Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Domingo, 24 de Outubro de 2021 - 22:41

Luiz Otávio destaca confiança passada por Guto e avisa: 'Queremos crescer mais'

por Ulisses Gama

Luiz Otávio destaca confiança passada por Guto e avisa: 'Queremos crescer mais'
Foto: Reprodução / Premiere

O Bahia superou a Chapecoense por 3 a 0 na noite deste domingo (24), na Arena Fonte Nova, em mais uma boa atuação sob o comando do técnico Guto Ferreira. Autor de um dos gols, o zagueiro Luiz Otávio destacou a confiança passada pelo "Gordiola" e celebrou o bom momento defensivo. A equipe não toma gols há quatro partidas.

 

"É fruto do trabalho. Desde que o professor chegou, passou confiança. A gente precisava melhorar a parte defensiva e conseguimos. Saímos dessa zona horrível e queremos crescer ainda mais porque esse clube merece muito", disse, em entrevista ao canal Premiere.

 

A equipe avançou ao 15º lugar, com 31 pontos. O próximo desafio do Tricolor será na próxima quarta-feira (27), às 19h, contra o Ceará, novamente na Arena Fonte Nova.

Domingo, 24 de Outubro de 2021 - 22:20

Bahia vence a Chapecoense sem sustos e passa adversários na briga contra o Z-4

por Ulisses Gama

Bahia vence a Chapecoense sem sustos e passa adversários na briga contra o Z-4
Foto: Enaldo Pinto / Ag Haack / Bahia Notícias

O Bahia fez bem o dever de casa e venceu a Chapecoense por 3 a 0 na noite deste domingo (24), na Arena Fonte Nova, pela 28ª rodada do Campeonato Brasileiro. Gilberto, Raí Nascimento e Luiz Otávio marcaram os gols do Esquadrão de Aço.

 

Com o resultado, os tricolores avançaram aos 31 pontos e agora ocupam o 15º lugar da competição, deixando Juventude e Santos para trás.

 

A equipe do técnico Guto Ferreira volta a jogar na próxima quarta-feira (27), às 19h, contra o Ceará, novamente na Fonte Nova. O jogo é válido pela rodada 23.
 

 

O JOGO

 

O Bahia chegou firme logo nos primeiros segundos. No lance, Raí recebeu pela direita, cruzou rasteiro e Gilberto chutou em cima da defesa.

 

Gilberto abre o placar

 

Não demorou e Gilberto teve uma nova oportunidade, dessa vez com gol. Aos dois minutos, Rodallega tocou na direita para Nino Paraíba, que cruzou para o camisa 9. A bola ficou presa na defesa, mas ficou livre para o artilheiro empurrar para a rede.

 

Aos cinco minutos, quase ele fez o segundo. Gilberto recebeu livre uma bola vinda da esquerda, mas chutou por cima da meta. Três minutos depois, Raí passa por elevação para Rodallega, que bateu firme para uma ótima defesa de Keiller.

 

Raí Nascimento faz mais um

 

O Esquadrão de Aço ampliou o marcador para a alegria da galera na Arena Fonte Nova. Aos 17 minutos, Matheus Bahia cruzou de forma precisa para Raí completar de perna direita para o fundo do gol.

 

Aos 37, quase o terceiro. No lance, Capixaba recebeu pela esquerda, tocou para o lado e Rodallega chutou com desvio da defesa da Chapecoense.

 

 

Segundo tempo

 

No segundo tempo, a Chapecoense tentou reagir. Com cinco minutos, Mike ficou com a bola na direira e cruzou rasteiro, mas Danilo Fernandes conseguiu defender.

 

Luiz Otávio marca o terceiro do Esquadrão

 

Um minuto depois, o Bahia chegou ao terceiro gol. Raí Nascimento cobrou escanteio preciso para Luiz Otávio cabecear para o fundo do gol.

 

 

 

O Tricolor tinha boa vantagem, mas mesmo assim seguia insaciável diante do adversário verde. Aos onze, Gilberto mandou uma bomba e o goleiro rebateu.

 

Aos 16, Matheus Ribeiro finalizou para boa defesa de Danilo Fernandes. Dois minutos depois, Anderson Leite tentou de fora da área e a bola passou por cima.

 

O Bahia voltou a ter uma boa tentativa aos 36 minutos. Na jogada, Rodriguinho fez tabela com Rodallega e bateu colocado. A bola passou ao lado. Um minuto depois, Rodriguinho voltou a tentar de fora da área e Keiller ficou com a bola.

 

Pouco antes do apito final, deu tempo de Danilo Fernandes fazer uma grande defesa após finalização de Denner.
 

 

FICHA TÉCNICA
Bahia 3 x 0 Chapecoense
Campeonato Brasileiro - 28ª rodada

Local: Arena Fonte Nova, em Salvador
Data: 24/10/2021 (domingo)
Horário: 21h30
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (FIFA-GO)
Assistentes: Fabricio Vilarinho da Silva e Bruno Raphael Pires (ambos FIFA-GO)
VAR: Elmo Alves Resende Cunha (GO)

Cartões amarelos: Raí Nascimento (Bahia) / Kaio Nunes (Chapecoense)

Gols: Gilberto, Raí Nascimento e Luiz Otávio (Bahia)

 

Bahia: Danilo Fernandes; Nino Paraíba (Rodriguinho), Conti, Luiz Otávio e Matheus Bahia; Patrick, Daniel (Raniele), Raí (Douglas Borel) e Juninho Capixaba (Ronaldo); Rodallega e Gilberto (Ramírez). Técnico: Guto Ferreira.

 


Chapecoense: Keiller, Matheus Ribeiro, Laércio (Kaio Nunes), Joilson, Jordan e Busanello (Lima); Moisés Ribeiro (Ezequiel), Anderson Leite e Denner; Mike (Ronei) e Rodriguinho (Henrique Almeida). Técnico: Pintado.

Domingo, 24 de Outubro de 2021 - 22:00

PGR divulgou dados semelhantes aos que motivam processo contra Lava Jato

por Italo Nogueira | Folhapress

PGR divulgou dados semelhantes aos que motivam processo contra Lava Jato
Foto: Roberto Jayme/TSE

A PGR (Procuradoria-Geral da República) divulgou denúncias com informações semelhantes às que levaram à abertura de processo administrativo disciplinar (PAD) contra os procuradores da Operação Lava Jato do Rio de Janeiro.
 

Os textos oficiais de divulgação da PGR sobre as quatro acusações contra o ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel, assinados pela subprocuradora-geral Lindôra Araújo, foram publicados na página do órgão com dados colhidos a partir de quebra de sigilo bancário dos investigados.
 

Os releases, como esses textos são chamados, descrevem o montante supostamente recebido em propina, bem como o número de vezes em que houve transações financeiras entre os acusados.
 

A divulgação de informações desse tipo foi uma das razões para a abertura de PAD pelo CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) contra os 11 ex-integrantes da antiga força-tarefa da Lava Jato do Rio.
 

Os ex-membros da Lava Jato do Rio foram alvo de reclamação disciplinar protocolada pelos ex-ministros Romero Jucá, Edison Lobão e seu filho Márcio Lobão. Os três foram denunciados pelo procuradores sob acusação de recebimento de propina na construção de Angra 3.
 

A defesa dos acusados afirma que o texto de divulgação à imprensa sobre a denúncia continha dados obtidos na quebra de sigilo bancário autorizada num inquérito sigiloso sobre o qual não havia qualquer decisão para sua publicização.
 

O release sobre a denúncia, divulgado um dia após seu oferecimento à Justiça Federal, descrevia o montante total da suposta propina recebida pelos acusados.
 

"Em propinas, o grupo de Jucá teria recebido ao menos R$ 1,3 milhão, enquanto o de Edison Lobão chegou a receber R$ 9,3 milhões", afirma o comunicado, que também descreveu o número de vezes em que os pagamentos aconteceram.
 

O corregedor do CNMP, Rinaldo Reis Lima, concordou com a tese dos ex-ministros. Na sessão de terça-feira (19), em que a abertura do PAD foi decidida, o procurador afirmou que a divulgação daqueles dados era irregular.
 

"São dados que estavam sob sigilo dos procedimentos e que eles não poderiam ser publicizados. O problema não é a publicização das denúncias, mas a publicização dos dados. Não teria havido afronta ao sigilo se tivesse sido fornecido informações do tipo: 'Foi oferecida denúncia por motivo tal, crime tal'. Mas entrar no detalhamento de dados afronta, sim, o sigilo", afirmou o corregedor.
 

Os procuradores da antiga Lava Jato fluminense afirmam que a divulgação do oferecimento de denúncia é prática comum no Ministério Público Federal, obedecendo o princípio da publicidade e do interesse público.
 

Os releases da PGR sobre os casos de Witzel indicam que modelo também é adotado na cúpula do MPF.
 

No dia em que o ex-governador foi afastado, a PGR ofereceu denúncia contra ele e outros acusados sob acusação de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. O comunicado descrevia informações financeiras obtidas a partir da quebra de sigilo bancário, cujo acesso era restrito na ocasião.
 

"O [então] governador utilizou-se do cargo para estruturar uma organização criminosa que movimentou R$ 554.236,50 em propinas pagas por empresários", afirma o texto da PGR.
 

A informação foi obtida a partir das quebras de sigilo bancário e fiscal do escritório de advocacia da ex-primeira-dama Helena Witzel, onde os recursos foram depositados.
 

O mesmo texto aponta com detalhe o valor pago pelo empresário Gothardo Lopes ao escritório da então primeira-dama: R$ 280 mil.
 

No mesmo dia, comunicado do STJ (Superior Tribunal de Justiça) afirmava expressamente que o ministro Benedito Gonçalves "manteve o sigilo do inquérito", origem das informações publicadas no texto da PGR.
 

Informações semelhantes foram reproduzidas pela PGR nas outras três denúncias contra Witzel, em que se descreve montantes supostamente arrecadados com propina, bem como o número de vezes que os repasses aconteceram.
 

"O grupo iniciou as atividades em 2017, com a cooptação de Witzel para concorrer ao governo, que recebeu, ainda quando era juiz federal, quase R$ 1 milhão", afirmou a PGR na segunda denúncia contra o ex-governador.
 

"De 8 de julho de 2019 a 27 de março de 2020, Wilson Witzel, se utilizando do cargo de governador do Rio, em ao menos 11 oportunidades, solicitou, aceitou promessa e recebeu vantagens indevidas no valor de R$ 53.366.735,78", aponta o texto da Procuradoria na terceira acusação contra Witzel.
 

O ex-governador nega todas as acusações.
 

Em nota, a PGR afirmou que "todas as divulgações institucionais seguem diretrizes estabelecidas pela Política Nacional de Comunicação". "Eventuais questionamentos relacionados a casos concretos serão respondidos nas instâncias adequadas", afirmou a Procuradoria.
 

As investigações contra Witzel tiveram o apoio da antiga força-tarefa da Lava Jato fluminense. A divulgação das informações, porém, se deu na página da PGR.
 

A abertura de PAD contra os procuradores da Lava Jato fluminense ocorreu em meio ao debate sobre a PEC (proposta de emenda à Constituição) que altera a composição do órgão e dá mais poder ao Congresso no colegiado.
 

Um dia antes, na segunda-feira (18), o CNMP decidiu pela demissão do procurador Diogo Castor de Mattos, membro da antiga força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, em razão da contratação de um outdoor na capital paranaense em homenagem à operação.
 

As decisões foram interpretadas por parlamentares como resposta do conselho às críticas de que o órgão é corporativista e hesita em penalizar membros da carreira.
 

Essa leitura foi feita principalmente por envolver procuradores da Lava Jato, que participaram de diversas ações do MPF contra nomes importantes do mundo político.
 

A PEC amplia o número de membros do Conselho de 14 para 17, aumentando de 2 para 5 as cadeiras para indicação pelo Congresso. Uma das vagas para indicação do Legislativo seria justamente a de corregedor, responsável pela análise das denúncias contra membros dos ministérios públicos.
 

Defensores da alteração afirmam que é necessário tornar o órgão mais eficiente e rigoroso em relação às infrações cometidas por procuradores. Associações de classe do Ministério Público, por sua vez, dizem que ela representa uma tentativa de ingerência política no órgão.

Após EUA transplantar rim de porco para paciente com morte cerebral, USP deve iniciar testes
Foto: Divulgação / USP

Após ser realizado pela primeira vez no mundo o transplante do rim de um porco para um humano nos Estados Unidos da América  (EUA, a Universidade de São Paulo (USP), com linha semelhante de pesquisa semelhante, iniciou testes neste sentido. O grupo de pesquisa comandado por Silvano Raia, é pioneiro no transplante de fígado na América Latina. O cirurgião espera que ps primeiros testes com seres humanos no Brasil ocorram em dois anos, caso o estudo consiga investimento para construir um criadouro biosseguro (pig facility).

 

Em entrevista ao Correio Braziliense o pesquisador  disse que o trabalho nos EUA abre porta. "por mais que os dados de laboratório indicassem que estávamos no caminho certo, existiam os céticos. O fato de terem conseguido demonstra que essa linha de pesquisa é promissora", disse.  Para a geneticista Mayana Zatz, também envolvida na pesquisa, o sucesso americano facilita a aprovação de experimentos por comitês de ética brasileiros. "É importante no sentido de mostrar: 'Olha, já está sendo feito nos EUA'", disse.

 

Ainda de acordo com Coreio Braziliense, o estudo brasileiro foi concebido pelo pesquisador há quatro anos. A iniciativa teve apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da farmacêutica EMS. A parte de engenharia genética, segundo os cientistas, consiste na inativação de genes do porco e na adição de genes humanos, feita com a técnica CRISPR/Cas9 (no método, a Cas9, enzima do sistema de defesa das bactérias, junto a um RNA, usado como guia, recorta o trecho de interesse de um DNA). Com isso, foi possível criar os embriões geneticamente modificados, que precisam ser introduzidos em uma matriz e criados no pig Facility.

 

O pesquisador revelou que os primeiros filhotes serão gerados em um biotério comum. A partir daí, testes pré-clínicos serão tocados em perfusão isolada, sistema que permite manter a preservação de órgãos desde a coleta do doador até o transplante. É empregado usualmente o chamado líquido de preservação (perfusato). A experiência usará, porém, sangue humano como perfusato. "Se a perfusão do rim geneticamente modificado com sangue humano, durante 12 horas, não demonstrar rejeição tanto nas biópsias do órgão quanto do perfusato, ficará demonstrado que nosso produto é adequado para ser transplantado em pacientes", disse. 

Estátuas de Paulo Gustavo serão instaladas em Niterói, cidade natal do ator
Foto: Divulgação/Prefeitura de Niterói

Duas estátuas irão ser instaladas em homenagem ao ator e humorista Paulo Gustavo em um parque de Niterói, no Rio de Janeiro. As obras são de autoria da artista Jo Grassini e já estão em fase de fundição. 

 

Uma estátua será a personagem Dona Hermínia, a segunda é do próprio ator. As peças medem 1,82m e serão inauguradas no dia 22 de novembro, aniversário de Niterói, terra natal de Paulo Gustavo. 

 

"Paulo era uma pessoa extraordinária e com grande sensibilidade social. Durante a pandemia, ajudou centenas de pessoas e sempre mostrou nossa cidade através de seus trabalhos. O Campo de São Bento foi um dos cenários. Uma homenagem justa ao filho de Dona Déa e de Niterói!", ressaltou a direção do parque em uma postagem no Instagram.

 

O equipamento público que vai receber as homenagens ao global e sua principal personagem serviu de cenário para o filme "Minha Mãe é uma Peça 3", conhecido como a obra de maior bilheteria do cinema nacional. As informações são do Diário do Nordeste.

Homem acusado de estuprar jovem de 13 anos em Ribeira do Pombal é preso em SP
Foto: Reprodução / Google Street View

Uma ação integrada entre forças policiais da Bahia e de São Paulo apreendeu um acusado de estupro nesta sexta-feira (22), na capital paulista. O homem, que não teve o nome divulgado, é suspeito de cometer o crime contra uma adolescente de 13 anos, em 2005, na cidade de Ribeira do Pombal.

 

Segundo a Polícia Civil da Bahia, um segundo envolvido, irmão do homem que foi preso nesta sexta, foi detido em julho, durante outra ação entre a PC-BA e a Polícia Militar de São Paulo.

 

A polícia explicou que, no total, três homens participaram do crime. O terceiro acusado foi preso na mesma época e respondeu pelo delito, os dois irmãos fugiram.

 

Conforme apurou o G1, as investigações que resultaram na prisão do acusado foram feitas pela Delegacia Territorial (DT) de Euclides da Cunha, na Bahia, e contou com a colaboração da PM de São Paulo, que realizou a prisão.

 

Ele está preso na 101ª Delegacia de Polícia Civil de São Paulo, no Jardim das Imbuias, e deve ser transferido para a Bahia. 

 

O rapaz era considerado foragido da Justiça e tinha um mandado de prisão preventiva expedido pela Vara Criminal de Ribeira do Pombal, em aberto desde 2018. 

Domingo, 24 de Outubro de 2021 - 20:40

Governo atua para barrar projeto de desoneração da folha de 17 setores

por Thiago Resende e Danielle Brant | Folhapress

Governo atua para barrar projeto de desoneração da folha de 17 setores
Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Por articulação do governo, o projeto que estende até 2026 a desoneração da folha de pagamentos de 17 setores tem encontrado barreiras para avançar no Congresso.
 

A proposta está parada há um mês na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara, onde o relator, deputado Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG), que é aliado do Palácio do Planalto, chegou a apresentar o voto e depois recuou.
 

Sem o parecer dele, o projeto não foi votado no início de outubro. Desde então, a proposta não retornou à pauta da comissão.
 

Outra via para avançar com a medida na Câmara seria levá-la direto para o plenário.
 

Um dos principais defensores da desoneração, o deputado Jerônimo Goergen (PP-RS) conseguiu o apoio parlamentar para que a Câmara decida se o projeto poderá sair da CCJ e ser analisado no plenário.
 

No entanto, a estratégia foi praticamente descartada por falta de endosso do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e pela articulação do governo contra a proposta, apesar de o cenário ter melhorado um pouco nos últimos dias, segundo Goergen.
 

"Os setores estiveram com o [ministro da Casa Civil] Ciro Nogueira, estiveram com o [presidente da Câmara] Arthur [Lira], por iniciativa deles próprios, sem nenhuma pressão parlamentar. Eles saíram das reuniões com a clareza de que o tema precisa avançar".
 

O deputado diz que Lira pediu aos técnicos da Câmara para fazerem um estudo de viabilidade orçamentária. "De alguma forma o governo se comprometeu mais, e o Arthur também avançou".
 

A proposta tem o objetivo de manter a redução dos custos de contratação de trabalhadores por empresas dos 17 setores. O incentivo está previsto para terminar em dezembro de 2021.
 

O Ministério da Economia é contra a prorrogação da medida.
 

Aliados do governo tentam impedir o avanço da proposta, e, em troca, defendem que o Congresso busque uma solução para conseguir viabilizar uma promessa do ministro Paulo Guedes (Economia): uma desoneração da folha para todos os setores da economia e de forma permanente. Essa é a mesma posição de Lira.
 

A estratégia do governo é deixar que o Congresso assuma a liderança da articulação pela aprovação de um novo imposto digital -nos moldes da extinta CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira)- que substituiria os tributos sobre a contratação de mão de obra.
 

Essa troca de encargos é desejada por Guedes, mas, após diversos entraves para apresentar a proposta desde o início do governo, a equipe dele tem adotado uma postura diferente -deixando o Congresso assumir a linha de frente do plano de desonerar a folha de pagamento de todos os setores.
 

"A nossa ideia é a de que, se não conseguirmos contemplar todos os setores, possamos prorrogar a desoneração dos 17 setores inicialmente, encontrar espaço orçamentário para tanto e, mais adiante, desoneramos a folha de pagamento dos empregadores em nosso país. Essa é uma das medidas mais aptas a de fato gerar trabalho e emprego em nosso país", afirmou Freitas.
 

Segundo ele, se o benefício aos 17 setores não for prorrogado, mais de 3 milhões de empregos serão perdidos.
 

Se passar pela Câmara, a proposta seguirá para o Senado, que precisa dar o aval ao texto. "O prazo está apertado. Precisamos aprovar isso com urgência, mas está difícil conseguir abrir caminho para as votações", disse Goergen. A intenção do deputado era tentar votar o projeto na comissão nesta semana.
 

Ao se posicionar contra a desoneração da folha dos 17 setores, a equipe econômica diz que a medida representa um custo de R$ 8,3 bilhões por ano, caso o benefício seja prorrogado. Isso não está previsto no projeto de Orçamento de 2022.
 

Além disso, o formato atual da proposta não prevê uma medida que compense as perdas aos cofres públicos. Isso, segundo membros do governo e técnicos do Congresso, contraria regras orçamentárias. Portanto, o plano é sugerir ao Palácio do Planalto que vete o projeto caso ele seja aprovado ainda neste ano.
 

Caberia então ao Congresso derrubar eventual veto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para manter a política de redução do custo de mão de obra para os setores que mais empregam no país.
 

Goergen afirma que o ambiente de outros projetos aos quais o governo tem vinculado a questão da desoneração -o Imposto de Renda, pendente de votação no Senado, e a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dos precatórios- "e mais o que aconteceu no próprio Ministério [com a debandada na equipe de Paulo Guedes]" preocupa.
 

A desoneração da folha, adotada no governo petista, permite que empresas possam contribuir com um percentual que varia de 1% a 4,5% sobre o faturamento bruto, em vez de 20% sobre a remuneração dos funcionários para a Previdência Social (contribuição patronal).
 

Isso representa uma diminuição no custo de contratação de mão de obra. Por outro lado, significa menos dinheiro nos cofres públicos.
 

Atualmente, a medida beneficia companhias de call center, o ramo da informática, com desenvolvimento de sistemas, processamento de dados e criação de jogos eletrônicos, além de empresas de comunicação, companhias que atuam no transporte rodoviário coletivo de passageiros e empresas de construção civil e de obras de infraestrutura.
 

Representantes desses segmentos e deputados que articulam a prorrogação da medida até dezembro de 2026 argumentam que a retirada do benefício elevaria os custos das empresas, o que colocaria empregos em risco num momento em que o país tenta se recuperar da crise provocada pela Covid-19.
 

Recentemente, Lira chegou a dizer que o Congresso estudava alternativas para tratar da desoneração permanente da folha de pagamentos, mas não deu detalhes.
 

Goergen diz que essa discussão passaria pelo novo imposto. "Quando eu fui sondar, não tinha apoio. Eu acho que o atual governo não resolve esse tema definitivamente, porque não fez uma reforma tributária adequada."
 


 

Desoneração da folha de pagamento
 


 

Segmentos beneficiados atualmente
 


 

- Calçados
 

- Call center
 

- Comunicação
 

- Confecção/vestuário
 

- Construção civil
 

- Empresas de construção e obras de infraestrutura
 

- Couro
 

- Fabricação de veículos e carrocerias
 

- Máquinas e equipamentos
 

- Proteína animal
 

- Têxtil
 

- Tecnologia da informação (TI)
 

- Tecnologia de comunicação
 

- Projeto de circuitos integrados
 

- Transporte metroferroviário de passageiros
 

- Transporte rodoviário coletivo
 

- Transporte rodoviário de cargas
 


 

O que é a medida?
 


 

Empresas com alto custo de mão de obra ficam desobrigadas de pagar contribuição previdenciária patronal (20% sobre a folha de salários dos empregados). Em troca, pagam uma alíquota (que varia de 1% a 4,5%) sobre o faturamento, reduzindo os encargos sobre contratação de funcionários.
 


 

Quando encerraria?
 


 

A medida foi postergada para esses 17 setores até o fim de 2021.
 


 

Qual o custo?
 


 

O governo abriria mão de arrecadar R$ 8,3 bilhões por ano, caso o benefício seja prorrogado para os 17 setores. Essa perda de receita não está prevista na proposta de Orçamento de 2022.
 


 

Fonte: Receita Federal

SEAP assina contrato de R$ 53 mi para colocar presídio de Brumado em funcionamento
Foto: Lay Amorim/Brumado Notícias

A Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização da Bahia (SEAP) assinou o contrato para colocar o Complexo Penitenciário de Brumado em funcionamento. O equipamento tem capacidade para 531 detentos.

 

O custo da operacionalização da unidade penitenciária com a empresa escolhida por meio de uma licitaçaõ, o Consórcio PAM, foi de R$ R$ 53.019.739,26. O contrato tem duração de 30 meses, a contar da data da assinatura, que ocorreu na última quarta-feira (20).

 

A penitenciária está concluída desde novembro de 2016, mas ainda não foi inaugurado (veja aqui). A construção do presídio de Brumado custou R$ 21 milhões ao governo da Bahia. As informações são do Achei Sudoeste.

Cientistas brasileiros descobrem incêndios na Antártica há 75 milhões de anos
Foto: Assessoria de comunicação do Museu Nacional

Cientistas de diferentes instituições brasileiras, em parceria com o Senckenberg Research Institute, da Alemanha, apresentaram um estudo inédito que confirma a ocorrência de incêndios florestais na Antártica há cerca de 75 milhões de anos.

 

Publicada na última na última quarta-feira (20) na revista Polar Research, a pesquisa se trata do primeiro registro de incêndios na Ilha James Ross, na península Antártica. 

 

A descoberta ocorreu durante uma expedição realizada entre 2015 e 2016 em afloramentos da Formação Santa Marta, unidade geológica que ocorre na parte nordeste da ilha.

 

Os materiais que foram coletados coletados pelos pesquisadores chamaram a atenção da equipe, especialmente por serem fragmentos de plantas com características de carvão vegetal. Os fósseis estavam desgastados devido ao tempo de exposição.

 

O cenário branco e gelado comumente associado ao ambiente antártico nem sempre foi dessa forma. O estudo traz novas evidências não só de que a Antártica há 75 milhões de anos era verde, como também sugere um clima mais quente para essa região no seu passado.

 

Segundo os pesquisadores, as evidências fósseis de troncos e lenhos vegetais são encontradas por toda a Antártica, o que já indicava sua composição florestal durante o período Cretáceo [fase de tempo correspondente a 145 a 65 milhões de anos]. A novidade descoberta na pesquisa indica que essa vegetação também era acometida por incêndios espontâneos. As informações são da Agência Brasil.

Sem garantir valores, Ministério da Cidadania lança campanha do Auxílio Brasil
Foto: Reprodução / Twitter

O Ministério da Cidadania lançou, neste domingo (24), uma campanha publicitária para apresentar o Auxílio Brasil. Os primeiros vídeos serão veiculados nas redes sociais e em canais de comunicação do governo. Um site também foi lançado para divulgar o substituto do Bolsa Família, mas nenhuma informação sobre os valores foi anunciada.

 

Apesar de condicionar o início à aprovação no Congresso, a campanha apresentou o Auxílio Brasil como o "maior programa de transferência de renda". Na primeira peça em vídeo, famílias aparecem preparando refeições, crianças vão a escola e o slogan "para a nossa gente transformar o país" é defendido.

 

 

No site, o governo destaca que "a previsão é iniciar os pagamentos desse novo programa em novembro", mas pondera que a medida provisória que criou o Auxílio Brasil precisa ser aprovada pelo Congresso. O prazo final é 7 de dezembro.

 

"Os valores dos benefícios, os valores referenciais para caracterização de situação de pobreza ou extrema pobreza e as idades indicadas como público alvo do Programa deverão ser estabelecidos e reavaliados pelo Poder Executivo federal, periodicamente, em decorrência da dinâmica socioeconômica do País e de estudos técnicos sobre o tema", diz o portal do programa.

 

Nas redes sociais, o ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos), classificou o programa como um "marco histórico" do governo do presidente Jair Bolsonaro. "O novo programa, executado pelo Ministério da Cidadania, vai muito além de uma política pública de assistência e amparo social, reflete o compromisso do governo com a liberdade e a emancipação do cidadão", escreveu o titular da pasta no Twitter. As informações são do Estadão.

Domingo, 24 de Outubro de 2021 - 19:20

Mulher de Rômulo Estrela comenta cenas de sexo dele em 'Verdades Secretas 2'

por Folhapress

Mulher de Rômulo Estrela comenta cenas de sexo dele em 'Verdades Secretas 2'
Foto: Reprodução / Globoplay

"Verdades Secretas 2" estreou esta semana no Globoplay e já deu o que falar, principalmente por suas cenas de sexo. Mas, por mais picantes que elas sejam, ciúme é algo que passa longe dos parceiros dos atores na vida real. Pelo menos no caso de Nina Quiraguasi, 34, mulher de Rômulo Estrela, 37.
 

A empresária usou suas redes sociais para falar sobre o assunto após muitas perguntas de internautas, e deixou claro que é só felicidade e torcida pelo ator que dá vida ao investigador Cristiano na trama. "Não existe espaço para outro sentimento que não seja admiração e alegria nesse momento", afirma ela.
 

"A melhor coisa do mundo é você se sentir livre para ser, realizar, fazer o que gosta, buscar o que é importante para você. Nenhum relacionamento deve te privar disso. Eu já vivi outras experiências assim, experimentando os dois lugares e ambos são horríveis e te privam de viver, crescer."
 

Quiraguasi afirmou que entende a curiosidade e preocupação dos internautas e admite já ter sentido ciúme de outros parceiros e que eles nem eram atores ou apareciam em cenas de sexo na TV, porque "o problema não é a profissão, era a pessoa". "Desde o início foi diferente aqui com a gente", garantiu.
 

"Fizemos questão de demonstrar o quanto o outro é importante (em ações e palavras), expressamos afeto sem medo, respeitamos nossos espaços, nos permitimos ver o outro crescer no tempo dele, sem julgar. E muito disso foi o Rômulo que me ensinou", completou a empresária.
 

O ator e Quiraguasi estão juntos desde 2008 e têm um filho junto, o pequeno Theo, 5. Ele estreia em "Verdades Secretas" nesta segunda temporada, ajudando Giovanna (Agatha Moreira) a descobrir quem matou o pai dela, Alex (Rodrigo Lombardi) e acaba se envolvendo com ela e com Angel (Camila Queiroz).
 

 

'A gente vai sair junto', responde Bolsonaro sobre possível despedida de Guedes
Foto: Reprodução / YouTube

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) apareceu ao lado do ministro da Economia Paulo Guedes, desta vez em um evento público realizado em Brasília neste domingo (24). Na ocasião, o chefe do Executivo defendeu o economista e disse que devem se despedir do governo na mesma época. 

 

"A gente vai sair juntos (do governo), fique tranquilo", indicou Bolsonaro ao ser questionado sobre a possibilidade de Guedes deixar o seu ministeriado, como foi aventado na última sexta-feira (relembre aqui).

 

O ministro voltou a defender o pagamento do Auxílio Brasil para as famílias mais pobres e disse que a aprovação de reformas propostas pelo governo federal compensariam o aumento dos gastos públicos com as mudanças no teto, feitas para acomodar o substituto do Bolsa Família. As informações são de O Globo.

Feira: Colégio estadual suspende aulas após alunos testarem positivo para Covid
Foto: Reprodução / Acorda Cidade

O Centro Integrado de Educação Assis Chateaubriand, em Feira de Santana, suspendeu as aulas na última sexta-feira (22), após dois estudantes testarem positivo para a Covid-19.

 

Conforme noticiado pelo Acorda Cidade, a escola, que integra a rede estadual de ensino, permanecerá com as aulas em formato remoto até o dia 27 de outubro, pois, segundo a unidade de ensino, é quando os estudantes diagnósticados com a doença completam 14 dias desde que sentiram os primeiros sintomas.

 

A unidade de ensino não deu outras informações sobre os casos, nem se algum outro procedimento foi adotado no intuito de identificar outras possíveis infecções. As aulas 100% presenciais serão retomadas no dia 28 de outubro, indicou a institução de ensino.

Conceição do Almeida: Polícia prende caminhoneiro por uso de documento falso

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu um caminhão na tarde deste sábado (23), após o condutor apresentar uma documentação falsa. O flagrante aconteceu durante uma fiscalização na BR-101, em Conceição do Almeida, no Recôncavo.

 

Durante a fiscalização, foram observados os indícios de inautenticidade no documento do caminhão. Os policiais constataram que o CRLV digital entregue pelo motorista apresentava divergências, em relação ao banco de dados do sistema de trânsito.

 

O condutor de 35 anos foi notificado (multado) referente a infração de trânsito prevista no art. 230, inciso V do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

 

O veículo foi levado ao pátio da PRF por licenciamento atrasado. O caminhoneiro foi encaminhado para Delegacia de Polícia Civil, para registro do flagrante pelo crime do art. 304 (uso documento falso) do Código Penal.

Domingo, 24 de Outubro de 2021 - 18:00

STF racha sobre investida contra procuradores e teme impacto no Judiciário

por Matheus Teixeira e Danielle Brant | Folhapress

STF racha sobre investida contra procuradores e teme impacto no Judiciário
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Com destino ainda incerto na Câmara dos Deputados, a proposta que altera a composição do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) e amplia o poder do Congresso sobre o órgão divide os integrantes do STF (Supremo Tribunal Federal).
 

Nos bastidores, ministros críticos aos métodos da Lava Jato demonstram apoio à PEC (proposta de emenda à Constituição) que aumenta o número de indicados por Câmara e Senado na composição do órgão. Já outra ala do tribunal diz acreditar que as alterações são inconstitucionais.
 

Uma questão que tem sido discutida em conversas reservadas é até que ponto as alterações no CNMP podem impactar no CNJ (Conselho Nacional de Justiça), órgão equivalente do Judiciário e que é chefiado pelo presidente do Supremo.
 

Líderes do Congresso já avisaram que um dos objetivos após o debate sobre o CNMP é mirar no conselho responsável por fiscalizar a atuação da magistratura.
 

Autor do texto original da PEC, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) levantou a possibilidade na sessão em que o substitutivo do relator, deputado Paulo Magalhães (PSD-BA), foi rejeitado por 297 a 182 -11 votos a menos que o necessário para aprovar uma PEC.
 

"O que impede de discutirmos posteriormente um texto com relação ao CNJ? Agora, aqui é fruto do amadurecimento, do entendimento, da composição, de um clima de diálogo", disse.
 

"Mas parece que alguns não querem punir os seus que extrapolam. Nenhuma instituição é respeitada se não tiver a capacidade de colocar todos debaixo da lei e da Constituição. Aqueles que extrapolam se comportam como laranjas podres que, dentro de uma caixa, irão apodrecer as demais laranjas."
 

Apesar da derrota do substitutivo de Magalhães, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que liderou as negociações em favor da matéria, afirmou que "o jogo só termina quando acaba" e que irá analisar "possibilidades regimentais" para levar o tema novamente à votação.
 

Na quarta-feira (20), após o resultado, Lira ameaçou votar na sequência o texto de Teixeira, mas recuou.
 

Deputados e líderes partidários avaliam que a PEC original tem ainda mais resistência -e menos voto- do que o substitutivo de Magalhães, fruto de uma concertação.
 

Ainda que a proposta seja aprovada na Câmara e mesmo que o Senado avalize a decisão dos deputados, associações de classe do Ministério Público e partidos contrários à proposta já se articulam para apresentar ações no STF a fim de impedir a implementação das mudanças.
 

Atualmente, o conselho responsável por realizar a fiscalização administrativa, financeira e disciplinar dos integrantes do Ministério Público é composto por 14 membros.
 

A proposta rejeitada na Câmara aumentava para 17 o número de conselheiros e ampliava de 2 para 5 o número de indicados do Congresso no colegiado.
 

Uma decisão da corte favorável à PEC do CNMP, avaliam especialistas, daria tração à tramitação de uma proposta similar relativa ao CNJ. Caso ocorra esse julgamento, no centro do debate estará a discussão jurídica sobre a extensão da equivalência a ser dada entre ambos os órgãos.
 

Em 2005, logo após a criação dos dois colegiados, o STF julgou uma ação em que definiu balizas para a atuação do CNJ.
 

Agora, um dos argumentos de associações de procuradores é que as regras definidas 16 anos atrás também valem para o CNMP. Isso tornaria inconstitucionais os principais trechos da PEC, pois o Supremo decidiu, por exemplo, que é obrigatório manter maioria qualificada de integrantes da carreira no órgão.
 

Deputados e magistrados garantistas, no entanto, afirmam que a simetria prevista pela Constituição entre Ministério Público e Judiciário não abrange essa área.
 

Sob reserva, ministros dizem acreditar que a tendência seria ver se repetir na análise do tema a mesma divisão que ocorre em julgamentos criminais que debateram temas centrais da Lava Jato.
 

De um lado, os magistrados que seguem uma linha mais garantista, como Gilmar Mendes, Kassio Nunes Marques, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski, demonstram simpatia com a proposta de alterar a composição do CNMP para criar um ambiente favorável a um controle mais rígido da atuação de procuradores e promotores que abusem de seus poderes.
 

De outro, os ministros que costumam defender os métodos da Lava Jato, como Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e Edson Fachin, têm criticado a PEC nos bastidores.
 

Na avaliação de magistrados, é mais difícil prever a posição dos outros integrantes da corte sobre o tema.
 

O ministro Alexandre de Moraes, por exemplo, costuma criticar excessos de investigadores e ter deferência a decisões desta natureza tomadas pela classe política, mas é oriundo do Ministério Público e geralmente se posiciona em favor das causas da classe.
 

Também há a expectativa de que as ministras Cármen Lúcia e Rosa Weber se posicionem contra pontos da PEC que permitam uma maior ingerência sobre o CNMP, caso a proposta seja aprovada com uma redação final que de alguma maneira coloque sob risco a autonomia funcional da categoria.
 

Newsletter FolhaJus Seleção das principais notícias da semana sobre o cenário jurídico e conteúdos exclusivos com entrevistas e infográficos. A possibilidade de o Congresso tentar fazer o mesmo com o CNJ é apontada como um risco concreto pelo presidente da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República), Ubiratan Cazetta.
 

Ele disse que, durante as discussões para tentar costurar um acordo no substitutivo, Teixeira e Lira sinalizavam a possibilidade de mexer no órgão da Justiça também.
 

"Quando se contrapunha a simetria com o CNJ, a resposta deles era de que podiam mexer no CNJ também. O quanto isso é real, o quanto era mais um argumento para desfazer a nossa crítica, eu não sei dizer", afirmou.
 

"A impressão que a gente tem, às vezes, é que eles [congressistas] são mais cuidadosos para enfrentar o CNJ. Não é tão fácil", disse.
 

Apesar disso, continuou Cazetta, há um risco concreto. "Os dois foram criados com a ideia de uma simetria. Quando você mexe em um, abre a porta para mexer no outro."
 

Assim como acontece no CNMP, hoje o CNJ tem "dois cidadãos, de notável saber jurídico e reputação ilibada" indicados pelo Congresso --um pela Câmara, outro pelo Senado.
 

"A lógica do Lira de fazer com que você tenha um maior número de indicações externas poderia ser replicada ao CNJ. É o que ele disse expressamente, que pode fazer uma PEC para mudar o CNJ", disse. "Ele chegou a falar: 'Apresentem a PEC'."
 

A mudança na escolha do corregedor também seria outra possibilidade. No substitutivo derrotado de Magalhães, o corregedor seria indicado pelo Congresso. No texto de Teixeira, não há essa obrigatoriedade, mas o nome pode vir de fora do Ministério Público, o que é criticado pelas associações.
 

Hoje, no CNJ, o corregedor é um ministro indicado pelo Superior Tribunal de Justiça. "Na teoria, é replicável também, mas a minha intuição diz que eles não tentariam, porque a resistência do Supremo e do Judiciário como um todo seria evidente."

Estado divulga lista de professores que poderão converter licenças-prêmio em pecúnia
Foto: Reprodução / SEC

A Secretaria da Educação do Estado da Bahia (SEC) divulgou no Diário Oficial, neste sábado (23), uma lista complementar dos professores da carreira do magistério público estadual dos ensinos fundamental e médio que tiveram deferida a concessão de licença-prêmio convertida em pecúnia. A lista pode ser acessada no Portal da Educação. Com esta iniciativa, ao todo foram concedidas 7.589 licenças-prêmio.

 

A superintendente de Recursos Humanos da Educação, Rosário Muricy, destacou o impacto da iniciativa na rede estadual de ensino. "Com esta ação, estamos mantendo os nossos profissionais do magistério em sala de aula, garantindo a aprendizagem dos estudantes, além de atender aqueles profissionais da carreira que fizeram esta solicitação à SEC".

 

Rosário ressaltou, ainda, que a concessão das licenças-prêmio é uma necessidade de normatizar os procedimentos administrativos para a concessão de benefícios aos integrantes da carreira de magistério público que optaram por converter suas licenças em pecúnia. Com essa nova lista, chega a mais de R$ 99 milhões o incremento feito pelo estado na folha de pagamento, nos próximos meses.

 

A conversão dos períodos de licença-prêmio em abono pecuniário alcança, preferencialmente, o professor enquadrado nas seguintes condições: com maior tempo de serviço no Estado; que não tenha sido beneficiado com a conversão da licença em pecúnia há, pelo menos, um ano; e esteja em efetiva regência de classe.

Escolas da rede municipal de Juazeiro retomam aulas de forma presencial
Foto: Divulgação / PMJ

As aulas presenciais na rede municipal de ensino de Juazeiro retornam de forma gradual, a partir da próxima segunda-feira (25). O cronograma inicia com as Escolas Municipais de Educação Infantil (Emeis) e 5º ano do Ensino Fundamental, de escolas localizadas na sede. 

 

A gestão inormou que as atividades letivas acontecerão de maneira híbrida e escalonada, com o revezamento de turmas, seguindo os protocolos de segurança sanitária contra a Covid-19, estabelecidos pela Secretaria de Educação e Juventude (Seduc) do município.

 

As aulas deverão acontecer respeitando a lotação máxima de 50% de ocupação das salas, seguindo os seguintes critérios de segurança sanitária: uso obrigatório de máscara; disponibilização de álcool em gel em locais acessíveis; escalonamento de horários de entrada, saída e intervalos para as refeições; interdição de bebedouros coletivos; e higienização de superfícies de toque (mesas, cadeiras e livros e etc) no início e final das atividades.

 

"Nossas escolas estão aparelhadas com termômetros, álcool e lavatórios para proporcionar aos nossos estudantes e colaboradores um retorno seguro. Vale ressaltar, que a capacidade de ocupação dos ambientes está reduzida e será rigorosamente respeitada por nossas equipes de ensino", explicou a secretária de Educação e Juventude, Normeide Almeida.  

 

  • 25/10 a 29/10 – Escolas Municipais de Educação Infantil (Emeis) e 5º anos, ambas  localizadas na sede;
  • 08/11 a 12/11 – Ensino Infantil em escolas que ofertam o segmento, Fundamental I e II (1º ao 9º) e Educação de Jovens e Adultos (Eja), de unidades de ensino localizadas na sede;
  • 22/11 a 26/11 – Educação Infantil em escolas do interior; 
  • 06/12 a 10/12 – Fundamental I, II e Educação de Jovens e Adultos (Eja) em escolas do interior.

 
O calendário foi validado pela Comissão Municipal para Articulação e Organização do Retorno às Aulas Presenciais, composta por representantes da Seduc, Secretaria de Saúde (Sesau) e de diversas entidades e sindicatos representativos dos segmentos da educação.

Por conta de obras, trânsito da Tancredo Neves será bloqueado durante duas noites
Foto: Reprodução / Google Maps

O trânsito da Avenida Tancredo Neves será completamente bloqueado durante as noites de segunda (25) e terça-feira (26), entre 23h e 5h. A intervenção se dará em frente ao edifício Mundo Plaza, por conta das obras de duplicação do viaduto da Ligação Iguatemi-Paralela (LIP).

 

Nesse período, os condutores que estiverem na Av. ACM no sentido Av. Magalhães Neto poderão seguir pelo viaduto da LIP, fazer o retorno na Rua Marcos Freire (via em frente à TendTudo), de onde podem acessar a Av. Tancredo Neves no trecho após o bloqueio.

 

A Superintendência de Trânsito do Salvador (Transalvador) informou que a sinalização na via será reforçada e agentes de trânsito e transporte estarão na região para orientar condutores, pedestres e passageiros.

 

Segundo o órgão, as as linhas de ônibus que têm a Avenida Tancredo Neves em seu itinerário farão o mesmo desvio que os veículos de passeio e depois seguirão o seu roteiro normal.

Domingo, 24 de Outubro de 2021 - 16:40

Alec Baldwin decide cancelar outros projetos após morte em set de filmagem

por Por: Folhapress

Alec Baldwin decide cancelar outros projetos após morte em set de filmagem
Foto: Reprodução / Redes Sociais

O ator Alec Baldwin, 63, decidiu cancelar alguns projetos e ficar longe do olhar do público após o acidente no set de filmagem de "Rust", que resultou na morte da cinegrafista Halyna Hutchins, 42, na última quinta-feira (21). A afirmação é de pessoas próximas ao ator à revista People.
 

Segundo a publicação, ele está procurando tirar algum tempo para si mesmo e se centrar novamente. "Isso foi muito devastador. É assim que ele lida com os tempos difíceis. Sempre que algo ruim acontece, no curto prazo, ele se afasta [dos] olhos do público", afirmou uma fonte sem citar os projetos cancelados.
 

Baldwin fez um disparo com uma arma cenográfica durante a gravação do filme, sem saber que havia munição real no revólver. Ele acabou ferindo Hutchins e o diretor do longa, Joel Souza. A diretora de fotografia foi socorrida, mas não resistiu ao ferimento na região do abdômen. Souza já recebeu alta.
 

Ainda de acordo com a revista People, Baldwin ficou "histérico e absolutamente inconsolável por horas" após o tiroteio. "Todo mundo sabe que foi um acidente, mas ele está absolutamente arrasado", afirmou uma pessoa próxima a ele. No Twitter, na última sexta (22), ele disse que estava com o coração partido.
 

Souza se pronunciou pela primeira vez sobre o acidente neste sábado (23) e afirmou que está destruído pela perda da colega Halyna Hutchins. "Ela era gentil, vibrante, incrivelmente talentosa, lutou por cada centímetro do que conquistou e sempre me motivava a ser melhor", afirmou ele em um comunicado.
 

O diretor do longa não deu detalhes sobre o acidente ou seus ferimentos, mas disse que ficou "humilde e grato pelas mensagens de afeição que temos recebido da indústria cinematográfica, do povo de Santa Fé e de centenas de desconhecidos que entraram em contato conosco".
 

ENTENDA O CASO
 

Um tiro disparado no set de filmagens do filme "Rust", estrelado por Alec Baldwin, deixou a diretora de fotografia Halyna Hutchins, 42, morta e o diretor Joel Souza, 48, ferido, no Bonanza Creek Ranch, em Santa Fé, Novo México, nos Estados Unidos, no dia 21 de outubro.
 

O próprio ator disparou a arma cenográfica, que deveria estar com festim, não com munição de verdade. "Estamos tentando determinar agora como e que tipo de projétil foi usado na arma de fogo", disse Juan Rios, porta-voz do Gabinete do Xerife do Condado de Santa Fé.
 

Baldwin foi interrogado e estava chorando, segundo o Santa Fe New Mexican, mas ninguém foi preso pelo acidente. Segundo apuração, a arma foi entregue ao ator pelo diretor assistente Dave Halls, que não sabia que ela tinha munição de verdade e confirmou isso no set gritando "arma fria".
 

Mas, segundo o sindicato de Hollywood, a arma continha munição real. "Uma munição verdadeira foi acidentalmente disparada no set pelo ator principal, atingindo a diretora de fotografia Halyna Hutchins, integrante da Local 600, e o diretor Joel Souza", disse uma filial local do sindicato IATSE (Aliança Internacional de Funcionários de Palco Teatral, na sigla em inglês).
 

Horas antes do disparo, um grupo de operadores de câmeras deixou o set de "Rust" em uma praia próxima à cidade de Santa Fé em protesto às condições de trabalho. Baixo orçamento, longas viagens e jornadas de trabalho foram algumas das reclamações, segundo o jornal Los Angeles Times.
 

Em suas redes sociais, Alec Baldwin falou sobre o choque e tristeza causados pelo acidente, e disse estar em contato com a família da colega. "Eu estou cooperando com a investigação policial para descobrir como essa tragédia aconteceu", escreveu.

Mãe e filha, duas mulheres são mortas em Lauro de Freitas após atender chamado
Foto: Divulgação/Polícia Civil

Uma mulher de 60 anos e a filha dela, de 32, foram mortas a tiros depois de atenderem um chamado na porta de casa. O crime aconteceu na madrugada deste domingo (24), em Lauro de Freitas, na região metropolitana de Salvador. 

 

Segundo o portal G1, a mãe foi identificada como Hilda Bernardes Ribeiro da Silva e a filha como Vanessa Angélica Ribeiro e Silva. Elas estavam em casa no momento em que foram vítimas dos disparos. Não se sabe qual a motivação do assassinato.

 

De acordo com informações da Polícia Civil, um homem chegou na porta da casa e chamou pela mãe. Vanessa acompanhou Hilda e ambas foram baleadas pelo suspeito. Os corpos foram levados em um carro e deixados na Avenida José Leite, cerca de 1 km distante do local em que moravam.

 

Equipes do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) foram deslocados até a via em que as vítimas foram encontradas e realizaram a perícia. O caso foi registrado na 27ª Delegacia Territorial, no bairro de Itinga, que investiga os homicídios.

Roberto Jefferson é internado após passar mal; defesa alega 'grave risco de vida'
Foto: Reprodução / Redes sociais

O ex-deputado federal Roberto Jefferson precisou ser internado neste domingo (24), no hospital do Complexo Penitenciário de Gericinó (antigo Bangu), em razão de complicações em seu estado de saúde. Segundo o jornal O Globo, o presidente do PTB apresentou sintomas como febre alta, taquicardia e baixa pressão.

 

A defesa de Roberto Jefferson pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a transferência do aliado do político para um hospital particular na Barra da Tijuca alegando "grave risco" de vida. Na solicitação, os advogados do ex-parlamentar pedem sua imediata transferência para o Hospital Samaritano, onde ele estava internado com o uso de uma tornozeleira eletrônica, e falam em uma situação grave de saúde, inclusive com risco de morte.

 

"É inequívoco a existência de grave risco de o requerente morrer, caso seja mantido no estabelecimento prisional, eis que a SEAP [Secretária de Adminitsração Penitenciária do Rio de Janeiro] já afirmou não possuir condições adequadas para manter a estabilização da sua saúde", afirmam na manifestação endereçada ao ministro do Supremo Alexandre de Moraes.

 

Ele voltou para o presídio no último dia 14 de outubro, por determinação de Moraes, depois que recebeu alta hospitalar. Jefferson estava desde setembro com um quadro de infecção urinária e dores na lombar. Durante o período em que esteve internado, ele também foi submetido a um cateterismo para desobstrução de uma artéria.

 

Christiane Brasil, ex-deputada e filha de Jefferson, se indignou com a situação. "Meu pai voltou pro hospital do presídio. Sua saúde frágil não lhe permite ficar num ambiente tóxico daquele, longe da sua cuidadora. Se ele não sair logo pra casa, o pior pode acontecer. Oro pra que o Alexandre deixe-o ir pra casa", escreveu Brasil em seu perfil no Twitter.

 

A presidente interina do partido, Graciela Nienov, publicou informações sobre a transferência para o hospital da unidade penitenciária. Num comentário, Nienov disse que Roberto Jefferson foi preso "por defender a nossa liberdade".

 

"Muitos podem até não dar valor pela luta do Roberto Jefferson, preso por defender a nossa liberdade. O PTB segue firme nessa luta, todos estão de olho no abandono que ele está sofrendo. Será que é por acaso ou pensado?", disse.

 

Como noticiou O Globo, além de estar preso, Jefferson já foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por seus ataques às instituições. Na quinta-feira, cinco deputados federais da bancada do PTB pediram o afastamento de Jefferson, e de toda a direção nacional por uso indevido do fundo partidário e ofensas ao Supremo.

Lençóis firma TAC para garantir conservação do Parque Municipal da Muritiba-Serrano
Foto: Divulgação / MP-BA

O município de Lençóis, na Chapada Diamantina, firmou, junto ao Ministério Público da Bahia (MP-BA), dois termos de ajuste de conduta para implementação e regularização do Parque Municipal da Muritiba-Serrano e do Sistema Municipal de Meio Ambiente (Sismuma). De acordo com o promotor de Justiça Augusto César Carvalho de Matos, a cidade precisa implantar as determinações legais, que estabelecem o sistema nacional de unidades de conservação, bem como dispõem sobre a política nacional do meio ambiente. 

 

Ainda segundo Carvalho Matos, "o parque estava funcionando há décadas, desde 1986, inclusive como importante atrativo turístico na Chapada Diamantina, recebendo milhares de visitantes anualmente, sem que houvesse o respeito à legislação ambiental e a sua adequada regularização legal”, destacou. 

 

Através do TAC, o  município se comprometeu a adequar sua política de gestão ambiental, e implementar e regularizar a unidade de conservação municipal, Parque da Muritiba. Com acordo Lençóis assegurou que irá efetivar a regularização fundiária e a estruturação administrativa e territorial das unidades de conservação, bem como monitorar e fiscalizar regularmente a unidade de conservação, além de elaborar e executar os planos de uso público emergencial e de manejo.

 

De acordo com o MP-BA, a gestão também se comprometeu a implantar e regularizar o Sismuma, adequando a gestão de política ambiental às normas federais, que estabelecem diretrizes como a realização de concurso público para preenchimento de vagas efetivas para o licenciamento ambiental, a fiscalização e o fortalecimento da participação social, por meio do Conselho de Meio Ambiente. Os TACs foram assinados durante audiência realizada na sede do Ministério Público de Lençóis com a presença da prefeita municipal, Vanessa Senna e do secretário de Meio Ambiente, Raimundo Baracho.

Domingo, 24 de Outubro de 2021 - 15:20

Pandemia e alta do dólar empurram cerca de 50 mil para fila de cirurgia cardíaca no SUS

por Por: Raquel Lopes e Mateus Varga | Foplhapress

Pandemia e alta do dólar empurram cerca de 50 mil para fila de cirurgia cardíaca no SUS
Foto: Pedro Ventura / Agência Brasília

A pandemia da Covid-19 e a alta do dólar travaram ainda mais as cirurgias cardíacas no SUS. O problema da escassez de recursos para procedimentos eletivos é crônico, mas agora piorou.
 

Entidades médicas e gestores de hospitais relatam que estão suspendendo operações por não conseguirem comprar insumos como válvulas, cânulas e oxigenadores. A SBCCV (Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular) estima que cerca de 50 mil pessoas aguardam na fila por operações desse tipo, e o número de atendimentos cai a cada ano.
 

Com a disparada da moeda americana, insumos ficaram mais caros, alcançando valores muito acima do que o governo federal repassa aos hospitais.
 

Por conta disso, há estados com cirurgias paradas, como Goiás. Outros decidiram destinar recursos próprios para conseguir manter a realização dos procedimentos. A situação é mais crítica nas cirurgias cardiovasculares com circulação extracorpórea. São cirurgias cardíacas de alta complexidade em que o médico precisa abrir o peito do paciente.
 

Em 2020, foram realizadas 31.931 cirurgias desse tipo, 22,9% a menos que em 2019, segundo dados do Ministério da Saúde organizados pela SBCCV.
 

O Ministério da Saúde afirma que cabe aos estados e municípios gerenciarem as listas de espera. Informa ainda que faz estudos para avaliar possível reajuste nos valores repassados para esses procedimentos.
 

Eduardo Rocha, presidente da SBCCV, diz que essa fila foi criada por dois motivos. O primeiro é a pandemia que fez represar cirurgias de alta complexidade. Com a falta de leitos de UTI e vagas em hospitais, elas tiveram que ser suspensas.
 

"Em vez de abrir o peito do doente na pandemia, a gente optou por fazer procedimentos menos invasivos, que a longo prazo são piores. Fizemos isso para conseguir manter os doentes vivos e não gastar muito tempo de internação e UTI", afirma.
 

Outra razão é a falta de produtos para que essas cirurgias sejam realizadas. Há fornecedores que não querem vender para o SUS por conta do valor de tabela pago. Hospitais de nove estados já relataram problemas para a SBCCV. A "tabela SUS", que registra o valor pago pelo governo federal para diversos procedimentos no SUS, está defasada. Para cirurgias cardiovasculares com circulação extracorpórea, que exigem válvulas, cânulas, oxigenadores, não há reajuste desde 2002.
 

Em 2021, com a alta do dólar e inflação, a situação ficou insustentável, segundo gestores do SUS e entidades médicas.
 

Paulo Fraccaro, superintendente da Abimo (Associação Brasileira da Indústria de Dispositivos Médicos), diz que, das cinco empresas que fornecem esses produtos para o SUS, três deixaram de ofertar. Ele afirma que está em contato com o Ministério da Saúde para tentar resolver o problema.
 

"Com a pandemia diminuindo, o número de cirurgias que utilizam válvulas e oxigenadores está aumentando, e a demanda por insumos, também. As empresas não têm condição de atender essa demanda porque senão o prejuízo vai aumentar. Aumentou o preço da matéria-prima, energia elétrica, aumento de salários e aqueles que trabalham com produtos importados, o aumento do dólar", diz.
 

O caminhoneiro Geso Garcez Bueno, de 52 anos, espera há quatro meses na fila em Anápolis (GO) para realizar a cirurgia de revascularização do miocárdio. Ele sofreu dois infartos que o impossibilitaram, inclusive, de trabalhar. Após ficar sem resposta dos órgãos públicos sobre a data da cirurgia, Bueno buscou a Justiça, que deu ordem para a operação ser feita em até 15 dias.
 

"O laudo médico diz que eu sofro risco de vida e mesmo assim não marcam a cirurgia, acho que é Deus que ainda está me mantendo vivo. Toda vez que vou à prefeitura da cidade dizem que o SUS não está tendo insumo e não possuem dinheiro para cobrir a cirurgia", lamenta.
 

A presidente da Braile Biomédica, Patrícia Braile, avalia que está cada dia mais difícil o fornecimento dos produtos para a realização de cirurgias cardíacas no SUS. Ela explica que um kit usado em cirurgia com circulação extracorpórea é tabelado por R$ 1.581,63 pelo SUS desde 2002, ou seja, está há 19 anos sem reajuste.
 

"Há risco de desabastecimento. Muitos insumos e matérias-primas são importados dos Estados Unidos e Europa e os valores são em euro e em dólar, o que eleva muito os custos", constata.
 

Bruno Botelho Pinheiro, cirurgião cardiovascular e membro titular da SBCCV, diz que em Goiás as cirurgias cardiovasculares realizadas pelo SUS foram reduzidas por falta de insumos. Alguns hospitais chegaram a pagar a diferença para que pudessem continuar as operações. Mas cada local está lidando de uma maneira.
 

"Em Anápolis está totalmente parado desde 30 de março, apesar de 70 já estarem autorizadas. Já alguns hospitais de Goiânia estão complementando o valor em casos mais complexos", conta.
 

A CMB (Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas) alerta o Ministério da Saúde em junho sobre dificuldades para realizar as cirurgias.
 

No documento, a entidade aponta que reajustes feitos pela indústria aumentam a diferença entre o valor pago pelo governo federal e o registrado nas licitações dos insumos.
 

Diretor-executivo do hospital filantrópico Bruno Born, de Lajeado (RS), Cristiano Dickel afirma que teve de pedir ajuda ao município e até enviou pacientes a outras unidades por causa do aumento dos custos nas últimas semanas. Como exemplo, Dickel cita que o governo envia R$ 1.500 para a compra de válvulas biológicas, mas o custo do produto alcança R$ 3.700. A unidade de Lajeado é referência na região, e atende a pacientes de 37 cidades. "O aumento começou no último mês. E fornecedores dizem que o problema irá se agravar."
 

A cirurgiã cardiovascular Silvana Berwanger, da Santa Casa de Ijuí (RS), afirma que é inédito interromper cirurgias por falta de opção de insumos. A unidade em que ela trabalha cancelou as operações eletivas, e mantém reservado um kit de válvulas biológicas para cirurgias de emergência.
 

Procurado, o Ministério da Saúde disse, em nota, que na tabela SUS constam cinco procedimentos especiais relacionados ao material em questão, cujo custeio é financiado com recursos da pasta.
 

Entretanto, é de responsabilidade do gestor local o planejamento e gerenciamento dos repasses federais, e do estabelecimento de saúde, a aquisição e gestão das próteses e materiais, afirmou o ministério.
 

"A prótese valvular biológica teve o valor na tabela do SUS reajustado em 63%, em 2017. Para obter subsídios adicionais e complementares, considerando o alto grau de complexidade da situação, o Ministério da Saúde realiza estudo econômico para avaliar possível reajuste dos valores pagos pela União para as próteses e para os conjuntos de circulação extracorpórea", informou em nota.
 

O governo de Goiás afirmou, em nota, que as unidades que realizam cirurgias cardíacas de alta complexidade são localizadas em Goiânia. O encaminhamento é de responsabilidade da Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia. As prefeituras de Goiânia e Anápolis não responderam aos questionamentos da reportagem.
 

O Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) disse, em nota, que tem apresentado ao ministério e nas discussões com gestores do SUS "preocupação com o represamento das cirurgias eletivas, especialmente por causa da pandemia da Covid-19".
 

"A mortalidade e a morbidade por doenças cardiovasculares exigem que as ações integradas ocorram com celeridade", avaliou a entidade.
 

Para Diego Xavier, pesquisador do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde da Fiocruz, além de avaliar queda de 22% em parte das cirurgias cardíacas, é importante observar se houve excesso de morte na pandemia por problemas cardiovasculares.
 

"Agora que vamos retomar temos o passivo que ficou para trás e as demandas atuais. Muita gente vai acabar tendo problema porque se houver menos procedimento, mais gente vai morrer por não ter sido socorrido a tempo", conclui.

Governo da Bahia firma parceria com BNDES para modernização de parques estaduais
Foto: Reprodução / Camila Souza - GOVBA

Consultas e audiências públicas deverão ser realizadas pelo governo do estado para tratar da concessão de parques estaduais. De acordo com a gestão, o chamamento públicos por  por meio da Secretaria do Meio Ambiente (Sema) e do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) visam a modernização e preservação ambiental dos equipamentos. Dentre eles, está o parque Metropolitano de Pituaçu. 

 

De acordo com a gestão, a ação faz parte de um projeto do BNDES de Concessões de Parques Naturais, lançado com a finalidade de disponibilizar espaços com atrativos ao público, sem deixar de oferecer a gratuidade prevista nas leis municipais, estaduais e federais. 

 

O processo de concessão deverá passar por todos os ritos que preveem no contrato firmado com o Governo do Estado, como ouvir a comunidade do entorno, informar a sociedade passo a passo de tudo o que será feito, com transparência e responsabilidade ambiental, mostrando o cuidado com as comunidades tradicionais, os moradores do entorno, turistas e os esportistas que usufruem do local.

 

Estão previstos a modernização e revitalização da ciclovia, dos restaurantes, quadras, parques infantis e demais espaços que ofereçam lazer para a população. Após a efetivação da concessão, o Governo do Estado oferecerá à sociedade um novo conceito de parque urbano na capital.

 

De acordo com o governo do estado, os parques estaduais estavam fechados desde março de 2019, quando começou a pandemia da Covi-19, e foram reabertos no último dia 15 deste mês. Neste momento de reabertura, o Parque Metropolitano de Pituaçu vem adotando todas as medidas restritivas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e conforme preveem os decretos municipais e estaduais.

Presidente da Palmares deverá  apagar postagens contra decisão judicial do MPT
Foto: Reprodução / Redes Sociais

Após uma decisão judicial, o presidente da Fundação Cultural Palmares, Sérgio Camargo, precisará retirar das redes sociais postagens que sejam contrárias à decisão judicial que ordena o afastamento dele das atividades de gestão do órgão. Ele está afastado da Palmares desde que foi acusado por discriminação, assédio moral e perseguição político-ideológica.

 

Conforme divulgou o Portal Metrópoles, parceiro do Bahia Notícias, a decisão é do juiz Gustavo Carvalho Chehab, da 21ª Vara do Trabalho de Brasília, e foi tomada nesta sexta-feira (22). A proibição atende um pedido do Ministério Público do Trabalho (MPT), mas apenas de forma parcial. O órgão foi responsável pela solicitação do afastamento de Sérgio Camargo da presidência da fundação.

 

Conforme a determinação do MPT, os atos de gestão podem ser feitos apenas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ou por alguma autoridade indicada por ele. 

Babu Santana rebate críticas  por diferença de 16 anos de idade entre ele e namorada
Foto: Reprodução / Redes Sociais

O ator Babu Santana, de 41 anos  chamou se posicionou contra as críticas que vem recebendo por namorar com Lívia Nascimento, 16 mais nova que o artista. Em entrevista à jornalista Patricia Kogut, ele reforçou que 'as pessoas têm que ter o que falar. Eu respeito qualquer opinião, assim como quero que a minha seja respeitada. Mas a Livia é maior de idade, uma mulher independente e uma pessoa interessante', defendeu Babu. 

 

Babu não tem dado muitos detalhes sobre o início do namoro, mas reiterou que para o amor, não há idade. "As diferenças só competem a mim e a ela. Esses preconceitos bobos, esse disse me disse. Não me interessa a opinião alheia nesse sentido. Estamos juntos de forma consensual", declarou.

 

À jornalista, o ex-BBB contou que o casal se conheceu "nas andanças da via" e foi se aproximando até consumar um namoro. Os dois assumiram o relacionamento em julho deste ano. À época "Amor, muitos beijos para você e mais amor no seu coraçãozinho", disse.
 

Domingo, 24 de Outubro de 2021 - 14:00

Ciro Nogueira acumula derrotas em quase 3 meses na Casa Civil de Bolsonaro

por Ranier Bragon | Folhapress

Ciro Nogueira acumula derrotas em quase 3 meses na Casa Civil de Bolsonaro
Foto: Pedro França/Agência Senado

Após dois meses e meio da posse de Ciro Nogueira (PP) na Casa Civil de Jair Bolsonaro, o governo continua sofrendo derrotas em série no Senado, casa de origem do ministro.
 

Além de consolidar a influência do centrão sobre o governo e reforçar a ala política em um momento de tensão institucional, a escolha de Ciro para o lugar do general Luiz Eduardo Ramos trazia também a expectativa do Palácio do Planalto de amenizar a sua crítica situação no Senado.
 

Entre outras tarefas, o senador tinha como uma das principais missões assumir o papel de estrategista do governo na CPI da Covid, importante foco de desgaste do presidente da República no Senado. Até então, o principal articulador do Planalto na comissão era o ministro Onyx Lorenzoni (Trabalho e Previdência).
 

Além de Ciro não conseguir alterar o rumo da CPI, que na quarta-feira (20) apresentou seu relatório final com a proposta de punição de Bolsonaro por nove crimes, entre eles prevaricação e charlatanismo, o Senado foi palco nesses dois meses e meio de vários outros reveses para o Planalto.
 

A reforma do Imposto de Renda, uma das prioridades da equipe de Paulo Guedes (Economia), foi aprovada na Câmara em 1º de setembro, mas, desde então, empacou no Senado.
 

O governo esperava usar o projeto para conseguir viabilizar recursos para a reformulação do Bolsa Família, mas, diante da resistência no Senado, teve que procurar outros caminhos.
 

Nesse mesmo dia em que a Câmara -comandada por Arthur Lira (PP-AL), alinhado a Bolsonaro- aprovava a reforma do IR, a equipe de Guedes sofreu uma outra derrota significativa no Senado, a rejeição de sua proposta de minirreforma trabalhista por uma votação expressiva, 47 votos a 27.
 

Em outro sinal claro da desarticulação do governo no Congresso, 12 vetos presidenciais foram derrubados por Câmara e Senado no final de setembro, entre eles um em que havia acordo entre os líderes partidários para ser mantido -o que permite que partidos políticos se organizem em uma federação pelo tempo mínimo de quatro anos.
 

"A votação dos vetos foi uma coisa curiosa, a impressão era que não tinha governo, não existia articulação, a coisa se deu sem reação nenhuma, nunca vi uma bancada do governo tão desarticulada", afirmou o senador Alvaro Dias (Podemos-PR).
 

"Uma vez uma pessoa me perguntou: 'Por que aquele secretário do seu governo era tão bom e agora é tão ruim?'. E eu respondi: 'Porque naquela época tinha governador'. Não adianta ser bom na política, conhecer os parlamentares e coisa e tal, se o presidente não ajuda."
 

Para que um veto presidencial seja derrubado, é preciso o voto de mais da metade dos 513 deputados federais e 81 senadores. Antes de Bolsonaro, eram raras situações como essa.
 

Além das federações dos partidos, foram retomados projetos como o que prevê repasses do governo para ampliar o acesso das escolas públicas à internet em alta velocidade e a suspensão da prova de vida do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).
 

"Eu continuo achando o governo em um processo de desarticulação", diz o senador Eduardo Girão (Podemos-CE), membro da CPI da Covid.
 

"As votações estão ocorrendo de uma forma muito liberada. É importante para a liberdade legislativa, do parlamentar, mas é perigoso do ponto de vista da governabilidade", afirma o senador, que tem adotado posições pró-governo na comissão.
 

Apesar das derrotas em série, há senadores que avaliam que ao menos houve melhora na interlocução entre o Legislativo e o governo, o que ajudou a tranquilizar o clima político.
 

"Acho que o diálogo com o Congresso foi meio suavizado. No sentido de estabelecer o clima de diálogo, no sentido de: sou crítico, sou oposição, mas sei com quem conversar. Não que o país ficou mais democrático, mas foram azeitados os dutos de comunicação da oposição com o governo", afirmou Esperidião Amim (PP-SC).
 

Integrante da bancada governista na CPI, o senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) diz também ver melhora na articulação política do Planalto, embora não tenha citado nenhum exemplo específico na conversa com a Folha. "Melhorou. Está fazendo um bom trabalho. A interlocução era fraca, ficou mais fortalecida."
 

Senador de oposição, Paulo Rocha (PT-PA) discorda: "Só melhorou para eles [centrão], que avançaram no controle sobre Bolsonaro. Para o país, nada. É um governo nulo, ineficiente, inconsistente, inoperante, então essa mudança [ida de Ciro para a Casa Civil] só atende à sobrevida política do Bolsonaro", afirma.
 

Um dos principais entraves que o governo enfrenta no Senado tem sido a demora na análise da indicação de André Mendonça para o Supremo Tribunal Federal.
 

Bolsonaro formalizou a escolha do advogado-geral da União em 13 de julho. Até hoje, porém, o presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), Davi Alcolumbre (DEM-AP), não marcou data para sua sabatina.
 

Apesar de a articulação política de Bolsonaro ser a principal função de Ciro Nogueira, nesse caso o ministro integra um grupo, o centrão, que tem resistência a Mendonça.
 

Esse grupo avalia que o escolhido por Bolsonaro não se encaixa no perfil desejado, que é o de total oposição aos métodos adotados pela Lava Jato, operação que abalou o mundo político e que, hoje, está em contínuo processo de desgaste.
 

O preferido do centrão para a vaga no STF é o procurador-geral da República, Augusto Aras.
 

Nos bastidores, parlamentares também reclamam que há problemas de execução de emendas do Orçamento destinada aos senadores, o que tem dificultado mais ainda a situação do Palácio do Planalto na Casa. A Casa Civil não se manifestou sobre as perguntas enviadas pela Folha.
 


 

Problemas do governo no Senado após a nomeação de Ciro Nogueira
 


 

- André Mendonça: Bolsonaro indicou o advogado-geral da União em 13 de julho. Até hoje o presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), Davi Alcolumbre (DEM-AP), não marcou data para sua sabatina
 


 

- ?Impeachment de Alexandre de Moraes: O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), rejeitou em 25 de agosto o pedido de impeachment formalizado por Bolsonaro contra o ministro do Supremo Tribunal Federal
 


 

- Minirreforma trabalhista: O plenário do Senado derrubou em 1º de setembro, de forma acachapante (47 votos a 27), a medida provisória que criava três novos modelos de contratações, com menos direitos trabalhistas
 


 

- Devolução de MP: O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), devolveu ao governo, em 14 de setembro, a medida provisória editada por Bolsonaro que limita a remoção de conteúdo publicado nas redes sociais
 


 

- Vetos derrubados: o governo havia negociado com os parlamentares a manutenção do veto de Bolsonaro ao projeto que permite siglas se unirem em federação, mas o Congresso derrubou a decisão do presidente em 27 de setembro. Foram 45 votos no Senado (eram necessários 41). Nesse mesmo dia, o Senado e a Câmara derrubaram outros 11 vetos de Bolsonaro
 


 

- Reforma do Imposto de Renda: Uma das bandeiras de Paulo Guedes (Economia), projeto foi rapidamente aprovado na Câmara, em 1º de setembro, mas foi para a gaveta no Senado
 


 

- Privatização dos Correios: Câmara aprovou em 5 de agosto projeto que viabiliza a privatização. No Senado, texto está até hoje em tramitação da Comissão de Assuntos Econômicos, sem relatório apresentado ainda
 


 

- Marco das ferrovias: O Senado aprovou o projeto que permite que a iniciativa privada explore e construa ferrovias por meio de outorga de autorização, priorizando texto próprio e ignorando MP editada pelo governo em agosto
 


 

- CPI da Covid: Já em funcionamento antes da posse de Ciro Nogueira, que era titular da comissão, colegiado produziu relatório propondo indiciamento de Bolsonaro por 9 tipificações de crimes
 


 

- Meio ambiente: Câmara aprovou em maio projeto que flexibiliza licenciamento ambiental e, em agosto, o que facilita regularização de terras ocupadas. Os dois projetos ainda estão na fase de tramitação em comissões, no Senado

PRF recupera veículo e prende suspeitos de assalto em Feira de Santana
Foto: Divulgação / PRF

Dois homens foram presos pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) neste sábado (23), na BR-116, em Feira de Santana. Suspeitos de roubarem um carro, que foi recuperado durante a ação, eles portavam dois revólveres, munições, dinheiro e celulares.

 

Agentes da PRF deram ordem de prisão aos acusados após perceberem que ambos estavam nervosos. Os policiais revistaram os homens e o veículo que estavam, um Volkswagen Gol e constataram a suspeita.

 

Foram encontrados duas armas de fogo, dez munições calibre .38, dois celulares e mais R$ 176,00 em cédulas. Em consulta ao sistema de dados da polícia, os PRFs descobriram um mandado de prisão em aberto em desfavor do motorista.

 

Aos policiais, motorista e passageiro confirmaram que utilizaram as armas de fogo para roubar o carro. Disseram também que o Gol seria entregue em Feira de Santana.

 

Diante dos fatos, as armas de fogo, o veículo roubado, demais objetos e os presos, com 22 e 18 anos de idade, foram apresentados a autoridade policial de plantão da Delegacia de Polícia local, para formalização do auto de prisão em flagrante e demais procedimentos cabíveis.

João Dourado: Di Cardoso lidera em todos os cenários da pesquisa BN/Dataqualy
Foto: Reprodução

O candidato a prefeito de João Dourado pelo PL, Di Cardoso, lidera em todos os cenários da pesquisa de intenção de voto realizada pelo insituto Dataqualy entre 16 e 19 de outubro.

 

Na espontânea, o Di Cardoso aparece com 65,6 %, contra 23,8% de Juninho (PSD). Neste aspecto, 9,9% dos entrevistados disseram não saber em quem vão votar na eleição suplementar do dia 7 de novembro e 0,5 pretendem votar em branco ou nulo. Outros somam 0,2 %.

 


Foto: Dataqualy / Bahia Notícias

 

Já na estimulada, 66,8% afirmaram que vão votar no candidato do PL, enquanto 25,2% disseram que vão depositar seu voto no nome do PSD. Os indecisos são 6,4% do eleitorado e 1,5% devem anular seu voto ou registrar em branco.

 


Foto: Dataqualy / Bahia Notícias

 

Di Cardoso também é o mais conhecido entre os eleitores do município. Quando questionados pelo Dataqualy acerca de quais eram os candidatos que concorrem ao cargo de prefeito, um universo de 96,% votantes responderam o nome do político. Juninho, por sua vez, foi lembrado por 89,4% do eleitorado. Um quantitativo considerável, de 2,0%, disse não saber quem são os que pleiteiam a eleição. Outros contabilizam 6,2%.

 


Foto: Dataqualy / Bahia Notícias

 

O levantamento foi contratado com exclusividade pelo Bahia Notícias. No total, 404 eleitores do município responderam ao questionário. A pesquisa eleitoral foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BA-04219/2020. A margem de erro do estudo é de 5% para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%.


A eleição suplementar de João Dourado vai acontecer onze meses após o pleito de 2020, vencido por Di Cardoso, ser anulado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) (veja aqui). A decisão aconteceu devido ao indeferimento da candidatura da vice-prefeita eleita, Rita de Dr. Celso (PT). 

 

A medida atendeu a um recurso apresentado pela coligação do candidato Juninho, que teve 47,65% dos votos na última eleição. O argumento foi o de que a companheira de chapa do candidato Di Cardoso não poderia concorrer ao cargo, considerando que assumiu a prefeitura municipal a apenas dois meses das eleições. 

Após Wuhan registra 26 novos casos de Covid-19, governo chinês adia evento esportivo
Divulgação / PD China Sports

A maratona de Wuhan, que aconteceria neste  domingo (24), foi adiada parcialmente pelo governo chinês após os órgãos de saúde locais identificaram 26 novos casos da Covid-19. O evento foi adiado porque o país adotou o modelo de 'tolerância zero', em relação aos novos casos da infecção. A previsão do governo chinês era que 26 mil pessoas fossem à cidade para participar do evento. 

 

De acordo com o Portal G1, as autoridades  locais tentam conter o contágio do vírus com testes em larga escala e confinamentos direcionados. No entanto, com as confirmações do novo surto, os organizadores da maratona afirmaram através de um comunicado o adiamento da prova na cidade "para evitar o risco de uma propagação pandêmica".

 

O comitê organizador disse que irá devolver os valores do ingresso. O país conseguiu conseguiu reduzir drasticamente os contágios de Covid-19 com uma campanha agressiva de testes e um rígido controle das fronteiras.

Histórico de Conteúdo