar o receptador dos defensivos agrícolas. O suspeito permanece à disposição da Justiça.

Sábado, 19 de Junho de 2021 - 16:50

'Futebol e política tem tudo a ver', diz Brigada Marighella em manifestação

por Lula Bonfim / Gabriel Lopes

'Futebol e política tem tudo a ver', diz Brigada Marighella em manifestação
Foto: Lula Bonfim / Bahia Notícias

"Futebol e política tem tudo a ver". Foi assim que Vinícius Alem, membro da torcida "Brigada Marighella", do Vitória, classificou a relação do esporte, neste sábado (19), durante ato contra o presidente Jair Bolsonaro.

 

Vinícius defende a importância de movimentos ocuparem o espaço político. "Futebol é um esporte popular, então a política tem que entrar no futebol. A gente não pode se furtar de fazer parte desse movimento e de ocupar esse espaço", disse o torcedor.

 

Para ele, a realização da Copa América no Brasil é um "absurdo". Vinícius também afirma que a relação de Bolsonaro com o esporte é de conveniência.

 

"Ele usa [camisas de time] conforme lhe convém, uma hora aparece com uma, outra hora aparece com outra. E trazer a Copa América para o Brasil no auge da pandemia é um grande absurdo, nunca deveria ter acontecido", finaliza.

PIS tem R$ 1,5 bi 'esquecido' e saque de até R$ 1.100 termina no dia 30
Foto: Priscila Melo / Bahia Notícias

Trabalhadores do Brasil têm cerca de R$ 1,5 bilhão a receber parados na Caixa e no Banco do Brasil. O dinheiro é referente ao abono salarial do PIS/Pasep e pode ser sacado até o dia 30 de junho.

 

Após essa data, o valor só será disponibilizado de novo no calendário de 2022. A quantia paga no abono é de até um salário mínimo, R$ 1.100 em 2021. Quem trabalhou com carteira assinada ou como funcionário público no ano anterior tem direito ao benefício.

 

Os trabalhadores precisam preencher requisitos como ter recebido em média até dois salários mínimos por mês e está inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos. Quem trabalha no setor privado pode sacar na Caixa. Já o servidor público pode retirar os valores no Banco do Brasil.

 

Para saber se tem direito, as pessoas interessadas podem consultar. PIS (trabalhador de empresa privada) no aplicativo Caixa Trabalhador ou através do número 0800 726 0207. E Pasep (servidor público) pelos telefones da central de atendimento do Banco do Brasil: 4004-0001 (capitais e regiões metropolitanas); 0800 729 0001 (demais cidades) e 0800 729 0088 (deficientes auditivos).

Sábado, 19 de Junho de 2021 - 16:30

Contra Bolsonaro, Olívia aponta união como caminho a ser seguido entre partidos

por Lula Bonfim / Gabriel Lopes

Contra Bolsonaro, Olívia aponta união como caminho a ser seguido entre partidos
Foto: Lula Bonfim / Bahia Notícias

Presenças quase sempre garantidas em atos como o deste sábado (19), contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), as deputadas Alice Portugal (PCdoB), federal, e Olívia Santana (PCdoB), estadual, citam a união entre partidos e lideranças políticas como caminho a ser seguido.

 

"Se ele [Bolsonaro] não respeita a vida, todos precisam se unir. Por isso que temos aqui vários partidos, diferentes forças políticas, movimentos sociais diversos. Me surpreendi com o tamanho dessa manifestação", disse Olívia Santana.

 

Para Alice Portugal, o Brasil se encontra em uma situação sem 'perspectiva' de saída. A deputada citou a marca de meio milhão de mortos por Covid-19, atingida pelo país neste sábado (19).

 

"Em nome dos 500 mil brasileiros que perderam a vida pela inépcia, pela irresponsabilidade e pela ação genocida desse governo. É para tirar o Brasil do silêncio em função dessa circunstância desastrosa que o país está envolvido. Nós somos hoje um berçário de variantes do novo coronavírus. Não podemos permitir que o presidente organize suas motociatas ao estilo fascista e o Brasil não se manifeste", opinou a parlamentar.

 

Além das deputadas, a vereadora Marta Rodrigues (PT), de Salvador, e o deputador estadual Robinson Almeida (PT) também foram ao ato.

Sábado, 19 de Junho de 2021 - 16:20

Alertas do TCU sobre sistema elétrico foram ignorados desde 2010

por Julio Wiziack | Folhapress

Alertas do TCU sobre sistema elétrico foram ignorados desde 2010
Foto: Divulgação/Eletrobras

Sucessivos governos desde 2010 ignoraram alertas do TCU (Tribunal de Contas União) sobre falhas no sistema elétrico. Problemas estruturais que pesam no atual desequilíbrio do setor, em grande maioria, não foram sanados.
 

Com a crise atual, que se agrava mês a mês diante das previsões de menos chuva, a SeinfraElétrica (Secretaria de Fiscalização de Infraestrutura de Energia Elétrica) da corte montou um plano de monitoramento.
 

A intenção é cobrar soluções do governo Jair Bolsonaro e de órgãos vinculados, como a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico).
 

Os problemas são antigos e se arrastaram também pelos governos de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB).
 

O MME (Ministério de Minas e Energia) disse que sempre responde às recomendações do TCU. O ONS afirmou que busca melhorar a operação com base nos recursos disponíveis.
 

Foram identificados, desde 2010, por exemplo, dez problemas com potenciais de dano aos consumidores.
 

Somente um deles custa ainda cerca de R$ 3,5 bilhões por ano a mais nas contas de luz. Trata-se de um descompasso entre as chamadas garantias físicas das hidrelétricas (energia assegurada, ou prometida, para a venda) e a energia que elas efetivamente injetam no sistema.
 

Em 2014, o TCU recomendou ao MME que fizesse a revisão das garantias físicas. Segundo o tribunal, as hidrelétricas "têm gerado menos do que a energia assegurada".
 

Para contornar o problema, o governo criou um mecanismo de compensação entre as usinas. As que produzem menos que o prometido são cobertas pelas que produzem mais que o compromissado.
 

Na avaliação de técnicos, nos últimos anos o saldo de geração sempre foi aquém do esperado. Segundo o TCU, "não há um mínimo assegurado".
 

O problema não foi corrigido devidamente. Em 2018, o TCU constatou que as usinas entregaram 1,3 GW médio a menos do que o prometido. À época, o governo, porém, contratou 4,9 GW médios para cobrir o déficit de fornecimento das geradoras de energia.
 

Para isso, foram autorizados nove leilões, chamados de leilão de energia reserva, a um custo estimado de R$ 116 bilhões. Esse montante foi parar na conta dos consumidores.
 

O assunto virou alvo de um monitoramento específico. Segundo o TCU, o MME já deu início à revisão dessas garantias, mas ainda está incompleta por tratar "apenas variáveis econômicas".
 

Para o tribunal, faltaram estudos sobre consumo da água e produtividade das usinas. De acordo com a corte, sem essa revisão, não é possível ter o correto planejamento da expansão da capacidade de geração da energia elétrica e os consumidores se tornam reféns da pressão dos preços, sempre que as empresas precisam ir a mercado adquirir energia -mecanismo, em geral, mais caro.
 

Outra auditoria viu falhas nos modelos de cálculo de projeção de oferta e procura. Eles não consideravam o atraso de obras de geração, distribuição e transmissão.
 

Durante o monitoramento, os técnicos do TCU verificaram que metade de uma amostra de 137 obras em janeiro de 2015 atrasou por causa de dificuldades na obtenção de licenças ambientais por órgãos estaduais.
 

Essas licenças deveriam ter sido obtidas previamente. Com os atrasos, que chegaram a um ano no caso das transmissoras, a energia só entra efetivamente no sistema muito depois, tornando-se fator de risco no planejamento.
 

Há erros também, segundo o TCU, na contratação de energia de termelétricas. Elas são acionadas em momentos como o atual, em que os reservatórios estão muito baixos. Para a corte, não dá para confiar nem mesmo nesse parque que tem usinas sucateadas ou paralisadas.
 

Em 2019, a indisponibilidade dessas geradoras variou de 17% a 38% de toda a capacidade instalada.
 

No fim de 2020, quando o governo passou a autorizar a contratação de térmicas, o TCU pediu um relatório da Aneel sobre a situação dessas usinas. O prazo para entrega vence no segundo semestre.
 

A situação piorou. Segundo dados da EPE (Empresa de Pesquisa Energética), a taxa de indisponibilidade vem subindo desde 2015.
 

No ano passado, térmicas a diesel ficaram indisponíveis, em média, 53% do tempo. No caso das térmicas a óleo combustível, elas ficaram paradas 26% do período pago. Nas usinas a gás e carvão, 19%.
 

Além disso, acórdãos e processos relacionados à crise de 2015, que culminou em pequenos apagões pelo país, por exemplo, levaram o TCU a emitir alertas, recomendações e até determinações ao MME.
 

Boa parte das medidas não foi atendida até hoje, o que compromete a segurança energética, segundo técnicos do tribunal. Agora, eles se preparam para uma nova rodada de fiscalizações por causa da atual crise hídrica, a pior dos últimos 91 anos.
 

No que se refere à vazão, auditores do TCU apontaram a necessidade de obras nos rios para ampliar margens e aprofundar o leito, além de recomposição da mata ciliar.
 

Se tais medidas tivessem sido implementadas corretamente, já garantiriam maior volume de água nas usinas.
 

Esse trabalho, no entanto, nunca foi realizado como deveria diante do agravamento da situação fiscal, levando o governo a cortar gastos.
 

Em entrevista recente ao jornal Folha de S.Paulo, o ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia) afirmou que o Orçamento prevê R$ 38 milhões por ano para essas obras a cargo do MDR (Ministério de Desenvolvimento Regional).
 

No processo de capitalização da Eletrobras, aprovado pelo Senado na quinta-feira (17), houve a previsão de destinação de R$ 850 milhões por ano para a recuperação de rios com parte dos recursos levantados com a desestatização.
 

Como resposta ao TCU na crise de 2015, o governo apresentou um plano em que pretendia permitir a ampliação da potência das usinas já instaladas (por meio de compra de mais equipamentos) e a implementação de usinas flexíveis (acionadas em momentos de crise próximas aos grandes centros consumidores). Nem os estudos para isso foram realizados, segundo a corte.
 

Pelo lado do consumidor, os técnicos consideram ainda que o modelo de bandeira tarifária demora a sinalizar a alta do preço da energia, o que mantém o consumo elevado quando se deveria economizar.
 

Na crise atual, os preços estão altos desde o fim do ano passado com o acionamento das térmicas. Porém, a bandeira vermelha só entrou em vigor recentemente.
 

EFEITO DE RESPOSTA A SUGESTÕES LEVA ANOS, AFIRMA MINISTÉRIO
 

O MME afirmou, em nota, que "sempre responde às recomendações de determinações do TCU". "Esses processos, por demandarem providências, duram muitos anos."
 

Um dos exemplos, segundo a pasta, vem sendo a atuação sinérgica com o TCU na revisão das garantias físicas das hidrelétricas. "O processo envolve entidades como ANA [Agência Nacional de Água], Aneel, EPE, ONS e o próprio MME, e terá como resultado uma adequação maior à realidade do sistema elétrico estimado para 2025."
 

Sobre os leilões de reserva, o ministério disse que, dentre as dez contratações de energia e transmissão em 2021, discute-se a possibilidade da participação, além das térmicas, de hidrelétricas existentes que possam ser objeto de ampliação.
 

Em relação à bandeira tarifária, o ministro Bento Albuquerque afirmou à Folha de S.Paulo que o modelo será revisto.
 

O ONS, também em nota, disse que "busca sempre a melhor operação do Sistema Interligado Nacional (SIN), considerando os recursos disponíveis". "Para o atual planejamento e a programação da operação do SIN, os atrasos verificados", segundo o órgão, "não têm impacto."
 

A Aneel não quis se pronunciar sobre o assunto.
 

*
 

PROBLEMAS DE ALTA TENSÃO
 

Fiscalizações do TCU apontaram falhas no sistema elétrico que até hoje não foram corrigidas e comprometem a oferta de energia:
 


 

Falhas no planejamento da capacidade de geração
 

- Apesar de diversos leilões de energia, ocorrem atrasos na entrega dos projetos. O planejamento conta com dados de entrada defasados, o que compromete as estimativas de necessidade de energia
 

- Não foi corrigido
 


 

Superavaliação da energia gerada
 

- As hidrelétricas vêm gerando menos do que o mínimo da energia assegurada para ser vendida ao mercado. Quando isso ocorre, elas precisam comprar a energia de terceiros e o preço é sempre mais alto, encarecendo a conta do consumidor
 

- Parcialmente resolvido
 


 

Indisponibilidade de parte das termelétricas
 

- A taxa de indisponibilidade, apesar do crescente uso desse parque. Em 2020, quando o Brasil teve a pior seca da história, térmicas a diesel, por exemplo, ficaram indisponíveis, em média, 53% do tempo. No caso das térmicas a óleo combustível, a indisponibilidade foi de 26% do período pago. Nas usinas a gás e carvão, 19%
 

- Não foi corrigido
 


 

Aumento da potência das usinas existentes
 

- Não foram realizados estudos para instalação de equipamentos necessários para turbinar o maquinário das geradoras hoje em funcionamento
 

- Não foi corrigido
 


 

Redução da energia armazenada com construção de usinas sem reservatório (fio d´água)
 

- Apesar de serem mais amigáveis com o meio ambiente, não operam com reservatórios. A preferência por esses projetos, como Belo Monte, fez a relação entre a energia armazenada e a entregue efetivamente cair de 6,22, em 2011, para 3,3, em 2021
 

- Não foi corrigido
 


 

Atraso na entrega de obras de geração e transmissão de energia
 

- Somente entre 2005 e 2012, quase 80% das hidrelétricas não entraram em operação no prazo inicial. O atraso médio girou em torno de oito meses. Nas termelétricas, 75% só passou a produzir onze meses depois do combinado. Nas eólicas, 88%
 

- Não foi corrigido
 


 

Elevado nível de perdas de energia pelo sistema
 

- Em 2020, 13,8% da energia injetada no sistema foi perdida devido a problemas técnicos, furtos e falhas na medição das distribuidoras, o equivalente a R$ 15 bilhões de custo por ano. Este é o mesmo patamar de 2010
 

- Não foi corrigido
 


 

Demora no reajuste tarifário
 

- Desde 2013, subsídios do Tesouro mascaram o preço, transmitindo a percepção ao consumidor de que o preço não está tão elevado mesmo diante de uma grave crise hídrica. Essa situação se reflete na demora dos reajustes e em desajustes do modelo matemático que hoje define as bandeiras tarifárias
 

- Não foi corrigido
 

 

Sábado, 19 de Junho de 2021 - 16:00

Torcedores do Bahia participam de ato e levantam bandeira contra racismo

por Lula Bonfim / Gabriel Lopes

Torcedores do Bahia participam de ato e levantam bandeira contra racismo
Foto: Lula Bonfim / Bahia Notícias

Com o argumento de "ser oposição", um grupo de torcedores do Esporte Clube Bahia participa da manifestação contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), neste sábado (19), com saída do Campo Grande.

 

Vinícius Oliveira, membro do Grupo Democracia Tricolor, afirma que a torcida aproveitou um espaço aberto na política para ser ouvida.

 

"A gente é um grupo de torcedor organizado que viu um espaço aberto na política e está fazendo frente em todas as manifestações contra o racismo e contra a política. A gente é oposição sempre, não tem partido político, não tem bandeira política e seguimos na luta", disse o integrante, que ressalta que o movimento é independente.

Polícia investiga se assassinato de homens que roubaram carne teve mandantes
Bruno e Ian Barros da Silva | Foto: Reprodução/Redes sociais

O inquérito aberto pela Polícia Civil da Bahia para investigar o assassinato de dois homens, após o roubo de carne em um supermercado de Salvador, tenta concluir se houve mandantes do crime e se os envolvidos fazem parte de organização criminosa (leia mais aqui).

 

Segundo a secretaria de Segurança Pública do estado, o caso é tratado como prioridade pelas autoridades. Três seguranças do estabelecimento e três pessoas apontadas como traficantes foram presos no mês passado por suposto envolvimento nas mortes.

 

Uma das hipóteses levantadas pelos responsáveis das investigações é que os criminosos teriam sido contratados para matar os dois após o roubo.

Sábado, 19 de Junho de 2021 - 15:30

Com poucas lideranças políticas, ato contra Bolsonaro tenta manter distanciamento

por Lula Bonfim / Gabriel Lopes

Com poucas lideranças políticas, ato contra Bolsonaro tenta manter distanciamento
Foto: Lula Bonfim / Bahia Notícias

Em direção ao bairro da Barra, em Salvador, manifestantes caminham em ato contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na tarde deste sábado (19).

 

A manifestação começou por volta de 14h30 e conta com forte presença de militantes partidários de esquerda, que carregam bandeiras do Psol, PCO, PCdoB e do PT. O ato, no entanto, registra pouca participação de lideranças políticas.

(Foto: Lula Bonfim / Bahia Notícias)

 

Ao longo do trajeto, organizadores do evento orientaram os participantes para cumprir distanciamento social e deixar as pessoas mais espaçadas nas ruas.

 

A principal reivindicação dos manifestantes é a destituição do presidente Bolsonaro, aceleração no ritmo da vacina e auxílio emergencial de R$ 600. O ato foi convocado em todo o país.

Sábado, 19 de Junho de 2021 - 15:30

Série B do Baiano: FBF confirma jogos do Botafogo-BA em Senhor do Bonfim

por Glauber Guerra

Série B do Baiano: FBF confirma jogos do Botafogo-BA em Senhor do Bonfim
Foto: Divulgação

Agora é oficial! O Botafogo-BA vai mandar seus jogos da Série B do Campeonato Baiano no Estádio Pedro Amorim, em Senhor do Bonfim, norte da Bahia. A informação foi confirmada pela Federação Bahiana de Futebol (FBF).

 

Antes, os jogos do Botafogo estavam marcados para o Estádio Adauto Moraes, em Juazeiro (BA). O motivo foi a falta dos laudos da praça esportiva de Senhor do Bonfim. Após toda a documentação ser apresentada, a FBF mudou o mando de campo da equipe para o Pedro Amorim. 

 

A estreia do Botafogo na Série B do Campeonato Baiano será contra o Camaçari, no próximo domingo (27), às 15h, no Joia da Princesa, em Feira de Santana. O primeiro jogo como mandante será contra o Grapiúna, no dia 4 de julho, também, às 15h.

 

JOGOS DO BOTAFOGO-BA

 

1ª rodada
27/06/2021, domingo às 15h
Camaçari x Botafogo, no Joia da Princesa, em Feira de Santana

 

2ª rodada
04/07/2021, domingo às 15h
Botafogo x Grapiúna, no Pedro Amorim, em Senhor do Bonfim

 

3ª rodada
07/07/2021, quarta-feira às 15h
Colo Colo x Botafogo no Waldomiro Borges, em Jequié    

 

4ª rodada
11/07/2021, domingo às 15h
Botafogo x Barcelona de Ilhéus no Pedro Amorim, em Senhor do Bonfim

 

5ª rodada
18/07/2021, domingo às 15h
Camaçariense x Botafogo, em Pituaçu, Salvador.
 

Brasil precisa aplicar 204 milhões de doses e meta vacinal deve ser atingida em 2022
Foto: Igor Santos / Prefeitura de Salvador

De acordo com um estudo feito por professores da USP, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), o Brasil ainda precisa aplicar cerca de 204 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 para atingir a cobertura desejável de 90% da população acima de 18 anos.

 

Segundo previsões, essa é a meta segura para controlar o coronavírus. Na velocidade de vacinação atual, a cobertura vacinal completa pode ser alcançada apenas em 2022. Os professores usaram como base o banco de dados oficial do Ministério da Saúde.

 

O Brasil tem hoje 160 milhões de cidadãos com mais de 18 anos e elegíveis para vacinação. Para chegar em 144 milhões de pessoas vacinadas o país ainda precisa acelerar o ritmo de vacinação. Até a última quinta-feira (17), 60 milhões de pessoas, 37,5%, da população adulta, tinham recebido pelo menos uma dose da vacina.

 

Deste número, apenas 24 milhões, 14,9%, receberam as duas doses fechando o ciclo vacinal.

 

Segundo cálculo dos professores, para a imunização coletiva ser atingida, será necessário aplicar mais de um milhão de doses diárias de vacinas até o mês de dezembro.

 

A vacinação aponta aumento no ritmo. Na quinta-feira (17), mais de 2,2 milhões de doses foram aplicadas no Brasil, maior marca registrada até agora. No entanto na sexta (18), a quantidade de vacinas aplicadas voltou a cair.

 

Os estudos também apontam a aplicação da segunda dose como dificuldade. Cerca de 12% dos que já deveriam ter recebido a dose de reforço ainda não retornaram para completar a imunização.

Sábado, 19 de Junho de 2021 - 15:12

Brasil atinge marca de 500 mil mortes por Covid-19

Brasil atinge marca de 500 mil mortes por Covid-19
Foto: Fernando Vivas/GOVBA

O Brasil chega à marca de meio milhão de mortos pela Covid-19 neste sábado (19), segundo o consórcio de veículos de imprensa, através de registros oficiais das secretarias de Saúde.

 

O número total de mortos, no início da tarde deste sábado (19), chegou a 500.022 e considera números divulgados por Bahia, Ceará, Goiás, Minas Gerais, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, São Paulo e Tocantins. Os outros estados não atualizaram as informações sobre casos e mortes até 14h deste sábado (19).

 

Com a marca, o Brasil é o segundo país a ultrapassar 500 mil mortos, atrás apenas dos Estados Unidos. No entanto, nos EUA cerca de 148 milhões de pessoas estão imunizadas, 45% da população. No Brasil, 24 milhões estão vacinados com as duas doses, cerca de 11%.

Sábado, 19 de Junho de 2021 - 15:00

Saiba quem se beneficia dos 'jabutis' da MP da Eletrobras

por Nicola Pamplona | Folhapress

Saiba quem se beneficia dos 'jabutis' da MP da Eletrobras
Foto: Agência Brasil

O texto final da MP que abre caminho para a privatização da Eletrobras beneficia uma série de segmentos não necessariamente relacionados ao processo de venda de ações da estatal para diluir a participação do governo, objeto da proposta enviada ao Congresso pelo Executivo.
 

Os benefícios foram incluídos por meio dos chamados "jabutis", emendas que não têm relação com o texto original, em um processo criticado por especialistas por resultar em uma "minirreforma do setor elétrico" e atropelar o debate de modernização do setor, também já no Congresso.
 

Para a União pela Energia, que reúne entidades do setor, as medidas terão um custo de R$ 84 bilhões, além de ampliar a percepção de segurança jurídica entre investidores. Embora não tenha sido autor dos "jabutis", o governo defende que as medidas fazem sentido e, pelo contrário, reduzirão o preço da energia.
 

Veja quais setores foram beneficiados:

 

DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL
 

Na votação de quinta (17), o Senado ampliou benefício aprovado pela Câmara, elevando de de 6.000 para 8.000 megawatts (MW) o volume obrigatório de contratação de energia gerada por térmicas com localização definida.
 

O novo texto beneficiou o presidente da Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), ao estabelecer que uma das usinas deve ser instalada no Triângulo Mineiro. A proposta da Câmara já era vista como uma vitória do empresário Carlos Suarez, que controla distribuidoras de gás em regiões beneficiadas.
 

Não contemplado na proposta original, o Rio também ganhou uma térmica. Assim, os empreendimentos devem ficar em Porto Velho, Macapá ou Boa Vista, Brasília, Triângulo Mineiro, Rio e em algum estado do Nordeste.
 

A Abegás (Associação Brasileira das Distribuidoras de Gás Canalizado) alega que essas térmicas teriam de ser contratadas de qualquer jeito e que a definição de locais distantes da malha de dutos ajuda a viabilizar a construção de novos gasodutos no país.
 

 

COMERCIALIZADORES DE ENERGIA
 

Outro segmento beneficiado pelo Senado é o de comercialização de energia, que pode ganhar novos clientes com a perspectiva de portabilidade da conta de luz para todos os clientes até 2026, também objeto de uma emenda.
 

"O poder de escolha compõe um dos três princípios básicos na relação de consumo, sendo os demais a qualidade e o preço", defendeu, em nota, o presidente da Abraceel (Associação Brasileira dos Consumidores de Energia Elétrica), Reginaldo Medeiros.
 

O tema já vinha sendo discutido no projeto de modernização do setor elétrico, mas, para as distribuidoras de energia, a abertura como proposta na MP pode trazer prejuízos a pequenos consumidores e ao planejamento do setor.
 

Os primeiros porque teriam que assumir parte dos custos hoje compartilhados com aqueles que migrarão para o mercado livre.
 

Uma migração em massa no modelo atual dificulta o planejamento, já que o mercado livre tende a comprar energia de fontes renováveis, mais baratas, e o sistema precisa também de térmicas e hidrelétricas para funcionar.
 

Em nota enviada à reportagem, o MME (Ministério de Minas e Energia) disse que "o processo de abertura do mercado deverá ocorrer com a celeridade prevista na MP" e tem o intuito de beneficiar os consumidores de pequeno porte, "que poderão, em poucos anos, contratar energia de qualquer fornecedor".
 

 

PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E ENERGIAS RENOVÁVEIS SUBSIDIADAS
 

O Senado ratificou benefícios que já haviam sido concedidos pela Câmara a PCHs (pequenas centrais hidrelétricas), com a obrigação de compra de 2.000 MW em novas usinas, e a empreendimentos contratados por programa que subsidia os primeiros projetos solares e eólicos do país.
 

Para os opositores, as medidas criam reserva de mercado ao limitar a competição em leilões de expansão da geração de energia e perpetuam o pagamento de contratos assinados quando usinas solares e eólicas não eram competitivas.
 

O Proinfa (Programa de Incentivo a Fontes Alternativas) custou R$ 3,6 bilhões em 2020 pagando a 131 empreendimentos solares, eólicos e PCHs tarifas entre R$ 310 e R$ 670 por MWh (megawatt-hora) -em leilão de 2019, a energia eólica chegou a ser negociada abaixo de R$ 100 por MWh.
 

O MME defende que "a prorrogação ocorrerá somente com a aceitação, pelos geradores, de preços entre R$ 100,00 e R$ 230,00 por MWh". Para o mercado, porém, não faz sentido prorrogar contratos de projetos já amortizados.
 

A União pela Energia calcula que a prorrogação dos contratos custará R$ 3 bilhões, e a contratação obrigatória de PCHs, outros R$ 2,6 bilhões.
 


 

INTERESSE POLÍTICO REGIONAL
 

Para acomodar interesses políticos, uma série de benefícios regionais foram incluídos pelo Senado, como a destinação de R$ 700 milhões para indenizar o Piauí por perdas na privatização da distribuidora estadual de energia.
 

Definiu ainda limites de vazão em hidrelétricas para atendimento ao turismo e à navegação, beneficiando, também aqui, área de interesse político do presidente do Senado, o reservatório de Furnas.
 

A medida é vista como interferência na gestão dos reservatórios pelo ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), em um momento em que o setor tenta reverter restrições de vazão para enfrentar a ameaça de racionamento.
 

A MP tenta acelerar também a construção de linha de transmissão que liga Manaus a Boavista, acatando emenda do líder do Republicanos no Senado, Mecias Jesus (RR).
 

O projeto está parado por causa de impasse com comunidades indígenas, e o texto permite o início das obras mesmo antes da consulta às comunidades afetadas.
 

"Tem um problema de governança porque atropela a ANA [Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico], o Ibama, a Funai, a EPE [Empresa de Pesquisa Energética], foi todo o mundo atropelado", afirma a economista Elena Landau.
 

A rápida tramitação, sem grandes debates, de uma série de medidas que alteram a estrutura do setor elétrico é avaliada como um fator adicional de risco a investimentos de longo prazo no país.
 

"Nunca sobrou tanto dinheiro no mundo, e a gente nunca esteve tão barato. Por que o dinheiro não vem para o Brasil? Insegurança jurídica. As regras mudam, sem que a gente saiba nem por quê", diz Patricia Agra, sócia do LO Baptista Advogados.
 

Embora a oposição ameace apelar à inconstitucionalidade do texto, o advogado Fábio Izidoro, sócio da área de infraestrutura do MNA, diz não ver muitas chances de vitória no STF (Supremo Tribunal Federal).
 

Após aprovação no Senado, a medida provisória será revista pela Câmara dos Deputados, mas o relator da matéria na Casa, o deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), já disse nesta sexta-feira (18) estar de acordo com o texto. A votação deve ocorrer na segunda-feira (21).

Sábado, 19 de Junho de 2021 - 14:50

Em ato, Marcos Mendes diz que 'só vai derrubar Bolsonaro se for nas ruas'

por Lula Bonfim / Gabriel Lopes

Em ato, Marcos Mendes diz que 'só vai derrubar Bolsonaro se for nas ruas'
Foto: Lula Bonfim / Bahia Notícias

O ativista e ex-vereador de Salvador pelo Psol, Marcos Mendes, participa do ato contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na tarde deste sábado (19).

 

Para ele a única forma de tirar Bolsonaro do posto de presidente é indo para as ruas. "Nós entendemos pela revolta que tem hoje nas ruas, que só vamos derrubar Bolsonaro se for nas ruas. Não vamos derrubar Bolsonaro indo para voto em urna. Precisa se manifestar e toda a população precisa ter a consciência crítica e política para derrubar esse genocida", disse ao Bahia Notícias.

 

Marcos Mendes também critica o ritmo de vacinação no Brasil e poderia já ter vacinado toda a população.

 

"É um dos países que tem mais expertise para fazer vacinação, então poderíamos vacinar até 60 milhões de pessoas por mês. Isso se o presidente Bolsonaro fizesse o dever de casa, comprasse as vacinas e as negociasse ainda em junho de 2020 e começasse a vacinar em janeiro, em junho agora todas as pessoas já estariam vacinadas com as duas doses. Então Bolsonaro mata mais que o vírus. Ele é um genocida declarado", declarou Mendes.

 

Questionado sobre as críticas recentes do secretário de Saúde de Salvador, Leo Prates, aos atos, ele alega que existe uma diferença entre manifestações pró-Bolsonaro e contra o presidente.

 

"Existe uma diferença muito grande quando você vê manifestações de poucas pessoas pró-Bolsonaro, contamina mais que as de fora Bolsonaro. Aqui não tem uma pessoa sem máscara. Todos com álcool gel e mantendo distanciamento", finaliza.

 

MANIFESTAÇÕES
O ato foi convocado em todos o país e conta com a participação de  lideranças políticas, ativistas, movimentos sindicais e artistas.

 

Em Salvador, a concentração saiu do bairro do Campo Grande. As principais reivindicações são pelo impeachment de Bolsonaro e maior celeridade na vacinação. O auxílio emergencial no valor de R$ 600 também é uma das pautas.

Histórico de Conteúdo